O Jornal do Poder

29/10


2006

Apuração nacional tem 95,17% da urnas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem 60,75% dos votos válidos, contra 39,25% de Geraldo Alckmin (PSDB), segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com 95,17% das urnas apuradas.


Resultados oficiais com 119.827.440 votos contabilizados:

CANDIDATO VOTOS PORCENTAGENS
 
Luiz Inácio Lula da Silva 55.534.361 60,75% votos válidos
Geraldo Alckmin 35.883.355 39,25% votos válidos
Censo eleitoral: 125.913.479 (100%)
Votos apurados: 119.827.440 (95,17%)
Votos válidos: 91.417.716 (93,90%)
Brancos: 1.305.982 (1,34%)
Nulos: 4.629.691 (4,76%)
Abstenção: 22.719.219 (18,04%).
 
Informações do Pe360graus.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

29/10


2006

Eduardo: "Não vamos viver de brigas do passado"

"Não vou viver de brigas do passado. Vamos olhar para frente", disse, há pouco, o governador eleito de Pernambuco, Eduardo Campos, em rechaçar, em sua primeira coletiva à Imprensa, a idéia de que abrirá auditorias para investigar as contas do Governo Jarbas.

Eduardo concede a entrevista no Monte Hotel, em Boa Viagem, ao lado do vice-governador eleito, João Lyra Neto, e de vários aliados, como o prefeito do Recife, João Paulo(PT).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

29/10


2006

Mendonça reconhece derrota e atribui a Lula

 O candidato a governador pela União por Pernambuco, Mendonça Filho, derrotado pelo socialista Eduardo Campos, admitiu em entrevista que o peso político do presidente reeleito Lula contribuiu decisivamente para a vitória do seu oponente do PSB.

 

No comitê da campanha de sua coligação, Mendonça Filho disse que apesar de tudo o governo Jarbas/Mendonça teve a aprovação do eleitorado, desde as pesquisas até o resultado final da eleição.

 

Mendonça se colocou à disposição do vencedor para uma transição sem problemas e disso deu conhecimento ao próprio Eduardo em telefonema após a consolidação dos resultados. Para o candidato derrotado, sua campanha foi conduzida sem erros e o que houve foi a decisão do eleitor por um candidato que tinha no seu palanque o presidente Lula.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

Requião reeleito por 10,3 mil votos no Paraná

Paraná
 
Divulgação/Divulgação Roberto Requião - PMDB  - 50,1%
Votos: 2.665.841*
 
Divulgação/Divulgação Osmar Dias - PDT - 49,9%
Votos: 2.655.537*
 
Seções apuradas - 99,87%


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

Nem PT, nem PMDB: RS agora é ninho tucano

 A tucana Yeda Crusius não pode ser mais alcançada pelo seu adversário, o petista Olívio Dutra, e está matematicamente eleita para o governo gaúcho. Trata-se da primeira vez que o PSDB vai comandar o Estado, tradicionalmente dominado pelo PT e PMDB.

Com 93,10% das urnas apuradas no Rio Grande do Sul, Yeda aparecia com 53,97% dos votos válidos, contra 46,03% do petista. A vantagem é um pouco mais elástica que a prevista pela pesquisa de boca-de-urna divulgada nesta tarde pelo Ibope, que mostrava a tucana com 53% dos votos válidos e o petista com 47%. No limite da margem de erro da pesquisa, a tucana venceria por 51% a 49%.

Ao mesmo tempo, a vantagem é bem menor do que a registrada por Yeda em meados deste mês, que chegou a 24 pontos percentuais.

Rio Grande do Sul e Pará foram os únicos dois Estados em que o segundo turno reproduziu o duelo nacional entre o PT (de Luiz Inácio Lula da Silva) e o PSDB (de Geraldo Alckmin).

Enquanto no Rio Grande do Sul o PSDB levou vantagem com Yeda, no Pará pesquisas de boca-de-urna apontam vitória da petista Ana Julia Carepa contra o tucano Almir Gabriel.

Durante a campanha gaúcha, os candidatos se dedicaram a enfatizar temas como privatizações e crise financeira do Estado. O assunto mais polêmico foi o das privatizações. Olívio procurou colocar em Yeda a pecha de ''''privatista''. Yeda passou dias se defendendo. Nas coordenações das campanhas, há a convicção de que o assunto é capaz de reverter votos.

Para atacar Olívio, Yeda lembrou as negociações dele como governador (1999 a 2002) com a Ford e a resultante opção da multinacional por Camaçari (BA). Como réplica, Olívio lembrou os incentivos fiscais dados à Ford, na época, pelo governo FHC. Yeda --como deputada federal-- votou a favor de tais incentivos.

Além de procurar mostrar que as duas candidaturas representam visões opostas de administração, Olívio tentou colar sua imagem à de Lula. Como antídoto, Yeda chegou a colocar em dúvida a amizade entre Lula e Olívio, alegando que o presidente demitiu o gaúcho do Ministério das Cidades (que ele ocupou até 2005).(Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

Apuração atualizada em PE

Mendonça Filho (PFL) - 34,72%
Votos: 1.373.823*

Eduardo Campos (PSB) - 65,28
Votos: 2.582.602*

Seções apuradas: 98,48%


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

PERFIL DO PRESIDENTE REELEITO

 O presidente reeleito Luiz Inácio Lula da Silva nasceu em 6 de outubro de 1945 em Caetés, então distrito de Garanhuns, hoje município, no interior de Pernambuco, mas seu registro só ocorreu no dia 27 do mesmo mês, data que acabou sendo registrada na sua Certidão de Nascimento.

 

Deixou o sertão nordestino aos sete anos, em um ''pau-de-arara'', em direção a São Vicente, no Litoral de São Paulo. Em 1956, mudou-se para a capital paulista com a família, dividindo um único cômodo com mais nove pessoas. Aos 12 anos conseguiu seu primeiro emprego. Aos 19 anos, empregado em uma metalúrgica, decepou o dedo mínimo em um acidente de trabalho.

 

Anos depois, teve sua estréia no movimento sindical por meio de um de seus irmãos. Em 1969, concorreu ao primeiro cargo no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, ficando como suplente. Na eleição em 1972, elegeu-se como primeiro-secretário. Três anos depois chegaria à presidência da entidade. Em 1978, Lula foi reeleito para o cargo com 98% dos votos.

 

Em fevereiro de 1980, Lula participou com outros sindicalistas, intelectuais, políticos e representantes de movimentos sociais, da fundação do Partido dos Trabalhadores. Dois anos depois, disputou o governo de São Paulo, ficando como quarto colocado. Em 1986, foi eleito para a Assembléia Constituinte como o deputado federal mais votado do país com 650.134 votos.

 

O PT lançou o metalúrgico à presidência da República em 1989. Apoiado pela Frente Brasil Popular, perdeu o segundo turno para Fernando Collor de Mello (PRN). Em 1994, disputou novamente o cargo, mas acabou derrotado no primeiro turno pelo tucano Fernando Henrique Cardoso. Lula voltaria à cena eleitoral em 1998 pela coligação ''União do Povo Muda Brasil''. Na mira, o acalentado posto de presidente, mas não seria desta vez. FHC tinha o embalo do Plano Real e se reelegeu ainda no primeiro turno.

 

No dia 27 de outubro de 2002 foi eleito, também no segundo turno, Presidente da República Federativa do Brasil, disputando com o candidato do PSDB José Serra.

 

Casado com Marisa Letícia desde 1974 o presidente reeleito tem cinco filhos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

PERFIL DO NOVO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO

 O governador eleito de Pernambuco, Eduardo Henrique Accioly Campos, nasceu no Recife em 10 de agosto de 1965, entrou na faculdade aos 16 anos e formou-se em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco aos 20 anos como aluno laureado e orador da turma.

Eduardo Campos começou sua militância política ainda na Universidade, como presidente do Diretório Acadêmico da Faculdade de Economia, em 1985.

Em 1986, Eduardo trocou a possibilidade de um mestrado nos EUA pela participação na campanha que levou Miguel Arraes de volta ao Palácio das Princesas, tornando-se chefe de gabinete.

Como chefe de gabinete do governador Miguel Arraes, participou diretamente da criação da primeira secretaria de Ciência e Tecnologia do Nordeste, em 1987, e, em 1989, da primeira Fundação de Amparo à Pesquisa da Região, a FACEPE.

Entrou para o Partido Socialista Brasileiro (PSB) em 1990 e conquistou pelo partido seu primeiro mandato, deputado estadual. Na Assembléia Legislativa de Pernambuco, foi líder e um dos mais destacados parlamentares da bancada da oposição.

Eduardo Campos chegou ao Congresso Nacional em 1994, eleito com 133 mil votos, ficando à disposição do Governo do Estado de Pernambuco a partir de 1995, para exercer o cargo de secretário do Governo e, em 1996, o de secretário da Fazenda.

Em 1998, foi reeleito para a Câmara Federal como o deputado federal mais votado do Estado. Obteve 225 mil votos. Exercendo o terceiro mandato de deputado federal, conquistado em 2002, Eduardo destacou-se no Congresso Nacional como um dos principais articuladores do governo Lula para a aprovação das reformas da Previdência e Tributária.

Em 2003, Eduardo Campos foi empossado ministro de Ciência e Tecnologia e em 2005, assumiu a presidência nacional do PSB.

O novo governador, neto do ex-governador Miguel Arraes é casado com Renata Campos e pai de quatro filhos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

Yeda vence no Rio Grande do Sul

Rio Grande do Sul

Divulgação/DivulgaçãoYeda Crusius - PSDB - 53,97%
Votos: 3.296.416*

Divulgação/Divulgação Olívio Dutra - PT  - 46,03%
Votos: 2.811.898*
 
Seções apuradas  - 96,65%
 
Do portal G1


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/10


2006

Wilma faria vence no Rio Grande do Norte

Rio Grande do Norte

Divulgação/Divulgação Wilma de Faria - PSB  - 52,46%
Votos: 801.616*

Divulgação/Divulgação  Garibaldi Alves Filho - PMDB  - 47,54%
Votos: 726.551*
 
Seçoes apuradas  - 96,79%
 
Do portal G1


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

helenosilva

ate´que enfim o povo do maranhao criou vergonha.