Ipojuca

20/05


2018

Um Senado comprometido

ISTOÉ - Tábata Viapina

Quase 70% dos senadores estão sendo investigados pela Justiça. As acusações vão do recebimento de propina à violência contra mulheres. É o exemplo mais bem acabado da falência política é desalentador. O Senado brasileiro virou a síntese da decadência da política.

Levantamento feito por ISTOÉ revela que 69% dos 81 senadores possuem alguma pendência judicial. Os números mostram que 56 estão encrencados com a Justiça. Os crimes envolvendo os parlamentares da Câmara Alta são de fazer inveja aos ocupantes de qualquer penitenciária brasileira. Há casos de violência contra a mulher, ocultação de bens, peculato, crimes contra a fé pública, ocupação ilegal de apartamentos funcionais, crimes eleitorais, enriquecimento ilícito, corrupção, lavagem de dinheiro, além de muitos inquéritos derivados das delações premiadas da Odebrecht.

O delito preferido dos senadores, no entanto, é a corrupção ou atos de improbidade administrativa: 49 deles respondem por crimes dessa natureza. A maioria, no entanto, se esconde atrás do foro privilegiado e os processos abertos para que possam ser julgados e condenados caminham a passos de cágado.

Desse cenário lamentável, porém, sobressai um dado positivo: os resultados da Operação Lava Jato no processo de saneamento da política brasileira. Afinal, houve um aumento significativo no número de senadores investigados após a deflagração da operação pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. Seis senadores, inclusive, já se tornaram réus no Supremo Tribunal Federal: Aécio Neves (PSDB-MG), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fernando Collor (PTC-AL), José Agripino Maia (DEM-RN), Romero Jucá (MDB-RR), Renan Calheiros (MDB-AL) e Valdir Raupp (MDB-RO). Collor foi denunciado por propinas de R$ 26 milhões desviadas da BR Distribuidora. Gleisi, Agripino, Jucá e Raupp se tornaram réus por repasses ilícitos de empreiteiras para suas campanhas eleitorais. Jucá também é investigado em outros 12 procedimentos. Agripino, por propinas na construção da Arena de Dunas, estádio de Natal da Copa do Mundo de 2014. Já Aécio foi acusado por pedir R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, da JBS, em março de 2017. O tucano é alvo de mais nove inquéritos, que vão desde propinas para campanhas até fraude na licitação da cidade administrativa de Minas Gerais.

Nem o presidente escapa

A Lava Jato também levou o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), a ser investigado no STF. Delatores da Odebrecht revelaram repasses de R$ 2 milhões a ele. O ex-diretor de Relações Institucionais da Hypermarcas Nelson Mello, também em delação premiada, detalhou pagamentos de R$ 5 milhões em despesas de empresas que prestavam serviços à campanha de Eunício em 2014.

Leia reportagem na íntega clicando ao lado:  Um Senado comprometido - ISTOÉ Independente


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do Araripe

20/05


2018

Moro já começa a nos olhar com ar distante

 De quem nada vê além de humanos faltosos

Não é normal, decoroso ou corriqueiro que o juiz desfile mundo afora o seu charme de caçador de corruptos

Reinaldo Azevedo – Folha de S.Paulo

O juiz Sergio Moro nem é um salafrário, como gritaram esquerdistas brasileiros em Nova York, nem é um “Ramphastos dorius” —tucano da espécie Doria— só porque se deixou fotografar ao lado do candidato do PSDB ao governo de São Paulo e participou naquela cidade de um evento, entre outros, do Lide, o grupo de empresários liderado pelo ex-prefeito. Mas a questão está longe de ser “uma bobagem”, como ele classificou as críticas que lhe foram dirigidas.

Não é normal, decoroso ou corriqueiro que o juiz que encarna, em terras nativas, a punição aos corruptos, numa operação que acumula acertos, mas também uma penca de erros, desfile mundo afora o seu charme de caçador de corruptos.

Só neste ano, é sua terceira viagem aos EUA. Oh, não! Não acho que ele seja um agente da CIA. Acho apenas que ele se torna um agente político quando participa de encontros organizados por bancos, associações empresariais e afins. E, como é sabido, políticos disputam votos, não envergam togas. Podem ser presos, mas não mandam prender.

Tal exposição não é ilegal, mas é indecorosa. Moro demonstra ainda, como é próprio de uma personalidade que começa a fazer parte do “jet set”, o particular senso de humor da mundanidade.

Segundo reportagem desta Folha, ao discursar no evento do Lide, fez graça: “Tinha uma gravata vermelha e uma gravata azul. Isso pode ter diferentes sentidos. A vermelha poderia significar Partido Republicano ou Partido dos Trabalhadores. A azul poderia ser o PSDB ou até o Partido Democrata.”

Acabou indo com a vermelha. Não sendo petista, será ele um republicano?

O homem se entrega, em terras estrangeiras, a uma ligeireza de espírito incompatível com os efeitos de seu trabalho no Brasil, no que este tem de virtuoso e de vicioso. Ele mesmo, ao arranhar um Terêncio (“Sou homem, e nada do que é humano é estranho a mim”), concluiu: “Somos todos seres humanos, com nossas virtudes e nossas falhas, e a corrupção pode afetar alguém de qualquer espectro político”.

Opa! Corrijo-me: Moro estava falando dos humanos, não de si mesmo.

O juiz começa a olhar para a nossa “melancólica humanidade” com olhos estranhos. Parece flanar acima das disputas terrenas entre o bem e o mal, o certo e o equívoco, o vermelho e o azul. A rigor, só ele poderia envergar qualquer gravata e transitar em qualquer ambiente sem se deixar tocar ou contaminar.

Nas suas sentenças, no entanto, ninguém tem direito à inocência. Se falta a prova, ele a substitui por uma versão, digamos, rupestre da teoria do domínio do fato: “Estava em festa de tucano? Então é tucano; não tinha como não saber...” Na sua vida privada —que, como se vê, é uma derivação de sua atuação pública—, inexistem a culpa e a suspeita, imunidade prévia que se estende a compadres.

Sou um homem inatual. Resgato na palavra “justiça” a raiz “jus, juris”, que quer dizer “neutralidade”, “equilíbrio”. Por isso a balança... Caminhando um tanto para trás, a palavra remete ao sagrado. A Justiça é necessariamente frugal.

Cobro mais compostura de um juiz. De qualquer um. Mais ainda de quem mandou para a cadeia um ex-presidente da República e que comanda uma operação que responde pelo transe político que vive o país, de desdobramento incerto.

Notem: mesmo que houvesse inocentado Lula, essa performance seria incompatível com a função. Diz ele que participa de convescotes empresariais porque, afinal, a corrupção também está no mundo privado. Conversa mole. Ele não estava lá para conferir uma aula magna, dar um puxão de orelha ou fazer advertência. Participava de rega-bofes.

