Versão Agreste Central

16/10


2017

Busca e apreensão no gabinete do irmão de Geddel

  Do G-1

A Polícia Federal faz buscas na Câmara dos Deputados na manhã desta segunda-feira (16) em Brasília. A ação ocorre a pedido da Procuradoria-Geral da República. Um dos alvos é o gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). Lúcio é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso por tempo indeterminado desde julho, após investigadores apreenderem R$ 51 milhões em um imóvel atribuído ao político. Segundo a PF, é a maior apreensão de dinheiro vivo da história da corporação.

Em setembro, as investigações sobre o assunto foram remetidas ao Supremo Tribunal Federal (STF). O motivo da transferência do caso para o STF são os indícios encontrados nas investigações em relação a Lúcio Vieira Lima, que, na condição de deputado federal, tem foro privilegiado no STF. Segundo a PF, o apartamento foi emprestado a Lúcio Vieira Lima e era usado por Geddel.
Até a última atualização desta reportagem, não havia confirmação se a ação desta segunda era referente a este caso.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão Central

16/10


2017

Coluna da segunda-feira

  O efeito Lava Jato em 2018

Iniciada em março de 2014, a Lava Jato já impacta no cenário eleitoral de 2018 em pelo menos 14 das 27 unidades da Federação, segundo levantamento do Estadão. O efeito mais comum tem sido a revisão dos planos eleitorais de líderes políticos. Citados em delações, alvo de inquéritos ou ações, nomes antes cotados para cargos majoritários no Executivo agora traçam planos mais modestos nas disputas do ano que vem. O mandato garante a prerrogativa de foro no Supremo Tribunal Federal.

Os políticos envolvidos na Lava Jato negam qualquer irregularidade. A mudança de planos acontece principalmente entre os atuais senadores que desejam renovar seus mandatos em outubro do próximo ano. Um deles é o próprio presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). O peemedebista se movimenta para ser candidato à reeleição em 2018 e não ao governo do Estado, como queria até então. Em 2014, quando ainda tinha mais quatro anos de mandato, ele se candidatou a governador.

Acabou em segundo lugar, derrotado pelo petista Camilo Santana. Agora, Eunício não só quer disputar o Senado novamente, como negocia com Santana, seu antigo adversário e atual governador, para estar na mesma chapa que o grupo dele no pleito do próximo ano. No Amazonas, os dois senadores, Eduardo Braga (PMDB) e Vanessa Graziottin (PC do B), também estão revendo os planos para 2018. “O natural é o Senado”, disse o peemedebista, que inicialmente queria se candidatar a governador.

Vanessa, por sua vez, disse a aliados que deve tentar uma vaga na Câmara dos Deputados – o mesmo plano dos senadores Gleisi Hoffmann (PR) e Humberto Costa (PE), ambos do PT. A operação também dificultou o projeto presidencial de alguns políticos. O caso mais emblemático é o de Aécio Neves (MG), presidente licenciado do PSDB. O tucano queria disputar o Palácio do Planalto em 2018, como em 2014. Após ser alvo da delação da J&F, que levou o Supremo Tribunal Federal (STF) a afastá-lo do mandato e determinar recolhimento domiciliar noturno, Aécio deve disputar a reeleição.

Seus aliados não descartam nem mesmo que ele tente uma cadeira de deputado. As mudanças de planos e cenários nos Estados contribuem agora para a união de antigos adversários. Além do Ceará, essa aproximação vem acontecendo em Estados como Tocantins e Mato Grosso do Sul. No Tocantins, o atual governador, Marcelo Miranda (PMDB), negocia com o senador Ataídes Oliveira (PSDB), seu adversário político histórico no Estado. O acordo desenhado entre os dois prevê que Miranda dispute o Senado e o tucano, o Governo do Estado.

A Lava Jato também colocou em dúvida ou até inviabilizou candidaturas, como a dos ex-ministros Henrique Eduardo Alves (RN) e Geddel Vieira Lima (BA), ambos do PMDB e presos preventivamente – por tempo indeterminado. Em Roraima, a Lava Jato tornou incerta a candidatura da prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), ao Governo do Estado. Ela é ex-mulher do líder do Governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que é investigado na operação.

Alvo de 12 inquéritos no Supremo, sendo oito na Lava Jato, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), por exemplo, mudou de lado e foi para oposição ao Governo Michel Temer. Em Alagoas, pesquisas internas mostram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lidera a corrida presidencial em 2018, quando Renan tentará renovar o mandato. Todos os citados já negaram envolvimento em crimes.

PROPINA PARA O PP– A colaboração premiada do corretor financeiro Lúcio Funaro, já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (ST), traz detalhes do suposto esquema de pagamento de propinas ao Partido Progressista (PP), com recursos desviados da Caixa Econômica Federal. Em depoimento ao Ministério Público, Funaro acusou o atual presidente da Caixa, Gilberto Occhi, de desviar recursos para o partido. Na época, ainda no Governo de Dilma Rousseff, Occhi ocupava a vice-presidência de governo do banco estatal. Funaro afirmou no depoimento que foi informado por um empresário que Occhi teria uma meta de repasse de propina para cumprir.

Vaiados na Rússia– A senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e o ex-ministro Paulo Bernardo, seu esposo, foram vaiados, ontem, durante visita ao Museu Hermitage, na cidade russa de São Petersburgo. Ambos réus na Lava Jato, o casal foi verbalmente hostilizado por grupo de brasileiros que também visitava o local. Preso dia 23 de junho de 2016, na Operação Custo Brasil, Paulo Bernardo foi libertado uma semana depois, por decisão do ministro do STF Dias Toffoli.

Queda em crimes– A Secretaria de Defesa registrou 8.935 Crimes Violentos Contra o Patrimônio (CVPs) em setembro deste ano. Isso significa uma média de mais de 297 casos por dia. De acordo com as estatísticas do Governo do estado, são computadas diversas modalidades de ações, como roubos e assaltos a ônibus. Os números foram apresentados na última sexta-feira. Segundo a SDS, em setembro de 2017 houve uma redução na criminalidade, na comparação com o mês anterior. Em agosto, ocorreram 10.636 crimes contra o patrimônio. O Governo ressalta a queda de 16% entre os dois períodos pesquisados.

Marcha contra violência – Centenas de pessoas se reuniram na manhã de ontem 0na orla de Boa Viagem, para a 11ª edição da caminhada batizada de “Sim à Vida”. Realizada pela Arquidiocese de Olinda e Recife, a marcha foi criada para lembrar a Semana Nacional da Família e o Dia do Nascituro ou do Direito de Nascer, comemorado no dia oito de outubro. No entanto, as demandas sociais urgentes vêm tomando à frente das discussões que envolvem o ato. "Defendemos a vida com foco no combate ao aborto, mas também de uma forma abrangente. A vida está muito ameaçada pela crescente violência. Nunca se matou tantos jovens, muitos envolvidos pelas drogas”, disse o arcebispo metropolitano Dom Fernando Saburido, também preocupado com a marca de 4.145 homicídios registrados em Pernambuco de janeiro a setembro deste ano.

Audiência pública A pedido do líder da oposição na Assembleia Legislativa, Silvio Costa Filho, a Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Pernambuco realizará audiência pública sobre o Pacto pela Vida. O grupo se diz preocupado com os dados da violência no Estado. Pelos números, em nove meses, Pernambuco já tem o ano mais violento do Pacto pela Vida, com o registro do maior número de homicídios para o período desde 2007. Naquele ano, foram contabilizados 3.479 assassinatos entre os meses de janeiro e setembro, ante os 4.145 cometidos este ano. Em relação aos 3.149 casos de 2016, o crescimento no registro de homicídios no período chega à marca de 32%.  Apenas no governo Paulo Câmara, acrescenta a oposição, já foram cometidos mais de 12.500 assassinatos.

CURTAS

FENAGRESTE– Uma maratona de lançamentos de livros, palestras, mesas-redondas, oficinas, narrações de histórias, espetáculos de teatro e shows. A segunda Feira Nacional do Livro do Agreste (Fenagreste) consolidou-se como evento de sucesso do calendário cultural de Caruaru, com recorde de público, estandes e movimentação financeira. O evento encerrou-se, ontem, com show do forrozeiro Maciel Melo. Antes dele, o jornalista Francisco José bateu um papo descontraído com a plateia sobre sua vasta experiência como repórter especial premiado, autor de matérias televisivas que marcaram a história da televisão brasileira.

ARARIPINA– Sobre o aumento do seu salário e do vice-prefeito, o prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel, diz que que a Lei Municipal nº 2.812 de 16 de novembro de 2016 – que trata sobre os salários do prefeito e vice-prefeito – foi aprovada pelo ex-prefeito Alexandre Arraes. “Devido à grave crise financeira que todos os municípios brasileiros têm sofrido, a Prefeitura de Araripina adota medidas para o equilíbrio dos gastos com pessoal reduzindo em 20% a sua estrutura de cargos comissionados bem como, no mesmo percentual, os salários do prefeito e do vice-prefeito”, informa.

Perguntar não ofende: Aécio se salva?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

O Brasil só tem uma saída, Lula 2018

Nehemias

O melhor está por vir. Lula e Dilma de novo com a força do povo!

Nehemias

Algo está errado realmente. Pessoas são conduzidas pelo corpo e não pela mente.

marcos

Perguntaram a Chico Alencar sobre Lula, vejam o que ele respondeu: Lula é um Bosta!

marcos

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba se opõe à absolvição de Marisa Letícia no caso do triplex do Guarujá. Com a morte da ex-primeira-dama, em fevereiro, Sérgio Moro extinguiu sua punibilidade no processo, em que ela respondia por três crimes de lavagem de dinheiro. A decisão, porém, não equivale a absolvê-la. A defesa de Marisa e de Lula entrou com recurso no TRF-4 pela absolvição. Em documento protocolado hoje, o MPF respondeu que a extinção da punibilidade não diz se um acusado é inocente ou culpado –para absolver a ex-primeira-dama, seria preciso analisar o mérito. Moro foi muito bonzinho com a Marisa!


Versão Mata Sul

16/10


2017

Ex-governadores querem se candidatar de novo em 2018

Folha de S.Paulo – Bruno Boghossian e Gabriela Sá Pessoa

Depois de ter governado o Paraná por 12 anos nas últimas três décadas, Roberto Requião (PMDB) pensa em se lançar nas urnas mais uma vez para comandar o Estado e dá de ombros para o discurso de renovação na política. "A novidade é bobagem", decreta. "Numa Olimpíada, você coloca o atleta experimentado."

Na contramão de previsões que apontam para uma disputa marcada pelo descrédito da política tradicional e pela profusão de novatos, o peemedebista e outros 14 ex-governadores estudam candidaturas para voltar ao cargo nas eleições de 2018.

O cenário de incerteza gerado pela crise política provocou um recuo de dirigentes partidários que pretendiam renovar seus quadros no ano que vem. O "recall" de nomes já conhecidos e o discurso da experiência voltaram a ser apostas.

Requião, que tentou voltar ao cargo de governador em 2014 e foi derrotado no primeiro turno, acredita que o cenário pode ser mais favorável agora. "Sem falsa modéstia, seria uma candidatura facílima. Acho que a opção do eleitor vai ser a seriedade e a experiência, não o novo."

Além dele, são citados como potenciais candidatos os ex-governadores André Puccinelli (PMDB), em Mato Grosso do Sul, Anthony Garotinho (PR), no Rio, Ronaldo Lessa (PDT), em Alagoas, e Renato Casagrande (PSB), no Espírito Santo, entre outros.

AVALIAÇÃO

Alguns desses nomes deixaram o cargo com boa avaliação popular, mas parte deles terá que enfrentar passivos políticos como baixa aprovação, derrotas nas eleições de seus sucessores e citações em escândalos de corrupção.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do Pajeú

16/10


2017

Temer e Maia: nova crise à véspera do voto da denúncia

Folha de S.Paulo – Daniel Carvalho

O presidente Michel Temer inicia a semana em que a denúncia ele será votada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) com uma nova crise com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Neste domingo (15), Maia reagiu à declaração de Eduardo Carnelós, advogado de Temer, que chamou "criminoso vazamento" a divulgação dos vídeos da delação do operador financeiro Lúcio Funaro, que tem o presidente como um dos alvos.

Como os vídeos, revelados pela Folha na sexta (13), foram disponibilizados pelo site da Câmara, Maia tomou para si a crítica e, em entrevista à reportagem, chamou o advogado de "incompetente e irresponsável" e disse que ele será processado por servidores da Câmara.

Ao rebater Carnelós, mandou um recado direto para Temer: "Daqui para frente, vou, exclusivamente, cumprir meu papel institucional, presidir a sessão [da denúncia]".

O parecer contrário ao seguimento da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente deve ser votado nesta quarta (18) na CCJ, para então ser levado ao plenário.

SIGILO

No sábado (14), após a Folha revelar o teor dos vídeos, Carnelós divulgou nota afirmando ser "evidente que o criminoso vazamento foi produzido por quem pretende insistir na criação de grave crise política no país".

As gravações também foram disponibilizadas no site da Câmara e, segundo Maia, o material, enviado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), não está sob sigilo.

A assessoria do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, no entanto, disse que "tudo que se refere à colaboração" está sob segredo.

Maia divulgou uma certidão em que consta que os arquivos digitais anexados à denúncia "foram integralmente reproduzidos nos dispositivos entregues às defesas" de Temer e dos ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil), todos alvos do processo.

Em nota, a presidência da Câmara disse que, "como é possível depreender da leitura das decisões que encaminharam a denúncia e as cópias dos inquéritos à Casa, não há determinação de restrição de acesso a qualquer parte da documentação".

"Essa informação foi confirmada pelo próprio presidente da Câmara dos Deputados em reunião com Fachin, e com a ministra Cármen Lúcia, no STF", diz trecho.

A Câmara informou que, em 27 de setembro, as defesas de Temer e dos ministros receberam cópia da documentação encaminhada pelo STF.

CRÍTICAS

À Folha Maia disse que era "uma pena o presidente do Brasil constituir esse advogado na sua defesa".

"Incompetência é pouco pra justificar as agressões do advogado. A defesa do presidente recebeu todos os documentos. Nunca imaginei ser agredido pelo advogado do presidente Temer. Depois de tudo que eu fiz, essa agressão não faz sentido. Daqui para frente vou, exclusivamente, cumprir meu papel institucional, presidir a sessão", afirmou. "Ser tratado como criminoso é muito difícil."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/10


2017

Odebrecht cria conselho contra corrupção

Folha de S.Paulo – Mario Cesar Carvalho

Depois de revelar um dos maiores esquemas de corrupção do mundo e anunciar que propina era uma página virada na sua história, a Odebrecht decidiu criar um conselho global com alguns dos mais famosos executivos e pesquisadores de ética e sustentabilidade nos negócios.

Fazem parte do grupo o ex-presidente da Transparência Internacional Jermyn Brooks, o ex-presidente da Shell Marky Mood-Stuart e a professora da escola de negócios de Harvard Lynn Paine.

Todos têm experiência no combate à corrupção. A Transparência Internacional tornou-se a entidade mais famosa nessa área. Brooks também é um dos conselheiros de ética da Siemens.

Conselheiros da Odebrecht

Mood-Stuart enfrentou uma mistura de Odebrecht e Samarco quando presidia a Shell ao se defrontar com problemas de suborno e ambientais, como costuma comparar Sergio Foguel, integrante do conselho do grupo

Odebrecht que articulou todo o sistema de integridade do grupo.

COMPETIÇÃO E ÉTICA

O conselho global terá dupla função, segundo Foguel: vai pensar os negócios a partir da ética e da sustentabilidade na fase pós-Operação Lava Jato e assessorar os chamados líderes internos da empresa, num total de 500 executivos, em questões práticas.

A Odebrecht é a maior empresa de construção do país e tem cerca de 79 mil funcionários em 24 países -eram 180 mil antes da Lava Jato.

Em sua primeira reunião, a partir do próximo domingo (22), o grupo vai discutir uma das questões mais complexas em economias corruptas como a brasileira: como ser competitivo respeitando as regras éticas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura do Ipojuca

16/10


2017

Com vara curta: temores a Maia

Ao analisar a reação furiosa de Rodrigo Maia contra o advogado do presidente Michel Temer que reclamou da divulgação da delação de Lúcio Funaro, aliados do presidente da Câmara dizem que os seguidos embates do governo com ele estão deixando mais à vontade os descontentes com o Palácio do Planalto. A informação é de Daniela Lima, na coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

Segundo a colunista, não há na Câmara um grupo com força para impor uma derrota a Temer quando a segunda denúncia criminal contra ele chegar ao plenário, dizem aliados de Maia

 Mas uma votação pouco expressiva poderia prejudicar a agenda de Temer no resto de seu mandato.

