Versão Agreste Meridional

23/08


2017

A charge do dia


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão Central

23/08


2017

Coluna da quarta-feira

  Eletrobrás se valoriza

O principal índice da B3 (antiga BM&FBovespa, a bolsa brasileira) operou em forte alta, ontem, chegando a bater o patamar de 70 mil pontos. Os papéis da Eletrobrás eram destaque de alta - o avanço chegou a quase 50% nos papéis ordinários, após o governo anunciar plano de vender o controle da estatal de energia elétrica, em movimento que pode gerar uma arrecadação de até R$ 20 bilhões para a União.

O Ibovespa subiu 2,16%, a 70.109 pontos. A última vez que o Ibovespa encerrou o dia acima dos 70 mil pontos foi em 19 de janeiro de 2011(70.058 pontos). O recorde histórico foi em 20 de maio de 2008, com 73.516 pontos. As ações ordinárias da Eletrobrás, que dão direito aos acionistas votos nas assembleias, subiram 47,7%. Já as ações preferenciais, que dão aos acionistas prioridades no recebimento dos lucros da empresa, avançavam 31,8%.

A Eletrobrás ganha R$ 9 bi em valor de mercado com disparada das ações. Na parcial do dia, o valor de mercado da estatal subiu para R$ 29,12 bilhões, ante R$ 20,17 bilhões no fechamento do pregão da véspera, segundo dados da provedora de informações financeiras.

O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, informou que a hidrelétrica de Itaipu, administrada pelo Brasil junto com o Paraguai, e a Eletronuclear, subsidiária à qual estão vinculados os projetos na área de energia nuclear, deverão ficar de fora da privatização da Eletrobrás. O ministro disse também que, com a privatização, as tarifas de energia podem cair no médio prazo para o consumidor.

De acordo com o ministro, a proposta de privatização vai ser entregue, hoje, para o Programa de Parcerias de Investimento (PPI), órgão do Governo Michel Temer que trata de privatizações e concessões. O envio da proposta é um passo inicial do processo. Em nota a clientes, a equipe do Credit Suisse destaca que a proposta de perda de controle por aumento de capital não precisaria ser aprovada pelo Congresso, o que, em tese, facilitaria sua execução.

"A ideia de diluição de controle nos parece ser a mais viável, na situação de uma verdadeira tentativa de turnaround na empresa, já que as restrições de empresa estatal e os passivos históricos da companhia impedem uma gestão mais efetiva atual", escreveu a equipe do Credit Suisse em nota a clientes, de acordo com a Reuters.

"Nós acreditamos que o cenário em que o governo dilua sua fatia em 33 por cento e levante 20 bilhões de reais é um em que: todas as medidas propostas (especialmente as que tornam a empresa de capital privado, com melhor governança corporativa e corte de gastos) aumente o valor de mercado da Eletrobrás em mais de 100 por cento; e a Eletrobrás capte 20 bilhões de reais em uma oferta primária e pague a dívida de 20 bilhões de reais a bancos públicos. Após esse pagamento, os bancos pagariam dividendos ao governo federal", escreveram os analistas do BTG Pactual.

DE FORA– O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, informou, ontem, que a hidrelétrica de Itaipu, administrada pelo Brasil junto com o Paraguai, e a Eletronuclear, subsidiária à qual estão vinculados os projetos na área de energia nuclear, deverão ficar de fora da privatização da Eletrobrás. O ministro disse também que, com a privatização, as tarifas de energia podem cair no médio prazo para o consumidor. Fernando e auxiliares da pasta deram entrevista coletiva para dar detalhes sobre a privatização. A intenção é buscar uma solução para a crise financeira da empresa, diante da situação das contas públicas, que, segundo o Ministério, não dão "espaço para elevação de tarifas nem para aumento de encargos setoriais".

FEM da segurança- O deputado Aluísio Lessa (PSB) apresentou projeto destinando 10% dos recursos do FEM para a segurança pública. De acordo com o parlamentar, a medida visa fazer com que os municípios deem a sua parcela de contribuição no combate à violência. Ressalta que o Governo tem se reforçado isoladamente no combate à criminalidade e que esse quadro não pode persistir. Diante deste quadro, ele crê que os municípios podem ser parceiros, uma vez que destinem uma parte de seus recursos para a segurança pública, como prevê o seu projeto. O projeto prevê que as cidades que desejarem receber esse percentual precisam aderir ao pacto pela vida, programa que, há 10 anos, tem reduzido o número de homicídios no Estado.

Venda inócua– O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, disse que os recursos financeiros com a venda da Eletrobrás não resolvem o problema fiscal do Governo pelo fato de não poderem ser inscritos como receita primária. “Usar recurso financeiro para pagar despesa primária só pode se fazer até limite do déficit”, afirmou. Ele repetiu que se ocorrer uma oferta de ações, os recursos ficarão disponíveis para a Eletrobrás. Se for venda de controle, os recursos irão para União. “Em qualquer das duas modalidades, não há efeito fiscal”, afirmou.

Distritão da polêmica– No “Fórum Estadão – Reforma Política em Debate”, evento promovido pelo jornal Estado de São Paulo, o distritão foi questionado até como uma transição, que valeria para 2018 e 2020. “Por que somos contrários ao distritão? Ele distancia o eleitor de seu representado e enfraquece os partidos políticos”, afirmou o cientista político Luiz Felipe d’Avila, diretor-presidente do Centro de Liderança Pública (CLP), parceiro do evento. Pelo modelo, são eleitos para o Legislativo os candidatos com mais votos em cada Estado, como é hoje na eleição de senadores e dos cargos do Executivo, como prefeitos, governadores e presidente.

Denunciados pelo MP - O Ministério Público Federal denunciou no âmbito da Operação Lava Jato o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine, os publicitários pernambucanos André Gustavo e Antônio Carlos Vieira da Silva, o doleiro Álvaro Novis e os empresários Marcelo Odebrecht e Fernando Reis por corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, embaraço à investigação e organização criminosa. Bendine é acusado de exigir R$ 17 milhões em propinas da Odebrecht. Segundo a investigação, ele acabou recebendo R$ 3 milhões em três parcelas de R$ 1 milhão entre junho e julho de 2015 enquanto ocupava a Presidência da Petrobras. Em troca teria agido em defesa dos interesses da empreiteira. Bendine foi preso em 27 de julho na Operação Cobra, 42ª fase da Lava Jato, junto aos publicitários pernambucanos, tidos como seus operadores.