O lugar de um juiz, recorrerei a uma palavra bilaquiana (sou inatual), é no claustro, rezando os textos legais e tomando decisões que honrem o que está escrito, lembrando-se sempre de que é homem, também ele —e não só os seus réus—, e de que nada do que é humano lhe é estranho. Nem mesmo a vaidade irresponsável.

Sei o que me custa um texto assim. Fazer o quê? O caminho do smoking e do champanhe, enquanto o país fica entre o tédio e o abismo, seria certamente mais fácil também para mim. Mas não o mais moral.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do Moxotó

19/05


2018

Ex-presidente da Hemobras morre em Lisboa

Ex-presidente da Hemobras morre em Lisboa. Rômulo Maciel Filho estava a passeio quando passou mal. Familiares ainda não divulgaram informações a respeito do sepultamento.

Do Diario de Pernambuco

O ex-presidente da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobras),o economista Rômulo Maciel Filho, de 61 anos, faleceu neste sábado, vítima de um infarte fulminante em Lisboa, em Portugal.Ele foi afastado do cargo em 2016, mas depois conseguiu retornar por meio de ação judicial, e permaneceu na função até outubro de 2017. 

Rômulo Maciel Filho estava em viagem a passeio quando passou mal e acabou morrendo. Parentes ainda não divulgaram quando será o velório e sepultamento dele. O executivo deixou três filhos. Rômulo Maciel Filho presidiu a Hemobras entre 2008 e 2009, momeado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Em 2015, foi alvo da Operação Pulso, da Polícia Federal, que investigava suspeitas de fraudes em licitações e desvio de recursos da estatal em benefício de campanhas políticas. Por conta disso, ele acabou sendo afastado da gerência da empresa de hemoderivados.Na ocasião em que a PF cumpriu mandado de busca e apreensão no endereço residencial do executivo, em um dos edifícios conhecidos como Torres Gêmeas, no bairro de São José, pacotes com dinheiros foram arremessados pelas janelas. 

Rômulo era formado em economia e era doutor em saúde coletiva, também trabalhou na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e na Fundação Oswaldo Cruz, onde dirigiu o Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães por cinco anos, no Recife. Foi ainda assessor do ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Mata Norte

19/05


2018

A farra dos municípios volta à pauta

Lydia Medeiros  O Globo

Os deputados maranhenses eram os mais entusiasmados na noite da última quarta-feira, quando a Câmara, por ampla maioria de 337 votos favoráveis e 36 contrários, decidiu dar urgência à votação de um projeto que permitirá a criação, fusão ou desmembramento de municípios no país. 

- Aqui há líderes emancipacionistas do Brasil inteiro. Do meu estado, o Maranhão, vieram mais de 5 ônibus, são mais de 30 municípios que lá serão criados - comemorava Hildo Rocha (PMDB-MA).

Na bancada maranhense, o tom festivo era suprapartidário:

- Sr. Presidente, nesta oportunidade,eu quero dizer a V.Exa. e a todos os parlamentares que o Partido dos Trabalhadores sempre apoiou essa causa. Eu acompanho essa luta, principalmente a dos maranhenses, há mais de 10 anos. Muitos que começaram essa luta não estão aqui, neste dia histórico, porque já faleceram. Este é o dia da vitória, após uma grande luta pela emancipação. Emancipação não é gasto; emancipação é desenvolvimento, é saúde, é luta pela liberdade. Viva o Maranhão! Viva o povo do Brasil! Viva a emancipação! - discursou o petista Zé Carlos.

O Maranhão tem 217 municípios, e os orçamentos da quase totalidade deles, segundo o IBGE, depende em mais de 90% de recursos externos, ou seja, do Tesouro Federal. A melhor situação é a da capital, São Luís, onde 59,3% do dinheiro não é arrecadado pela prefeitura. No estado, apenas 30,1% dos jovens ocupam trabalhos formais, e um terço da população tem restrições de acesso a serviços de saneamento básico. Os maranhenses têm o menor rendimento médio do país (R$ 1.123,00), quase três vezes menor que os ganhos no Distrito Federal (R$ 3.529,00), que ocupa o topo da lista. 

O requerimento de urgência para o projeto foi apresentado pela deputada Marinha Raupp (PMDB), representante de outro estado pobre, Rondônia, onde quase a metade da população não tem sequer acesso a água e esgoto tratados:

_ Em Rondônia, temos o distrito de Extrema, a mais de 300 quilômetros da capital, que tem necessidade de emancipação e já fez seu plebiscito. O mesmo acontece com o distrito de Tarilândia, no município do Jaru - explicou a deputada ao plenário.

A dependência de dinheiro federal se repete em municípios de todo o país. Em mais de 70% , em torno de 80% das receitas são obtidas por meio de repasses da União. Foi essa a razão alegada pela ex-presidente Dilma para vetar dois projetos semelhantes. O Congresso manteve a primeira decisão,  porque fez um acordo em torno de outro projeto - que também acabou vetado porque "causaria desequilíbrio de recursos dentro do Estado e acarretaria dificuldades financeiras não gerenciáveis para os municípios já existentes", segundo a então presidente.

A lógica do argumento foi repetida por alguns poucos parlamentares contrários à proposta:

_ O PSOL vota não por conta de sua trajetória de coerência, inclusive na dinâmica da pauta desta Casa. Em nenhum momento o Colégio de Líderes discutiu essa matéria. Nós temos preocupação com que se venda a ilusão de que mais de 400 municípios, estimadamente, possam resolver problemas reais, que o povo daqui expressa até no seu corpo e no seu clamor, de falta de saneamento básico, de falta de recursos - protestou Chico Alencar (RJ), líder do PSol.

Edmar Arruda (PSD-PR) também reclamou:

- Há mais de 2 mil municípios cuja arrecadação não paga nem a despesa das Câmaras de Vereadores. Precisamos é enxugar o Estado brasileiro. Não podemos, imprudentemente, criar mais municípios para termos mais prefeitos aqui com pires na mão, pedindo recursos. Não podemos fazer isso! Há mais de 2.500 municípios do Brasil que não conseguem pagar as contas! Nós estamos aqui com irresponsabilidade criando municípios!

Em 2016, 2.091 prefeitos ignoraram a Lei de Responsabilidade Fiscal, de acordo com estudo consuzido pela Firjan. O número pode ser ainda maior. Outros 937 sequer apresentaram dados à entidade, mostrando total ausência de gestão. A criação de novos municípios está agora entre as prioridades da Câmara. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Arick Wierson, ex-estrategista de Bloomberg, diz que Lula fala a língua do povo.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Depois esses políticos querem que tenhamos respeito por essa classe de bandidos. Isso é vergonhoso. O pior é a população ainda eleger vereadores e prefeitos, que eles conhecem, para roubar ou simplesmente viver seu mandato sem fazer nada. Dinheiro não cai do Céu. Vai chegar o dia que teremos de pagar essa conta e ela vem com juros e correção. Que Deus nos ajude.



19/05


2018

Dirceu: firme na intenção de jamais fazer delação

Dirceu chora entre amigos e segue firme na intenção de jamais fazer delação. 'Fui formado numa geração em que a delação é a perda da condição humana', diz ex-ministro.

Foto/ Brasil247

Folha de S. Paulo - Mônica Bergamo

 

O ex-ministro José Dirceu segue firme na intenção de jamais aderir a um acordo de delação, apesar da perspectiva de talvez nunca mais sair da prisão.

VITROLA

Figura central do PT, ele diz que “nem em música” considerou algum dia a hipótese de fazer colaboração premiada. “Nem em samba-canção”, afirma. “No Exército Vermelho [da antiga União Soviética] tinha um ditado: para ser covarde, é preciso ter coragem. Porque os traidores eram sumariamente eliminados pelo comissário político na frente de batalha.”

TORMENTOS

“Eu fui formado numa geração em que a delação é a perda da condição humana. A maioria [das pessoas presas na ditadura] não delatou nem mesmo sob torturas que as destruíam psicologicamente, fisicamente. Muitas ficaram com sequelas e carregam até hoje aqueles tormentos, como é o caso da própria [ex] presidente Dilma, segue ele.

Antes de ser preso, o ex-ministro terminou de escrever uma biografia, que será lançada pela Geração Editorial.

LÁGRIMAS

Apesar das mensagens enviadas na quinta (17) a grupos de WhatsApp em que aparentava firmeza e força, Dirceu chegou a chorar em conversas com alguns amigos antes de ser preso.

ENDEREÇO

O petista pensava, num primeiro momento, em tentar cumprir a pena no Complexo Médico Penal, no Paraná, para onde esperava que Lula fosse transferido. A decisão do ex-presidente de permanecer onde está fez com que Dirceu preferisse ficar em Brasília.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Arick Wierson, ex-estrategista de Bloomberg, diz que Lula fala a língua do povo.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

É isso aí \"cumpanheiro\". Fica de bico calado que 30 anos passa logo.


Versão Sertão do Pajeú

19/05


2018

Por que Lula não desiste agora

Helena  Chagas – Blog Os Divergentes

Ninguém sabe melhor do que Lula que ele não estará subindo a rampa do Planalto em 1 de janeiro de 2019 – pelo menos para ocupar o maior gabinete do terceiro andar. Ninguém melhor do que o ex-presidente sabe, também, que um indulto presidencial seria sua melhor chance de escapar à atual e a futuras condenações dadas como certas. Para isso, porém, Lula terá que eleger ou ter participação decisiva na eleição do futuro presidente da República. É nesse raciocínio que se baseia hoje a estratégia política da cúpula do PT.

Por mais que esperneiem governadores e setores do PT que, diante da impossibilidade da candidatura Lula, pressionam para que o partido tome logo outro rumo na eleição, isso não deve acontecer tão cedo. Ao menos enquanto as pesquisas mostrarem que, lá daquela cela de Curitiba, o ex-presidente mantém seu património eleitoral. Quarenta dias depois da prisão, sem qualquer imagem divulgada ou declaração de viva voz ao eleitorado, Lula mantém praticamente intocada a fatia de cerca de 30% dos votos que tinha antes.

É natural que esse patrimônio de votos comece a se deteriorar nos próximos meses, e a velocidade com que isso ocorrer ditará o “timing” da decisão petista de lançar o seu poste ou, menos provável, anunciar uma aliança com Ciro Gomes já no primeiro turno. Mas a  permanência de Lula na cadeia, incapacitado de fazer campanha, a proximidade da Copa do Mundo – que deixará a eleição em suspenso até o fim de julho – e o bate-cabeças no campo adversário da centro-direita são fatores que reforçam a calma nessa estratégia.

Afinal, de que adiantaria agora Lula jogar a toalha e lançar, por exemplo, Fernando Haddad, expondo-o ao sol e à chuva inevitáveis da campanha? Ou queimar seu cacife declarando agora um apoio precoce a Ciro Gomes, provocando uma conflagração em setores contrários do partido? Ou, pior, apostando num cavalo que não se sabe ainda se chegará lá?

Não é hora para isso, dizem os petistas mais próximos ao ex-presidente. Manter o discurso da candidatura ainda é a melhor forma de evitar a dispersão de seu principal ativo político – que ao fim e ao cabo, é também um importante elemento de barganha para trabalhar pela soltura do ex-presidente, seja para negociar um indulto futuro, seja para trabalhar por uma decisão favorável num tribunal.

O que não quer dizer que não estejam correndo soltas, com autorização do próprio Lula, as conversas em torno de uma composição com Ciro. Agosto será o mês decisivo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Arick Wierson, ex-estrategista de Bloomberg, diz que Lula fala a língua do povo. Isso incomoda o direitista..

Quentura

Pobre fulano. Morre de inveja do Lula.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Chora Helena, chora, O bandidão do Lularápio elegeu a DilmAnta no segundo turno e quase perdeu para o Aécio. Agora, com essas pesquisas fajutas e compradas, querem que o canalha tenha 30% das intenções de voto. Não dá mais para enganar os trouxas. Toda direção do PT presa por roubo e ainda se acham com cacife para eleger alguém. Tchau petralhas e PT saudações


Gravatá

19/05


2018

MP pedirá ao Senado dados sobre emendas de Jarbas

Ministério Publico Federal pedirá ao Senado informações sobre emendas de Jarbas Vasconcelos. Solicitação faz parte de inquérito decorrente de delações premiadas de ex-executivos da Odebrecht. Jarbas Vasconcelos já negou ter recebido qualquer doação ilegal ou propina. 

O deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) (Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados) 

Época - Coluna Expresso - Por Murilo Ramos

 

O Ministério Público Federal pedirá ao Senado informações sobre emendas parlamentares do deputado federal e ex-senador Jarbas Vasconcelos (MDB-PE) relativas aos anos 2009, 2010 e 2011. A solicitação faz parte de procedimentos de inquérito aberto para apurar se houve irregularidades em repasses da Odebrecht para o parlamentar. 

A investigação decorre de delações premiadas de ex-executivos da empreiteira. Entre os delatores está João Antônio Pacífico Ferreira, que terá de depor no inquérito.  Vasconcelos já negou ter recebido qualquer doação ilegal ou propina. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

19/05


2018

Lula: deixem Gleici em paz; reclama de esteira

Lula determina que aliados cessem críticas a Gleisi. Enquanto isso, Lula recebe esteira ergométrica, mas reclama de condição do aparelho.

Foto: Gleisi Hoffmann e Lula (Ricardo Stuckert/PT)

Veja - Coluna Radar

Por Gabriel Mascarenhas

 

Irritado com as labaredas amigas na direção de sua mensageira e mulher de confiança, Lula mandou um recado aos correligionários: não quer saber de críticas públicas à atuação de Gleisi Hoffmann como presidente do PT. 

Enquanto isso, Lula, enfim, recebeu a esteira ergométrica que tanto queria. Mas não ficou satisfeito. O petista considerou o equipamento velho e pediu a substituição por um modelo mais moderno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Arick Wierson, ex-estrategista de Bloomberg, diz que Lula fala a língua do povo. Isso incomoda o direitista..

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Se incomode não. O dia da sua cria de estimação tá chegando. Ela já já vai te fazer companhia.



19/05


2018

Joesley Batista: Temer pedia propina sem cerimônia

Dez dias antes de assumir o poder, o peemedebista teria pedido 300 000 reais pessoalmente.

Temer, durante liberação de recursos para Teresina, Planalto, em Brasília (DF) - (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Da Veja

Por Daniel Pereira

 

Reportagem de VEJA desta semana mostra que Joesley Batista, em depoimento à Polícia Federal, declarou ter recorrido a dois homens da confiança do presidente Michel Temer em tentativa de destravar um projeto de seu interesse no Porto de Santos. 

Os dois nomes citados pelo empresário — Wagner Rossi e Milton Ortolan — receberiam mesadas da JBS e acabaram presos na Operação Skala, da PF. Segundo Joesley, Temer falava sem pudor em dinheiro, em rolo, em esquema. 

A dez dias da votação do impeachment de Dilma, Temer teria lhe pedido 300 000 reais. Em nota, a Presidência da República protestou contra as “mentiras” de Joesley e assegurou que “jamais o presidente pediu qualquer espécie de contribuição, em dinheiro, para quem quer que seja”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/05


2018

Festa das Rosas recebe público gigante

Um público gigante compareceu a 70ª edição da Festa das Rosas, do município de Flores, no Pajeú.

Foto: secretaria de eventos de Flores/divulgação

A mega estrutura que recebeu os shows de Luan Estilizado e Gabriel Diniz foi montada, pela gestão municipal, no centro comercial urbano do município e atraiu olhares de cerca de 12 mil pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar de Pernambuco, que designou cerca de 40 homens para reforçar a segurança do evento; que este ano, contou com o monitoramento de câmaras de segurança em toda polo festivo.

Além do reforço de militares, a gestão municipal investiu na contratação de 50 (cinquenta), homens de uma empresa de segurança particular, e garantiu a tranquilidade, em 100%, da festa, que terminou por volta das 2h, deste sábado (18), sem nenhuma ocorrência policial.

O prefeito do município, Marconi Santana e a primeira dama, Lucila Santana assistiram as apresentações de Luan Estilizado e Gabriel Diniz, ao lado do deputado estadual, Joaquim Lira e do deputado federal, Danilo Cabral.

Ao avaliar os três dias de evento, que contou com inaugurações, teatro, exposições e mostra de Blues e shows musicais; Lucila Santana, Secretária de Turismo e Eventos, destacou, “a grande participação popular em todos os dias de festa e estamos muito felizes, por que tudo foi pensado com muito carinho, amor e zelo, exclusivamente para o povo de Flores, que tanto nos abraça e nos acolhe. Eu e Marconi estamos radiantes, com o sucesso da 70ª Festa das Rosas, que terminou com muita paz e tranquilidade. Agradeço a todos que nos ajudaram e estiveram se doando em prol de nossa Flores. Meu muito obrigado”, registrou Lucila.

A 70ª Festa das Rosas continua do distrito de Fátima, com ordem de serviço para construção de pavimento em paralelo, no dia 27 e shows de Edu e Maraial e Zeca Bota Bom.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/05


2018

Falta de recursos ameaça o Minha Casa Minha Vida

Se o governo não conseguir reduzir as despesas obrigatórias, será preciso cortar programas sociais.

unidades habitacionais/ Parque Jardim São Paulo, Minha Casa Minha Vida,/Luziânia, Goiás (Foto: Bruno Peres/Min. Cidades/)

Da Veja
Por Estadão Conteúdo

 

Enquanto o presidente Michel Temer aproveita as entregas de moradias do Minha Casa Minha Vida como palanque, o orçamento do programa de habitação popular corre o risco de ficar sem recursos para a construção de nenhuma moradia destinada às famílias mais pobres, que ganham até R$ 1,8 mil por mês.

Na reunião da semana passada da junta orçamentária — que reúne os ministros da Fazenda, do Planejamento e da Casa Civil — foi avisado que, se o governo não conseguir reduzir as despesas obrigatórias, como pagamento de salários, previstas para o ano que vem, será preciso cortar uma série de programas sociais e proibir qualquer contratação com impacto fiscal, como as casas do programa, cujo subsídio chega a 90%.

Para contornar essa situação, os ministros da junta propuseram dar prioridade para a aprovação do projeto que acaba com a desoneração da folha de pagamento para alguns setores e adiar o reajuste dos servidores previsto para entrar em vigor em janeiro.

A equipe econômica aceita que um número de setores maior fique fora do aumento da carga tributária. O governo gasta por ano R$ 16 bilhões para manter 56 setores com a desoneração. Se conseguir adiar o reajuste de cerca de 370 mil servidores previsto para o ano que vem, seriam economizados R$ 5 bilhões.

As 50 mil unidades adicionais do MCMV anunciadas esta semana pelo presidente Michel Temer serão direcionadas exclusivamente à faixa 1,5 do programa – que atende famílias com renda de até R$ 2,6 mil e tem até 30 anos para pagar. Nessa faixa, o FGTS financia 90% do valor e o governo arca com os 10% restantes. A expectativa é que as novas unidades prometidas para este ano custem até R$ 250 milhões ao Tesouro Nacional. Ao todo, para todas as faixas, o governo se comprometeu a começar a construção de 600 a 700 mil moradias do programa. No ano passado, Temer já descumpriu a meta de contratar 170 mil moradias para os mais pobres. O governo iniciou a construção de apenas 23 mil moradias em 2017, apenas 13,5% da meta.

A decisão de financiar apenas a faixa 1,5 foi determinada pelo debate que se arrastou por semanas entre a área política e econômica do governo. Nessa discussão, a equipe econômica sempre lembrou da frágil situação fiscal e alertou que a ampliação do programa em R$ 9 bilhões neste momento prejudicaria as contas públicas, o que aumenta a chance de cortes no futuro.

Alternativas

Para o vice-presidente de Habitação do Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (Sinduscon-SP), Ronaldo Cury, a faixa 1 é fundamental para reduzir o déficit habitacional no País, junto com outras alternativas, como o pagamento de aluguel social. Mas com restrição fiscal, ele defende que uma parte das famílias beneficiadas pague uma contribuição maior pelo imóvel, o que reduziria o custo do subsídio bancado pela União. O contemplado com uma casa da faixa 1 paga no máximo R$ 270 de prestação mensal, por 10 anos, sem juros.

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, afirmou que “formalmente” não chegou ao ministro a escassez de recursos para o MCMV em 2019. “Caso eventualmente haja [falta de recursos], como ainda votaremos o orçamento de 2019, eu irei votar, o meu partido presidirá a CMO [Comissão Mista do Orçamento], podemos recompor o que for importante para manter o programa levando moradias às famílias de baixa renda”, disse.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

BM4 Marketing

19/05


2018

Tacaimbó: detentos se casam em cerimônica religiosa

Foto: Márcia Galindo/Seres

O fato de estarem cumprindo pena em regime fechado, não impediu que 17 detentos da Penitenciária de Tacaimbó (PTAC), no Agreste do Estado, realizassem o sonho de casar. A cerimônia coletiva ocorreu, nesta sexta (18/05), num pavilhão da unidade prisional, que é ligada à Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres).

O Mês das Noivas se fez presente para os 17 casais que vivenciaram o momento com direito à celebração proferida pela Igreja Universal do Reino de Deus, trajes tradicionais, alianças, bolo e quatro convidados para cada par. O corredor do pavilhão se transformou em um espaço cheio de flores para recebê-los. O reeducando Everton Vicente da Silva acredita que se estivesse fora da penitenciária não teria se casado. “Muita coisa lá fora podia impedir que eu me casasse de novo, mas graças a Deus tive essa oportunidade de construir minha família novamente, mesmo preso mas com sentido de vencer e crescer na vida”, afirma.  

“Oferecer esse momento aos reeducandos é uma preocupação da unidade prisional pois além de deixá-los felizes, promove uma maior tranquilidade na cadeia”, afirma o gerente da PTAC, Felippe Diniz. Em 2017, a PTAC realizou o casamento de 14 detentos. O secretário-executivo de Ressocialização, Cícero Rodrigues, foi representado pelo superintendente de Segurança Penitenciária, Clinton Paiva.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

19/05


2018

Harry e Meghan se casam em Windsor

Príncipe Harry e Meghan Markle se casam em cerimônia que uniu tradição e modernidade. Celebração estava repleta de celebridades. Como anunciado recentemente, Meghan foi levada ao altar pelo sogro Charles, já que seu pai não pôde viajar à Inglaterra.

Meghan Markle e o príncipe Harry se casam neste sábado (19) (Do G1 por Foto: Dominic Lipinski/Pool via REUTERS)

Do G1 

príncipe Harry e a atriz norte-americana Meghan Markle casaram-se neste sábado (19) na Capela de São Jorge, no castelo de Windsor. Com isso, Meghan é a mais nova plebeia a ser tornar membro da realeza britânica, concretizando o enlace que nas últimas semanas tomou conta do noticiário no mundo todo.

Lotada de celebridades, a emocionante cerimônia misturou elementos tradicionais e modernos.

O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, líder espiritual da Igreja Anglicana, tomou os votos matrimoniais dos noivos, que passaram grande parte da cerimônia de mãos dadas. Michael Curry, o bispo presidente da Igreja Episcopal dos EUA, fez um sermão sobre o amor e citou ativista negro Martin Luther King.

A cerimônia teve diversos momentos emocionantes, como o sermão do bispo americano Michael Curry e a versão da música "Stand By Me" cantada por um coro gospel. 

Confira a reportagem na íntegra aqui: Príncipe Harry e Meghan Markle se casam em cerimônia que uniu ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/05


2018

Lupi: vetos do PT a Ciro ameaçam 2º turno

‘Petistas lutam pela sobrevivência. Não me incomodam’, diz presidente do PDT. PT atacou assédio de Ciro a governadores. Para Carlos Lupi, vetos ameaçam 2º Turno.

Foto: do site247

Do Pode360 
Por Tales Faria

 

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, disse ao Poder360 que ainda não está incomodado com as críticas dos petistas ao pré-candidato do seu partido ao Planalto, Ciro Gomes. Ele acha que “é do jogo” a reação da cúpula do PT à aproximação entre Ciro e os governadores petistas do Nordeste.

Lupi diz que até aí ele aceita. Só não está disposto a conviver com vetos. “Tem a sobrevivência deles e a solidariedade ao Lula. Eu também gosto do ex-presidente e entendo. Sou solidário também. Mas o PT precisa tomar cuidado. Um veto agora pode inviabilizar, por exemplo, nossa aliança até mesmo no 2º turno”.

A APOSTA DO PDT

O partido de Ciro Gomes acredita que o PT não mente quando diz que levará a candidatura Lula até o limite. Aposta que os petistas querem, ao menos, deixar a foto de Lula na urna eletrônica, mesmo que para outro candidato. O PDT acha isso ótimo. Até lá, muitos aliados do PT procurarão outro nome. E Ciro estará à disposição.

O Poder360 já falou com vários ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Não há chance de a foto de Lula estar na urna eletrônica –e depois outro candidato ser apresentado pelo PT.

DISCORDÂNCIA NO CEARÁ

Irmão de Ciro e também ex-governador, Cid Gomes defende dentro do PDT desistir da sua candidatura ao Senado. Concorreria a deputado. Com isso, pode abrir espaço para 1 candidato a senador de outra sigla na chapa que mantém como o governador petista Camilo Santana. de quebra, puxaria com seus votos uma bancada maior na Câmara.

É uma forma de os irmãos Ciro e Cid ajudarem a ampliar a aliança em torno do governador petista. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), reivindica uma das vagas. Mas Carlos Lupi prefere ter 2 candidatos do PDT ao Senado na chapa: Cid e o deputado André Figueiredo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

O direitista ai, morre de inveja. Lula não é advogado e o mundo o reverência. Lula realmente é um MITO, dai a inveja.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Esse Lupi é do baralho. Solidariedade ao Lula? Um bandido condenado e preso? Vai Ciro, vai. Nos já te conhecemos. Vigaristas de primeira. Enganador como promessas fáceis para problemas difíceis igualmente como a corja petralha. Não adianta, é Bolsonaro na cabeça para voltarmos a ter um País que valorize o homem de bem e a família. Essa do Bolsa Reclusão é uma afronta ao povo decente. Como pode uma família do preso ter uma Bolsa Reclusão e a família que perdeu seu marido e seu pai por ter sido assassinado pelo bandido ficar sem amparo. Isso é uma vergonha. Bolsonaro neles.



19/05


2018

Herdeiro de José Alencar entra no jogo de 2018

Josias de Souza

O empresário Josué Gomes da Silva, presidente da Coteminas, gigante do setor têxtil, manifestou em conversas privadas o desejo de participar da sucessão presidencial de 2018. Embora seja herdeiro de José Alencar, ex-vice-presidente de Lula, Josué migrou do MDB para o PR e se move em direção ao bloco partidário de centro-direita, que reúne DEM, PP, PRB e Solidariedade. Ele declarou a líderes do grupo que se dispõe a concorrer como vice ou até como candidato ao Planalto.

O diálogo é cuidadoso, pois o bloco dispõe de três presidenciáveis declarados: Rodrigo Maia (DEM), Aldo Rebelo (Solidariedade) e Flávio Rocha (PRB). Nenhum deles alçou voo nas pesquisas. Mas todos mantêm na raia suas candidaturas, pelo menos como um objetivo retórico.

Um dos interlocutores de Josué Gomes é Rodrigo Maia, o presidente da Câmara. Ele diz aos amigos que o bloco partidário deve atuar conjuntamente. E prevê que a definição sobre o nome do candidato deve ficar para julho. Celebra como algo muito positivo a entrada em cena do presidente da Coteminas.

A participação de Josué está condicionada à posição do PR, a legenda à qual se filiou. O ex-presidiário do mensalão Valdemar Costa Neto controla o partido. Qualquer decisão passa por ele. E Valdemar ainda não autorizou o PR a se integrar ao bloco que reúne o DEM e três partidos do chamado centrão. Também não deixou claro o que pensa sobre a participação de Josué no processo sucessório.

A prioridade de Valdemar é eleger deputados federais. O número de deputados serve de base para o rateio do fundo partidário e do tempo de TV. Quando maior a bancada, mais dinheiro e mais espaço na vitrine eletrônica. De resto, uma bancada volumosa aumentaria o poder de barganha do PR no exercício de sua especialidade: o fisiologismo.

Por todas essas razões, Valdemar diz aos correligionários que não quer “desperdiçar” verbas do fundo de financiamento eleitoral numa campanha para o Planalto. Mas o todo-poderoso do PR pode abrir uma exceção caso o desejo de participação de Josué envolva a disposição de abrir o próprio bolso. A lei permite o autofinanciamento. E o herdeiro de José Alencar dispõe de um saldo médio bem acima da média.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

O direitista ai, morre de inveja. Lula não é advogado e o mundo o reverência. Lula realmente é um MITO, dai a inveja.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

KKKKKK. Entrou no jogo? Quem é esse? É ridículo virmos essa esquerda canalha querer enganar os liberais com esse \"herdeiro\" do José Alencar que foi o vice do Lulaladrão. É querer enganar, de novo, o eleitor. Não adianta. É Bolsonaro na cabeça.



19/05


2018

Depoimento da filha de Temer à PF é gelatinoso

Josias de Souza

Intimada pela Polícia Federal para explicar a origem do dinheiro que financiou uma reforma em sua casa, a psicóloga Maristela Temer, filha de Michel Temer, prestou um depoimento que tem a consistência de uma gelatina. Antes do interrogatório, os investigadores suspeitavam que a reforma foi paga com dinheiro de propina. Depois, as suspeitas aumentaram.

Maristela foi inquirida em 3 de maio. Mas só agora a coisa veio à luz. Ela contou que Temer indicou para auxiliá-la na reforma o amigo e faz-tudo João Baptista Lima, coronel aposentado da PM paulista. É o mesmo personagem a quem os delatores da JBS afirmam ter repassado, a pedido de Temer, propina de R$ 1 milhão.

A depoente disse ter comparecido a uma reunião na Argeplan, empresa do coronel Lima. Participou do encontro a mulher do anfitrião, Maria Rita Fratezi. Foi ela quem tocou a obra. Mas Maristela sustenta que madame apenas ajudou. Nessa versão, o trabalho de Maria Rita foi gratuito e não existe contrato.

Maristela Temer reconhece que Maria Rita realizou pagamentos a fornecedores, por vezes em dinheiro vivo. Jura ter devolvido o dinheiro. Mas ''não sabe precisar a forma do ressarcimento.” Hã?!? Em algumas ocasiões” pagava em espécie, com dinheiro recebido de seus pacientes. Em outras, emitia cheques.

Em resumo, Maristela quer que a PF acredite na seguinte versão: Maria Rita, a mulher do coronel Lima, trabalhou na obra sem receber um tostão furado. Tirou dinheiro da própria bolsa —ou do bolso do marido— para pagar aos fornecedores. Foi devidamente ressarcida, mas não há vestígio de comprovantes.

Se Maristela Temer tivesse que transformar seu depoimento num conto, começaria o texto assim: “Era uma vez…” Considerando-se a consistência gelatinosa do enredo, a PF receia que não será possível encerrar com o tradicional “todos foram felizes para sempre.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/05


2018

Reação do Nordeste ao governo Temer

Apesar de não ter seu nome citado em reunião, que contou também com a presença do governador de Minas, gestores fizeram críticas a medidas adotadas

Rosália Rangel – Diario de Pernambuco

A reunião dos governadores do Nordeste e de Minas Gerais realizada nesta sexta-feira no Palácio do Campo das Princesas foi além do debate contra a privatização do Sistema Eletrobras e suas subsidiárias, entre elas a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf). O encontro mostrou a disposição dos gestores para trabalhar unidos em defesa dos interesses da região e também a reação do grupo contra as medidas adotadas pelo Governo Temer. O nome do presidente, aliás, não foi citado em nenhum momento, mas a gestão dele foi duramente criticada.

No final do encontro, foi divulgada a Carta do Recife, onde os governadores elencaram 11 pontos que consideram importantes para a retomada do desenvolvimento econômico dos estados nordestinos e a garantia dos serviços oferecidos à população.

“É uma carta em favor do Nordeste, mas em favor do Brasil também. Uma carta que coloca pontos fundamentais de atenção no âmbito federativo. Queremos mais diálogo, queremos condições de sentar à mesa”, disse, em entrevista, o governador Paulo Câmara (PSB).

A pauta do encontro abriu espaço para cobranças nas áreas da segurança pública, saúde, programas de assistência social, repatriação de impostos e liberação de empréstimos.

“O Nordeste é uma região que fez seu dever de casa e tem sido penalizado nos últimos anos pelo corte de crédito. Todos os estados da região são poucos endividados e não têm acesso ao crédito para investimentos, concluir obras, gerar emprego e renda em um momento em que o Brasil passa pela maior crise econômica da sua história”, ressaltou Câmara.

{..]

Em todos os discursos, os gestores demostraram indignação com as medidas adotadas pelo governo federal para a região. O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), citou os cortes feitos no Bolsa Família, que, segundo ele, deixou de atender mais de 500 mil famílias e agora um novo anúncio reduz mais 300 mil. “Temos que reagir”, disse.

Sobre a privatização da Eletrobras e Chesf, a postura dos governadores foi ainda mais contundente. “Não se pode privatizar água, rio, num momento em que o Nordeste conseguiu a chegada das águas do São Francisco com a transposição”, disse Ricardo Coutinho (PSB), da Paraíba.

“O Nordeste está unido contra a privatização da Eletrobras e da Chesf e o estado de Minas Gerais está solidário conosco. Caso isso ocorra é a privatização do Rio São Francisco e da vazão da água e isso vai afetar milhares de famílias pernambucanas e nordestinas”, destacou Paulo Câmara.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

São sempre desatinadas as vinganças por ciúmes.