“Parlamentares que tiveram contato com as bases no feriado prolongado dizem que é cada vez mais custoso sustentar o governo e apostam que muitos deputados podem usar a votação da denúncia para se reconciliar com a opinião pública.”

TIROTEIO - O governo erra ao confrontar Maia, que é fiador da estabilidade do país. Se o tratamento agora é esse, imagina após a votação da denúncia.

DO DEPUTADO EFRAIM FILHO (PB), líder do DEM, sobre o embate entre Michel Temer e Rodrigo Maia após a divulgação dos vídeos da delação de Lúcio Funaro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Novos aumentos: Gasolina 15% - Energia Elétrica 51, 7 % - Gás de Cozinha 19,9%. Pega a panela. KKKK

Nehemias

A tradição é a personalidade dos imbecis.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Rodrigo Maia fiador da estabilidade no país? Somente sendo piada.


Flamac - 1

16/10


2017

Aulas para o carcereiro

O ex-deputado federal Ricardo Zarattini, morto neste domingo (15) aos 82 anos, foi preso pela primeira vez no dia 10 de dezembro de 1968, em Pernambuco, três dias antes da decretação do AI-5, o Ato Institucional nº 5.

No quartel em que ficou, era chamado de “professor”.

— Não sei se a propósito de me vigiar ou não, três tenentes queriam fazer vestibular. Dois para engenharia e um para arquitetura — contou em entrevista em 2011.

Engenheiro de formação, Zarattini começou então a dar aulas para os três em uma sala do quartel.

— Precisavam saber geometria descritiva. E não tinha moleza, cheguei a dar prova e tudo!    (Painel - FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner - Hapvida

16/10


2017

Família Maluf quer devolver o surrupiado da prefeitura

Advogados da Eucatex, empresa da família do deputado Paulo Maluf (PP-SP), prometem apresentar à Prefeitura de São Paulo nesta terça (17) nova proposta para restituir ao município recursos desviados na gestão do ex-prefeito.

Em 2012, a Justiça da Ilha de Jersey mandou que empresas associadas à família Maluf em paraísos fiscais devolvessem US$ 33 milhões à prefeitura. A decisão ainda não foi cumprida, porque parte do dinheiro foi aplicada por fundos estrangeiros que se tornaram sócios da Eucatex.

Em setembro, a empresa sugeriu que os valores poderiam ser devolvidos ao município em 15 anos, mas a oferta foi mal recebida. Os advogados querem que a prefeitura suspenda ações movidas em paraísos fiscais que podem levar à desvalorização dos papeis da Eucatex. (Daniela Lima - Folha Painel)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

16/10


2017

Vídeos de Funaro abrem nova crise Temer-Maia

O Estado de S.Paulo - Tânia Monteiro, Igor Gadelha e Andreza Matais

A divulgação dos vídeos da delação premiada do operador Lúcio Funaro causou um novo confronto entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Michel Temer. Para interlocutores do Palácio do Planalto, a medida é mais uma ação de Maia para tentar constranger o governo e mostrar descolamento do presidente. O governo avalia que o deputado não tinha a obrigação de colocar os vídeos no site da Câmara.

O episódio levou a um bate-boca público entre Maia e a defesa de Temer, justamente na semana em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara vai analisar o relatório da segunda denúncia contra o presidente, por obstrução da Justiça e organização criminosa no caso J&F. Neste sábado, 14, o advogado Eduardo Carnelós publicou nota para criticar “vazamentos criminosos”. Maia contra-atacou e disse que o defensor é “incompetente”. Carnelós recuou e, também em nota, disse que “jamais” imputou “a prática de ilegalidade” ao deputado.

Os vídeos da delação de Funaro foram divulgados no site da Câmara com documentos relacionados à segunda denúncia contra Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). O material foi enviado pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, com ofício expedido em 21 de setembro, uma semana após a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar a segunda denúncia contra Temer.

Leia a reportagem completa clicando aí ao lado:  Vídeos de Funaro abrem nova crise Temer-Maia


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Garanhuns Natal Luz

16/10


2017

Milionário dá US$ 10 milhões por impeachment de Trump

O empresário Larry Flynt publicou anúncio de página inteira no jornal "Washington Post" neste domingo (15) oferecendo recompensa de US$ 10 milhões para quem tiver informações que possam levar ao impeachment do presidente Donald Trump.

Flynt, publisher da revista pornográfica "Hustler", cita no anúncio motivos que explicariam porque Trump deveria sair do cargo:

"Fala mentiras descaradamente".

No anúncio, há um número de telefone para chamadas gratuitas. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/10


2017

Amores eternos

Ruy Castro – Folha de S.Paulo

A morte de Hugh Hefner, proprietário da "Playboy", e de Si Newhouse, da "New Yorker", "Vanity Fair" e "Vogue", coincide com a suposta agonia de um produto por cuja glória eles foram grandemente responsáveis no século passado: as revistas impressas. Jann Wenner está tentando vender a "Rolling Stone". Outros conglomerados americanos, como a Time e a Hearst, também registraram prejuízo nos últimos balanços.

Quem passa pelas bancas de revistas nos aeroportos internacionais não entende como esse setor pode estar em crise. De fato, sem abrir essas revistas e folheá-las uma a uma é difícil perceber que seus editores estão lutando para fazer com menos as maravilhas que gordos orçamentos lhes permitiam até há pouco.

Em 50 anos de imprensa, trabalhei em grandes revistas. Em 1968, "Diners", uma publicação mensal dirigida por Paulo Francis e exclusiva dos sócios do cartão, pagava por artigo dez vezes mais que qualquer revista comercial. Até 1975, "Manchete" ainda mantinha Rubem Braga, Paulo Mendes Campos e Fernando Sabino como cronistas. E, nos anos 80, a "Playboy" brasileira tinha bala para estampar qualquer mulher com que sonhasse. As tiragens se contavam então às centenas de milhares, com 40% de páginas pagas de publicidade.

Ainda não está claro o que será das revistas impressas. Neste momento, elas estão sob o ataque dos veículos digitais, muito mais ágeis. Mas estes ainda não as superaram em compromisso jornalístico, excelência do texto e magnificência gráfica.

Alguém já arriscou que, um dia, as revistas se juntarão ao universo dos objetos que não precisam mais existir, mas continuarão a ser fabricados porque são bonitos, chiques e sempre haverá quem os ame. Como os discos de vinil, os relógios de pulso, o filme fotográfico, as canetas-tinteiro e, pode crer, os pianos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

16/10


2017

Partidos expulsam milhares, mas poupam peixes grandes

Enquanto perdoam 'peixes grandes' envolvidos em escândalos de corrupção, os partidos promovem desligamentos em massa por conta de disputa política

VEJA - Da Redação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Preso desde outubro de 2016, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha se mantém filiado ao PMDB, partido que mais expulsou (Guilherme Artigas/Fotoarena/Agência o Globo)

 

Os partidos políticos brasileiros fazem uma espécie de “limpa” em seus quadros, com expulsões de centenas e até milhares de filiados, de tempos em tempos. Diferentemente do que se pode pensar, essas ondas de expulsão nada têm a ver com escândalos de corrupção ou investigações criminais. Similares em todas as legendas, o que as explica é algo mais prosaico: disputas locais pelo controle da máquina partidária em anos próximos a eleições municipais.

 

Do total de expulsões, só 1% (541) pertence à elite política que conquistou mandatos para cargos municipais, estaduais ou mesmo federais. O levantamento não encontrou nenhum senador, governador ou presidente da República, mas foram localizados 471 vereadores, 59 prefeitos e 11 deputados estaduais que sofreram a mais alta sanção dos partidos pelos quais foram eleitos.

 

Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que todos os partidos existentes e extintos fizeram 64 mil operações de expulsão desde 2007.

 

Elite

Desde o começo da Operação Lava Jato, os ditos “peixes grandes” ficaram mais em evidência. As listas dos ministros Teori Zavascki, morto neste ano, e Edson Fachin, relatores da força-tarefa, autorizaram a investigação de 49 e 63 parlamentares, respectivamente.

 

Também pela Lava Jato, encontram-se presos o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Enquanto eles continuam no PMDB, em 2013, um pedido de prisão expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) levou à expulsão de Natan Donadon. Ele foi condenado a 13 anos em regime fechado pelos crimes de peculato e formação de quadrilha, acusado de desviar recursos da Assembleia Legislativa de Rondônia, quando a presidiu entre 1995 e 1999. Apesar de poupar grandes lideranças, a sigla que mais expulsou foi o próprio PMDB, com 8.350.

Proporcionalmente, o PSB foi o que mais expulsou, atingindo, em 2016, uma taxa de 171 a cada 100 mil filiados. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 2

16/10


2017

Sobrevivência de Temer e Aécio: alto preço aos dois

Leandro Colon - Folha de S.Paulo

Unidos pela crise da JBS, Michel Temer e Aécio Neves passarão pelo crivo do Congresso nesta semana. Apesar da artilharia impiedosa de Lúcio Funaro, revelada em vídeos aqui na Folha, Temer deve sobreviver à votação da CCJ da Câmara sobre a denúncia da PGR.

Do outro lado do parlamento, no Senado, Aécio Neves não goza da mesma benevolência. Ele se arrasta nos bastidores para garantir que os senadores restabeleçam seu mandato, suspenso por decisão do STF.

Quem conhece bem o xadrez de votação do Senado diz que, hoje, Aécio tem um placar apertado a seu favor. O PT já anunciou mudança de lado, contra o senador, e parte do PMDB não está disposta a ajudá-lo. O tempo é crucial para o futuro do tucano. Quanto mais se adia a sessão, mais diminuem as chances dele.

Temer também tem pressa. Na visão de aliados, a denúncia precisa ser sepultada logo para que o governo tente retomar uma agenda política e econômica crível até dezembro, incluindo a reforma da Previdência, que respira sob aparelhos na UTI.

Temer conta com margem folgada dos votos entre os deputados, mas seu problema hoje não está no plenário, nem na CCJ, e sim na cadeira da presidência da Casa. Assim como ocorrera na primeira peça da Procuradoria, Rodrigo Maia não sinaliza agora compromisso em salvá-lo.

Ontem, ele chamou o advogado de Temer de "incompetente". Mesmo que a Câmara rejeite a acusação contra o presidente, as relações com Maia devem seguir frias e protocolares —até porque é bem provável que o DEM, de Maia, desembarque do governo no primeiro semestre de 2018.

A sobrevivência política implorada por Temer e Aécio ao Congresso terá um alto preço. Ambos ficarão radioativos. Ao presidente restará encerrar um impopular mandato de forma melancólica com poucos aliados ao redor. A Aécio sobrará a fé em manter acesa uma carreira política em naufrágio —algo que nem os integrantes do PSDB acreditam mais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

16/10


2017

Delcídio e Cunha: seguindo o STF, Aécio estaria preso

Se STF acertou nos casos de Delcídio e Cunha, Aécio deveria estar preso

Celso Rocha de Barros – Folha de S.Paulo

O Supremo Tribunal Federal não conseguiu explicar à opinião pública por que Aécio não foi preso como foi Delcídio do Amaral. Tampouco conseguiu explicar por que suas decisões contra Aécio terão que ser referendadas pelo Senado, rota de fuga que foi fechada para Eduardo Cunha.

Se as decisões sobre o candidato da direita na última eleição presidencial estiverem corretas, as decisões sobre Delcídio e Cunha estavam erradas. Se as decisões sobre Delcídio e Cunha estavam certas, Aécio deveria estar preso.

Não sou constitucionalista, não tenho a pretensão de saber qual é o caso. Mas é evidente que, se todas essa decisões foram constitucionais, o Brasil teve outra Constituição durante a guerra para derrubar Dilma Rousseff.

Não se trata, apenas, de um político corrupto escapando da Justiça. O caso de Aécio é representativo de uma tendência muito mais grave: desde que o PT caiu, a maré anti-corrupção virou.

Delcídio caiu porque era petista, Cunha caiu porque foi pego antes de a maré virar (e, mesmo assim, só depois de ter derrubado Dilma). Aécio é tucano, do grupo que subiu ao poder com Temer. Não é Aécio que tem mais capacidade de resistir à Lava Jato: é a coalizão conservadora que chegou ao poder após o impeachment.

Não é, portanto, possível descartar a hipótese de que a direita fisiológica regula a margem de ação das instituições brasileiras conforme sua conveniência.

Depois da decisão, o mundo caiu sobre a cabeça do STF, que foi acusado de não estar à altura de sua função constitucional. Bom, tem o Gilmar, mas, mesmo assim, não acho que essa seja a melhor análise.

Se a ministra Cármen Lúcia deu seu voto em favor de Aécio por temer uma guerra contra o Senado, sua leitura da situação estratégica estava correta: no momento, o Supremo Tribunal Federal é muito mais fraco que o conjunto dos senadores.

Durante a breve vigência da Constituição de 2015, o Supremo conseguiu derrubar corruptos importantes porque, na luta para derrubar Dilma Rousseff, nenhum dos analistas que hoje se preocupam com equilíbrio institucional dava a mínima para isso. Os empresários, que hoje só querem estabilidade, inflavam patos e os ânimos. Os partidos de direita que bradavam contra Delcídio hoje são o governo e têm como prioridade se livrar da cadeia, nem que para isso tenham que livrar também os petistas que derrubaram.

E a opinião pública? Como dizia Millôr Fernandes, opinião pública é a que se publica. Se o mestre, no céu dos colunistas, nos permitir uma atualização, opinião pública é a que se posta em redes sociais. Desde a guerra do impeachment, a opinião postada está sob controle da chamada Nova Direita, essa turma que não consegue mais emprego como roqueiro, ator pornô, filósofo ou militar, e descobriu que falar mal da esquerda rende um trocado.

E onde estava a Nova Direita durante o período que antecedeu o julgamento de Aécio? Estava fechando exposições de temática LGBT. A indignação que, em 2015, teria se voltado contra Aécio, agora caiu sobre o peladão do museu. O que era, é claro, o plano.

Desde que o Senado perdeu o medo da opinião pública, voltou a ser forte o suficiente para quebrar o Supremo. E enquanto a opinião pública brasileira continuar sendo a Marcha do Orgulho Otário, não adianta reclamar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

bm4 Marketing 5

15/10


2017

Lava Jato: fica a dica

Carlos Brickmann

Conhecendo-se o que já se conhece, sabendo como pensa boa parte da população, acompanhando a disputa entre parlamentares e procuradores (tendo alguns ministros do Supremo, surpreendentemente, na mediação do jogo) vale a pena mergulhar um pouco na Operação Lava Jato.

De duas, uma: ou a ofensiva contra a Lava Jato consegue sufocá-la, ou o cruzamento de delações premiadas, combinado com enxurradas de investigações bem-sucedidas, vai gerar tantos processos que ninguém conseguirá acompanhá-los (e, de um ou outro jeito, vamos perder o fio da meada).

É hora de pegar um bom livro que sistematize o que se sabe da ladroeira geral e irrestrita. Uma sugestão: República dos Acarajés, do gaúcho Walter Soares, e-book Amazon em https://www.amazon.com.br/Rep%C3%BAblica-dos-Acaraj%C3%A9s-pa%C3%ADs-esse-ebook/dp/B01N2WYZ2W/ref=sr_1_4?ie=UTF8&qid=1503459046&sr=8-4&keywords=walter+soares


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/10


2017

Filas e barricadas marcam eleição na Venezuela

Folha de S.Paulo – Sylvia Colombo

A votação deste domingo (15) para escolher governadores na Venezuela foi marcada por um contraste em relação às eleições do último dia 31 de julho, que elegeram a Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

Na anterior, em que o governo tinha a intenção de mostrar grande apoio popular à instalação da ANC, houve alta abstenção. Viam-se centros praticamente vazios, houve uma campanha da oposição para que a população não votasse –que incluiu barricadas para impedir o trânsito– e um forte estímulo do governo, com o próprio ditador Nicolás Maduro dizendo que as urnas estariam abertas até a chegada do último eleitor –e ficaram, de fato, até as 21h, três horas a mais do que o previsto.

Desta vez, em que a maior parte da oposição decidiu que era necessário participar da votação para eleger a maior quantidade possível de governadores antimaduristas, mesmo com as dificuldades impostas pelo regime, o jogo parecia invertido. Não havia barricadas de antimaduristas, mas sim muitas vias da cidade cortadas pelas próprias autoridades, "por questão de segurança".

A reportagem da Folha viu grandes filas de eleitores, principalmente nos locais onde a oposição tem tradicionalmente mais votos: Chacao, Baruta, Chuao, El Hatillo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/10


2017

Planalto: vídeos de Funaro aumentam preço de aliados

Blog do Camarotti

Avaliação realista feita por interlocutores do presidente Michel Temer neste fim de semana é que a divulgação de vídeos da delação do doleiro Lúcio Funaro não deve alterar a tendência da Câmara em arquivar a segunda denúncia feita pela Procuradoria Geral da República. Mas já começa a ser sentido um efeito colateral: o preço do apoio dos aliados aumentou com a exibição das imagens de Funaro.

O Planalto já se prepara para uma nova rodada de cobrança, por aliados, de acertos feitos e que não foram cumpridos durante a votação da primeira denúncia, como nomeação de cargos e liberação de emendas. "Essa divulgação foi muito ruim porque vai aumentar a cobrança dos aliados", reconheceu ao Blog um integrante da articulação política.

 A estratégia no Planalto é tentar diluir o impacto dos vídeos durante a análise da Comissão de Construção e Justiça (CCJ) para que a pressão da base esteja amortecida na outra semana, quando a denúncia será apreciada no plenário da Câmara.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/10


2017

Maia e defesa de Temer: incompetente e irresponsável

Folha de S.Paulo – Daniel Carvalho

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu o posicionamento da defesa do presidente Michel Temer sobre a divulgação dos vídeos da delação do operador financeiro Lúcio Funaro.  Em entrevista à Folha neste domingo (15), Maia disse ser sentir agredido por Eduardo Pizarro Carnelós, que defende Temer no processo da denúncia da PGR que tramita na Câmara.

Ele chamou Carnelós de "incompetente e irresponsável" e informou que o advogado será "processado pelos servidores da Câmara".

Os vídeos com a delação de Funaro foram disponibilizados pelo site da Câmara dos Deputados e, segundo Maia, o material, enviado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), não estava sob sigilo.

No sábado (14), após a Folha (assista aí) revelar o teor dos vídeos de Funaro, Carnelós divulgou nota afirmando ser "evidente que o criminoso vazamento foi produzido por quem pretende insistir na criação de grave crise política no país". Neste domingo, ele afirmou não saber que o material estava no site da Câmara.

"Daqui para frente, vou, exclusivamente, cumprir meu papel institucional, presidir a sessão (da denúncia da PGR)", disse Maia.

Maia, então, divulgou uma certidão assinada por Wagner Padilha, secretário-geral da Mesa da Câmara, e por Sebastião Neiva Filho, diretor do centro de informática da Casa, em que consta que os arquivos digitais que vieram anexados à denúncia "foram integralmente reproduzidos nos dispositivos entregues às defesas" do presidente Michel Temer e dos ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil), todos alvos do processo que tramita na CCJ (Comissão da Constituição e Justiça).

O documento informa ainda que todos os arquivos foram disponibilizados no sistema da Câmara, pois não estavam sob sigilo.

Em nota, a presidência da Câmara disse que "como é possível depreender da leitura das decisões que encaminharam a denúncia e as cópias dos inquéritos à Câmara dos Deputados, não há determinação de restrição de acesso a qualquer parte da documentação".

"Essa informação foi confirmada pelo próprio presidente da Câmara dos Deputados em reunião com o relator [da Lava Jato no STF], ministro Edson Fachin, e com a ministra Cármen Lúcia, no Supremo Tribunal Federal", diz trecho do comunicado.

A Câmara informou que, em 27 de setembro, as defesas de Temer e dos ministros receberam cópia integral de toda documentação encaminhada pelo STF.

O ministro Edson Fachin informou que "todo que se refere à colaboração" continua sob sigilo.

CRÍTICAS

À Folha, Maia disse que era "uma pena o presidente do Brasil constituir este advogado na sua defesa".

"Incompetência é pouco pra justificar as agressões do advogado. A defesa do presidente recebeu todos os documentos. Nunca imaginei ser agredido pelo advogado do presidente Temer. Depois de tudo que eu fiz, esta agressão não faz sentido. Daqui para frente vou, exclusivamente, cumprir meu papel institucional, presidir a sessão", afirmou Maia.

O presidente da Câmara salientou estar "perplexo com a atitude do advogado do presidente".

Assim como em entrevista à Folha em agosto, Maia voltou a dizer que poderia ter dificultado a vida de Temer quando a primeira denúncia contra o presidente da República, por corrupção passiva, foi apresentada.

"Imagina se eu tivesse ficado contra o presidente na primeira denúncia", afirmou.

"Esperava do presidente uma atitude contundente com o advogado. Infelizmente isso não aconteceu. Ser tratado como criminoso é muito difícil", disse Maia.

Em nota divulgada neste domingo, Carnelós disse que desconhecia que os vídeos estavam divulgados no site da Câmara.

"Quando divulguei nota ontem [sábado], referindo-me a vazamento que qualifiquei como criminoso, eu desconhecia que os vídeos com os depoimentos de Funaro estavam disponíveis na página da Câmara dos Deputados. Aliás, considerando os termos da decisão do ministro Fachin, eu não poderia supor que os vídeos tivessem sido tornados públicos. Somente fiquei sabendo disso por meio de matéria televisiva levada ao ar ontem", afirmou Carnelós.

O advogado disse que não quis criticar Maia e que somente neste domingo constatou que o sigilo não recaía sobre os vídeos, embora discorde.

"Jamais pretendi imputar ao presidente da Câmara dos Deputados a prática de ilegalidade, muito menos crime, e hoje constatei que o ofício encaminhado a S. Ex.ª pela presidente do STF, com cópia da denúncia e dos anexos que a acompanham, indicou serem sigilosos apenas autos de um dos anexos, sem se referir aos depoimentos do delator, que também deveriam ser tratados como sigilosos, segundo o entendimento do ministro Fachin, em consonância com o que tem decidido o Supremo Tribunal", diz a nota do advogado.

Carnelós reiterou que "a divulgação daqueles vídeos pela imprensa causa prejuízos ao presidente da República".

"Não se pode admitir o uso da palavra do confesso criminoso para influenciar os membros da Câmara, que votarão na CCJ o muito bem fundamentado parecer do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), cuja conclusão é pela rejeição à solicitação de autorização para processar o presidente Temer."

Ao saber das críticas de Maia, Carnelós apenas reiterou o que disse na nota enviada nesta tarde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/10


2017

Recife: o que abre e o que fecha no Dia do Comerciário

Lojas fecham as portas tanto na região central, quanto nos bairros. Unidades do Sesc têm programação especial.

Comércio do Centro do Recife fecha as portas no Dia dos Comerciários (Foto: Clarissa Góes/TV Globo)

Por G1 PE

 

O Dia dos Comerciários é comemorado nesta segunda-feira (16) no Recife. Com isso, lojas e shoppings fecham, mas praças de alimentação funcionam em horário especial, segundo a Câmara dos Dirigentes Lojistas. Além disso, unidades do Serviço Social do Comércio (Sesc) têm programação especial.

Segundo a CDL Recife, o comércio do Centro da capital e também dos bairros fica fechado na segunda. Os shoppings da Região Metropolitana também fecham as lojas, mas têm parte dos serviços funcionando. A exceção é o Paulista North Way Shopping, que funciona normalmente. Confira o que funciona na segunda e o horário:

  • Shopping Recife: alimentação e lazer das 12h às 21h
  • Shopping Tacaruna: alimentação e Game Station, das 12h às 21h; Bancos, das 10h às 16h; Diagmax, das 8h às 20h
  • RioMar Shopping: alimentação e lazer das 12h às 21h
  • Plaza Shopping: alimentação das 12h às 21h.
  • Shopping Boa Vista: alimentação funcionamento facultativo; Cinemas, programação normal; Game Station das 11h às 21h; Centro Médico Boa Vista abre das 07h às 20h.
  • Paço Alfândega: alimentação das 11h às 20h.
  • Shopping Guararapes: alimentação e lazer das 12h às 21h.
  • Paulista North Way Shopping: funcionamento normal, das 9h às 22h. (Não é feriado em Paulista)

Programação cultural

Uma programação de lazer e recreação foi montada pelo Sesc nas unidades de Casa Amarela, Piedade e São Lourenço da Mata. A programação inclui apresentações musicais, atividades recreativas nas piscinas adultas e infantis, salão de jogos e desafio surpresa oferecidas aos comerciários e a sua família no feriado. Confira:

Sesc Piedade:

  • Horário: 9h às 16h
  • Atrações: Apresentação da Orquestra Super Oara, atividades recreativas nas piscinas adulta e infantil, salão de jogos liberados e desafio surpresa
  • Ingresso: R$ 3 (comerciário e dependente) e R$ 6 (público em geral)
  • Endereço: Rua Goiana, nº 40
  • Telefone: (81) 3361.2275

Sesc Casa Amarela

  • Horário: 9h às 15h
  • Atrações: Roda de samba com a banda Samba Simples, atividades recreativas na piscina e na quadra
  • Ingresso: R$ 3 (comerciário e dependente) e R$ 6 (público em geral). Crianças até 12 anos não pagam
  • Endereço: Avenida Norte Miguel Arrares de Alencar, nº 119
  • Telefone: 3267.4400

Sesc Ler São Lourenço da Mata

  • Horário: 10h às 16h
  • Atrações: Apresentação de Marquinhos Balada, atividades recreativas e esportivas no campo de futebol, além de banho de piscina e aula de Zumba
  • Ingresso: R$ 3 (comerciário e dependente) e R$ 6 (público em geral)
  • Endereço: Avenida das Pêras, nº 56 - Tiúma
  • Telefone: (81) 3525.9033


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

S. C. B. M.

O QUE ABRE E O QUE PERMANECESSE FECHADO.



15/10


2017

Falso “filho de Sarney” aplica golpes na praça

Ricardo Boechat - ISTOÉ

Um malandro tem se passado por “filho de José Sarney” para aplicar pequenos golpes na praça. Da última vítima, um empresário do setor médico, tirou R$ 5 mil, destinados a bancar um inexistente “ônibus cultural” apadrinhado pelo ex-presidente.

É preciso boa dose de ingenuidade da vítima. Afinal, só quem não sabe nada sobre o poderoso clã político do Maranhão o acreditaria capaz de golpe tão modesto.

Enquanto isso, um processo inusitado acaba de dar entrada no STJ. Os ministros da 4ª Turma terão que decidir sobre a ação ajuizada por Vinicius Mendroni Aggio contra Luciana Michele Borba. Se o romantismo que um dia os uniu já não existe, o mesmo não se pode dizer sobre a cachorra que compraram quando casados. Alegando amor a cadela, ele busca direito a convívio regular com a pet. A questão central na Corte é se a relação afetiva entre pessoas e animais de estimação permite a aplicação analógica do instituto da guarda de menores.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/10


2017

Morre ex-deputado Ricardo Zarattini

O ex-deputado federal e figura importante na luta democrática brasileira Ricardo Zarattini morreu neste domingo 15, em São Paulo, aos 82 anos. Ele estava internado há mais de um mês no Sírio Libanês, em São Paulo, para tratar de um melioma múltiplo, mas não resistiu. O velório será no cemitério São Paulo,  a partir das 22 horas, sendo seu corpo cremado amanhã às 15 horas em Vila Alpina. Seu filho, o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (PT-SP), dedicou ao pai o seguinte poema de Brecht: "Há homens que lutam um dia e são bons, há outros que lutam um ano e são melhores, há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Magno, que vá em paz. Lamento o destaque da \"luta democrática\". Ele nunca lutou pela democracia e sim pela ditadura comunista.


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores