FMO janeiro 2020

28/04


2013

Dirceu na piscina

 

Nem aí

Condenado a dez anos de cadeia por ser o chefe da quadrilha do mensalão, José Dirceu parece não estar preocupado com sua iminente ida para a prisão.

Quem acessa o Facebook de sua namorada, Evanise Santos, vê uma foto do casal, recentemente postada, abraçado e tomando um belo banho de piscina.

 Não curtiu

PS - CONSTRANGIMENTO DELETADO

Sem conseguir realizar o desejo de regular a mídia, pelo menos o Facebook da namorada Evanise Santos, José Dirceu conseguiu controlar.

Após a divulgação da foto do casal 436 imagens foram retiradas da página do Facebook de Evanise. (Lauro Jardim - Veja)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Egnaldo Pereira

Nem direito de tomar banho de piscina Zé Dirceu tem?Que eu saiba por enquanto o direito que lhe foi cassado foi o de ser votado.A veja tem um ódio incomensurável desse homem.

José Carlos Siqueira Diniz

Oxeee. E queriam que ele ficasse se lamentando pelos cantos???? Tem dinheiro e poder, tem é que aproveitar mesmo. Ao menos por enquanto.

Josadaque Vieira

Niguem que controlar a midia ,e sim tornar ela prof. regulamentando,querer manter ela como 4º poder e sem controle julgando antes da justiça é maus prof.


Detra maio 2020 CNH

28/04


2013

O telhado de vidro dos principais pré-candidatos

LEANDRO MAZZINI - COLUNA ESPLANADA 

 Inevitavelmente os três principais pré-candidatos ou suas gestões têm telhados de vidros: O PSDB vai cobrar de Dilma Rousseff e do PT a misteriosa compra da refinaria falida de Pasadena (EUA) por US$ 1,2 bilhão, enquanto era avaliada em 10% disso.

Os petistas cercarão Aécio Neves (PSDB) pela investigação do MP em Minas do destino de R$ 4 bilhões do orçamento da Copasa.

E Eduardo Campos (PSB) será questionado por ceder à Odebrecht, grande doadora de campanha, o saneamento do Grande Recife. A Odebrecht, através da Foz do Brasil, prevê faturar R$ 18 bilhões por 35 anos, tratando de água e esgoto, um setor superavitário para o governo.

A um ano do início das campanhas, os partidários dos presidenciáveis já apostam no que pode ser uma ‘guerra de dossiês’ para a eleição presidencial de 2014.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima - Maio

28/04


2013

Coelho já admite trocar o PSB pelo PT, diz colunista

 O ministro Fernando Bezerra Coelho(Integração), ''que caiu nas graças da presidente Dilma'', já teria admitido sair do PSB em conversa com a ministra Ideli Salvatti. A informação é de Ilimar Franco, na sua coluna do GLOBO deste domingo.

O colunista confirma ainda que, convencidos de que Eduardo Campos será candidato a presidente, dirigentes do PT querem precipitar a saída do PSB do governo. Diz que esse desejo já teria sido informado à presidente Dilma pelos ministros Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e Aloizio Mercadante (Educação).

''''Os petistas também estão inconformados com a ação dos líderes socialistas, o deputado Beto Albuquerque (RS) e o senador Rodrigo Rollemberg (DF), contra a MP dos Portos e ao projeto que dificulta a criação de novos partidos. Avaliam que foi “deslealdade” o tom do programa de TV do PSB na quinta-feira.''''


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose gilvan macedo filho

Vai ser sem duvidas o melhor governador q Pernambuco ja teve

Jalmirez Arruda

Partido politico no Brasil e quase simbologia. PE precisa de FBC como Governador. Por onde passou mostrou competencia e desenvoltura, qualidades de toda sua familia, os quais mudaram a historia de Petrolina e fizeram de PE um celeiro exportador de frutas para o mundo.

PAULO ROBERTO C. MORAIS

Não é novidade, o pedigree dele não mente...

BARTOLOMEU BUENO JOSE DE ALBUQUERQUE LINS

Essa foto está muito sugestiva. Ele está anunciando a mudança de lado, mas demonstrando uma expressão de fragilidade emocional, tentando convencer a todos da sua intensão, porém, não consegue disfaçar o gesto vil, estampado de pessoa rasteira.

Josadaque Vieira

Não da pra entender um dia post contra a PEC dos partidos,no outro dia é contra a negociata.


Prefeitura do Ipojuca

28/04


2013

Eduardianas

 Espaço diário permanente do governador Eduardo Campos nas colunas políticas de jornais de todo o País como candidato -- ou não candidato -- a presidente da República.

Neste domingo:

ILIMAR FRANCO – O GLOBO

Candidato ao governo da Bahia, o deputado Geddel Vieira Lima (PMDB), está disposto a abrir seu palanque para o candidato do PSB, Eduardo Campos. Explica: “Tô sempre pronto a cometer erros novos. Palanque duplo nunca mais”.

PAULO MOREIRA LEITE - ISTOÉ

 Há uma pergunta que não quer calar entre os petistas. Se Eduardo Campos está apenas testando suas chances presidenciais, como garante, a questão é saber se, caso mude de ideia, poderá encontrar um caminho de volta.

“Ele bate e depois se faz de vítima. O Eduardo Campos está maltratando a presidente Dilma”. José Guimarães - Líder do PT na Câmara dos Deputados (CE)

VERA MAGALHÃES – FOLHA DE S.PAULO

 Se antes a ordem no PSB era evitar responder às estocadas dos irmãos Cid e Ciro Gomes, agora se consolida a impressão de que eles estão dispostos a deixar a sigla.

Cláudio Humberto

Eduardo Campos pediu a aliados quem não declarem apoio público a sua candidatura até ser confirmada. Não quer causar-lhes problemas.

Em busca de palanques para 2014, o presidenciável Eduardo Campos articula para lançar ex-governadora Wilma de Faria (PSB) candidata ao governo potiguar. Já o PT cogita lançar a deputada Fátima Bezerra.

Luiz Cláudio Azedo – Correio Braziliense:

 A segunda frente da presidente Dilma Rousseff para viabilizar a reeleição já no primeiro turno é o Nordeste, onde executa uma operação pesada para inviabilizar ou enfraquecer a candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Fomenta um “racha” no PSB, liderado pelo governador do Ceará, Cid Gomes e pelo irmão dele, o ex-ministro Ciro Gomes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose gilvan macedo filho

ser gov. como por merito proprio ou foim porque Lula o fez governador, queirao ou nao hj na politica Brasileira quem manda e Lula os numeros estao ai pra isto

jose gilvan macedo filho

Se esse grande administrador chamado Fernando Bezerra Nao conseguir se eleger tem nada nao Dilma o colocará num surper ministerio com muito recurso pra trabalhar ele como sempre competente q é vai ser um super ministro ai meu irmao nao tem pra ninguem ou vcs pensam q DUDU malvadeza consegui ser gov.

macarrao

KKKKKKKKKKKKK é traidor traindo traidor.

BARTOLOMEU BUENO JOSE DE ALBUQUERQUE LINS

Fernando Bezerra Coelho só tem prestígio no PSB. No PT ele é uma figura estranha e chega numa condição de desconfiança para os eleitores. Vai ser um fiasco. Estará sepultando sua carreira política. A eleição para prefeito do filho dele já deu um indicativo. Vai Fernando! Entra nessa caverma!

BARTOLOMEU BUENO JOSE DE ALBUQUERQUE LINS

Concretizando-se a saida de Fernando para o PT, Eduardo deve seguir em frente, porque isso é um processo de depuração do partido. Ele foi seduzido pela oportunidade de praticar o que sempre fez: mudar de lado oportunisticamente, abandonando os compromissos assumidos. O PT não tem força para elegé-lo



28/04


2013

Armando: “Temos que mudar o mapa do emprego”

Caetés (PE) – Em dois dias de viagens para reuniões de trabalho em dez municípios do Agreste de Pernambuco, sexta-feira (26) e sábado (27), o senador Armando Monteiro foi enfático na defesa da interiorização do desenvolvimento, na desconcentração da economia do Estado. Para ele, é preciso promover uma nova configuração do emprego entre as regiões pernambucanas.

“Temos que mudar o mapa do emprego, interiorizar o desenvolvimento, temos que levar a infraestrutura a todas as regiões, qualificar, capacitar as pessoas, os jovens, porque a cidadania nasce no emprego, nasce na ocupação produtiva”, argumentou o senador, durante encontro com lideranças de Caetés e municípios vizinhos, na residência do prefeito Armando Duarte.

Neste giro pelo Agreste, Armando Monteiro reuniu-se com 21 prefeitos e dez ex-prefeitos, além de representantes da região, que se deslocaram para as cidades por onde o senador passou para discutir os problemas de seus municípios. Apenas na sexta-feira à noite, Armando jantou com 14 prefeitos de diversos partidos, associados à Codeam, a comissão de desenvolvimento do Agreste Meridional, em Garanhuns. O senador esteve ainda em Caruaru, Agrestina, Altinho, Brejão, Bom Conselho, Iati, Venturosa e Alagoinha.

Em cada cidade, Armando discutiu problemas de abastecimento de água, de reforma das unidades de saúde, de atendimento às comunidades atingidas pela seca e de endividamento dos agricultores. Discutiu ainda as maneiras de apoiar as prefeituras na oferta de cursos de qualificação profissional e na implantação de distritos industriais que possam atrair investimentos privados e gerar emprego e renda para suas populações.

Desde o início do mandato de senador, há dois anos, Armando Monteiro já esteve em 112 municípios de Pernambuco. Decidido a não se distanciar das comunidades do Estado, tem viajado para discutir com prefeitos e lideranças locais maneiras de ajudá-los no Congresso Nacional e nos diversos órgãos públicos do governo federal, em Brasília.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

28/04


2013

Minha Casa, Meu Negócio: pernambucanos na jogada

JOSIE JERONIMO - ISTOÉ

 

 

 

 

 

 

 

 

De vitrine do governo Dilma Rousseff à vidraça para os órgãos de controle, o programa Minha Casa, Minha Vida se tornou uma fonte de problemas e fraudes. Nas últimas semanas, o jornal ''O Globo'' denunciou que ex-servidores do Ministério das Cidades integrariam um esquema para ganhar contratos de habitação destinados às faixas mais pobres da população. Os antigos funcionários das Cidades não são, porém, os únicos que lucram com um dos principais programas sociais do governo.

Levantamento feito por ISTOÉ indica que a política habitacional criada para ajudar os mais pobres enriquece também deputados e senadores. Os parlamentares se aproveitam de um filão imobiliário que já movimentou R$ 36 bilhões em recursos públicos para a construção de 1,05 milhão de casas e apartamentos para famílias de baixa renda.

Os dados do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) – reserva financeira composta por recursos do FGTS e gerenciada pela Caixa Econômica Federal – mostram que parlamentares de diferentes partidos têm obtido vantagens financeiras com o programa de duas maneiras: na venda de terrenos para o assentamento das unidades habitacionais e na obtenção de contratos milionários para obras que são realizadas por suas próprias empreiteiras.

Entre eles, os senadores Wilder Morais (DEM-GO) e Edison Lobão Filho (PMDB-MA), filho do ministro de Minas e Energia e presidente da Comissão de Orçamento do Senado, e os deputados Inocêncio Oliveira (PR-PE), Augusto Coutinho (DEM-PE) e Edmar Arruda (PR-PR). Leia mais no link abaixo:

Leia aqui


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

maria tereza

A fama de Inocêncio (que de inocente não tem nada), já é minha velha conhecida. Dizem que os poços artesianos feitos da sua fazenda, foram todos com verba pública, nossa. Lá, o gado não morre de fome nem de sede. E o pobre do sertanejo é quem padece, sofre, perde seu gado e sua esperança.

Mario Sergio Seabra

Este é o Brasil,onde boa parte dos investimentos públicos são desviados,na saúde,educação,moradia.Os niveis de corrupção estão em todas as esferas e no caso do minha casa minha vida não é diferente,por mais burocracia que o governo federal criou para barrar os desvios,eles continuam a existir.

milton tenorio

Até Augusto Coutinho nessa...O Deputado deve explicações...

milton tenorio

COMPANHEIRO Inocêncio....COMPANHEIRO são tantos dos petistas..

milton tenorio

COMPANHEIRO Inocêncio....COMPANHEIRO são tantos dos petistas..


Prefeitura de Serra Talhada

28/04


2013

PT pressiona Dilma a romper com Eduardo Campos

Natuza Nery - Folha de S.Paulo

 Integrantes da cúpula do PT estão pressionando Dilma Rousseff a declarar seu divórcio do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que ameaça romper com o governo para desafiá-la nas eleições de 2014.

O objetivo é afastar o que os petistas veem como um aliado ambíguo, que critica o governo publicamente sem abrir mão dos cargos na administração federal.

No PT, os que defendem o expurgo de Campos e seus aliados argumentam que assim teriam maior liberdade para tratá-lo como adversário e revidar seus ataques.

ENTREGUE OS CARGOS 

Além disso, os petistas querem os cargos que ele controla na máquina para contemplar outros partidos comprometidos com o apoio à reeleição de Dilma.

O PSB controla o Ministério da Integração Nacional, a Secretaria de Portos e a Chesf, uma das maiores estatais do setor elétrico.

O PP, que apoia Dilma e tem o Ministério das Cidades, já deixou claro que gostaria de assumir também a Integração Nacional, hoje nas mãos de Fernando Bezerra, indicado por Campos.

Bezerra defende a reeleição de Dilma. Políticos de Pernambuco apostam que ele trocará o PSB pelo PT para disputar o governo do Estado com o apoio da presidente. Ele nega que esteja de mudança de partido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

28/04


2013

Lula e Dilma não querem transformar Eduardo em vítima

A presidente Dilma não respondeu a nenhuma das críticas que o governador  Eduardo Campos fez contra sua gestão, embora as tenha considerado acima do tom. A presidente hesita em ceder às pressões do PT porque teme transformar Campos em vítima. O ex-presidente Lula concorda. No início de abril, num encontro reservado com Dilma, Lula disse que Eduardo ainda pode desistir de concorrer à Presidência. Exatamente por isso, Lula tem adiado um encontro com o governador. Quer lhe dar tempo para rever seu projeto.

Enquanto isso, o governador pernambucano continua mandando suas indiretas contra o governo de Dilma. Na semana passada, ele usou o programa de TV do PSB para dizer que o partido pode fazer o Brasil avançar mais. (Com informações da Folha de S.Paulo - Natuza Nery)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

LUCIO ANDRE WANDERLEY CORREIA DE MELLO

PE não pode ficar preso a uma "gratidão" pelo passado. Sob Dilma, PE só perdeu repasses. A seca que atinge o NE mostra bem o interesse da União. Não podemos parar! Além disso, chega de polarização entre PT e PSDB! EDUARDO 2014! Mesmo contra a máquina pública e os traidores interesseiros do CE!

Jalmirez Arruda

O sentimento da gratidao cabe em todo gesto, nao importando de onde venha, de quem tenha partido ou a sua dimensao. Pernambuco deve muito ao Presidente LULA. Se queremos que PE cresça mais vamos ratificar o nome indicado por ele. Nao nos iludamos como o "Pais das Maravilhas" oferecido por Eduardo.

josival Coelho de Amorim

Os dois lados estão usando a mesma estratégia. Os dois, ou apenas um está sendo sábio no significado mais nobre, ou esperto no significado menos honroso da palavra? Seria muito bom que o povão soubesse e valorizasse a resposta certa!


Shopping Aragão

28/04


2013

Na TV, Dilma copia Eduardo: ''''É possível fazer mais''''

Comerciais produzidos pelo marqueteiro João Santana foram ao ar pela 1ª vez ontem e também têm participação de Lula

FERNANDO RODRIGUES *

 Com o objetivo de neutralizar o discurso do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), a presidente Dilma Rousseff decidiu adotar na TV o slogan ''é possível fazer mais''.

A frase pronunciada por Dilma é praticamente a mesma repetida nos últimos meses por Campos, possível adversário da petista na corrida ao Palácio do Planalto em 2014.

Desde ontem, o PT começou a veicular quatro propagandas de 30 segundos nos intervalos comerciais das TVs

Os filmes serão transmitidos ainda no dia 30 deste mês e nos dias 2 e 4 de maio. Ao todo, serão 40 inserções na programação nacional de todas as emissoras.

O ''é possível fazer mais'' foi repetido por Eduardo Campos -- pelo menos oficialmente ainda é aliado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma -- no programa de TV nacional do PSB veiculado na quinta-feira. O slogan tenta transmitir a ideia de que o Brasil está indo bem, mas há como melhorar.

No caso de Dilma, ela aparece interagindo com Lula em um dos comerciais petistas. ''Os brasileiros já aprenderam'', diz o ex-presidente, ''que é possível ter sempre mais'', completa ela.

Mais adiante, após o comercial mencionar que os brasileiros já têm ''geladeira, a casinha, o carro'' e ''o curso médio, a universidade, depois, o doutorado no exterior'', Dilma diz na tela: ''É possível fazer cada vez mais''.

A única nuança entre o slogan de Campos e o de Dilma é que ela inclui um ''cada vez'' na sua frase. É uma estratégia do marqueteiro João Santana, contratado pelo PT para fazer o lote de comerciais.

A lógica de Santana é que o discurso de Campos tem alguma eficácia, ao se mostrar como algo novo e que pode avançar sobre conquistas do país. Era assim que o PT se apresentava no passado.

A tática do marqueteiro indica que o PT, para continuar no poder, terá de penetrar no imaginário do eleitor como o partido mais habilitado a fazer ''cada vez mais''.

Há também a presença marcante de Lula nos quatro comerciais, até porque os filmes são para celebrar os dez anos do PT no comando do governo federal, completados em janeiro.

Nota-se a tentativa do marqueteiro de buscar alguma linguagem diferente da tradicional. Evita usar só as caras de políticos na tela da TV.

Em um filme, imagens de Lula e de Dilma se projetam sobre corpos despidos. Os dois dizem: ''Nosso Brasil vai ser cada vez mais o Brasil de todos os brasileiros''.

Num outro comercial é usada uma técnica de computação gráfica conhecida como ''morphing''. O recurso permite sobrepor imagens de várias pessoas enquanto suas faces vão se fundindo na tela, com naturalidade.

O comercial com pegada mais eleitoral mostra pessoas correndo e saltando ''obstáculos'' cenográficos: palavras como ''atraso'', ''miséria'' e ''discriminação''. Dilma Rousseff é apresentada como a presidente que ''ampliou o Bolsa Família'' e está ''moralizando o setor público''.

Ao final, aparecem pessoas com bandeiras do Brasil e do PT enquanto o locutor diz: ''O governo Dilma prepara o segundo grande salto brasileiro. O salto mais definitivo da nossa história''. Fica subentendido que a referência é à possível campanha de reeleição de Dilma, em 2014. (* Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

maria tereza

O País não vai entrar em crise por conta de Eduardo. Ele já está em crise. É só ir ao supermercado e ver os preços das coisas; saber de escândalos de toda ordem, todos os dias. Ampliar bolsa família não é solução. Seria sim,cuidar da educação, saúde, segurança que já foram pro beleleu há muito tempo

LUIZ MAIA

Falta de ética, estelionato eleitoral, malversação do dinheiro público, corrupção, improbidade administrativa são alguns dos ingredientes que deveriam ser lembrados pelas lideranças do PT ao comemorar dos dez anos de governo.

o povo da de olho

TEM GENTE QUE NÃO GOSTA DE APOSENTADO,MILITAR, PROFESSOR E POLICIAL.

mauro silva

Dilma é Demais e vai fazer muito mais !.Eduardo precisa parar de algorar o Brasil,de ficar torcendo pra o País entrar em crise,pra ele ter uma oportunidade de poder.



28/04


2013

No picadeiro

''Com o Congresso e o STF, a Constituição está na lona.''

O ato cogerador da ''crise'' é de Gilmar Mendes, a pedido de um partido do próprio Congresso, o PSB

JÂNIO DE FREITAS *

 A ''crise'' entre o Supremo Tribunal Federal e o Congresso não está longe de um espetáculo de circo, daqueles movidos pelos tombos patéticos e tapas barulhentos encenados por Piolim e Carequinha. É nesse reino que está a ''crise'', na qual quase nada é verdadeiro, embora tudo produza um efeito enorme na grande arquibancada chamada país.

Não é verdade, como está propalado, que o Congresso, e nem mesmo uma qualquer de suas comissões, haja aprovado projeto que submete decisões do Supremo ao Legislativo. A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara nem sequer discutiu o teor do projeto que propõe a apreciação de determinadas decisões do STF pelo Congresso. A CCJ apenas examinou, como é de sua função, a chamada admissibilidade do projeto, ou seja, se é admissível que seja discutido em comissões e eventualmente levado a plenário. A CCJ considerou que sim. E nenhum outro passo o projeto deu.

Daí a dizer dos parlamentares que ''eles rasgaram a Constituição'', como fez o ministro do STF Gilmar Mendes, vai uma distância só equiparável à sua afirmação de que o Brasil estava sob ''estado policial'', quando, no governo Lula, o mesmo ministro denunciou a existência de gravação do seu telefone, jamais exibida ou comprovada pelo próprio ou pela investigação policial.

De autoria do deputado do PT piauiense Nazareno Fonteles, o projeto, de fato polêmico, não propõe que as decisões do STF sejam submetidas ao Congresso, como está propalado. Isso só aconteceria, é o que propõe, se uma emenda constitucional aprovada no Congresso fosse declarada inconstitucional no STF. Se ao menos 60% dos parlamentares rejeitassem a opinião do STF, a discordância seria submetida à consulta popular. A deliberação do STF prevaleceria, mesmo sem consulta, caso o Congresso não a apreciasse em 90 dias.

Um complemento do projeto propõe que as ''súmulas vinculantes'' -decisões a serem repetidas por todos os juízes, sejam quais forem os fundamentos que tenham ocasionalmente para sentenciar de outro modo- só poderiam ser impostas com votos de nove dos onze ministros do STF (hoje basta a maioria simples). Em seguida a súmula, que equivale a lei embora não o seja, iria à apreciação do Congresso, para ajustar, ou não, sua natureza.

O projeto propalado como obstáculo à criação de novos partidos, aprovado na Câmara, não é obstáculo. Não impede a criação de partido algum. Propõe, isso sim, que a divisão do dinheiro do Fundo Partidário siga a proporção das bancadas constituídas pela vontade do eleitorado, e não pelas mudanças posteriores de parlamentares, dos partidos que os elegeram para os de novas e raramente legítimas conveniências. Assim também para a divisão do horário eleitoral pago com dinheiro público.

A pedido do PSB presidido pelo pré-candidato Eduardo Campos, Gilmar Mendes concedeu medida limitar que sustou a tramitação do projeto no Congresso, até que o plenário do STF dê a sua decisão a respeito. Se as Casas do Congresso votassem, em urgência urgentíssima, medida interrompendo o andamento de um processo no Supremo Tribunal federal, não seria interferência indevida? Violação do preceito constitucional de independência dos Poderes entre si? Transgressão ao Estado de Direito, ao regime democrático? E quando o Supremo faz a interferência, o que é?

Ao STF compete reconhecer ou negar, se solicitado, a adequação de aprovações do Congresso e de sanções da Presidência da República à Constituição. Outra coisa, seu oposto mesmo, é impedir a tramitação regimental e legal de um projeto no Legislativo, tal como seria fazê-lo na tramitação de um projeto entre partes do Executivo.

O ato intervencionista e cogerador da ''crise'', atribuído ao STF, é de Gilmar Mendes -e este é o lado lógico e nada surpreendente do ato. Mas o pedido, para intervenção contra competência legítima do Congresso, foi de um partido do próprio Congresso, o PSB, com a aliança do PSDB do pré-candidato Aécio Neves e, ainda, dos recém-amaziados PPS-PMN.

Com o Congresso e o STF, a Constituição está na lona. (* Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

maria tereza

Na atual conjuntura que vivemos, inclusive sem educação doméstica, é verdade, meu descrédito no 3 Poderes é tamanho que não boto minha mão no fogo por nenhum. Está "fartando" tudo: vergonha, imparcialidade, justiça séria, ética, cumprimento do dever e sobrando tudo que não presta. Nos 3 Poderes, sim

josival Coelho de Amorim

A lisura de comportamento não dependa do nível intelectual, mas de uma educação doméstica calcada nos bons costumes. Quantos analfabetos são corretíssimos no proceder? Eu conheço muitos assim. Por que não se investir também na melhoria da educação domésticas no Brasil? É possível, sim!

mauro silva

Gilmar Mendes age como um jagunço da lei,se vale da sua condição de ministro,indicado por FHC,para ameaçar os opositores ao seu partido.Uma vergonha dizer que nossa justiça é imparcial,outro ministro do supremo teve sua festa de aniversário bancada por Advogados com ações julgadas pelo mesmo.