Quentura

Isso é politica em altíssimo nível, o que não se pode é criminalizar a politica e os políticos por fazerem politicas, por encontrar acertos em acordos com representantes da sociedade. Fora a politica teremos ditaduras e guerra.

Ricardo José

Esses governadores estão andando na contramão, são contra tudo e todos, visto que é bem mais prático deixar uma estatal sugando nosso suor e sendo cabide de emprego e eleitoral. O governador do RN está tão ruim das pernas quanto o Temer, da PB seus processos chegaram a justiça de 1instancia e o de PE nem preciso falar dos desmandos. Vou ficar por aqui.

LUIZ MAIA

Governadores do Nordeste reunidos, escória da política brasileira, são contra a privatização e a favor do secular atraso do país.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

O que esses governadores querem é continuar com empresas estatais, dando prejuízo e cheia de cargos comissionados para serem ocupados por indicação política. É uma vergonha. Além disso, o uso dos recursos com possibilidade de licitações fraudulentas e superfaturadas para desviar dinheiro para quem indicou o gestor é grande. A incompetência da gestão pública é comprovada. Querer continuar com empresas e instituições públicas para atender o público com eficiência e sem prejuízo para os cofres públicos é de uma canalhice sem limites. Esses são os governadores do Nordeste. Por essas e outras e que nossa Região fica cada dia mais distante do desenvolvimento do Sul e Sudeste.



19/05


2018

Deputado recebe título de cidadão são-lourencense

A Câmara Municipal de São Lourenço da Mata entregou, na noite de ontem, o Título de Cidadão honorífico ao deputado federal Marinaldo Rosendo (PP). O projeto foi de autoria do presidente da Casa, vereador Denis Alves, também progressista.

Em seu discurso, Marinaldo, que é natural de Timbaúba, contou um pouco sobre sua história de vida pessoal, empresarial e política. “Para mim é uma honra receber esta homenagem, como filho de São Lourenço da Mata. Tenho como deputado federal a responsabilidade de contribuir com o desenvolvimento dos municípios, e fico muito orgulhoso de lutar por esta cidade, enviando uma emenda parlamentar de R$ 2 milhões para infraestrutura e para a saúde. Meu compromisso com São Lourenço da Mata aumentou ainda mais, e espero continuar colaborando para o seu crescimento”, disse o deputado.

Na oportunidade, o autor da honraria, vereador Denis Alves, agradeceu a presença de todos e enfatizou a importância do trabalho do deputado para o município.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/05


2018

Lula e Trump, exemplos de marketing, diz americano

Estrategista dos EUA

Arick Wierson, ex-estrategista de Bloomberg, diz que petista fala a língua do povo.

Anna Virginia Balloussier – Folha de S.Paulo

Você gosta de Lula? E de Donald Trump?

Ame-os ou odeio-os, ao menos num ponto o ex-presidente brasileiro e o mandatário americano deveriam ser unânimes: os dois dão um baile em marketing político. Isso na opinião de um estrategista que assessorou por dez anos Michael Bloomberg, um dos prefeitos mais populares da história recente de Nova York.

Para o americano Arick Wierson, 46, Lula foi o sucesso que foi em grande parte porque passou longe do discurso institucional. Em suma: falava a língua do povo. 

"Acho engraçado que outros candidatos, mesmo os da direita, não o estudem mais, mesmo pra aprender. Ele nem usava muito o humor, mas a emoção", diz, listando dois atributos que julga decisivos para uma campanha bem-sucedida

Já para Trump "em termos de marketing, você tem que tirar o chapéu", diz. 

Tem exemplo melhor do que o slogan que ele emplacou, "Make America Great Again" (faça a América ser grandiosa de novo)? Simples, direto, contagiante... Já o da rival na eleição de 2016, Hillary Clinton, "ninguém nem lembra", afirma. 

Wierson foi a exceção internacional no 1º Encontro de Lideranças Nacionais, realizado semana passada, em São Paulo. Na segunda (14), falou à Folha sobre o que considerar ser um cenário "muito careta" da publicidade política local. 

"Muitos candidatos acham que o eleitor brasileiro é formado em mestrado pela PUC-RJ, com pós na FGV. O economês deles é muito complicado, o brasileiro comum não entende essa linguagem prolixa", afirma o nativo do estado de Minnesota que tem filha, ex-mulher e mestrado do Brasil (o dele é da Unicamp).

Tem também, agora, uma empresa de marketing político, a recém-aberta Tzu --o nome, explica, é uma homenagem a Sun Tzu, autor do best-seller milenar "A Arte da Guerra". 

Entre seus sócios estão o advogado Gustavo Guedes, que já teve como cliente Michel Temer e PT, e o americano Bill Hillsman, que assessorou Arnold Schwarzenegger em sua vitoriosa campanha para o governo da Califórnia.

Para ele, a Lava Jato abriu uma brecha para renovar a área. "Foi uma limpeza geral no mercado de marqueteiros, tirou muitos nomes famosos na praça." 

João Santana e Duda Mendonça, que trabalharam nas campanhas presidenciais vitoriosas do PT, são exemplos de gigantes tragados para a operação policial.

A nova agência, segundo Wierson, dará preferência a clientes "que estão abertos a experimentar" na linguagem política. "Não adianta dar peixe pra quem não come marisco."

Como exemplo de ousadia bem-vinda, ele mostra o vídeo da campanha de Gerald Daugherty, candidato num condado do Texas. Sua esposa é a protagonista nesta peça um tanto heterodoxa para os padrões da propaganda eleitoral brasileira: votem em Gerald, porque ele é chato, pede.

Há várias cenas em que o marido só pensa "naquilo": políticas públicas. Monotemático, não para de falar sobre o tema --enquanto faz e depois degusta o churrasco, lava a louça... "Votem no Gerald, por favor", suplica a mulher.

Wierson aposta que a força das redes sociais só fará crescer nos próximos anos. "No Brasil, 130 milhões [61% da população] têm Facebook, 120 milhões [56%] estão no WhatsApp. Com certeza é uma grande audiência."

Não que dê para subestimar o papel da TV no pleito.

Pesquisa do IBGE realizada em 2016 e divulgada há três meses mostra que, dos 69,3 milhões de domicílios particulares permanentes no país, só 2,8% não têm televisão. 

Quando o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) esnoba a "campanha tradicional" e diz que apostará todas as suas fichas na internet, "fala isso porque é a única opção no horizonte dele", afirma o estrategista. Caso seu partido não se coligue com outro, Bolsonaro terá cerca de 10 segundos ou menos em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos.

O que um candidato que queira decolar nas pesquisas deveria fazer "é propor de imediato o fim do horário eleitoral", diz Wierson. "As pessoas odeiam horário eleitoral", declara.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

São sempre desatinadas as vinganças por ciúmes.

Quentura

O direitista ai morre de inveja. Lula não é advogado e o mundo o reverência. Lula realmente é um MITO.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Essa Anna Virginia Balloussier junto com o Arick Wierson são a viúva e o viúvo do Obama. Comparar o Trump com o ignorante, ladrão condenado e preso é realmente um disparate. Por tabela, coloca o nosso futuro Presidente Bolsonaro na matéria. Não adianta essa imprensa e jornalistas medíocres e comunistas querer impedir a vitória do Bolsonaro. Não conseguem. Comparar o Trump com Bolsonaro, aí tudo bem. Dá valor ao homem de bem. Dá valor ao trabalhador que sai às 04 de só retorna às 22 horas. Pagador de impostos. Não, valorizar bandidos. Também, essa corja de esquerda tem de valorizar os seus, que são os desonestos, ladrões e mentirosos. É Bolsonaro para exterminar de vez essa corja de desonestos e incompetentes.

Quentura

Os direitopatas ficam arretados. Lula é uma dádiva de Deus.



19/05


2018

Questionamento sobre força de Alckmin cresce no PSDB

Pré-campanha vive seu pior momento, e até o nome de João Doria volta a ser citado como alternativa

Igor Gielow – Folha de S.Paulo

O presidenciável Geraldo Alckmin enfrenta o momento mais difícil de sua pré-campanha, com crescente questionamento interno no PSDB sobre a viabilidade de sua postulação.

Se as dúvidas são colocadas publicamente por antigos aliados como o DEM, elas agora agitam o caldeirão tucano de rumores. Mas parece questão de tempo até algum peessedebista externar o que se diz reservadamente entre apoiadores e céticos da candidatura Alckmin: ele vai até o fim?

O próprio ex-governador paulista já deu uma resposta prévia em eventos nesta semana, dizendo que as avaliações são precipitadas.

Alckmin afirma que a campanha de fato só começará quando se iniciar o horário gratuito de TV, em agosto.

O estopim aparente da manifestação foi a pesquisa CNT/MDA que mostrava um retraimento nas suas intenções de voto de quase 10% para 5%.

Reunião nesta semana examinou uma grande pesquisa qualitativa apontando que o eleitor médio identifica o tucano com a política tradicional que hoje é encarnada no poder por Michel Temer (MDB), ou seja, altamente impopular.

O debate sobre como mudar isso é inconclusivo, não menos porque Alckmin mantém sua posição de "jogar parado".

Alguns aliados na cúpula tucana pregam a adoção de um figurino mais agressivo.

Polemizar com o nome que lhe tira votos à direita, Jair Bolsonaro (PSL), é uma opção, mas isso teria de ser feito de forma a não alienar todo o eleitorado do deputado.

Como existe um mar de votos hoje em branco à espera de rede de pesca, estimados de 20% a 30% do eleitorado, outra ideia tem a ver com a piora dos indicadores econômicos e a recente disparada do dólar, que assusta a classe média.

Como fez Fernando Henrique Cardoso em 1998, apresentar Alckmin como o único capaz de enfrentar a crise pode ser uma linha de ação.

Não deixa de ser irônico, dado que o campo conservador contava com a melhoria da economia sob Temer —com apoio do PSDB— como ativo.

Sem isso, discursos populistas são favorecidos, e o rebolado retórico tucano teria de ser bem embalado para atingir além dos já convertidos.

Mesmo entre eles há dúvidas. Na conferência anual de CEOs promovida pelo Itaú em Nova York nesta semana, as conversas giraram em torno das dificuldades de Alckmin e do temor de um crescimento de Ciro Gomes (PDT), visto como hostil ao mercado.

Com tudo isso, nomes alternativos voltam à baila, ainda que Alckmin seja o presidente do PSDB e tenha a palavra final sobre o assunto.

Após passar 2017 ameaçando a postulação de Alckmin, o nome de seu ex-protegido João Doria está em todas as conversas sobre o tema.

O ex-prefeito tem, publicamente e em conversas internas, mantido apoio a Alckmin. Mas o assédio a ele aumentou, e um tucano próximo a Doria sugere que metade da bancada estadual do partido já defende a substituição.

Segundo a Folha ouviu de dois importantes deputados federais do partido, o mesmo movimento estaria acontecendo na bancada tucana paulista da Câmara.

Um integrante da pré-campanha admite temer a contaminação de outras sucursais do tucanato pelo país.

Diferentemente de Alckmin, Doria ainda empolga aliados externos, especialmente no MDB, e de quebra não tem contra si nenhuma investigação da Operação Lava Jato.

Até como vice de Alckmin ele foi sugerido na mesma reunião que discutiu a imagem do tucano, mas a sugestão foi considerada implausível.

Outra liderança, essa com aversão a Doria, cita como plano B o senador Antonio Anastasia, cujo fato de ter aceitado ser candidato ao governo de Minas foi a única boa notícia recente que Alckmin conseguiu colher por conta própria.

As outras duas, autônomas, foram as desistências de Joaquim Barbosa (PSB) e Luciano Huck de entrar no páreo.

Na base do clima ruim está a dificuldade de comunicação para acertos básicos, como palanques estaduais. A pré-campanha, quase dois meses depois de Alckmin ter deixado o governo, não tem comando político definido.

Quem fala pelo ex-governador são figuras sem trânsito fora de São Paulo: Samuel Moreira, Silvio Torres e Luiz Felipe D´Ávila. Tucanos com peso regional, como os ex-governadores Marconi Perillo (GO) e Beto Richa (PR), estão até aqui alijados de decisões.

Para um aliado de Alckmin, a pressão é natural e o tucano sairá da imobilidade a tempo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Bolsonaro perde até no Facebook para Lula, após prisão. O deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que já leva uma ‘coça’ de Lula em todas as pesquisas, também perde no Facebook do petista, que está preso desde 7 de abril. De acordo com reportagem da revista Piauí, o ex-presidente somou 7,8 milhões de interações (entre curtidas, comentários e compartilhamentos) e se tornou o presidenciável com maior popularidade na mídia social. Ainda de acordo com a publicação da Folha, Jair Bolsonaro somou 4,8 milhões de interações no mesmo período. KKKK

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Picolé de Chuchu quer por quer ser Presidente. Totalmente desgastado, sem densidade política nas demais regiões do País e insiste em se candidatar. Tchau PSDB que é o PT de gravata. Tchau Petralhas. Agora é Bolsonaro Presidente para o Brasil voltar a ser decente

Quentura

O fiasco da intervenção no Rio em números. Novo levantamento do Fogo Cruzado mostra que a violência se intensificou nesses três meses de intervenção e presença das Forças Armadas na cidade. Ocorreram 2309 tiroteios ou disparos de arma de fogo na Região Metropolitana nos 3 meses após a intervenção. No mesmo período do ano passado – 16/02 a 15/05 de 2017 -, foram 1239 notificações. Houve, portanto, um aumento de 86% nos registros de tiroteios/disparos.

Wellington Antunes

Direita porca!


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores