O Jornal do Poder

17/09


2006

PMDB fará maioria dos governadores. PT vai encolher

 O PMDB deve sair das próximas eleições como o grande vitorioso nas sucessões estaduais. O PT e os partidos da base aliada do governo, por sua vez, devem encolher nos Estados, segundo revelam pesquisas eleitorais divulgadas ao longo deste mês.

O PSDB, um dos principais adversários políticos do PT, também deve sair um pouco menor, mas com a vantagem de emplacar governadores nos principais colégios eleitorais do país. O PFL, por sua vez, tem chances de aumentar seu quadro na comparação com as eleições passadas.

Entre os 10 maiores colégios eleitorais do país, o PMDB tem candidatos fortes no Rio de Janeiro e no Paraná. No Rio Grande do Sul, seu representante deve ir para o segundo turno em uma disputa apertada com o PT. Nos demais Estados, a legenda deve emplacar seus candidatos no Espírito Santo e em Mato Grosso do Sul. E também possui candidatos que devem ir para o segundo turno nos Estados de Goiás, Paraíba, Rio Grande do Norte, Amazonas, Tocantins e Santa Catarina. E ainda por cima, seus candidatos lideram a intenção de voto no RS, AM, GO, PR, RN e SC.

Em 2002, a legenda fez 5 governadores ante os 7 eleitos pelo PSDB. Desta vez, o PMDB pode fazer entre 3 e 11 governadores, no cenário mais pessimista e no mais otimista. Os tucanos, por sua vez, podem fazer entre 4 e 6 governadores. Em 2002, PT, PSB e PPS (que ainda fazia parte da base aliada) conseguiram emplacar nove governadores naquelas eleições. Neste ano, o problema é a perda do PPS, que se aliou a tucanos e pefelistas.

Sondagens dos institutos Ibope, Datafolha e Sensus revelam que o PT tem vitórias praticamente garantidas (entre 50% e 60% de intenção de voto) no Piauí e no Acre, bem como em Sergipe, onde Marcelo Déda tem 48% da preferência eleitoral e tem larga vantagem sobre o segundo lugar.

A legenda do presidente Lula apresenta candidatos com chances de segundo turno nos Estados do Rio Grande do Sul e Pernambuco. No melhor dos cenários (todos os candidatos ganham), o partido até poderia aumentar seu quadro de governadores na comparação com 2002 (quando elegeu 3), o que é possível, mas não provável (seus candidatos não lideram no RS e PE).

O PSB, por sua vez, pode emplacar seu candidato do Ceará e possui candidato com chances de segundo turno somente no Rio Grande do Norte. Os principais adversários políticos do PT e do presidente Lula podem emplacar candidatos nos principais colégios eleitorais do país, bem como nos Estados menores.

Os candidatos do PSDB e PFL tem grandes chances de vitória (acima de 50% da intenção de voto) em pelo menos cinco dos dez maiores colégios eleitorais, que representam 76% do eleitorado nacional: São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pará e Maranhão.

Os tucanos devem emplacar governadores em quatro Estados e dois candidatos devem ir para o segundo turno. O PFL pode fazer três, tendo outros três com chances de disputar uma segunda rodada. O PPS, que neste ano se aliou aos tucanos e pefelistas, tem chances de vencer a eleição para o governo de Mato Grosso e Roraima.

Governadores, além de serem os principais interlocutores do presidente com os Estados, tradicionalmente detêm influência política sobre as bancadas federais e portanto, atuam no jogo político do Congresso Nacional.

Os governadores também são figuras-chave na discussão da reforma política, como já mostrou publicamente o presidente Lula. ''A parte dos estados [do projeto de reforma tributária] está lá no Congresso Nacional, porque eles pretendem continuar fazendo a guerra fiscal, e nós queremos fazer a reforma tributária de verdade'', reclamou o presidente, durante entrevista para o ''Jornal da Globo'', no final de agosto.

Para o analista Alex Agostini, da Austin Rating, o quadro estadual, aliado às expectativas de que a bancada do PT no Congresso Nacional encolha, aponta para um risco político não desprezível de crise da governabilidade em um eventual segundo mandato de Lula.

Uma possível saída, pondera o analista, está na composição com o PMDB, que deve ter uma bancada federal ainda maior em 2007, e tem boas chances nos Estados. As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

....e se esconder nos grotões do país....


Abreu no Zap

17/09


2006

Uso irregular de bicicleta dá multa em São Paulo

 O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) manteve a multa imposta ao candidato a deputado estadual José Ricardo Franco Montoro (PSDB), por fazer propaganda eleitoral irregular na cidade de São Paulo, informou a rádio BandNews FM.

O candidato tucano havia sido notificado pela Justiça Eleitoral e depois punido por decisão do juiz auxiliar Percival Nogueira, por manter bicicletas, com cartazes e panfletos de sua campanha, estacionadas sobre o gramado da praça do Monumento às Bandeiras, em frente ao parque do Ibirapuera.

A lei eleitoral proíbe que candidatos coloquem cartazes ou panfletos em postes, muros, pontos de ônibus ou qualquer bem público ou áreas públicas de uso comum, como a praça de um monumento. O candidato, que usa o nome Ricardo Montoro na campanha, pode recorrer ao TSE, em Brasília. As informações são do portal Terra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

Temos que oferecer a médica-delegada do P,T para fazer a fiscalização lá para os paulistas....


Banco de Alimentos

17/09


2006

Leitor cria comunidade do blog no Orkut

O leitor Igor Mariano criou, há pouco, a comunidade deste blog no Orkut. Como se sabe, o Orkut é uma página de relacionamento restrito aos usuários convidados e virou uma febre na internet. Quem quiser fazer parte dela, basta acessar www.orkut.com e procurar a seguinte comunidade: blogdomagnomartins. Se você é adepto do Orkut, vá lá e se integre à comunidade do blog. As notícias do blog também serão difundidas na própria comunidade. Entre nessa! O link é o seguinte: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=17724873


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

Prefiro ficar com o legítimo.......o blog.....Eu não ceito imitações... e não aceito cópias falsas de vampiros.. Fora Humberto Costa...

prudencio godoy de melo galvao

só pra tirar minhas duvídas este leitor tem algum parentesco com vc, caro magno?

Mariana

Que bom, assim poderemos conhecer o perfil de algumas pessoas que entram no seu blog,vai bombar.

Edmar Lyra Cavalcanti Júnior

Já procurei a comunidade e não achei... Seria melhor você colocar o link dela.



17/09


2006

Eleição pode se definir no 1º turno em 19 estados

 O jornalista Fernando Rodrigues, da Folha de S.Paulo, faz a seguinte análise do quadro eleitoral no país: 

"A tendência a um quase congelamento do quadro eleitoral na eleição para presidente da República está se repetindo na maioria das disputas estaduais. Mesmo depois do início do programa eleitoral em rádio e TV, apenas em duas localidades houve alguma alteração de maior relevância. Nas outras 25 unidades da Federação o quadro segue quase inalterado.

As exceções são o Ceará e o Rio Grande do Norte, Estados onde o líder nas pesquisas eleitorais passou para uma posição de maior fragilidade.

No Ceará, o atual governador, Lúcio Alcântara (PSDB), liderava as pesquisas até a metade do ano. Agora, segundo a última pesquisa Datafolha, tem apenas 30% contra 57% de Cid Gomes (PSB), irmão do ex-ministro Ciro Gomes.

No Rio Grande do Norte, Garibaldi Alves (PMDB) chegou em março a pontuar 44% contra 31% de Wilma Faria (PSB), a atual governadora que busca um segundo mandato. Agora, de acordo com pesquisa Vox Populi, Wilma já está com 42% contra 41% de Garibaldi.

Nos outros Estados e no Distrito Federal, as posições dos primeiros colocados são mais ou menos as mesmas de antes do início da propaganda eleitoral no rádio e na TV.

Também permanece inalterado o fato de que os levantamentos eleitorais apontam para uma possível solução no primeiro turno em 19 das 27 disputas. Se isso vier mesmo a ocorrer, será um recorde na comparação com os pleitos anteriores desde a introdução do mecanismo de dois turnos.

Candidato à reeleição

Outro aspecto que ficou parecido em relação ao início da campanha é o favoritismo estar ao lado de quem busca a reeleição ou pertence ao grupo que já está no poder. Pelo menos 18 políticos estão nessa categoria, conforme as últimas pesquisas disponíveis.

Quando se observa os partidos e suas perspectivas de vitória, o PT ainda aparece com chances reais em apenas três Estados: Acre, Piauí e Sergipe. Em 2002, a legenda elegeu governadores no Acre, Piauí e Mato Grosso do Sul. Ficará mais ou menos do mesmo tamanho -apesar de no plano federal ser favorita para o Palácio do Planalto, com a reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva.

O PSDB deve manter seus dois maiores Estados, São Paulo e Minas Gerais, mas está para perder a vaga de governador no Ceará para o PSB.

O PMDB disputa com chances os três Estados do Sul e deve ser o partido com mais governadores eleitos neste ano. Há peemedebistas competitivos em 11 Estados.

O PFL é um tradicional vencedor na Bahia, onde deve novamente triunfar --o pefelista Paulo Souto disputa a reeleição e aparece com 50% das intenções de voto, segundo o Ibope, contra apenas 26% do segundo colocado, o ex-ministro Jaques Wagner (PT).

No entanto, Wagner cresceu 10 pontos percentuais em relação à última pesquisa do Ibope, divulgada no dia 11, e Souto oscilou dois pontos para baixo.

O PSOL, partido da terceira colocada na eleição presidencial, Heloísa Helena, não tem candidatos a governador com chances de vitória em nenhuma das 27 unidades da Federação, segundo as pesquisas mais recentes no país."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

prudencio godoy de melo galvao

Ha esta terra ainda vai cumprir seu ideal! ainda vai se tornar um imemso ............................



17/09


2006

Mulheres ainda não ocupam seu espaço na política

 Elas representam mais da metade da população brasileira. Quase três milhões a mais do que homens, segundo o último censo do IBGE. Entre os eleitores, 51,5% são mulheres.

Mas entre os candidatos que disputam cargos nestas eleições, elas são menos de 14%. O voto feminino foi instituído no Brasil há mais de 70 anos e hoje a legislação eleitoral estabelece que no mínimo 30% dos candidatos de cada partido devem ser mulheres.

Apesar disso, em nove estados – Acre, Amazonas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins – nenhuma mulher é candidata ao governo.

No Distrito Federal e em outros cinco estados – Bahia, Espírito Santo, Paraíba, Piauí e Rondônia – só homens disputam o Senado. Segundo a professora Lia Zanotta, diretora da organização não-governamental Ações em Gênero, Cidadania e Desenvolvimento, a pequena participação se deve à idéia de que o homem deve atuar no espaço público e a mulher deve ficar restrita às atividades privadas.

“É como se elas valessem menos. Isso tem a ver com questões internas dos partidos e com a idéia, contra a qual lutamos, de que mulher não faz política”. Lia Zanotta acredita também que, depois de tanto tempo da conquista do voto feminino, as mulheres já deveriam ocupar mais espaço na vida política.

A primeira eleitora do Brasil foi registrada em 1927. Naquele ano, o deputado federal Juvenal Lamartine de Faria, candidato ao governo do Rio Grande do Norte, garantiu o registro de Celina Guimarães.

Em 1931, o presidente Getúlio Vargas criou um novo código eleitoral que permitia o voto para algumas mulheres. No ano seguinte, pressionado pelas feministas, o governo ampliou o direito a todas as mulheres. A conquista foi consolidada na Constituição de 1934.

A professora de história Teresa Cristina Novaes Marques, da Universidade de Brasília, afirma que a conquista do voto feminino foi resultado de uma luta que começou ainda no século XIX.

“O voto foi franqueado às mulheres em 1932. Disso decorre a falsa idéia de que Getúlio Vargas concedeu o direito de voto à mulher. Outros acham que foi decorrência natural da conquista do voto por mulheres de outras partes do mundo. Rejeito as duas idéias. A luta vinha de muito tempo antes.”

Alguns direitos, como a licença maternidade de quatro meses, foram consolidados na Constituição de 1988. A participação no mercado de trabalho aumentou, mas as mulheres ainda são discriminadas quando vão procurar emprego e ganham menos para exercer a mesma função.

Ainda hoje, as mulheres, que são chefes de família em quase um quinto das casas brasileiras, precisam lutar por igualdade. E a professora Teresa Cristina defende que essa luta não deve ficar restrita ao campo político.

“O pleno exercício da cidadania não é só ter o direito de votar. Temos que fazer valer esse direito, votar em boas candidatas, que nos representem decentemente, e fiscalizar o exercício desse mandato para que elas atuem em favor das causas femininas”, ressalta a pesquisadora.

“Apenas votar é insuficiente. É preciso atuar. É preciso lutar por igualdade salarial, proteção às trabalhadoras, pelo direito ao trabalho, ao trabalho digno. As empregadas domésticas têm direitos limitados. Temos que proteger a infância contra abusos no trabalho e sexuais. É muita coisa.” (Agência Brasil)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/09


2006

Jovem carioca está descrente dos políticos

 Os políticos são a instituição brasileira menos confiável, na visão dos jovens do município do Rio de Janeiro. Cerca de 85% dos cariocas entre 14 e 18 anos não confiam na classe política nacional. A constatação é da pesquisa “O jovem, a sociedade e a ética”, realizada entre julho e agosto deste ano, pelo Ibope a pedido do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Rio de Janeiro (Sinepe).

Encabeçando a lista de desconfiança dos jovens nos políticos, estão os deputados e senadores, com 84% de desaprovação. Em seguida, aparecem ministros e secretários (83% de desconfiança), governadores (82%), prefeitos (79%) e o presidente da República (78%).

A juventude carioca também tem alto nível de desconfiança na Polícia (76% dos entrevistados) e na Justiça (59%). Segundo o presidente do Sinepe, Edgar Flexa Ribeiro, a pesquisa mostra que o jovem está decepcionado não só com a política, mas com o Estado brasileiro.

“O jovem está muito realista. Ele está vendo o que acontece em volta dele e está avaliando. Ele é severo em seu julgamento e os exemplos que ele está recebendo não são lá muito formidáveis. Ele abre o jornal, olha em volta e se pergunta: que sentido há nisso tudo? O que vai acontecer?”, diz o educador.

Para Ribeiro, a conseqüência disso é uma visão pessimista sobre o futuro. A pesquisa mostra que 46% dos jovens acreditam que o Brasil será um lugar pior daqui a alguns anos. E a decepção, explica o educador, se reflete no desinteresse pelo processo democrático.

O Ibope também perguntou aos jovens sobre o alistamento eleitoral. A possibilidade de obter o título de eleitor a partir dos 16 anos é de conhecimento de 86% dos entrevistados. Entre aqueles que têm 14 e 15 anos, 66% pretendem tirar o título quando completarem 16 anos e 34% não.

Entre os que têm 16 e 17 anos, apenas 28% se alistaram para votar nestas eleições. Mas 37% deles só devem tirar o título aos 18 anos. A pesquisa, realizada com 812 adolescentes, constatou ainda que os professores e a escola são as instituições mais confiáveis do Brasil, entre a juventude carioca.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/09


2006

Eduardo e Humberto empatados na pesquisa do Opine

Na nova pesquisa que o Instituto Opine fez para a Folha de Pernambuco, com publicação na sua edição de amanhã, Mendonça Filho (PFL), candidato a governador, aparece praticamente com os mesmos percentuais das pesquisas do JC e do DP publicadas neste fim-de-semana. O pefelista aparece com 37.9%.  A novidade é que Eduardo Campos (PSB) e Humberto Costa (PT) estão empatados, com percentuais praticamente iguais - 21.6% e 20.6%, respectivamente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

vai facilitar toda a estrutura necessária para o real desenvolvimento social e econômico para Pernambuco, já vem demonstrando com o governo de oposição, vejam só, quanto mais com quem ele avalia como o melhor para governar Pernambuco. É Lula lá e Eduardo 40, cá.

Obrigado Pernambuco, nós estamos dando a direção correta quanto ao candidato, vamos continuar firme nesta luta, pois Eduardo Campos, vai mostrar aos pernambucanos com toda certeza, que as ações sociais que Dr. Arraes queria implantar, ficou no esquecimento de Jarbas Mendonça. E Lula na presidência,

Francisco Filho

QUERO VER SE DIANTE DESSE QUADRO, OS DOIS POMBINHOS VÃO PERMANECER TROCANDO JURAS DE AMOR.

Drácula

Mandou bem prudêncio........ usou chico buarque... aquele que diz que o PT é corrupto, mas vota em Lula...mandou bem... são todos da mesma quadrilha,,,,, hahahahaha



17/09


2006

Dossiê: Para quem não acessou o vídeo de Serra

 Um DVD de 23 minutos e 44 segundos é a peça principal do dossiê contra José Serra (PSDB) que Luiz Antonio Vedoin, 31, chefe da máfia dos sanguessugas, tentou vender ao petista Valdebran Padilha Silva. Com imagens editadas, o DVD mostra Serra em um evento no mês de maio de 2001, em Cuiabá (MT), no qual foram entregues a prefeituras de Mato Grosso 41 ambulâncias fornecidas por empresas envolvidas na máfia dos sanguessugas.

Na época, Serra era ministro da Saúde. As ambulâncias haviam sido compradas com dinheiro do ministério. Numa cena, Serra --acompanhado dos deputados Pedro Henry (PP-MT) e Ricarte de Freitas (PTB-MS), acusados de pertencer à máfia dos sanguessugas-- entra num ônibus de atendimento que estava sendo entregue.

Dante de Oliveira, então governador, pergunta: "Foi empresa daqui [que adaptou o ônibus]?". Henry responde: "Sim, e todas as ambulâncias também". Serra diz "gostei" sobre o ônibus. Atrás dele, o então prefeito de Cuiabá, Roberto França, diz: "[O responsável] É o famoso Darci [Vedoin, pai de Luiz Antônio]".

Darci aparece pelo menos quatro vezes no início do DVD ao lado do filho Luiz Antonio e orientando os motoristas na manobra das ambulâncias. Não há imagem dele ao lado de Serra.

Na solenidade subiram ao palco Serra, Henry, Ricarte e o deputado Lino Rossi (PP-MT), apontado como campeão no recebimento de propina pela máfia dos sanguessugas. Na época, os três eram do PSDB.

O DVD mostra uma pequena parte do discurso de Serra e uma entrevista para repórteres. "É a primeira vez que vejo uma bancada de deputados fazer isso no Brasil, porque são investimentos relativamente modestos e que têm produtividade muito alta e atinge muitos municípios", diz o ex-ministro.

Rossi, Henry e Ricarte são entrevistados: "Eu estou patrocinando R$ 6 milhões de emendas para o Orçamento deste ano. Todos os deputados do PSDB estão no Orçamento patrocinando emendas para isso", diz Rossi. No final aparece a legenda "TV Vídeo Productions".

Integram o dossiê ainda um vídeo que conteria as imagens da solenidade, sem edição, e seis fotografias --quatro delas de Serra no mesmo evento e duas de Geraldo Alckmin cumprimentando uma pessoa que, segundo a PF, é Sinomar Martins, ligado a Vedoin. Segundo representantes da campanha de Alckmin, a imagem é do então governador de São Paulo no 48º Congresso Estadual de Municípios, em 2004. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Dessa vez o PT deixou impressões digitais.. realmente é uma "gang".

guilherme alves

fazer nosso juízo de valor. O que depreendemos pelos fatos são os acusados, como sempre, tentando desqualificar os acusadores, negando os fatos. No início da denúncia do Roberto Jefferson essas mesmas atitudes foram tomadas. O TCU fazendo uma auditoria no MS de 1998 para cá ajudará, mas não se move.

Drácula

NÃO ACEITEM IMITAÇÕES.....FALSIFICAÇÕES FEITAS NO PARAGUAI....VAMPIRO LEGÍTIMO SOU EU....FORA HUMBERTO COSTA.....

guilherme alves

O que nos deixa perplexo é que não enxergamos nesse caso uma posição isenta da mídia, e nem encontramos jornalistas isentos para prestar um bom serviço à população. Não temos uma reportagem investigativa isenta, e comentaristas que analisem os fatos, opine e dê um quadro imparcial para que possamos

guilherme alves

Evidências. Caso queirtam esclarecer é só ir atrás das liberações das emendas a partir de 1998, desde que os vestais desejem.



17/09


2006

Dossiê: PF procura quem deu o dinheiro

 A Polícia Federal tenta identificar o homem que entregou cerca de R$ 1,7 milhão ao advogado Gedimar Pereira Passos e para o empreiteiro Valdebran Padilha, suspeitos de intermediar a compra, por membros do PT, de um dossiê contra os tucanos José Serra e Geraldo Alckmin.

Preso num hotel da zona sul de São Paulo, Passos se apresentou à PF como advogado do PT de Mato Grosso. Padilha é filiado ao PT e foi tesoureiro da campanha de 2004 do partido para a Prefeitura de Cuiabá.

Em depoimento à PF, em São Paulo, Passos disse que recebeu o dinheiro de um membro do PT paulista. O advogado apenas forneceu uma descrição física do suposto petista e disse que não sabia seu nome.

As investigações devem ser retomadas nesta segunda-feira. Passos e Padilha permanecem detidos na PF.

Luiz Antônio Vedoin, chefe da máfia dos sanguessugas, e seu tio, Paulo Roberto Dalcol Trevisan, que foram detidos durante a mesma ação, estão presos em um anexo do presídio Pascoal Ramos, em Mato Grosso.

A operação foi desencadeada pela PF na sexta-feira, com a prisão de Vedoin, em Cuiabá, depois que seu tio informou que ele tinha fotos e um DVD que ligariam Serra --candidato ao governo de São Paulo-- e o presidenciável Alckmin à Planam, empresa de Vedoin. Tio e sobrinho devem responder por ocultação de provas.

Trevisan foi preso no dia seguinte, em sua casa, em Cuiabá. A Justiça decretou sua prisão temporária e ele deve permanecer detido durante esta semana. Já Vedoin deve continuar detido porque perdeu o benefício da delação premiada.

R$ 20 milhões

Inicialmente, segundo Passos, Vedoin teria pedido R$ 20 milhões pelo dossiê. O preço acabou sendo reduzido a R$ 2 milhões e, além dos cofres do PT, o dinheiro teria vindo de uma revista.

A função de Passos, que é agente aposentado da PF, seria analisar o material.

Padilha, segundo o Diretório do PT de Cuiabá, chegou a ser indicado para um cargo de diretor da Eletronorte no início do governo Lula. Mas uma ala do PT impediu a nomeação enviando um dossiê contra ele sobre superfaturamento em prefeituras de Mato Grosso. (Da Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

prudencio godoy de melo galvao

oI, e tudo q saiu contra Humberto, quem é q tá procurando, quem foi q mandou divulgar?são 2 pesos e 2 medidas?



17/09


2006

Prefeito se ajoelha para pedir e constrange Lula

 O Globo Online traz a seguinte notícia:

O presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, que está na capital paraense para um comício de campanha, passou por um momento constrangedor neste domingo em Belém, quando um prefeito ajoelhou-se aos seus pés.

Pouco antes de deixar o hotel em que está hospedado, Lula discursou para pouco mais de 40 prefeitos de municípios paraenses, destacando a importância dos líderes locais para a eficiência da administração federal.

No breve discurso, o candidato do PT elogiou a criação das comissões especiais que, segundo ele, passaram a atender "mais diretamente os prefeitos, que no passado andavam de chapéu na mão pedindo recursos".

"Acredito piamente que, quanto mais forem democraticamente fortalecidas as relações entre os entes federativos, mais vamos ser independentes", destacou.

Pouco após o discurso de Lula, o prefeito Delvani Balbino (PMDB), de Floresta do Araguaia, levantou-se para, quase aos prantos e de chapéu, homenagear o presidente:

"Pra mim é uma honra tão grande estar na frente do presidente. Como eu não sei quando eu vou ver um presidente de novo na minha vida, eu vou fazer um pedido pro senhor de joelhos", disse Balbino, ajoelhando-se em seguida aos pés de Lula.

Constrangido, o presidente tentou se levantar:

"Não faça isso, pelo amor de Deus", exclamou Lula, imobilizado pelo prefeito, que abraçava suas pernas.

Pouco depois, o prefeito Balbino entregou ao presidente um documento com pedidos de construção de uma escola técnica e de maquinários para a produção de abacaxi, principal atividade econômica da região.

Lula deixou o hotel e segue para uma visita à senadora Ana Julia Carepa (PT), candidata ao governo do estado, e que segundo recente pesquisa do Ibope, está com 27% das intenções de voto, bem atrás dos 49% registrados pelo ex-governador e candidato do PSDB, Almir Gabriel. Há pouco mais de uma semana, Ana Julia caiu de um palanque armado em cima de um caminhão e fraturou as pernas. A senadora deve comparecer ao comício de Lula com a ajuda de uma cadeira de rodas.

Lula se encontra ainda neste domingo com Jader Barbalho (PMDB), candidato a deputado federal e conselheiro político da campanha de reeleição do presidente, na sede do diretório do PMDB, em Belém.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

governosw que esse país já teve, sim pressão permanente nesse Congresso Nacional, não deixe mais essa farra e folia, pois não aceitarei a sua falta de conhecimento dessa vez. Vamos à vitória.

É o papa Lula I agora? E isso presidente, dar atenção aos pobres que nunca tiveram, o resultado é esse, agora é só colocar os ajustes necessários como: Reforma Política imediatamente, baixar os encargos trabalhistas, dinamizar à produção para exportar, baixar mais os juros, e comemorar o maior

Drácula

Tá próximo disse... já que tem até à sua disposição para morar, a "Granja do Torto"....hahahahaha

Paulin de Caruaru.

Com esse nível do nosso povo,NOSSO GUIA ainda acaba virando um Frei Damião.