CURTAS

DELAÇÃO– Após extensa negociação, o doleiro Lúcio Funaro, preso desde julho de 2016, fechou o acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato. O acordo foi assinado, ontem, na Procuradoria-Geral da República (PGR). Funaro é apontado pelas investigações como operador de supostos pagamentos de propina ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso desde outubro do ano passado.

AGRADECIMENTO– Aos que me enviaram felicitações pela passagem de mais um aniversário, hoje, agradeço desde já e retribuo que Deus os dê em dobro. As manifestações de carinho e apreço começaram a chegar desde a última segunda-feira. Muito obrigado pelas lembranças!

Perguntar não ofende: Quem se interessa pela falida Eletrobrás num País quebrado? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Deu no The New York Times, maior jornal do mundo, vem cobrindo a caravana do ex-presidente. Lula cruza o São Francisco. Sem cenas de cinema. Só povo, povo, povo. Está sendo transmitida ao vivo a travessia de Lula, do jeito que dá, em meio à multidão, através do Rio São Francisco, na divisa entre Sergipe e Alagoas. Nada de cenas hollywoodianas, produzidas, montadas. Só gente, gente, gente e e mais gente. Todos querendo falar, tocar, abraçar um símbolo de uma vida que querem ter – e nem tiveram ainda, tanto. É o que que os pretensiosos não entendem. Os homens nunca são tão grandes quanto é imensa a força de um povo. CHUPA QUE A CANA É DOCE. KKKK

Nehemias

QUEM É ESSE HOMEM TÃO QUERIDO? QUE VIVE DENTRO DE TANTOS CORAÇÕES. QUE NÃO PARAM DE AMAR, QUE ATRAI MULTIDÕES. É O NOVO CRISTO?

Nehemias

O The New York Times, maior jornal do mundo, vem cobrindo a caravana do ex-presidente Lula, ignorada pelos jornais brasileiros, e publica reportagem nesta terça-feira em que destaca sua força. Milhões de brasileiros deixaram a linha de pobreza durante seus dois governos e ele ainda é o político mais popular do Brasil. CHUPA QUE A CANA É DOCE. KKKK

Nehemias

DEU NO NEW YORK TIMES: LULA AINDA É O POLÍTICO MAIS POPULAR DO BRASIL. New York Times, maior jornal do mundo, vem cobrindo a caravana do ex-presidente Lula. CHUPA QUE A CANA É DOCE. KKKK

Nehemias

EXPECTATIVAS QUE EM JANEIRO DE 2018, GASOLINA $10 O LITRO GÁS $100 E AINDA TEM BOSTA FALANDO MAL DO PT. VIDA DE BURRO NÃO É MOLE.


Versão Mata Norte

23/08


2017

Ponte para o futuro: Lula visita Renata

Em sua passagem por Pernambuco, o ex-presidente Lula vai visitar Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos. Será um gesto de reaproximação entre PT e PSB, que romperam pouco antes da eleição de 2014.

Por sua vez, para escapar do noticiário da crise política, o governo Michel Temer vai mergulhar numa polêmica agenda de ajuste e reestruturação de estatais. Após o anúncio da privatização da Eletrobras, vai discutir mudanças no plano de saúde dos Correios, órgão que enfrenta grave crise orçamentária. A ideia é redistribuir o custeio do benefício. Hoje, os servidores arcam com 5% da despesa e a estatal com o restante. A proposta é alvo de forte crítica entre os funcionários e deve despertar reações.

Em outra frente, o Planalto enviou ao Planejamento uma proposta de PDV (Programa de Desligamento Voluntário) para servidores da EBC, a Empresa Brasil de Comunicação, que cuida, entre por exemplo, da TV Brasil. Quer estimular cerca de 500 dos 2.500 funcionários a pedir demissão. (Painel – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

QUEM É ESSE HOMEM TÃO QUERIDO? QUE VIVE DENTRO DE TANTOS CORAÇÕES. QUE NÃO PARAM DE AMAR, QUE ATRAI MULTIDÕES. É O NOVO CRISTO?


Versão Sertão de Itaparica

23/08


2017

Agência Lupa: No NE, Lula exagera e erra em dados

Folha de S.Paulo

 

Em caravana no Nordeste, o ex-presidente Lula tem exagerado em alguns dados e errado em outros.

*

"[Quando resolvi ser candidato a presidente] O Nordeste tinha menos universidades [do que as outras regiões do país]" - em discurso em Itabaiana (SE) em 21/8

FALSO No discurso, Lula disse que tinha o "compromisso de fazer com que o NE fosse menos desigual em relação ao resto do país". Desde 1995, o Inep, do Ministério da Educação, faz a Sinopse Estatística do Ensino Superior. Na série histórica, o Norte –não o Nordeste– aparece como a região com menos instituições de ensino superior. Em 2003, quando Lula tomou posse, o Norte tinha 101 entidades. O Centro-Oeste, 210. O Nordeste, 304. Sul e Sudeste tinham, respectivamente, 306 e 938. Em 2010, quando deixou a Presidência, o ranking era: Norte (146), Centro Oeste (244), Sul (386), Nordeste (433) e Sudeste (1.169). Isso mostra que todas as regiões ganharam instituições de ensino superior no governo do petista. O Instituto Lula diz que o NE ganhou universidades e que o ex-presidente fazia "comparação com as regiões mais ricas do país, não com o Norte".

"A primeira universidade do Brasil só veio em 1930" – no Twitter, em 21/8

FALSO A primeira instituição de ensino superior do Brasil foi a Escola de Cirurgia da Bahia, criada em 1808. Depois, vieram a Faculdade de Direito de Olinda e a Faculdade de Direito de São Paulo, fundadas em 1827. Há uma polêmica sobre qual seria a primeira universidade. De acordo com a FGV, a Universidade do Brasil, que virou UFRJ e costuma ser tratada como a primeira do país, foi criada em 5 de julho de 1937. Ela deu continuidade a já existente Universidade do Rio de Janeiro, constituída na década de 1920. O Instituto Lula diz que a conta do ex-presidente no Twitter se equivocou ao transcrever a fala dele.

"[Quando resolvi ser candidato a presidente] O Nordeste tinha mais analfabeto [do que as outras regiões do país]" – em discurso em Itabaiana (SE), em 21/8

VERDADEIRO, MAS Segundo o IBGE, em 2002, quando Lula foi candidato à Presidência, o NE era a região com maior índice de analfabetismo, com 8 milhões de pessoas com mais de 15 anos nessa condição (17,7% da população). Mas, em 2011, depois do governo do petista, a região continuava sendo a de maior número de analfabetos: 6,8 milhões (13,49% da população). O Instituto Lula ressalta que caiu o analfabetismo no Nordeste.

"Agora eles estão tirando o subsídio do programa Minha Casa Minha Vida" – à radio Fan FM, de Sergipe, em 21/8

EXAGERADO Em 2015, o Minha Casa Minha Vida teve um orçamento executado de R$ 16,5 bilhões. No ano passado, de R$ 6,9 bilhões. Mas os cortes no programa começaram no governo Dilma Rousseff. De maio de 2015 a abril de 2016, quando houve o impeachment, o governo federal contratou 17.308 unidades por R$ 565 milhões na chamada Faixa 1, que atende aos grupos de baixa renda (até R$ 1.800 por mês). De maio de 2016 a junho de 2017, já na gestão Michel Temer, foram contratadas duas vezes mais unidades e gastos 62,4% maiores. O Instituto Lula reforça que o governo Temer "eliminou os subsídios às faixas de baixa renda no Minha Casa Minha Vida"

"Eles acham que Bolsa Família é só no NE. Em SP, 1,4 milhão de famílias recebem" – no Twitter, em 21/8

VERDADEIRO, MAS Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, em agosto, 1,4 milhão de famílias receberão o Bolsa Família no Estado de SP. Com valor médio de R$ 159 por benefício, o investido será de R$ 235,6 milhões. No Sudeste, são 3,4 milhões de beneficiários. Com média de R$ 165,10 por família, a região recebe R$ 568,6 milhões do programa. No Nordeste, todos os números são maiores. A região recebe mais da metade das 13,5 milhões de bolsas concedidas pelo programa. Um total de 6,8 milhões de famílias é beneficiado pelas bolsas. Com um benefício médio de R$ 185,76 por família, o Nordeste responde por R$ 1,3 bilhão injetado todos os meses no programa.

"E quando a Dilma percebeu que estava saindo mais dinheiro que entrando, que ela fez? Preparou uma reforma e mandou para o Congresso, e o Eduardo Cunha não deixou votar" – à rádio Metrópole, em Salvador

EXAGERADO O primeiro ano do segundo mandato de Dilma foi marcado pelo ajuste fiscal. O governo propôs aumento de impostos e mudanças em benefícios sociais. A Câmara, chefiada por Cunha, aprovou duas ações: as que modificaram a concessão da pensão por morte e o acesso ao seguro-desemprego. Não passou a recriação da CPMF. A proposta não saiu da Comissão de Constituição e Justiça. À época, Cunha chegou a dizer que eram ineficientes. O Instituto Lula reconhece que não foi aprovado todo o pacote.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

NEW YORK TIMES CONFIRMA! Apesar De Perseguição Da Globo E De Juiz De Curitiba, Lula É O Maior Líder Político Do Brasil. chupa que a cana é doce. KKKK

Nehemias

Deu no The New York Times, maior jornal do mundo, vem cobrindo a caravana do ex-presidente. Lula cruza o São Francisco. Sem cenas de cinema. Só povo, povo, povo. Está sendo transmitida ao vivo a travessia de Lula, do jeito que dá, em meio à multidão, através do Rio São Francisco, na divisa entre Sergipe e Alagoas. Nada de cenas hollywoodianas, produzidas, montadas. Só gente, gente, gente e e mais gente. Todos querendo falar, tocar, abraçar um símbolo de uma vida que querem ter – e nem tiveram ainda, tanto. É o que que os pretensiosos não entendem. Os homens nunca são tão grandes quanto é imensa a força de um povo. CHUPA QUE A CANA É DOCE. KKKK

Nehemias

O The New York Times, maior jornal do mundo, vem cobrindo a caravana do ex-presidente Lula, ignorada pelos jornais brasileiros, e publica reportagem nesta terça-feira em que destaca sua força. Milhões de brasileiros deixaram a linha de pobreza durante seus dois governos e ele ainda é o político mais popular do Brasil. CHUPA QUE A CANA É DOCE. KKKK

lino perrelli

Seria uma ruma, o que chamam de caravana...

Nehemias

O sofrimento da mídia com caravana de Lula. Dá para imaginar a angustia que toma conta dos barões da mídia e de seus sabujos das redações diante da caravana de Lula pelo Nordeste. Depois de liderarem a maior caçada da história a um político brasileiro, são obrigados a amargar a teimosa liderança de Lula em todas as pesquisas. E, agora, o desafio é fazer das tripas coração para diminuir o impacto do corpo a corpo de Lula com o povo nordestino. Antes mesmo de a caravana lulista começar a rasgar o sertão reeditando 1994, a mídia, com o gosto amargo do fel da inveja na boca, já desfiava um rosário de problemas a serem enfrentados por Lula.


Prefeitura do Ipojuca

23/08


2017

Ex-governador tucano pegou 20 anos mas pode se safar

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais manteve, na noite desta terça-feira, a condenação do ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB) pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Ele é o réu mais famoso entre os acusados em processos vinculados à operação financeira de Marcos Valério para o PSDB de Minas Gerais, e o primeiro político a ser condenado no caso. O acusado vai recorrer da sentença em  liberdade. Para que eventuais penas possam ser cumpridas, o processo deve ser concluído até setembro de 2018, mês em que o político mineiro completará 70 anos de idade. Depois disso, as penas do processo estarão prescritas.

Dois desembargadores da 5a Câmara Criminal votaram pela confirmação da sentença da primeira instância, que havia condenado o político a 20 anos de prisão em 2015 no caso do mensalão tucano. Foi vencido o voto do relator, Alexandre Victor de Cavalho, que pediu a absolvição de Azeredo.

Os recursos foram desviados por meio de contratos de patrocínio forjados com estatais mineiras — como a Copasa e a antiga Comig, atual Codemig — para desviar R$ 3,5 milhões (R$ 9,3 milhões, em valores atualizados) para a campanha de 1998, por meio das agências de publicidade de Valério. Na época, Azeredo disputou — e perdeu — a reeleição ao governo.

O processo corre na Justiça mineira desde março de 2015. Em fevereiro de 2014, Azeredo renunciou ao mandato de deputado federal, perdendo o foro privilegiado e, com isso, atrasando o julgamento do caso pela Justiça.

Na sentença condenatória, a juíza Melissa Pinheiro da Costa Lage escreveu não haver dúvida de que Azeredo deveria ser responsabilizado pela criação de complexa “estrutura político-financeira a fim de legitimar, lavar, os vultuosos recursos que seriam utilizados durante a campanha”.

A magistrada também fez menção à denúncia de corrupção envolvendo as estatais formalizada pela coligação adversária a Azeredo perante a Justiça Federal, em 1998. Segundo ela, se o caso tivesse sido apurado naquele momento, o esquema montado por Valério para atender a partidos políticos não teria prosperado.

O esquema de corrupção montado por meio de empresas de publicidade de Marcos Valério foi descoberto em 2005, graças a denúncia feita pelo então deputado Roberto Jefferson (PDT-RJ). Na época, ele disse que Valério operava desde 2003 um esquema que atendia a políticos do PT. Em meio às investigações, descobriu-se que Valério atuava para o PSDB antes de atuar para os petistas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/08


2017

O plano do semipresidente

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo

Eles já foram mais discretos. Na segunda-feira, Michel Temer e Gilmar Mendes deflagraram uma nova operação casada. Num intervalo de poucas horas, os dois defenderam a mudança do regime de governo. O discurso agora é de que o país precisa do semipresidencialismo —um novo nome para o velho parlamentarismo, que os brasileiros já rejeitaram em dois plebiscitos.

"É uma coisa extremamente útil ao Brasil [o semipresidencialismo]. Minha experiência tem revelado que seria útil", disse Temer, em Brasília. "É preciso que a gente separe as coisas de Estado das coisas de governo, e por isso me parece que o semipresidencialismo seria o melhor caminho", afirmou Gilmar, em São Paulo.

Antes de assumir o poder, Temer loteou o futuro governo entre deputados e senadores que prometeram votar a favor do impeachment. Ele batizou o resultado das barganhas de semiparlamentarismo. Num exemplo de como o arranjo foi negociado, o presidente conheceu seu ministro do Trabalho, o deputado Ronaldo Nogueira, no dia da posse. Os dois foram apresentados por Roberto Jefferson, presidente do PTB.

Apesar de ter dado 57% dos ministérios a parlamentares, Temer assumiu como um superpresidente. No sétimo mês de governo, ele festejou "o maior índice de apoio que o Executivo federal teve ao longo dos tempos". "É a maior base de sustentação que se tem no período da redemocratização", endossou Eliseu Padilha.

A delação da JBS reduziu o peemedebista a um semipresidente. Ele se segurou na cadeira, mas perdeu força para sonhar com a reeleição. Hoje seu projeto mais ambicioso é concluir o mandato, escorado numa aliança entre o centrão e a fatia do PSDB que ainda obedece a Aécio Neves.

Com 5% de aprovação popular, Temer passou a pregar um regime que esvazia o papel do presidente da República. É um plano promissor para quem não dispõe de votos. Falta convencer os políticos que têm chance de chegar ao poder pelas urnas. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Flamac - 2

23/08


2017

Cunha fala o que sabe. Mas sob condições

Mesmo após o acordo de delação com Lúcio Funaro, integrantes da PGR seguem em conversas com Eduardo Cunha.

O operador do PMDB disse ter tomado conhecimento de alguns fatos por meio do ex-deputado — daí o interesse.

Apesar da situação delicada, o peemedebista colocou condições para falar.

Pede imunidade aos parentes que estão na mira da Lava Jato para retomar a negociação. (Painel - FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner - Hapvida

23/08


2017

Parlamentarismo sem consulta popular: golpe

Blog do Kennedy

Há argumentos respeitáveis a favor da mudança de sistema de governo o Brasil. Um deles é que isso geraria menos crises para o país. Os defensores do parlamentarismo dizem que o presidencialismo brasileiro tem gerado crises em série. Alegam que democracias avançadas são parlamentaristas.

O programa de TV do PSDB na semana passada fez defesa explícita dessa tese, lembrando que, dos quatro presidentes eleitos diretamente desde a redemocratização, dois, Dilma e Collor, não concluíram seus mandatos. Apenas Lula e FHC o fizeram.

No entanto, é preciso deixar claro que semipresidencialismo é um eufemismo para parlamentarismo. A ideia é diminuir a autoridade do presidente e aumentar o poder do Congresso Nacional.

No atual quadro partidário brasileiro, com a enorme fragmentação do Congresso, seria piorar o que já está ruim. Instituir o semipresidencialismo ou o parlamentarismo sem consulta popular seria golpe. Muitos políticos sem voto para vencer a eleição presidencial pregam o parlamentarismo. Esse golpismo, que, no fundo, é o desrespeito ao resultado eleitoral, tem feito mais mal ao país, como mostra a história brasileira.

A proposta parlamentarista já foi rejeitada em dois plebiscitos em 1963 e 1993. Os defensores da ideia dizem que bastaria uma emenda constitucional e ponto final. Isso não seria suficiente ou bom. Seria necessário um plebiscito ou referendo.

Por último, antes de mudar o sistema de governo, seria preciso fortalecer os partidos políticos. Não é o que se pretende na atual reforma política com essas propostas de distritão ou distritão misto.

Portanto, uma proposta que diminua o poder do próximo presidente eleito ou do seguinte é uma forma de tirar da população o direito de escolha do líder do país. Só um plebiscito ou referendo legitimaria a ideia de primeiro-ministro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

23/08


2017

Congonhas: má ideia

Outro bem público que a equipe econômica quer vender é o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Não é uma boa proposta.

Congonhas é um aeroporto que funciona bem e dá lucro à Infraero. Uma privatização de aeroporto é justificável se há necessidades de investimentos para melhorar o serviço. Construir uma nova pista. Erguer um novo terminal. Isso foi feito em Guarulhos, Brasília e Viracopos, por exemplo.

Em Congonhas, não há espaço físico para ampliação. Nem isso é desejável na área central em que ele se encontra. Já é um aeroporto com bastante movimento para a região em que se localiza.

Logo, a privatização seria vender uma joia da coroa para cobrir despesas correntes. Só serviria para ajudar a equipe econômica a fazer caixa para cumprir uma meta deficitária que mudou, ampliou e não sabe se será atendida.

O efeito sobre a Infraero pode ser desvastador, porque a receita de Congonhas ajuda a empresa a administrar aeroportos regionais que não são rentáveis. Sem Congonhas e com esses aeroportos regionais, teríamos uma estatal com mais problema de caixa e dificuldade para investimentos.

A venda de Congonhas é mais um exemplo do fracasso do ajuste fiscal da equipe econômica de Henrique Meirelles. É um ajuste que só pensa no fator financeiro. O Brasil parou de fazer investimentos públicos e privados. Privatizar Congonhas é uma ideia ruim, que pode, inclusive, encarecer o preço das passagens e dos serviços cobrados dos usuários.  (Kennedy Alencar)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

23/08


2017

EUA: barrado embarque de ministro de Temer

Folha de.Paulo – Patrícia Campos Melo

O secretário especial de assuntos estratégicos da Presidência, Hussein Kalout, foi impedido de embarcar em um voo da American Airlines para os Estados Unidos na segunda-feira (21), após se recusar a se submeter a uma inspeção especial, que ele considerou humilhante.

Kalout estava a caminho de Nova York, aonde iria em missão oficial para participar de eventos no Council of the Americas e no Council on Foreign Relations.

Segundo o secretário, ele estava prestes a entrar no avião, na fila dentro do finger, quando foi retido por um funcionário da companhia aérea. O funcionário o informou que ele teria de sair e se submeter a uma inspeção especial para poder embarcar.

Kalout argumentou que já havia passado pelo procedimento de segurança e indagou o motivo para a inspeção especial. "São ordens do governo americano", teria respondido o funcionário, no aeroporto em Brasília.

O secretário especial da Presidência se negou a passar pela inspeção corporal, que seria realizada pelos funcionários do aeroporto, dizendo que já havia sido revistado e que portava passaporte diplomático.

Voltou a perguntar qual era o motivo de ser submetido à revista especial e, mais uma vez, recebeu a resposta de que era determinação do governo dos Estados Unidos.

"Fui a única pessoa a ser retirada da fila, quase entrando no avião, porque meu nome é árabe. Está evidente que foi racismo", diz Kalout, que foi colunista da Folha.

Leia a reportegem completa clicando aí ao lado: Empresa americana barra embarque de ministro de Temer em avião ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Projeto Escola no Cinema

23/08


2017

Tasso: que peçam a Aécio para tirá-lo da presidência

Senador cearense responde que se deputados querem sua saída do comando interino da sigla, basta que peçam ao presidente licenciado, Aécio Neves

Presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE) convocou nesta terça-feira os parlamentares tucanos insatisfeitos com a sua gestão à procurarem o colega Aécio Neves (MG), presidente licenciado, para pedir que ele seja tirado do cargo. O cearense voltou a dizer que não vai entregar o posto por conta própria e negou que esteja fazendo prevalecer suas convicções pessoais na direção partidária.

“Eles que vão ao Aécio e digam: Aécio, tira o homem que ele não nos representa. E provem que são majoritários. É tão fácil”, declarou, ressaltando que o fato de ser interino em substituição a um presidente efetivo faz com que seja “simplérrimo” substituí-lo:

“Eu estou consciente que sou interino. Então, pra deixar a presidência e a interinidade, não precisa de nenhum tipo de articulação, pressão, nada disso. É um ato puro e simples do presidente, que ele faz e pronto”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 3

23/08


2017

Pedida internação de jovem que atacou professora

Caso a Justiça acolha o pedido, adolescente deverá ficar até seis meses num centro de reeducação; aluno poderá frequentar as aulas até ter o futuro decidido

VEJA - Edoardo Ghirotto

O Ministério Público pedirá à Justiça a internação do aluno de 15 anos que agrediu a professora Marcia Friggi num colégio municipal de Indaial (SC), a 170 quilômetros de Florianópolis. A promotora da Infância e da Juventude Patrícia Dagostin Tramontin declarou que a medida mais rigorosa é uma resposta à reincidência do adolescente. 

O jovem já foi condenado à prestação de um mês de serviços comunitários por ter agredido um colega de sala. Houve também um caso em que o adolescente agrediu a própria mãe.

Tramontin disse que o aluno será processado por lesão corporal. Caso a Justiça acolha o pedido da Promotoria, o adolescente terá de cumprir a pena em um Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep), órgão destinado ao cumprimento de medidas socioeducativas por adolescentes infratores. A previsão é que, se condenado, ele fique até seis meses na instituição.

A promotora reclamou da lentidão para o processo chegar ao fórum. Como o adolescente não foi apreendido em flagrante, o delegado encarregado do caso marcou audiências para ouvir os envolvidos, incluindo outros alunos e funcionários da escola que possam servir de testemunhas. Tramontin disse que a delegacia da Polícia Civil prometeu notificá-la até esta sexta-feira.

Segundo a prefeitura, o aluno poderá frequentar as aulas no colégio até que se estabeleça em audiência com a Promotoria da Infância e da Juventude e a Secretaria Municipal de Educação se haverá expulsão do adolescente ou seu remanejamento para outra instituição. A escola que ele frequentava era voltada para adolescentes e adultos que estão atrasados com a grade curricular.

Tramontin disse ter sido surpreendida com a decisão da prefeitura. “Não estou sabendo de nada disso. Vou atendê-los amanhã. Não me parece que essa seja uma decisão sustentável diante da situação”. Segundo a prefeitura, o adolescente não compareceu à escola nesta terça-feira.

Como o caso é de competência municipal, a Secretaria de Educação de Santa Catarina informou que acompanha o desenrolar da situação. A reportagem não conseguiu contactar a direção da escola em que ocorreu a agressão nem a professora Marcia Friggi.

Ataques na internet

A professora, que ensina língua portuguesa e literatura, está afastada de suas funções por causa da agressão. Ela terá de passar por uma perícia para ser avaliada física e psicologicamente antes de voltar para a sala de aula.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

23/08


2017

PSDB de Tasso admite erros. O PT de Gleisi omite-os

Itamar Garcez – Blog Os Divergentes

O senador Tasso Jereissati, no comando interino dos tucanos, resolveu bancar propaganda nacional e forjar um bordão: “O PSDB errou”. A senadora Gleisi Hoffmann, presidente eleita do PT, foi no sentido oposto: “Não vamos ficar enumerando os erros que achamos”. Quem é o demagogo?

Tasso, pois finge arrependimento? Gleisi, porque visa camuflar os malfeitos? Ambos, afinal são políticos?

O senador, ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, usou a prerrogativa do cargo para esgarçar a conflagração intestina do tucanato. Ao mesmo tempo, envolveu as principais legendas quando criticou o “presidencialismo de cooptação”. O programa de TV diagnostica a enfermidade do nosso modelo lembrando que dois dos quatro presidentes eleitos pelo voto direto após a redemocratização foram depostos.

Seu gesto estimula quem quiser a enumerar os erros da sigla que comandou o Brasil por oito anos. A “cooptação” é uma realidade desta fase mais longeva da democracia brasileira, e que parece acentuar-se a cada novo mandatário.

Genuflexão pública

A senadora que, diante do declínio moral do petismo, adotou a artilharia verbal como tática motivacional das hostes que restaram fiéis, argumentou: “Não somos organização religiosa, não fazemos confissão de culpa”. Não negou que houve erros, mas que o PT não vai enumerá-los como forma de evitar a “exploração” pela “direita”. Como no mensalão, o partido furtou-se a encarar os desacertos.

Ao expor a sigla à penitência, Tasso provocou uma catarse incomum advinda de programas partidários cujos roteiros são a mesmice. A não ser que se tome o “coronel” de cinco mandatos por ingênuo, as consequências de sua genuflexão pública não o surpreenderam. Expôs e expôs-se.

Com sua estratégia, Gleisi evitou a dolorosa confissão de culpa e buscou levantar o ânimo cabisbaixo da militância – pelo menos daquela que não encara os malfeitos como estratégia de poder. Arrepender-se publicamente significaria admitir a burla de um dos pilares que erigiram o PT: a esperança, agora em ruínas, de que a política poderia ser exercida com ética. Homiziou-se.

As contradições tucanas, assim, sangram em praça pública. Petistas, como sói acontecer, tentam ocultar as suas sob à sombra de Lula, talvez o último esteio da chamada esquerda. Mesmo os partidos seus dissidentes, formados de costelas do PT, transformam-se em penduricalhos do lulismo – sem o qual teriam existência precária.

Verdade & mentira

Pode-se assumir as dores do PSDB, criticando um erro estratégico da propaganda; afinal, marqueteiros são pagos para criar mundos de fantasia. Pode-se aproveitar para debater e expor os desacertos de uma sigla, que, em boa monta, são os do sistema de aliciamento engendrado sobretudo por PSDB e PT, já que a dupla, desde FHC e Lula, moldou para o bem e para o mal o Brasil que vivenciamos.

Ou pode-se jogar as falhas que ambos cometeram, com o auxílio do PMDB, para debaixo do tapete. Neste caso, estaríamos referendando a teoria de Razumíkhin, amigo de Raskólnikov, protagonista de Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski: “Quem mente chega à verdade!”.

À saúde da política interessa saber como substituir o atual modelo que, na melhor das hipóteses, atrasa o desenvolvimento do País e, na visão mais pessimista, congela o progresso. E, como consequência perversa, fomenta a injustiça social. A autocrítica, se sincera, é apenas um começo promissor.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

bm4 Marketing 6

23/08


2017

Não escapa: mantidos 20 anos de prisão para tucano

O ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) havia sido condenado em 1998 a 20 anos e 10 meses de prisão por peculato e lavagem de dinheiro em sua campanha ao governo de MG.

Raquel Freitas, G1 MG, Belo Horizonte

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) decidiu, nesta terça-feira (22), manter a condenação do ex-governador de Minas Gerais e ex-senador Eduardo Azeredo (PSDB), de 20 anos de prisão no processo do mensalão tucano.

Dois desembargadores votaram pela manutenção da sentença e o relator votou pela absolvição. Tanto a defesa de Azeredo quanto o Ministério Público podem recorrer. O julgamento dos recursos da defesa e acusção demorou cerca de 10 horas.

Azeredo foi condenado, em dezembro de 2015, a 20 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Na decisão desta terça, o desembargador reduziu a pena em 9 meses, passando a ser 20 anos e 1 mês de prisão.

Os desembargadores também determinaram a prisão de Azeredo assim que acabarem os recursos no TJ-MG.

Um dos recursos julgados nesta terça foi impetrado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), que pede que a pena seja aumentada. O procurador-geral Antônio de Padova Marchi Júnior sustentou que Azeredo atuou efetivamente no desvio das verbas e "tinha total compreensão do que estava se passando". No fim, pediu a manutenção da setença com aumento de pena.

O outro recurso julgado foi do advogado Castellar Guimarães, que defende Azeredo. Ele pediu a absolvição do ex-governador por inexistência de prova suficiente à condenação. Disse que o político vive "martírio" que afeta a vida pessoal e profissional dele. O advogado ainda afirmou que o MP demonstra vontade em obter condenação a qualquer custo.

O desembargador relator do processo, Alexandre Victor de Carvalho, leu seu voto, com mais de 100 páginas. Ele criticou vários pontos da acusação que sustentaram a condenação de primeira instância, e disse que não há provas concretas de dolo [intenção] por parte de Azeredo nos desvios das verbas. De acordo com o relator, "mera conivência não se confunde com dolo". O magistrado votou pela apelação da defesa, ou seja, absolvição do tucano.

O segundo voto foi do desembargador revisor Pedro Coelho Vergara. Ele se posicionou contra o relator e a favor da condenação de Eduardo Azeredo. “Estou vigiando pela população mineira para ter um Brasil mais justo. Pelas minorias, contra os grandes que pisam nos mais humildes. Aqui comprovada a autoria do operante, da culpa, e de todos os envolvidos. Lidas todas as doze mil páginas, dias sem dormir. Está comprovado aqui a autoria do postulante”, disse.

Quem definiu o julgamento foi o desembargador vogal Adilson Lamounier.

pena pode prescrever caso o julgamento não transite em julgado até setembro de 2018, quando o tucano completa 70 anos.

Um pequeno grupo de manifestantes do movimento Vem Pra Rua esteve na porta do TJ-MG, na Avenida Afonso Pena, no bairro Serra, para protestar contra Azeredo e contra a impunidade a políticos.

Mensalão tucano

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, o esquema teria desviado recursos para a campanha eleitoral de Azeredo, que concorria à reeleição ao governo do estado, em 1998.

Para a acusação, houve ato de improbidade administrativa por parte de Marcos Valério, Cristiano Paz e Ramon Holerbach, quando R$ 3 milhões foram transferidos da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig) para a agência de publicidade SMP&B, da qual os três eram sócios à época.

A verba foi declarada como patrocínio para a realização do Enduro da Independência, evento que não chegou a ser nem licitado e não houve formalização de contrato.

Para a promotoria, esse dinheiro foi usado na campanha de reeleição do então governador de Minas, Eduardo Azeredo, através das agências de publicidade SMP&B e DNA. Azeredo foi derrotado no pleito por Itamar Franco (PMDB).

Os três sócios das agências foram interrogados na Justiça em Belo Horizonte no julgamento da ação penal no dia 7 de abril deste ano.

Todos os acusados negam envolvimento em crimes.

Marcos Valério tem um acordo de delação premiada com a Polícia Federal relacionado a crimes do mensalão tucano. A colaboração foi assinada no dia 6 de julho deste ano. A defesa do réu disse que os fatos e documentos apresentados por Valério se referem ao processo e a outros assuntos.

Em junho de 2016, a defesa de Valério entregou ao Ministério Público uma oferta de delação premiada sobre o mensalão tucano. Em 24 de março de 2017, a promotoria informou que não havia interesse por parte do órgão na delação do réu e recusou o procedimento.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Cícero Ramos de Souza

Já devia estar na cadeia!!!!



22/08


2017

TCE suspende licitação de jatinho para Pezão

Conselheira pede que governo pondere sobre a necessidade do serviço diante do caos fiscal

O Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ) determinou, nesta terça (22), a suspensão da licitação, por parte do governo do Estado, para a contratação de uma empresa de táxi aéreo que prestaria serviços ao governador Luiz Fernando Pezão e a membros do Executivo fluminense. O valor da licitação estava estimado em R$ 2,5 milhões. O pregão eletrônico que definiria o aluguel do serviço estava marcado para esta quarta-feira (23).

Segundo a relatora do processo, a conselheira Andrea Siqueira Martins, o processo licitatório ficará suspenso até que a Secretaria de Estado da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico apresente alguns esclarecimentos solicitados. Um dos pontos solicitados é que sejam apresentados os requisitos utilizados para justificar a prestação do serviço de excelência cotado.

O valor da concorrência é outro ponto que necessita de esclarecimentos; por isso, foram solicitadas pesquisas de mercado feitas para estipular tal remuneração.

A conselheira determinou também que o governo “pondere sobre a pertinência e oportunidade da contratação pretendida..., tendo em consideração a gravíssima situação fiscal em que se encontra o Estado do Rio de Janeiro”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/08


2017

Tasso avisa: peçam a Aécio para retirá-lo do cargo

Senador cearense responde que se deputados querem sua saída do comando interino da sigla, basta que peçam ao presidente licenciado, Aécio Neves

Presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE) convocou nesta terça-feira os parlamentares tucanos insatisfeitos com a sua gestão à procurarem o colega Aécio Neves (MG), presidente licenciado, para pedir que ele seja tirado do cargo. O cearense voltou a dizer que não vai entregar o posto por conta própria e negou que esteja fazendo prevalecer suas convicções pessoais na direção partidária.

“Eles que vão ao Aécio e digam: Aécio, tira o homem que ele não nos representa. E provem que são majoritários. É tão fácil”, declarou, ressaltando que o fato de ser interino em substituição a um presidente efetivo faz com que seja “simplérrimo” substituí-lo:

“Eu estou consciente que sou interino. Então, pra deixar a presidência e a interinidade, não precisa de nenhum tipo de articulação, pressão, nada disso. É um ato puro e simples do presidente, que ele faz e pronto”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/08


2017

Lula chega a AL e troca afagos com Renan em palanque

Folha de S.Paulo - Catia Seabra

Colegas de partido do presidente Michel Temer, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e seu filho, o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB), foram às margens do rio São Francisco, nesta terça (22), recepcionar o ex-presidente Lula em sua chegada ao Estado.

Em um barco, o petista deixara para trás o vizinho Sergipe. Sobre um carro de som à beira do rio, pai e filho exaltaram o visitante.

Renan afirmou que Lula fez um "governo do povo para o povo, diferentemente deste governo de agora" com o qual não poderia concordar.

Com mandato que acaba no ano que vem, o senador tem se distanciado progressivamente do governo federal e feito um discurso mais à esquerda e de oposição às medidas liberalizantes de Temer. Renan deverá tentar a reeleição em um Estado no qual a popularidade de Lula é mais alta que a média nacional.

"O governo está flexibilizando direitos do trabalhador, oprimindo as pessoas mais pobres da federação", discursou o peemedebista, queixando-se de cortes na área social. Disse ainda que a população de Alagoas deveria defender com forças o estado de bem-estar social, segundo ele, implementado pelo governo Lula.

Renan afirmou que os alagoanos receberiam Lula com destemor não só pelo que o ex-presidente já fez, mas pelo que "vai fazer para dar continuidade à melhoria das condições de vida do povo brasileiro". Minutos antes, Renan Filho afirmou que "Alagoas recebe o presidente Lula de braços abertos".

Pai e filho estarão mais uma vez ao lado de Lula nesta quarta (23) em Arapiraca, onde o ex-presidente receberá título de doutor honoris causa.

Em retribuição aos afagos, o petista elogiou a coragem do senador do PMDB. E reforçou os ataques a Temer. Criticando a decisão do presidente de vender a Eletrobras, Lula perguntou aos militantes petistas "para que a gente quer um presidente que não sabe governar, só sabe vender o que o Brasil tem".

"Que mulher casaria com um homem que, em vez de trabalhar para colocar dinheiro dentro de casa, resolve vender as coisas que ela tinha", perguntou.

Lula disse também que, antes respeitado intencionalmente, o "Brasil é avacalhado por conta da incompetência deste governo".

DILMA

Lula voltou a reclamar da gestão da afilhada Dilma Rousseff. Ao questionar os cortes orçamentários praticados por Temer, Lula afirmou: "Mesmo no começo do governo Dilma, quando ela fez o primeiro corte, eu disse que era um erro", afirmou o ex-presidente, listando medidas que adotaria para o aquecimento econômico.

Essa não é a primeira vez que Lula tenta se distanciar do governo Dilma ao longo da caravana nordestina.

Na Bahia, Lula disse que a petista era alvo de críticas e insinuou que poderia ter concorrido em 2014, se ela o tivesse procurado. Afirmou também que Dilma não aceitou sua proposta de convidar Henrique Meirelles para o governo. Em Sergipe, ele declarou que a sucessora reconheceria erros se estivesse ali presente. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Cícero Ramos de Souza

Quando a bandidagem se encontra!!! É a festa da gatunagem.



22/08


2017

Deputada faz alerta sobre a transmissão do Zika Vírus

A deputada estadual Roberta Arraes (PSB) fez uso da tribuna da Alepe, na tarde de hoje, para fazer um alerta à população sobre o Zika Vírus. Em seu pronunciamento, a parlamentar falou sobre o resultado de um estudo recentemente divulgado por pesquisadores pernambucanos da Fundação Oswaldo Cruz, que concluiu que o Zika Vírus pode ser transmitido não só pelo Aedes Aegypti, mas também pelo mosquito de gênero Cúlex, mais conhecidos por muriçocas.

Roberta, que apresentará como forma de reconhecimento um voto de aplauso a todos os envolvidos nessa pesquisa, em nome da pesquisadora pernambucana da Fiocruz, Constância Ayres, fez um alerta especial aos gestores municipais, para um reforço no combate do Aedes, como também das muriçocas.

"É preciso reforçar as ações preventivas para o combate ao Zika, a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré", afirmou. Ela lembrou também da importância da valorização dos agentes de saúde e endemias.

Roberta finalizou seu discurso reforçando o seu compromisso com o tema e afirmando que, como presidente da Comissão de Saúde e Assistência Social, irá trabalhar nas buscas de novas formas de fortalecer apoio institucional as pesquisar e ações que promovam esse enfrentamento. "O combate ao mosquito é uma tarefa de todos, unidos com a sociedade venceremos essa luta!", finalizou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/08


2017

Emenda garante equipamentos ao Hospital Tricentenário

Durante a tarde de hoje, o deputado federal Jorge Côrte Real visitou o hospital tricentenário, localizado em Olinda, na Região Metropolitana do Recife, para verificar a utilização dos recursos destinados por ele à unidade de saúde. Desde 2014, o parlamentar já empenhou quase um milhão de reais em emendas à unidade, convertidas em vários materiais e equipamentos necessários para facilitar a vida dos pacientes.

Apenas em 2016, foram destinados 250 mil reais, utilizados para a compra de 45 camas hospitalares modernas e 25 poltronas, distribuídas entre a maternidade, a UTI e a ala dos pacientes crônicos, favorecendo tanto para os pacientes quanto os acompanhantes. A medida agradou a população: "Eu queria agradecer ao deputado Jorge pela atenção dada ao hospital e à população. Aqui é um céu, em comparação com o que é em outros lugares", disse Márcia Nogueira Silva, que acompanhava o tio na ala de pacientes crônicos.

A visita também teve como objetivo o comprometimento do deputado com a destinação de mais recursos à instituição. “Já me comprometi a colocar outra emenda em 2018 para compra de material e equipamentos. Acredito que esse hospital é um dos mais importantes para a população pernambucana, principalmente a olindense. Sendo assim, é importante que tenha acomodações confortáveis e modernas para atender o público”, explicou o parlamentar.

Além do Tricentenário, Jorge Côrte Real também destina recursos para outras unidades de saúde de Pernambuco, como unidades de saúde em mais de 15 cidades de todas as regiões do Estado, além de 11 instituições filantrópicas. “A saúde é o principal bem do homem. Então esse é um cuidado que eu tenho quando faço a destinação das emendas, sempre ajudar as unidades que mais precisam”, completou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/08


2017

Vereador rebate acusações sobre abuso de poder

Nota oficial

Em resposta aos boatos que estão no Facebook e em aplicativos de mensagens, o vereador Allysson da Farmácia vem a público esclarecer o seguinte:

O parlamentar, enquanto candidato nas últimas eleições municipais, jamais praticou atos ilícitos com o objetivo de angariar votos. Trata-se de uma notícia inventada, totalmente improcedente e mentirosa.

Diferentemente do que propagado caluniosamente, a sua campanha eleitoral foi realizada seguindo os preceitos éticos e morais que norteiam a boa política, dentro do que a legislação eleitoral autoriza.

Segundo o vereador, desde que assumiu o mandato, há pouco mais de sete meses, seus oponentes iniciaram uma campanha caluniosa e difamatória contra o mesmo, em razão de sua atuante e dinâmica ação parlamentar, que sempre visa a busca de benefícios e melhorias para a cidade de Caruaru, principalmente no atendimento da população mais carente.

Até o presente momento, o vereador sequer foi intimado por autoridade policial ou do Poder Judiciário para prestar esclarecimentos a respeito de alguma denúncia porventura existente. Caso isso aconteça, irá com a toda tranquilidade e a consciência de quem lutou por cada voto do mandato de forma humilde e honesta.

Sobre os autores da denúncia, o vereador irá tomar as medidas judiciais cabíveis para que os mesmos sejam punidos por essa horrenda e covarde atitude caluniosa e difamatória.

Por fim, resta evidenciar que todas aquelas pessoas que acompanharam de perto a campanha eleitoral de Allysson da Farmácia, podem atestar sua conduta correta, testemunhando que ele jamais participou de qualquer ato ilegal em benefício de sua eleição.

Aos que confiaram o voto ao vereador, Allysson da Farmácia, agradece mais uma vez a credibilidade e reafirma o compromisso de continuar sua luta por uma cidade melhor de se viver.

Assessoria do vereador Allysson da Farmácia (PPS)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/08


2017

Vaccarezza é liberado para fazer tratamento médico

O Globo

O ex-deputado federal Cândido Vaccarezza foi liberado da prisão pelo juiz Sergio Moro nesta terça-feira. Detido na sexta-feira pela Polícia Federal (PF), o ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados estava cumprindo prisão temporária, que expirou após cinco dias. O magistrado fixou uma fiança de cerca de R$ 1,5 milhão e determinou que a defesa de Vaccarezza apresente resultados de um tratamento médico a que ele está se submetendo.

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) pediram a prisão preventiva de Vaccarezza, aquela que não tem prazo para acabar. A defesa argumentou que o ex-deputado tem um exame agendado para tratar um problema de saúde. Moro afirmou que o mais indicado, no momento, é a adoção de medidas alternativas à prisão. “No contexto do agendamento do referido exame, este Juízo reputa, por ora, mais adequado impor medidas cautelares alternativas ao invés da prisão preventiva requerida”, escreveu o juiz Moro.

Segundo o juiz, Vaccarezza deve entregar seu passaporte em 48 horas, não poderá deixar o país nem mudar de endereço sem avisar a Justiça, não poderá exercer cargos públicos, não pode ter contato com outros investigados e deve comparecer sempre que for requisitado pela Justiça. Vaccarezza deve deixar a Superintendência da PF de Curitiba, onde está preso, ainda nesta terça-feira. Ele tem dez dias para pagar a fiança.

A Lava-Jato acusa o ex-deputado de receber US$ 478 mil, entre 2010 a 2012, como propina para influenciar a contratação de uma fornecedora de asfalto norte-americana pela Petrobras.

O advogado Marcellus Ferreira Pinto, que defende Vaccarezza afirmou, por nota, que a decisão de soltura não o surpreende: "Confiamos na inocência de Vaccarezza, que teve seu nome indevidamente incluído nos fatos investigados no processo”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/08


2017

Lava Jato: delação de Funaro promete ser importante

Blog do Matheus Leitão

Uma das pessoas com acesso a delação do operador financeiro Lucio Funaro avaliou o acordo como um dos mais importantes já negociados pelo Ministério Público Federal desde o início da Lava Jato. O acordo de colaboração de Funaro foi assinado hoje. A Operação já fechou mais de 130 delações premiadas.

Funaro é apontado pelas investigações como operador de supostos pagamentos de propina ao deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB).

Preso desde junho, o operador financeiro montou, nos últimos meses, os anexos de sua colaboração com o MPF e a Justiça.

O blog informou há duas semanas que a delação de Funaro estava bastante adiantada. Segundo essa pessoa com acesso a negociação, os anexos são bastante detalhados.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores