O Jornal do Poder

06/10


2006

A ética dos dólares na cueca

"Pergunta-se, então: é ético constatar a existência de corrupção e calar? É ético omitir-se?

Avizinha-se, ao que se promete, uma discussão eletrizante, mais ainda pela fartura de temas ao dispor da oposição. Malas de dinheiro, dólares na cueca, mensaleiros, sanguessugas, dossiê ...   A propósito, nos dias de hoje a  ética brasileira está hética", ironiza o jornalista e publicitário Marcelo Alcoforado, em artigo que acabo de postar em Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Paulin de Caruaru.

E que tal sendo a figura mais importane de um partido não saber de nada disso?


Potencial Pesquisa & Informação

06/10


2006

PT tenta convercer Berzoini a se afastar da presidência

O acerto de contas no PT vai começar nesta sexta-feira. Numa reunião extraordinária da Executiva Nacional, em São Paulo, dirigentes petistas pedirão que o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), se afaste por iniciativa própria do comando do partido. Além disso, um grupo composto por representantes de várias facções proporá a abertura de comissão de ética para os outros petistas envolvidos na tentativa de compra do dossiê Vedoin.

A crise que se abateu sobre o partido depois do escândalo é muito grave e a guerra interna assume contornos cada vez mais dramáticos. Berzoini recusa-se a sair da direção e alega ter a "consciência tranqüila", mas, além das tendências de esquerda, até mesmo integrantes do extinto Campo Majoritário pedem a sua cabeça.

Na terça-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou-o para uma conversa reservada, no Palácio do Planalto. Lula avalia que precisa encontrar solução urgente para o caso, pois não pode passar o segundo turno da campanha à reeleição "sangrando" por causa do dossiê. Planeja chegar ao debate de domingo, na TV Bandeirantes, sem tantos estragos à sua volta.

"Eu quero confirmar com Berzoini se ele teve participação nessa história maluca", afirmou o secretário-geral do PT, deputado Raul Pont. "Não sei se o que ocorreu continuará ou não na campanha do presidente Lula, mas sei que isso causou um desgaste muito grande para o partido. E não podemos ficar assim."

Integrantes da cúpula petista pedirão na reunião que sejam levados à comissão de ética os petistas Oswaldo Bargas, Jorge Lorenzetti, Valdebran Padilha, Gedimar Passos e Expedito Veloso. Todos se envolveram na negociação para a compra do dossiê da família Vedoin, na tentativa de associar o então candidato tucano ao governo de São Paulo, José Serra - hoje eleito -, à máfia das ambulâncias. Proporão, ainda, que o diretório paulista do PT submeta à comissão de ética o filiado Hamilton Lacerda, ex-coordenador da campanha do senador Aloizio Mercadante ao governo paulista.

Amigos

Bargas e Lorenzetti são amigos de Lula há duas décadas, quando ainda eram dirigentes da CUT. O primeiro foi secretário do Ministério do Trabalho na época em que Berzoini chefiava a pasta e coordenou o programa de emprego de Lula para a reeleição. Lorenzetti sempre foi o churrasqueiro preferido do presidente. Segurança e ex-assessor especial de Lula, Freud Godoy foi defenestrado do Planalto quando estourou o escândalo porque teve seu nome citado, mas até agora a Polícia Federal não encontrou provas contra ele.

A versão oficial no PT é de que a reunião da Executiva foi convocada para "avaliar o resultado das eleições no primeiro turno, acertar estratégias eleitorais e definir novas ações para a vitória de Lula e dos candidatos a governos estaduais no segundo turno".

Procurado, Berzoini não tem atendido aos telefonemas. Na segunda-feira, o presidente do PT disse ao Estado que seu papel é o de cuidar do segundo turno. Garantiu, ainda, que não vai estimular "discussões internas nem divisões no partido". O deputado foi eleito para comandar o PT em setembro do ano passado e seu mandato vai até 2008. "Não cometi nem incentivei ninguém a cometer ilegalidade", afirmou. (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

helenosilva

esse o companheiro tem que tirar.nao é possivel.ninguem é insubstituivel.

irania Olivia Benicio

Concordo e corrijo que a "obra" nunca foi por ele produzida, o Luiz porta grave constipação intestinal, tadinho, obra tanto e pouco expele!!!

José Rodrigues da Silva

O Luiz bem que parece uma cueca, quando está suja foi sempre os outros que fizeram!!!

Paulin de Caruaru.

O problema do PT é achar o meio termo.Afastar os malfeitores para não prejudicar o chefão,mas com sutileza para eles não se revoltarem e não dedurar o chefe.Sacou?


Banco de Alimentos

06/10


2006

João Alves já trabalha por Alckmin no Sergipe

O governador de Sergipe João Alves Filho, PFL, disse que a campanha para eleger o candidato Geraldo Alckmin, PSDB, que disputa o segundo turno das eleições presidenciais com Luiz Inácio Lula da Silva, PT, já começou.

Ele será o coordenador no Estado e disse que terá reuniões com prefeitos do interior, lideranças políticas e a base parlamentar para acertar os detalhes das ações de agora em diante. Alckmin ganhou em 28 dos 75 municípios sergipanos, inclusive Aracaju que sempre foi esquerdista. Mas na contagem geral acabou vencendo Lula.

O anúncio de que já está engajado na campanha foi feito ontem, em sua primeira entrevista coletiva, no Palácio de Despachos, depois da derrota nas urnas, em 1º de outubro. João Alves esteve com Alckmin, em Brasília, e trouxe recados do presidenciável.

"Ele me autorizou a agradecer a todos os sergipanos pela sua votação expressiva e disse que vai trabalhar para todos", afirmou, numa referência do governador eleito de Sergipe, Marcelo Déda, PT. João Alves até se comprometeu em ser o cicerone de Déda no momento em que ele necessitar de alguma ajuda do governo federal.

Deixando claro que tem certeza de que Geraldo Alckmin vencerá as eleições no próximo dia 29, João Alves fez algumas ironias ao ser informado que o candidato Luiz Inácio Lula da Silva irá ter como meta na campanha a defesa da ética e da moralidade. "O quê? Diga de novo aí, por favor?" - perguntou ele ao jornalista. O repórter repetiu e João Alves sorriu com ironia.

Depois disso não teceu maiores comentários, mas enfatizou em diversos momentos que a vitória de Alckmin está consolidada. Sobre a estratégia de trabalho que empregará nos próximos dias, João Alves guarda segredo. "Não se pode revelar estratégias", brincou, afirmando que Alckmin teve uma boa votação em Sergipe, "principalmente nas prefeituras ligadas ao Partido dos Trabalhadores". (Estadão.com)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/10


2006

Garotinho pode dar 2 milhões de votos para Alckmin

Apesar do fogo amigo que tomou conta da campanha do candidato da coligação PSDB-PFL à Presidência da República, Geraldo Alckmin, por causa do apoio formal do ex-governador fluminense e presidente do PMDB local, Anthony Garotinho, e de sua mulher, a governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus (PMDB), o comando de campanha do tucano avalia que essa adesão é positiva para o ex-governador paulista.

Mesmo com toda a polêmica causada, sobretudo em aliados do Rio, como o prefeito Cesar Maia (PFL) e a candidata do PPS ao governo do Rio, Denise Frossard, que ameaçaram desembarcar da campanha de Alckmin, a expectativa dos tucanos é que o apoio do casal Garotinho traga um saldo de cerca de 2 milhões de votos (dos eleitores do Rio de Janeiro) para o tucano, neste segundo turno.

Fontes com trânsito na campanha de Geraldo Alckmin informaram à Agência Estado que não seria lógico dispensar um apoio como este numa disputa tão acirrada, como deve ser a deste segundo turno. "Estamos prevendo uma disputa muito acirrada com o Lula (presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva) e seria um erro estratégico dispensar o potencial de transferência de votos do casal Garotinho, estimado em 2 milhões de votos", informou uma dessas fontes.

Uma outra fonte disse que o comando de campanha de Geraldo Alckmin informou a cúpula do PFL, incluindo o prefeito Cesar Maia, que o casal Garotinho iria formalizar apoio à candidatura tucana. "O prefeito (do Rio) criou toda aquela polêmica, mas não disse que já estava sabendo do apoio. Da maneira como ele criticou, ficou parecendo que a campanha de Alckmin fez tudo sem avisar, o que não ocorreu." Essa fonte acredita que a polêmica criada com os aliados Maia e Frossard no Rio já está superada. "Tanto que a juíza (Frossard) já mudou o tom (do discurso) hoje."  (Estadão.com)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/10


2006

Requião avança nas negociações para apoiar Lula

O presidente do PMDB do Paraná, Dobrandino da Silva, disse hoje que o governador licenciado, Roberto Requião, deve vincular sua candidatura à do presidente Luiz Inácio Lula da Silva neste segundo turno. A decisão final foi adiada para segunda-feira à tarde, quando as executivas estaduais do PMDB e do PT se reúnem para arrematar a negociação.

Hoje houve a primeira reunião de deputados dos dois partidos em busca de um entendimento. Eleitor do presidenciável tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno, o dirigente do PMDB disse que o rompimento dos compromissos entre PMDB e uma parte do PSDB no Paraná respalda a tendência de o PMDB de Requião aproximar sua campanha de reeleição à de reeleição do presidente.

"De ontem para cá tem um fato novo: a opção do PSDB pelo adversário de Requião", disse Silva. Na quarta-feira, o prefeito de Curitiba e coordenador da campanha de Alckmin no Paraná, Beto Richa (PSDB), anunciou adesão à candidatura do senador Osmar Dias (PDT) ao governo.

Segundo Silva, o PMDB já se sente liberado do apoio a Alckmin antes desse "fato novo". "A maioria do partido deixou de fazer campanha para Alckmin quando a coligação com os tucanos não deu certo", disse.

O governador interino e presidente da Assembléia Legislativa, Hermas Brandão (PSDB), disse que continuará trabalhando pela eleição de Alckmin e Requião.

O presidente do PT do Paraná, André Vargas --um crítico do governo Requião na Assembléia Legislativa--, disse hoje que, se Requião declarar apoio a Lula, a reciprocidade será imediata.

"Não precisamos nem nos encontrar mais para formalizar isso: é só ele [Requião] fazer campanha para Lula que nós, do PT, vamos fazer campanha para ele."

Hoje os candidatos ao governo do PV, Melo Viana, e do PRTB, Ana Lúcia Pires, aderiram à campanha de Requião. O mesmo fez o vice de Flávio Arns (PT), Vitor Hugo Burko (PL).

Em vantagem na comparação do peso das agremiações que os dois candidatos aglutinam neste segundo turno, Osmar Dias teve confirmada hoje a declaração de voto do adversário de primeiro turno Rubens Bueno (PPS). O pedetista já tem a seu lado a maior parte do PSDB, o PFL, o PTB, o PP e o Prona. (Folha Online)



Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Requião, ao contrário de Garotinho, é uma reserva moral deste país. É um homem de centro-esquerda com grande sensibilidade social e que defende um Brasil mais justo e sem desigualdades. Seu apoio a Lula será fundamental.

Cesar Augusto R. Cavalcanti

E a tua reserva moral hein Matutin de Caruaru, é quem? Toni Gel, Jarbas, Cadoca, Merdonça, Maciel, quem é ?

Paulin de Caruaru.

Requião reserva moral!!! Para quem tem Lula como padrão de moral pode ser,ou então é a canabis sativa.

REquião, você é uma das reservas morais do Paraná, e seria muito importante o seu apoio ao Lula, pois ajudaria ed muito a resgatar a moralidade no Partido dos Trabalhadores e ajudaria essa segunda gestão do Lula, com sua competência, e lastro social.



06/10


2006

Claro atrasa informações sobre telefones de petistas

A Polícia Federal reclamou hoje, em Cuiabá, da demora da operadora Claro em fornecer informações sobre ligações telefônicas dos envolvidos com o dossiê contra tucanos.

Há uma semana, a Justiça Federal de Mato Grosso determinou a quebra de sigilos de quatro celulares, além de informações sobre quem são os donos de outros 13 telefones. A Justiça determinou urgência na entrega dos dados.

Segundo a PF, em casos como esses, as operadores costumam passar os dados em um ou dois dias

Passada uma semana desde a determinação da Justiça, a Claro, segundo a PF, além de ainda não ter fornecido as informações, ainda pediu mais dez dias de prazo. A operadora não confirma.

A PF informou ter reclamado da demora ao juiz da 2ª Vara da Justiça Federal de Cuiabá (MT), Jeferson Schneider, que conduz as investigações.

Conforme informações da PF, o juiz informou que tomará "providências criminais cabíveis".

Entre os envolvidos com o dossiê que tiveram sigilo telefônico quebrado está Hamilton Lacerda, ex-coordenador da campanha do senador Aloizio Mercadante (PT), candidato derrotado ao governo de São Paulo.

Hamilton levou, segundo a PF, dinheiro (R$ 1,168 milhão e US$ 248,8 mil) ao hotel Ibis, em São Paulo, para o emissário do PT que compraria o dossiê contra tucanos de Luiz Antonio Vedoin, chefe da máfia dos sanguessugas.

Em depoimento à PF, Hamilton negou ter levado dinheiro, embora o circuito de TV mostre que ele entrou no hotel com uma mala, entregue depois ao emissário.

Outro lado

Por meio de nota, a Claro informou que "os prazos solicitados são necessários para que sejam verificados todos os sistemas e sejam prestadas todas as informações".

Ainda conforme a nota, "a solicitação da Polícia Federal foi recebida na sexta-feira, dia 29 de setembro". "Na última terça-feira, a operadora enviou os dados parciais. As informações complementares serão enviadas até amanhã." (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/10


2006

Fusão é a receita do TSE para os partidos zumbis

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sinalizou ontem a saída para o mais novo imbróglio da legislação eleitoral e que pode provocar a literal "extinção" de grande parte dos atuais 29 partidos políticos do país.

O presidente do tribunal, o ministro Marco Aurélio Mello, já admitiu hoje que considera "viável" a fusão entre partidos para ultrapassar as exigências da regra eleitoral, após ter manifestado reservas sobre a adoção dessa estratégia por algumas legendas.

Hoje, o PTB aprovou a incorporação do "nanico" PAN (Partidos dos Aposentados da Nação) e declarou que a soma dos votos já o credenciava a escapar dos rigores da cláusula.

A cláusula de barreira postula que os partidos que não alcançarem 5% dos votos, com o mínimo de 2% em nove Estados, não poderão formar lideranças no Congresso, não terão direito ao Fundo Partidário, além de perderem a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV.

O próprio TSE, no entanto, mostrou que ainda não possui total clareza sobre o modo de aplicação dessa regra eleitoral. Com base nos dados das eleições proporcionais do último domingo, o tribunal chegou a elaborar três interpretações distintas sobre a regra eleitoral.

Na primeira, dez partidos teriam conseguido superar a cláusula, enquanto as outras consideram, respectivamente, que sete e seis partidos atingiram a regra.

Solução viável

"A teor do artigo 29, parágrafo 6º, da Lei dos Partidos Políticos, viável é a fusão ou incorporação dos partidos para alcançar-se os votos necessários ao funcionamento parlamentar", afirmou o ministro.

Com a fusão, as legendas devem adotar um novo nome da agremiação partidária. A autonomia dos programas de governo, no entanto, será mantida. O novo partido deve também ser registrado em órgão competente em Brasília (DF).

Julgamento

O TSE ainda não definiu a data para julgamento das interpretações sobre o número de partidos que conseguiram superar a cláusula de barreira.

A decisão do TSE será tomada depois que o tribunal definir quando passam a mudar as normas para distribuição do fundo partidário.

Pela lei eleitoral, 1% do fundo é destinado aos partidos políticos, incluindo os que não atingiram a cláusula. Os 99% restantes, no entanto, só poderão ser divididos entre as legendas que conseguiram cumprir a norma eleitoral.

O TSE abriu processo administrativo interno para definir a mudança. Este ano, o fundo partidário deve distribuir R$ 118 milhões.

O tribunal também aguarda a proclamação oficial do resultado das eleições pelos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) dos 26 Estados e do Distrito Federal. Os tribunais têm até o dia 14 de novembro para proclamarem formalmente os resultados.

Fusões

O PTB aprovou hoje a incorporação do PAN durante convenção nacional, realizada em Brasília e, segundo integrantes da legenda, outros partidos podem seguir o mesmo caminho.

Uma nova Executiva nacional do PTB será eleita amanhã, já com a inclusão de integrantes do PAN, que vai deixar de existir juridicamente. Com essa incorporação, os diretórios do PAN se convertem em representações do PTB.

Segundo a assessoria do PTB, a incorporação do PAN permite que a legenda ultrapasse a cláusula de barreira qualquer que seja a interpretação da lei. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

e mídia expositiva, vamos penar nessa cláusula com carinho.

A famosa Cláusula de Barreira, vem axatamente, tentas acabas com essa prática e fazer com que os partido sejam fortes e representativos, pois quem não atingie 5% dos votos na Câmara Federal, considerando 2% em nove estados, terão a perda no Fundo Partidário, além de perder a liderança no Congresso

muitas vezes com uma votação pequena, são partidos que por serem nanicos, não tem representatividade nem lastro para majoritária, mais o presidente do partido, geralmente eleito, não aspira crescer e se assim for controlado para mantes sempre à dianteira~, e sendo sempre negociáveis.

No Brasil, como temos muitos políticos que gostam de levar vantagem literalmente, considerada á lei de Gerson, estamos acostumadosa conviver com situações administradas para que o partido tal tenha a quantidade de votos proporcionais que eleja um u dois e sempre o presidente é o mais votado, e

José Carlos-Serra Talhada

Magno vc já ouviu o prefeito de Serra Talhada para saber o que ouve por aqui? só está saindo o que o Gago fala.



06/10


2006

Surdos querem acompanhar os debates presidenciais

Depois da inclusão de legendas ou de intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) no horário eleitoral dos partidos, os surdos se mobilizam para poderem acompanhar os debates do segundo turno na TV. Pessoas com deficiência auditiva começaram hoje uma campanha eletrônica para que as emissoras que organizarão debates disponibilizem os recursos para quem não ouve.

"Nós temos o direito de entender as propostas dos candidatos", afirmou, por e-mail, Neivaldo Augusto Zovico, 49, diretor da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos.

Veio dele a proposta para que os surdos e os apoiadores da causa enviem mensagens às emissoras, ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e a entidades de Direitos Humanos.

Zovico não ficou satisfeito com a resposta dada --segundo ele-- pelas emissoras, em reunião já realizada para tratar do tema, de que a inclusão de legendas envolve dificuldades técnicas e demanda um prazo maior. Segundo ele, os debates são um importante instrumento para a escolha do voto, e as emissoras gostam de dizer que são socialmente responsáveis. Por isso, deveriam ter essa preocupação.

A Folha contatou a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão). A assessoria afirmou que a entidade tem participado de discussões sobre o tema, mas não confirmou, até o fechamento desta edição, os motivos que impedem a implantação imediata da legenda.

Segundo o censo de 2000 do IBGE, 5,7 milhões de brasileiros têm alguma deficiência auditiva. Com base nesse número, estima-se que 166.400 têm surdez total. Parte desse público domina a Libras. Outra parte, apenas o português escrito. Para Zovico, o ideal é atender os dois públicos, disponibilizando tanto legendas quanto interpretação em Libras. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

É fundamental, dá o direito de participação aos deficientes auditivos de entenderem o que os candidatos à presidência da República, estão colocando como propostas para sua gestão, e isso só poderá ser intendível aos deficientes auditivos, atreavés dos sinais que os levam ao entendimento.



05/10


2006

Apoio do PDT a Lula é quase impossível

O presidente do PDT, Carlos Lupi, disse que é improvável que o partido apóie o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa com o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, no segundo turno das eleições presidenciais. - Acho muito difícil, quase impossível o apoio ao Lula - disse Lupi a jornalistas após a reunião da Executiva Nacional do PDT.

O senador Cristovam Buarque, candidato derrotado à Presidência, revelou que ‘os cabeças’ dos diretórios estaduais manifestaram na reunião uma preferência por Alckmin. - Existe uma maioria com uma posição. A decisão que for tomada, com certeza, não vai provocar um racha no PDT. A dificuldade é que eu passei o primeiro turno dizendo que os dois candidatos são iguais e agora é difícil escolher um deles - afirmou Cristovam.

A decisão do PDT será divulgada apenas no dia 16, quando acontecerá a reunião do Diretório Nacional do partido após consulta aos diretórios estaduais. Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

POLITICA VOLTADA PARA O SOCIAL... TÁ PARECENDO O VELHO ARRAES.. DÁ UMAS CESTINHAS BÁSICAS QUE O POVO ADORA...É ESSA A POLÍTICA SOCIAL DE LULA...CESTINHAS BÁSICAS...TEM DE SER MUITO RIDÍCULO PARA FALAR DE POLÍTICA SOCIAL DESSE JEITO...Ô POVO ATRASADO..

Drácula

ESSE HELENO É UM BUNDÃO...HAHAHAHAHA....CHORA PALHAÇO... SEU LULA VAI FICAR SÓ COM QUATRO ANINHOS... E O SEU PT...FICARÁ LONGE DO PODER PELOS PRÓXIMOS 40 ANINHOS...HAHAHAHAHAHAHAH...LUGAR DE SAFADO É NA CADEIA.. VAI LÁ HELENO... LEVAR CIGARRO PARA O VAMPIRO VAI? HAHAHAHAHA

helenosilva

esse blog do magno tá parecendo que é feito pelo pfl.

Ivan Câmara de Andrade

Assistí ao debate da Globo, ví um Cristóvam trocando figurinhas com Alckmin, deduzí logo: nesse mato tem coelho. Isso não é novidade, o PDT apesar de se apresentar como partido de esquerda, sempre fez opçoes conservadoras e nunca engoliu o espaço que o PT ocupou, empurrando-o sempre para a direita.

milton tenorio pinto junior

.... E o Rei faz ficar 8 anos no Planalto Central com seus asseclas:Raul Henry,Cadoca,Edgar Moury.E no reino da pefelândia só choro e vela preta!!!!!!!!!!!!!!!!!



05/10


2006

Pacote de bondades destina R$ 37,6 mi ao NE

Dos R$ 226,7 milhões liberados pelo Governo Federal para a realização de obras pelo Ministério do Transporte, cerca de 16% devem vir para o Nordeste, ou seja, R$ 37,6 milhões. A maior parte deste dinheiro será destinado à manutenção da malha rodoviária da Região. Ao todo, serão investidos aproximadamente R$ 21 milhões para reparos em trechos da BR-101, divisa entre a Paraíba e o Rio Grande do Norte (R$ 3.000.000), e trechos da BR-101 na divisa entre Pernambuco e Paraíba (R$ 18.382.700).

 

Outra parte desta fatura para a Região é para investimento nos portos. Dos R$ 43 milhões destinados à construção e recuperação de portos, apenas R$ 18 milhões vai para o Nordeste, mais especificamente para a construção de cais para contêineres no Porto de Maceió, em Alagoas (R$ 15 milhões), e o pagamento de encargos no Rio Grande do Norte (R$ 1,3 milhão), para a Companhia Docas.

 

É no Nordeste que o presidente e candidato à reeleição apresentou os seus melhores índices eleitorais durante o primeiro turno, mais de 60% dos votos válidos. Os recursos do Ministério dos Transportes fazem parte de uma Medida Provisória do Governo Federal. Ao todo, foram liberados R$ 1,3 bilhão do Orçamento deste ano. O Governo Federal nega que a medida tenha fins eleitoreiros. Informações da Agência Nordeste.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

irania Olivia Benicio

E somos, haja vista a votação do mutante Luiz. Há pouquíssimos dias, dizia ele ser imbatível. Agora o analógico Luiz, alude Salvador Allende como espelho. A desfaçatez desse Luiz, incomoda aqueles que não toleram o esbulho e a mentira!!!

Soraya da Cruz Plácido

Será mesmo Mgno que esse dinheiro não é mais uma ESMOLA cedida com fins eleitorais? E esse PT pensa que nós Nordestinos somos bestas...