Versão Sertão do Pajeú

12/10


2006

Delfim é estrela da campanha de Lula

Por onde tem passado, em especial em ambientes frequentados pela tal Dona Zelite, Lula tem manifestado sua simpatia pelo ex-ministro Delfim Netto. Inclusive não esconde esse sentimento nos contatos com o chamado ''povão''.

Lula tem transformado Delfim em estrela auxiliar da sua campanha, como mostrou a foto de ontem da Folha, onde o candidato dá um tapinha carinhoso ao cumprimentar o ex-ministro. Foto que o editor da Folha, mostrando sua sensibilidade política, fez questão de abrir em tamanho grande.

Inclusive Lula tem reconhecido os avanços econômicos do período da ditadura militar, quando Delfim foi ministro da Fazenda (de 1967 a 1974).

Responsabiliza inclusive ''um conjunto de elitistas'' pelo fato de Delfim desta vez não ter conseguido se reeleger.

''É porque ele defendia a nossa política'',tem dito Lula.

Segundo Lula, Delfim foi a ''''única voz'' defendendo sua política econômica.
Disse isso no Clube Tietê, presentes 2 mil pessoas e sentado ao lado de Aloisio Mercadante e Marta Suplicy:

''Quero dizer da minha alegria de estar aqui com Delfim, uma das figuras de quem a gente mais divergia na década de 70. Eu, como dirigente sindical, fazia todas as críticas numa época em que a gente tinha contradição no Brasil muito forte. Ao mesmo tempo tinha o auge do autoritarismo militar, tinha o auge do crescimento econômico''.

Delfim também discursou e disse apoiar Lula para resistir ''à volta da política econômica que destruiu esse país, a política que impediu que esse país se desenvolvesse.''

Enfim, os sinais foram todos dados, para o ''povão'' e para o chamado público interno do partido.

Quem pode não ter gostado foi Mercadante. (Do blog de Tão Gomes Pinto).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jussara Regina

Quem diria não? Lula e Delfim neto. Vale a pena relembrar o passado..... Por aqui e Dudu e Severino cavalcanti......


Versão Sertão do Araripe

12/10


2006

FHC diz que Lula merece perder eleição

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que Luiz Inácio Lula da Silva merece perder o segundo turno das eleições presidenciais, em entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal português Diário de Notícias.

- Do meu ponto de vista, sim. Não tanto por sua política econômica ou social, já que se limitou a continuar ou ampliar as nossas, mas por sua liderança política - opinou o ex-presidente.

Para ele, com a política de Lula "as esferas pública e privada se confundiram", tendo como conseqüência os escândalos surgidos durante o seu mandato. Fernando Henrique ressaltou também que Lula deveria ser cobrado por não agir nos casos de corrupção. Ele disse que a principal diferença nos resultados do primeiro turno não foi a diferença entre os votos de ricos e pobres, e sim o fato de que Lula recebeu o apoio dos estados mais dependentes do governo federal.

Fernando Henrique definiu Lula como "mais um símbolo do que um líder", que se transformou aos poucos num político comum, que "usa técnicas comuns para se defender das acusações".

- Lula passou a usar técnicas banais e isso me dá pena. Tinha uma trajetória notável, que está arruinando - avaliou.

O líder tucano acusou Lula de não ter estratégia nem objetivos definidos, mas reconheceu que ele "é capaz de se adaptar às situações mais diversas". O ex-presidente acrescentou na sua entrevista que hoje no Brasil cerca de 40 mil cargos são nomeados pelo presidente, contra 20 mil na sua época. O crescimento, acusou, foi favorecido pela inundação do Estado promovida pelo PT.

Para ele, o PT é um dos poucos partidos de massas que ainda conservam uma visão leninista, e tenta ocupar o lugar do Estado. FH afirmou que Alckmin merece ganhar as eleições, por ser "um homem de cara limpa, sem rasgos populistas, direto e que não perde tempo com a retórica". Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Ana Holanda,a ficha ainda não caiu? Mendonça já perdeu,já era,acabou!Foram 8 anos sem investir em Saúde,Educação e Segurança.Você ainda achou pouco?

roberto lima

O que faria o sr fhc num governo de alckmim? iria sem dúvida para a embaixada na italia (um palacio que o governo italiano vive doido pra comprar) , usufruir da "dolce vitta"

Ana B. Holanda

Acabei de entrar no Site www.eduardoesconde.cjb.net. Uma coisa. Cheio de novidades. Acessem.........

Ana B. Holanda

Acabei de entrar no Site www.eduardo esconde.cjb.net. Uma coisa. Cheio de novidades. Acessem.....

Ana B. Holanda

É isso ai FHC. Dudu também merece perder!!!!! E agora tá posando de bom menino. Humilde.... Imagina. Conheço o cara lá da Secretaria da Fazenda.......


Versão Agreste Central

12/10


2006

Lula e Alckmin usam trechos do debate no guia da tevê

 O primeiro programa do horário eleitoral gratuito na TV serviu para que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) usassem trechos do debate ocorrido domingo na Band e comparassem suas performances.

Primeiro foi o petista, que apostou na estratégia de mostrar "um Alckmin sem propostas", enquanto o tucano, logo depois, revidou afirmando ter sido "o grande vencedor" do debate, a despeito da opinião de eleitores e cientistas políticos que apontaram um empate entre ambos.

Lula voltou à estratégia do "Lulinha paz e amor" e disse que esta campanha "não é contra ninguém, mas a favor do Brasil". Alckmin, por sua vez, avaliou que foi o "voto por um Brasil decente" que o levou a segundo turno e destacou que, durante o debate "falou duro com Lula" quando foi preciso.

O tucano exibiu imagens dele perguntando ao candidato do PT sobre o dinheiro do dossiê, sobre a afirmação do presidente sobre a "saúde pública quase perfeita" e repetiu sua proposta de venda do avião presidencial para construir cinco hospitais. Também falou de estar no segundo turno com fé e esperança redobrados.

O programa de Lula, por sua vez, apostou na repetição das falas de seu candidato no debate falando sobre ética, dossiê, estabilidade econômica, privatizações e política externa.

Outro destaque foram os jingles. O PT foi de forró, que dizia, entre outras coisas, "não troque o certo pelo duvidoso", "deixa o homem trabalhar" e "a gente não tem porque mudar". O PSDB, em ritmo popular, espalhava a idéia de que quem votou em Alckmin no primeiro turno foi porque viu que ele "é gente boa" e "sabe cuidar de gente".

Alckmin, mais uma vez, afirmou que irá "continuar o Bolsa Família, ampliar o Bolsa Família, melhorar o Bolsa Família". Além disso, o tucano afirmou ser "inimigo dos impostos altos" e que "o Brasil dos escândalos, do imposto alto e do governo de um partido só é coisa do passado". As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ana B. Holanda

Acho que sou contra Dudu. Vcs não acham?

Ana B. Holanda

Hoje o dia tá uma coisa para falar mal de Dudu. Minha gente, cuidado. O Voto é uma arma forte. Melhor votar em Nilton Carneiro que neste menino.....

Ana B. Holanda

To cansada de tanto tentar mostrar os desmandos. Mas os duduzetes vão ter que me aguentar......

Ana B. Holanda

E outra magno. Dudu ganhou apoios e pensa que tem votos em carrada. Sem Lula ele não teria nem desbancado Humberto que foi sacrificado pelos Vampiros.....

Ana B. Holanda

Magno, Vc já viu que Dudu não responde a ? do programa de Mendonça. E manda Lyra falar. E não deixa Severino cavalcante dizer no vídeo que o apoia.Se eu fosse Severino não votava mais nele......


Versão Agreste Central

12/10


2006

Maluf condenado por improbidade e direitos suspensos

O ex-prefeito Paulo Maluf (PP), eleito deputado federal por SP com o maior número de votos, foi condenado ontem por improbidade administrativa (má gestão pública) e teve seus direitos políticos suspensos por dez anos.

A condenação é de primeira instância e, portanto, não tem aplicação imediata. A pena pode ser aplicada somente após o processo ser concluído em todas as instâncias.

O processo começou há dez anos. Maluf foi acusado de usar na gestão dele como prefeito de SP (93-96) um símbolo utilizado na campanha eleitoral, um trevo vermelho. Os advogados de Maluf irão recorrer da decisão. Informações da Folhaonline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

Com as leis que temos e com a leniência dos seus aplicadores, duvido muito que Maluf não faça um calo de sangue. O Congresso Nacional é o fim da picada. O Brasil precisa não de um "Choque de Gestão", coisa da moda, mas de uma cruzada de educação ,moral e civismo. Para começar, plante vc uma árvore.


Prefeitura do Ipojuca

12/10


2006

A onda Lula arrastou Eduardo

 Se já havia um clima otimista na campanha do candidato do PSB a governador de Pernambuco, Eduardo Campos, com a pesquisa do Ibope/Rede Globo, divulgada ontem, em que ele coloca uma frente de 20 pontos sobre o governador e candidato à reeleição, Mendonça Filho (PFL), tem muita gente achando que o socialista já pode encomendar a beca da posse.

Mas, eleição não se ganha de véspera e Eduardo sabe muito bem disso. A grande pergunta que se ouve nos meios políticos é a seguinte: por que tamanha vantagem do candidato oposicionista quando as pesquisas no primeiro turno mostravam que Mendonça tanto batia Eduardo quanto Humberto?

Há muitas explicações, mas talvez o que tenha mais pesado seja o fator Lula. Isso, vale ressaltar, não tira os méritos de Eduardo, que até o momento não errou e vem fazendo uma campanha com uma estratégia que parece infalível. Mas, a influência do presidente da República em Pernambuco é muito grande.

Um exemplo? Os dois candidatos ao Senado pela oposição - Luciano Siqueira, da coligação de Humberto e Jorge Gomes, da de Eduardo - tiveram nada menos que 1,5 milhão de votos, juntos. Quem imaginava que Luciano tivesse 800 mil votos? Não foram votos dele, claro. Foram os votos da onda Lula.

E a onda Lula, no segundo turno, tanto puxaria Eduardo, como puxou, quanto alavancaria a candidatura de Humberto Costa. O petista, aliás, foi garfado pelo seu indiciamento na máfia dos vampiros. Até então, ele dominava a cena, colando a sua imagem a de Lula, e as pesquisas o apontavam na frente de Eduardo. O socialista só ultrapassou o petista na reta final, depois do massacre que Humberto sofreu no guia de Mendonça.

Só para reforçar o meu raciocínio: foi em Pernambuco que Lula obteve a sua maior vitória no País. E tende a fazer bis, agora no segundo turno. Eduardo alça, assim, um belo vôo de cruzeiro nas asas da popularidade e do prestígio do presidente Lula. Que tende a não sofrer turbulências.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mariana

Severino mensalinho,Pedro cigarro,Inocêncio escravocratra,Miltom sacolinha,Humberto vampiro...Todos de bico aberto para o segundo assalto aos cofres o primeiro foi os precatorios...

Aildo Biserra da Silva

Bom que é que tá com Mendoncinha: O RAIVISMO de Jarbas, atraso do pefelê etc e tal.

Aildo Biserra da Silva

Não adianta fazer terror, EDUARDO escolherá um secretariado a alturação das aspirações do Povo de Pernambuco

Aildo Biserra da Silva

Lá vai o restante: Com os argumentos e a forma utilizados pela campanha do socialista para se defender, a disputa pode ficar ainda mais desfavorável a Mendonça

Aildo Biserra da Silva

Querem mais lá vai: Saiu no Blog do JC: A questão dos precatórios é peça central da munição usada pela União por Pernambuco para tentar abater Eduardo Campos. O socialista tem hoje 20 pontos percentuais à frente de Mendonça (56% a 36%), segundo pesquisa Ibope divulgada ontem. Com os argumen



12/10


2006

Datafolha: Lula é "corrupção", Alckmin "autoritarismo"

O debate entre os candidatos à Presidência da República realizado no último domingo na TV Bandeirantes aguçou a percepção de defeitos, entre os que assistiram ao programa, que o eleitorado em geral vê em Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Segundo a pesquisa Datafolha realizada na terça-feira, uma fatia maior de eleitores considera Alckmin o candidato ''mais autoritário'' (44%, contra 36% para Lula) e ''que mais defenderá os ricos, se eleito'' (59%, contra 17% de Lula).

Quando considerados apenas os que assistiram ao debate, no entanto, aumenta a proporção dos que consideram o tucano o mais autoritário (50%, contra os mesmos 36% de Lula). Ainda neste grupo, também aumenta a fatia dos que consideram o candidato do PSDB ''o que mais defenderá os ricos'' (62%, contra 16% para Lula).

Um efeito semelhante ocorre com Lula na percepção de corrupção. No total de entrevistados, 35% consideram o petista ''o mais corrupto'', contra 20% que consideram Alckmin como tal. Entre os que viram o debate, 40% acham Lula ''o mais corrupto'', e 22%, Alckmin.

Qualidades relacionadas aos dois candidatos também saem reforçadas. Lula, por exemplo, é visto como ''o mais simpático'', no total dos entrevistados, por 47% dos eleitores --contra 40% que atribuem essa qualidade a Alckmin.

Entre aqueles que assistiram ao debate na TV, 50% consideram Lula o mais simpático, enquanto Alckmin permanece com os mesmos 40%.

No geral, o tucano consegue uma fatia maior de eleitores que o vê como ''o mais inteligente'' --51%, contra 34% que atribuem essa característica a Lula-- e ''o mais moderno e inovador'' --45%, contra 39% para Lula. Já entre os que assistiram ao debate, aumenta a proporção dos que consideram Alckmin o mais inteligente --chegando a 54%, enquanto Lula oscila um ponto, para 35%.

O mesmo acontece com a percepção sobre o tucano ser ''o mais moderno e inovador'', em que ele ganha três pontos em relação aos entrevistados em geral, e chega a uma fatia de 48% do eleitorado que assistiu ao debate --Lula é visto assim por 39% dos que acompanharam o programa de domingo.

Lula lidera na categoria candidato ''que faz mais promessas que não pode cumprir'', entre os entrevistados em geral, com 37% --contra 32% que dão a Alckmin o título. Para os que viram os dois debatendo, há um empate técnico na capacidade de fazer promessas e não cumpri-las. O petista vence para 38%, e o tucano para 36%.

Segundo Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, todos esses aspectos ''foram abordados no decorrer do programa'' e fixam, para os que o assistiram, uma imagem dos candidatos. Ele ressalva, no entanto, que isso não significa necessariamente um fator de mudança de voto. ''Os eleitores podem ter essa percepção e nem por isso mudarem o seu voto.'' Informações da Folhaonline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jussara Regina

Lula Lá. Eduardo cá. Vai ser uma farra. Mensalão lá, Precatórios, cá. Deus me livre......Quem gosta de maracutai vota 40.

Francisco Filho

PREFIRO O AUTORITARISMO. TEM MENOS ROUBALHEIRA

milton tenorio pinto junior

Foram tantos que não da para enumerar. Acabou a farra.É lula e o neto do Dr. Arraes,do sertão ao cais!!!!!!!!!!

milton tenorio pinto junior

Mariana,você lembra de Sergio de Oliveira,o homem dos fundos de pensão! Era da era FHC.Você lembra dio corvo Graziano? Era do time do PSDB.Lembra do Ministro Ricupero?¨Eu não tenho escrupulo,o que é bom a gente fatura,o que é ruim a gente esconde!¨ Lembra de Mendonça de Barros?O escândalo das fita

Mariana

Lula é o pai da robalheira.


Prefeitura de Camaragibe

12/10


2006

Guia do rádio de Alckmin fala de ética e o de Lula do social

Na estréia do horário político gratuito no segundo turno, inciado às 7h desta quinta-feira no rádio, Geraldo Alckmin (PSDB) manteve o tom agressivo que adotou nas últimas semanas e abordou as denúncias de corrupção que envolvem o governo. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, evitou o confronto.

O tucano reproduziu em seu programa trecho do debate da TV Bandeirantes em que cobrava de Lula explicações sobre o dossiê tucano. No trecho reproduzido, Alckmin perguntava a Lula a origem do dinheiro apreendido com petistas em um hotel de São Paulo, que supostamente seria usado para pagar informações que prejudicariam a campanha do tucano.

Alckmin ainda teve em seu programa o reforço dos depoimentos de José Serra, eleito governador de São Paulo pelo PSDB no primeiro turno, e de Aécio Neves, reeleito governador de Minas Gerais, também no primeiro turno.

O programa da coligação de Lula, por sua vez, optou por apresentar feitos do governo. A propaganda dizia que o governo Lula foi o que mais reduziu as desigualdades sociais no País e que teria criado 7,5 milhões de empregos.

Lula disse que não venceu no primeiro turno porque o povo pediu “um tempo”. “O povo tem esse direito”, afirmou, para dizer em seguida que agora, no segundo turno, é possível aprofundar o debate de idéias e as propostas sobre o que pretende fazer em um segundo mandato.

O programa eleitoral gratuito no rádio e na televisão vai até o dia 27 de outubro, dois dias antes do segundo turno. Nos programas, cada candidato tem 10 minutos para apresentar suas propostas ao eleitorado. Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/10


2006

Lula e os suspeitos cartões de crédito corporativos

"No debate da Band, domingo passado, mais tenso do que o opositor o candidato Luiz Inácio da Silva fazia um grande esforço para figurar tranqüilo. Traíam-no, contudo, o olhar dardejante em direção a Geraldo Alckmin e a sede insistente, daquelas que, muitas vezes, teimam em tornar áridos até os amenos estúdios de televisão. A tensão era tanta que, em um determinado momento, o candidato à reeleição pareceu estar a poucos passos de perder os freios, exatamente quando foi perguntado a respeito dos cartões de crédito corporativos", avalia o jornalista e publicitário Marcelo Alcoforado em artigo que acabo de postar em Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

LandRover

Dizem as más línguas que até as calcinhas de Marisa são compradas com esses cartões de créditos e, assim sendo, nós brasileiros é que as pagamos. Portanto, essa mulher também é minha ou Lula "não sabia"?

Isso é uma vergonha, mas o nosso Ministro da Justiça faz vista grossa. Esse Lulla perdeu completamente a noção de ética. Está privatizando, para o seu bolso, o dinheiro público.

Francisco Filho

ESSE ASSUNTO MERECE UMA ATENÇÃO ESPECIAL. VAMOS ABRIR A TAL CAIXINHA PRETA DOS CARTÕES CORPORATIVOS? DIZEM QUE É NITROGLICERINA PURA.


Hapvida - Mais saúde para você e sua família

12/10


2006

PF quer ouvir Mercadante sobre compra do dossiê

A Polícia Federal pretende ouvir o depoimento do senador Aloizio Mercadante, candidato do PT derrotado ao governo de São Paulo, nas investigações sobre a tentativa de negociação do dossiê contra políticos tucanos.

Uma fonte ligada à investigação afirmou à Reuters, sob a condição de anonimato, que a partir da descoberta de fortes indícios da participação de seu ex-coordenador de campanha Hamilton Lacerda na tentativa de aquisição dos documentos, os investigadores se convenceram da necessidade de ouvir o parlamentar sobre o suposto envolvimento de seu comitê eleitoral no caso.

- É preciso saber até onde vai o conhecimento do senador a respeito do envolvimento de seu (ex-)coordenador no caso - explicou a fonte.

Hamilton foi flagrado pelo sistema de vídeo de um hotel de São Paulo transportando uma bolsa na qual a PF suspeita que estaria parte dos cerca de R$ 1,7 milhão - apreendidos com Gedimar Passos e Valdebran Padilha, ligados ao PT - que seriam utilizados na aquisição do dossiê.

O ex-coordenador afirmou em depoimento ao órgão que o volume transportado por na bolsa era material de campanha.

Antes de ouvir Mercadante, entretanto, a PF espera reunir mais elementos para questioná-lo sobre a suposta participação de seu ex-auxiliar. Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jussara Regina

Esse Mercanadante é o próximo a entrar em uma grande fria. Aliás, já entrou não é? Prega sempre a ética. Farinha do mesmo Saco......Por aqui é o talo de Maurício Rands . Coisa que não presta.....

LandRover

Dizem as más línguas que até as calcinhas de Marisa são compradas com esses cartões de créditos e, assim sendo, nós brasileiros é que as pagamos. Portanto, essa mulher também é minha ou Lula "não sabia"?

Não basta apenas ouvir: tem que levar em cana!


ArcoVerde

12/10


2006

Agenda dos candidatos a governador de Pernambuco

EDUARDO CAMPOS(PSB)

9h30: Reunião com representantes do Unicef, no Comitê Central

13h:  Comparece à festa do Dia da Criança, na Praça de Casa Forte

15h:  Reunião da Executiva Nacional do PSB, no Hotel Recife Praia

MENDONÇA FILHO(PFL)

l6h       Caminhada em Águas Belas 

17h30: Caminhada em Itaíba

20h      Caminhada em Tupanatinga

21h10  Comício em Buíque


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner Arrecadação Pref. Garanhuns

12/10


2006

Garotinho pode perder "Pudim" na Câmara

O segundo candidato mais votado para deputado federal pelo Rio de Janeiro, Geraldo Roberto Siqueira de Souza, o Pudim, pode perder a cadeira na Câmara por denúncia de compra de votos e promessas indevidas.

Eleito com 272.457 votos, o ex-prefeito da cidade e parceiro político de Anthony Garotinho, sofre processo do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Estado, a pedido do Ministério Público. As irregularidades aconteceram no município de Duque Caxias, na Baixada Fluminense.

O TRE-RJ deve investigar outros 11 candidatos à Câmara e à Assembléia Legislativa por motivos semelhantes aos de Pudim. No norte fluminense, Silvio e Glauco Lopes, pai e filho, eleitos deputados federal e estadual, são acusados de montarem um esquema de compra de votos.

Glauco Lopes alega que a verba destinava-se ao pagamento de pessoas que trabalharam durante setembro para a campanha e que tudo constará da prestação de contas no TRE.

Por meio de grampos autorizados pela Justiça, a Polícia Federal ouviu que seriam utilizados R$ 5 milhões para o pagamento a eleitores. A mesma acusação - utilização de R$ 5 milhões para a compra de 10 mil votos - foi feita em depoimento à polícia pelo ex-coordenador da campanha dos dois, Pedro Paulo Gaspar, que não quis participar do esquema por já responder a inquérito - também por compra de votos na eleição para prefeito, em 2004.

Na véspera da eleição, foi preso em Campos o ex-deputado estadual Paulo José Tavares Lessa, que tinha R$ 42 mil e várias listas de eleitores, em um hotel, em Campos. Paulo Henrique da Silva Jorge, Paulo Fernando Henrique Mothê e Rogério Ramos Monteiro também foram detidos em suas casas, cada um com R$ 1 mil em dinheiro.

O dupla de Pudim

No domingo de eleições, foi dada voz de prisão à mulher do candidato a deputado estadual Antônio Carlos Félix, Ana Claudia Miranda da Silva, e ao coordenador de campanha, Ageu Nery da Silva.

Eles receberam voz de prisão em flagrante no bar Point do Pagode, bairro jardim Gramacho, em Duque de Caxias. Com eles foram encontrados R$ 750 em 500 fichas com nomes de eleitores e números de seus títulos eleitorais.

Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, os cabos eleitorais estavam pagando R$ 50,00 por voto na dupla Félix e Pudim. Pudim nega envolvimento.

No mesmo local, na quinta-feira, 28, o ex-governador Anthony Garotinho esteve com Pudim e Antônio Carlos reunindo dezenas de cabos eleitorais.

Outra condenação

Em 2004, Pudim foi condenado, com Anthony Garotinho, e preso em flagrante nas eleições, em Campos, sob acusação de compra de votos. A condenação de primeira instância foi revista pelo TRE do Rio, mas o Ministério Público recorreu da decisão e briga para que o caso seja julgado no TSE.

A reincidência pode pesar contra o Pudim e determinar a cassação de seu mandato. (Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/10


2006

Pesquisa Ibope não vira manchete nos jornais de PE

 É incrível, mas é a mais pura verdade: o principal fato do dia ontem, em Pernambuco - a pesquisa do Ibope/Rede Globo, em que o candidato do PSB a governador, Eduardo Campos, abre uma frente de 20 pontos sobre o governador e candidato à reeleição, Mendonça Filho - não aparece, hoje, em nenhuma manchete dos jornais do Estado.

A manchete do Diário de Pernambuco enfoca uma ação do prefeito do Recife, João Paulo, em cima do vandalismo, com o seguinte título: ''PCR na ofensiva contra os vândalos''. Já o Jornal do Commercio abre manchete para um acidente aéreo ocorrido nos Estados Unidos, com o título: ''Acidente desperta o medo do terror''.

Por fim, a Folha de Pernambuco dá destaque, na sua manchete, para um crime no Interior do Estado, com a chamada: ''Filho de vereador é assassinado''. A pesquisa eleitoral no JC é tratada de forma discreta, com uma chamadinha: ''Pesquisa Ibope: Eduardo 56% - Mendonça 36%. A Folha foi o único que deu um tratamento menos discreto, com uma chamada acima da manchete: ''Ibope Segundo turno: Eduardo 56% - Mendonça 36%.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mariana

Fontes seguras me revelaram o secretariado de Dudu, Educação: será Severino cheque-cheque, cultura: Jair Pereira, Agricultura: Inocêncio escravocrata, Cidadania:Pedro Correa, Saúde:Humberto vampiro,Segurança:Major Ferreira, Fazenda:Milton sacolinha.

Ana B. Holanda

Se os jornais não deram Manchete é por que algo ainda vem pela frente. As próximas pesquisas vai ser uma água fria nos duduzetes. Vamos esperar. Se ele pelo menos respondesse para onde foi o Dinheiro dos Precatórios ainda tinha um jeito. Mas fica mudo?????????

Ana B. Holanda

Ei drácula. Tenho uma dica para Vc dizer ao pessoal por aí. Vc seria o melhor porta-voz. Humberto Costa que apoia agora Dudu pode assumir o Hemope. Nâo é legal?

Ana B. Holanda

E Atenção Fernando Lyra já está cobrando sua participação no programa de Tv de Dudu. Quer a Secretaria de Ação Social.... Milton Sacolinha vai pra Onde mesmo? Fazenda. E Pedro Correa para Turismo. É o que corre nos bastidores da campanha de Dudu pensa que ganhou. Responde a Interrogação.Precatórios.

Ruan Rodrigues

aahahahahahah!!! Eu não sabia que ia viver pra ver Magno Martins chamar a imprensa de PE de venal. Medo da concorrência, é, blogueiro? Impressionante é que mandando nos 3 jornais, Mendoncinha ainda está encruado nos 35%, é um potentado!


Supranor 1

12/10


2006

Irmão de Lula vota em Alckmin

Jackson Inácio da Silva, um dos 15 irmãos vivos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), anunciou nesta quarta-feira (11) que votará em Geraldo Alckmin (PSDB) no segundo turno das eleições.

Jackson, que é operário e se diz militante do PT, afirmou que não votará no irmão presidente porque é ''contra a reeleição''.

Em declarações a jornalistas, ele afirmou que Lula no passado também foi contra a reeleição e disse que não é justo um governante utilizar a legislação para se manter no poder.

Lula ''teria que sair após quatro anos de mandato. Aí sim o povo poderia ver se ele foi um bom presidente'', opinou Jackson, que até agora sempre havia votado no irmão.

Sobre os escândalos de corrupção, Jackson disse que sente vergonha. ''O PT me deixou envergonhado. Era minha esperança, não tinha direito de errar'', disse.

Operário do setor da construção, Jackson em três ocasiões foi candidato pelo PT a vereador em Mongaguá (litoral sul paulista). Ele criticou os programas sociais do governo federal, especialmente o Bolsa-Família.

''O Brasil não é só o Nordeste. Além disso, o Bolsa-Família é uma vergonha para qualquer governo. O povo não quer esmola, quer trabalho, casa para viver, escova de dentes. Não apenas arroz e feijão'', comentou.

Ele garantiu que não se sente frustrado por não contar com a ajuda direta de seu irmão. ''Não é esse o problema. Ele tem que cuidar do Brasil. Aqui é cada um por si. Todos somos trabalhadores'', disse.

O ex-eleitor de Lula lembrou que a última vez que falou com Lula foi no dia 1º de janeiro de 2003, na posse do presidente. Jackson tem mais contato com os irmãos que vivem em Santos. Mas não soube dizer em quem o resto da família vai votar no dia 29 de outubro. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

VILLA QUESTIONADOR

É apenas mais "UM", entre minhares de Ptistas indignados. Quem assistiu ontem à TV Senado, teve a oportunidade de ver a indignação e revolta, quando foi às lágrimas, a Senadora Heloísa Helena, por conta de uma montagem ridícula, feita pelos PTRALHAS...


Mobi Brasil 5

12/10


2006

PF só ouve Berzoini na próxima terça-feira

Apesar de ter sido convidado a depor na Superintendência da Polícia Federal na sexta-feira sobre o escândalo do dossiê, o deputado federal e presidente licenciado do PT, Ricardo Berzoini, só será ouvido na terça-feira da semana que vem.

Por ser parlamentar, Berzoini tem foro privilegiado. Um dos privilégios é justamente poder escolher a data do depoimento em casos como esse.

As investigações da PF apontam indícios de que Berzoini tinha conhecimento da compra, por membros do PT, dos documentos que ligariam tucanos à máfia das ambulâncias.

O delegado da PF Diógenes Curado, no entanto, ainda não tem provas de que ele tenha sido o mandante da compra do dossiê --como afirma reportagem publicada hoje pelo jornal ''Correio Braziliense''.

Segundo a assessoria de imprensa de Berzoini, ele informou à PF que não poderia depor na sexta-feira, como havia sido divulgado durante a tarde. Assim, Berzoini e a entidade concordaram em realizar o depoimento na terça-feira.

Em nota divulgada hoje, o ex-presidente do PT rebateu as acusações. ''As manchetes são absolutamente inverídicas, não guardando relação sequer com o conteúdo das próprias reportagens publicadas internamente.''

Berzoini afirma que vai processar os jornais pelas reportagens ''diante da violência e da irresponsabilidade de tais publicações''.

Abel Pereira

No caso do empresário Abel Pereira, o depoimento deve ser mantido para a sexta-feira. Ele é ligado ao ex-ministro da Saúde e atual prefeito de Piracicaba, Barjas Negri (PSDB).

O empresário tem negócios em Piracicaba e, segundo os Vedoin disseram em entrevista à revista ''IstoÉ'', na ocasião em que Negri foi ministro da Saúde, Pereira atuava como intermediário para liberação de emendas de interesse da máfia dos sanguessugas, que desviava dinheiro público destinado a compras de ambulância. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

12/10


2006

Coordenador de Lula evita clima de "já ganhou"

A vantagem de 11 pontos percentuais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre Geraldo Alckmin (PSDB), como apontou pesquisa Datafolha divulgada hoje, trouxe alívio à campanha do petista e ao próprio presidente depois do crescimento do tucano no primeiro turno das eleições.

Mesmo com a euforia, o coordenador da campanha de Lula, Marco Aurélio Garcia, preferiu ser cauteloso ao comentar o resultado. ''Não vamos ficar no salto alto por causa disso. As pesquisas refletem o momento da campanha, mas é evidente que é um alívio'', disse.

Críticas

A exemplo de parlamentares petistas e do presidente Lula, que nos últimos dias vêm elevando o tom nas críticas a Alckmin, Garcia disse que a campanha petista não será de ''paz e amor''. Mas ressaltou que o objetivo do PT é manter a campanha ''propositiva e serena''.

O coordenador, no entanto, partiu para o ataque contra o tucano ao insinuar que Alckmin pode cortar o benefício do Bolsa Família para parte das famílias que recebem o auxílio.

''O corte de R$ 60 bilhões na economia [proposto por Alckmin] representa três anos de Bolsa Família. Deve ser isso que ele vai fazer'', afirmou.

Garcia disse que a população brasileira ''está se dando conta do risco Alckmin''. Segundo ele, as pessoas estão começando a ''constituir a onda Lula no país'' como contraponto a candidatura tucana.

Debate

O coordenador acusou Alckmin de ter desrespeitado Lula durante debate realizado pela TV Bandeirantes no último domingo. ''Por mais contundentes que fossem as críticas de Alckmin, ele deveria fazê-las com o mínimo de respeito. Alguém que aspira a Presidência da República deve respeitar quem está no cargo'', enfatizou.

Segundo Garcia, a disputa no segundo turno não se dará entre Lula e Alckmin, mas entre dois projetos distintos de governo. ''O povo tem que ficar esclarecido sobre a natureza dos dois projetos, se querem mudanças ou voltar atrás'', disse. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

BM4 Marketing

12/10


2006

Campanha eleitoral volta hoje ao rádio e TV

Os candidatos à Presidência no segundo turno, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o tucano Geraldo Alckmin, voltarão nesta quinta-feira ao horário eleitoral gratuito. As propagandas serão veiculadas duas vezes ao dia, no rádio e na TV. A expectativa é a de que os programas sejam mais críticos do que os transmitidos no primeiro turno, quando a vitória do petista era tida como certa. A mudança de tom deverá provocar uma série de reclamações e pedidos de direito de resposta no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os presidenciáveis terão o direito de veicular programas em bloco e inserções. A propaganda será transmitida todos os dias da semana, inclusive aos domingos, e será dividida em dois períodos diários de 20 minutos cada um, tanto na TV como no rádio. Cada candidato terá 10 minutos em cada bloco. O horário eleitoral vai até o dia 27, dois dias antes da eleição.

Lula é quem reabre a programação gratuita. Isso ocorrerá porque o presidente foi o candidato que teve mais votos no primeiro turno, realizado no dia 1º. Ele recebeu 46.662.365 votos ou 48,61% dos votos válidos. Segundo colocado, Alckmin conseguiu 39.968.369 votos ou 41,64%. A ordem de apresentação será alternada entre os dois a partir de então. Os programas em bloco, de dez minutos, serão veiculados no rádio a partir das 7 horas e do meio-dia. Na TV, a propaganda será exibida a partir das 13 horas e das 20h30. Além disso, os candidatos terão disponíveis 7 minutos e meio diários de inserções - pequenas peças com propaganda eleitoral.

Nos dez Estados onde haverá segundo turno para a escolha de governador, os candidatos terão suas propagandas veiculadas no horário eleitoral gratuito logo após o programa dos presidenciáveis. (Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/10


2006

Heloisa chora e diz ser perguida pelo PT

A candidata derrotada do PSOL à Presidência da República, senadora Heloísa Helena (AL), fez um desabafo hoje enquanto presidia a sessão do Senado. Ela disse que é vítima do machismo da classe política e da imprensa pela divulgação de uma fotomontagem que colocou o seu rosto sobre o corpo de uma modelo de uma revista masculina.

Chorando, a senadora disse que está sofrendo pressões de ''gente do PT'' porque não declarou apoio ''ao vagabundo do presidente Lula''.

Ela acusa o partido de estar por trás de uma fotomontagem na qual aparece com roupas íntimas na capa falsa de uma revista masculina. A montagem foi feita pelo site Kibe Loco e mostra a senadora com uma tatuagem do PT na barriga e uma calcinha vermelha com a sigla do PSOL.

''Eu sei o que estou passando, recebendo cartas de gente do PT porque não declarei apoio ao vagabundo do presidente. Eu sou uma mulher digna, não é a primeira vez que isso acontece comigo. Sou uma mãe de família exemplar'', desabafou.

A senadora disse que tem a informação de que a fotomontagem está sendo distribuída na rodoviária de Brasília por militantes do PT. E contestou reportagem do jornal ''O Globo'' que informou que ela se achou ''bonitinha'' na foto.

''Só se eu fosse uma mulher vagabunda, uma mãe vagabunda para olhar para uma montagem horrorosa como aquela, como se eu estivesse nua na capa da Playboy e eu me achar bonitinha'', disparou. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

É isso Ary,40 NELES!!!!!!!!!!!!!!!!!

sou Lula convicto e faço campanha, no dia-a-dia com a certeza de termos dias melhores e que este trabalho social continue, para minimizar as dores da pobreza nacional, e principalmente do nosso nordeste. Em Pernambuco, graças à Deus tudo leva a crer que elegeremos Eduardo Campos 40. Vamos à vitória.

sentença julgada, para que a incriminação que a sra. faz ao Lula seja verdadeira. Na política há situações que até Deus duvida, então vá se preparando, se pretendes concorrer outra(s) a um cargo dessa dimensão. Entendo que a sra. é uma pessoa séria e que no nosso senado vai fazer muita falta. Embora

Prezada Heloísa, tendo a senhora aderido à campanha de uma forma bastante agressiva com o PT, não deveria se surpreender com essas ações que infelizmente na política é fato. Quem concorre a um cargo desta natureza e bate da forma que a sra. bateu, tem que está preparada para tudo. Até porque, não

milton tenorio pinto junior

Heloisa adora os holofotes.Gosta mesmo é de estar na mídia!!!!



12/10


2006

PT pede retirada de propaganda no site de Alckmin

A coligação liderada pelo PT na disputa presidencial encaminhou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) uma representação contra a coligação liderada pelo PSDB. Na representação, o PT constesta a utilização de bonecos que representam o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, e outros membros do partido, em propaganda na página eletrônica da campanha de Geraldo Alckmin, candidato tucano à Presidência.

De acordo com o TSE, o PT alega que propaganda semelhante com o uso de bonecos que ''advertem'' que a ''turma do Lula'' poderá voltar caso ele seja reeleito já teria sido julgada irregular e que o tribunal determinou sua retirada.

O TSE já havia definido que a propaganda do PSDB com o uso de bonecos ridiculariza Lula e determinou a retirada da propaganda, mas não concedeu direito de resposta solicitado pelo PT. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2006

TSE nega pedido de cassação da candidatura Lula

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na noite desta terça negar, por unanimidade, o pedido de cassação da candidatura à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de multa ao ministro da Fazenda, Guido Mantega.

A coligação do também candidato Geraldo Alckmin (PSDB) moveu a ação por suposto desvio de finalidade da máquina pública em proveito da candidatura de Lula. Mantega teria concedido entrevista em que fez declarações de conteúdo eleitoral em benefício do presidente.

A corte acompanhou o voto do relator, ministro Ari Pargendler, que julgou a ação improcedente. De acordo com o ministro, os interesses públicos administrados pelo Ministério da Fazenda são vulneráveis aos fatos políticos. Por isso, segundo ele, "a avaliação pelo ministro da Fazenda de um episódio eleitoral não só é legítimo, como importante para a sua gestão". (Terra)
 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Armando

MUSICA DE MAGNO PARA MUNDICINHA: ''''ENCOSTA TUA CABECINHA NO MEU OMBRO E CHORA... E CHORA"... 69 X 31 QUE LAPADA... E DO JEITO QUE VAI VAI AUMENTAR + PODE CRER... ASSISTAM AO CLIPE DA VITORIA MEU POVO... EH EMOCIONANTE... EH 40... http://www.youtube.com/watch?v=yKhzuTCNKdU

Deixem de ser imbecis, anular a candidatura de Lula é simplesmente o cúmulo da idiotice e não adianta, pois estão perdidos de goleada. Vocês terão que repensar a estratégia e por favor não continues com esses absurdos, tentem terminar a campanha pelo menos dentro de forma honrosa.



11/10


2006

Lula volta a acusar Alckmin de privatizar estatais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à reeleição, voltou a acusar seu adversário na disputa eleitoral, o tucano Geraldo Alckmin, de querer privatizar a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal caso seja eleito.

"Os adversários do Sérgio Cabral e meus adversários querem vender o restante das coisas que não venderam no governo passado. Eles querem privatizar o que resta privatizar neste país. Coisas importantes como a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. Como eles nunca trabalharam, ao invés de trabalhar para comprar mais coisas, eles querem vender tudo o que tem para pagar a dívida que eles mesmos fizeram e o governo vai ficando sem nada", afirmou Lula.

Ao lado de Sérgio Cabral, candidato do PMDB ao governo do Rio, o presidente participou, na noite desta quarta-feira, do primeiro comício petista em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, no segundo turno das eleições. Também estavam presentes ministros, prefeitos e lideranças do PMDB e do PT.

Lula exibiu no comício o novo slogan de sua campanha para o segundo turno: "não troco o certo pelo duvidoso. Quero Lula de Novo".

Ele também disse ter sido criticado por seus adversários por conta do aumento de salário mínimo. "Eles diziam: não dá para dar aumento do salário mínimo porque vai quebrar as prefeituras e a Previdência. Nós demos o maior salário mínimo dos últimos 30 anos e não quebramos as prefeituras e não quebrou a Previdência", afirmou.

O presidente da Câmara Federal, Aldo Rebelo (PC do B), também presente no comício, citou nominalmente o candidato tucano à Presidência e disse que o Rio de Janeiro não vai se "converter" em curral eleitoral de candidato que não conhece nem se interessa pelo Estado.

"O que que o Alckmin conhece do Rio do Janeiro? Não conhece nada nem do futebol, do samba, portanto o Rio de Janeiro não vai se converter em curral eleitoral de quem não conhece nem se interessa pelo Rio de Janeiro", disse Aldo. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores