O Jornal do Poder

01/11


2006

Resgate ideológico em Pernambuco

''A vitória do ex-ministro da Ciência e Tecnologia, deputado Eduardo Campos, 41 anos, do PSB com o apoio de 18 legendas partidárias, está sendo vista como ponto de partida de um reordenamento ideológico no cenário político pernambucano onde a esquerda teria perdido consistência desde as coligações do PMDB com o PFL e o PSDB que deram sustentação aos dois mandatos do ex-governador Jarbas Vasconcelos'', avalia o jornalista Angelo Castelo Branco, em artigo que acabo de postar em Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

machado freire

O melhor comentário saiu das urnas de 29 de outubro. O resto é rasgação de seda; é querer agradar por agradar. O menino neto de Arraes já está bem grandinho, o suficiente para discernir certos afagos.

Ana B. Holanda

Bichim... falando "pras baratas"...

Severino Isidoro Fernandes Guedes

... esqueceram de que PE tem um povo politizado e um eleitorado que não se dobra a novas formas de coronelismo, por isso o neoconservadorismo levou na cabeça já em 2000 (com João Paulo) em 2004 (de novo com JP) e agora com Eduardo...

Severino Isidoro Fernandes Guedes

O problema do jarbismo, junto com o PFL, foi achar que o pseudoesquerdismo jarbista aliado ao conservadorismo pefelista transformariam PE numa capitania hereditária onde essas forças dariam as cartas no poder pro vinte anos...

Severino Isidoro Fernandes Guedes

A vitória de Eduardo foi a resposta para aqueles que, apressadamente, em 1998, declararam o colapso da esquerda e a morte das forças populares. Com essa derrota acachapante da direita as forças populares se reabilitaram.


Potencial Pesquisa & Informação

01/11


2006

Prefeito de Ibirajuba tem contas rejeitadas

A Segunda Câmara do TCE julgou irregular, ontem, a prestação de contas do prefeito do município de Ibirajuba, Pedro Evangelista de Arandas, do exercício de 2004, e emitiu parecer prévio recomendando à Câmara Municipal a rejeição das referidas contas.

Segundo o relatório prévio de auditoria, elaborado pelos técnicos da Inspetoria de Garanhuns, foram encontradas na prestação de contas da prefeitura 19 diferentes tipos de irregularidades. O prefeito foi notificado para apresentar a sua defesa, que foi analisada pelo auditor-substituto Adriano Cisneiros.

Relator do processo, o conselheiro Severino Otávio limitou-se a analisar as irregularidades tidas como relevantes, deixando de considerar as que não causaram prejuízo ao erário ou que se caracterizaram como falhas formais.

Ao final de sua análise, o conselheiro acatou os seguintes pontos do relatório prévio dos auditores:

1 - A Prefeitura não repassou ao Fundo de Previdência do Município (FUNPREIBI) a totalidade de contribuição patronal fixada por Lei Municipal. Deveria repassar a importância de R$ 126.025,60 mas só fez a transferência de R$ 16.603,35, restando uma diferença de R$ 93.042,65.

2 - Pagamento a maior da remuneração do prefeito e do vice-prefeito, permanecendo um débito do vice no montante de R$ 1.405,80.

3 - Descumprimento do dispositivo da Lei de Responsabilidade Fiscal que proíbe o gestor público em final de mandato de contrair despesas sem ter disponibilidade financeira para bancá-las. O prefeito pagou no exercício de 2005 um total de R$ 75.320,50 referente a despesas de exercícios anteriores, não empenhadas na época própria, e realizou nos dois últimos quadrimestres de 2004 despesas que deveriam ter sido evitadas.

"Ressalto a reincidência da irregularidade durante toda a gestão do prefeito e considero isto um fato grave, o que macula a presente prestação de contas e enseja a aplicação de uma multa", disse o conselheiro-relator. A multa, no valor de R$ 2.100,00, deve ser recolhida ao Fundo de Aperfeiçoamento Profissional e Reequipamento Técnico do TCE, através da conta-corrente nº 9.500.3222-2, Banco Real, Agência 1016, no prazo de 15 dias do trânsito em julgado da presente decisão. As informações são do site do TCE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

01/11


2006

Nepotismo: prefeito de Carpina demite 36 parentes

Trinta e seis parentes do prefeito, vice-prefeito, secretários e vereadores de Carpina foram exonerados, ontem, como resultado da Ação Estadual de Combate ao Nepotismo do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Do próprio prefeito Manoel Botafogo, foram exonerados o filho Josafá Manoel da Silva, que ocupava o cargo de secretário-adjunto de Turismo, e a filha Raquel Lourdes da Silva, até então secretária de Finanças. A medida atinge ainda auxiliares de secretaria, diretores de escola e técnicos, dentre outros.

Dos 36 exonerados, 21 tinham cargos comissionados e outros 15 trabalhavam para o município mediante contratos temporários. ''Esta medida é um indicador de amadurecimento da percepção do princípio constitucional da impessoalidade'', afirmou o promotor de Justiça do município, Francisco Ortêncio de Carvalho.
De acordo com ele, estas exonerações extinguem, por enquanto, o problema do nepotismo na cidade de Carpina. ''Segundo as listagens que temos, a exoneração foi ampla e soluciona a questão do nepotismo. Mas o Ministério Público vai continuar acompanhando a questão e pode atuar novamente caso haja contratação de parentes'', completou.

O prefeito de Carpina, Manoel Botafogo, já havia anunciado a intenção de contribuir para a campanha de combate ao nepotismo em visita ao Procurador-Geral de Justiça, Francisco Sales de Albuquerque, no dia 2 de outubro. Também já anunciaram apoio à iniciativa a Câmara de Vereadores do Recife, além da Prefeitura de Goiana.

Segundo as metas da campanha, os poderes executivos e legislativos municipais, estadual e Tribunal de Contas do Estado têm até dezembro para dispensar os parentes de agentes políticos ou membros de poder que atualmente ocupem cargos públicos irregularmente. Depois deste prazo, o MPPE poderá entrar com ações civis públicas para forçar judicialmente as exonerações. As informações são do MPPE.   


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

machado freire

Demitir, só agora, é pouco. Seu Botafogo deveria potgar o dinheiro desses salários (dos parentes dele) pra fora. Devolver o dinheiro ao povo através da justiça. Essa gente precisa entender que o poder público nunca foi propriedade da família do titular. Vamos acabar com essa bandalheira, já !



01/11


2006

Severino quer virar deputado com Inocêncio no Ministério

Principal interessado em uma das vagas na Câmara Federal, o ex-deputado Severino Cavalcanti (PP) defendeu o nome de Inocêncio Oliveira (PL) para o Ministério dos Transportes. Com a saída do liberal, o progressista - que ocupa hoje a primeira suplência - retomaria o mandato após ter renunciado para ser cassado após envolvimento em um esquema de propina.

Para isso, Cavalcanti acredita no poder de intervenção do governador eleito Eduardo Campos (PSB) com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Ele (Campos) tem que procurar influenciar o presidente da República a escolher o melhor ministro para os Transportes, que é Inocêncio Oliveira. Esse será um grande ministro para Pernambuco. Eduardo não pode abandonar e não pode deixar de fazer um grande esforço”, avaliou.

Preterido durante toda a campanha do governador-eleito Eduardo Campos (PSB), sem direito a divulgação de sua candidatura no guia eleitoral, e evitando aparições em atividades públicas do socialista, o presidente regional do PP, Severino Cavalcanti, ainda pode contar com uma “canetada” do novo governador. Isso se um dos deputados federais eleitos for convocado para compor o secretariado estadual.

 Nos bastidores, Severino afirma que a sua volta “só depende de Eduardo”. No entanto, em visita de cortesia à Assembléia Legislativa, negou haver qualquer negociação. “Se formos convocados estaremos prontos para prestar serviços para Pernambuco. Não houve nenhuma barganha. Com o PP não aconteceu. Nos sacrificamos, demos maior tempo de televisão para a chapa majoritária, mas ele não tem nenhuma obrigação conosco”, enfatizou o progressista.

Nome cotado para assumir a nova pasta da Mulher no Governo socialista, a deputada Ana Cavalcanti evitou antecipar a indicação. “Estamos apoiando Eduardo na escolha que ele fizer”, avaliou. A postura mais reservada do ex-deputado já pode ser fruto das movimentações internas na base de Eduardo, sobretudo dos boatos que falam sobre a participação do deputado federal eleito, Fernando Bezerra Filho (PSB). Outro nome que também estaria sendo ventilado é o do deputado eleito Wolney Queiroz (PDT), filho do presidente regional do PDT e deputado estadual, José Queiroz. As informações são da Folha de Pernambuco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

Mais uma vez Ulisses Guimarães tinha razão quando dizia a correligionários seus, que para se fazer uma casa de adobe necessitaria de esterco para fazer uma boa liga. Nunca foi tão atual essa afirmação. Eduardo é o Ulisses dessa história.Vai ter que mexer em merda. É isso.

LMVC

E agora Dudu Beleza, vc vai ter q aguentar severini e inocêncio sim!!!!!!!!!!!

uma lei punitiva contra corrupções. o Severino estaria no mínimo outo anos fora da política nacional. Por isso que estamos exigindo do Lula, com o Congresso Nacional, essa Reforma Política imediatamente. Vamos conclamar a população brasileira, para pressionar.

É lamentável que o candidato a Deputado Federal, na condição de Severino Cavalcanti, esteja dando pitaco o que o Lula tem que fazer no ministério e Eduardo Campos no secretariado. Ex-Deputado Severino, se manque e aguarde os acontecimentos que já está bom demais prá o senhor. Pois se tivêssemos

José Rodrigues da Silva

Como são ingênuos os zarolhos eleitores brasileiros. Severino, o cavalcanti, será "queiram ou não queiram os juízes" futuro deputado federal. Servirá de contraponto aos apetites exagerados do João Paulo, que não tendo mais espaço no PT confrontra-se com Dilson, o pequeno, ambos ausentes de valor!



01/11


2006

Seguranças de Lula agridem jornalista

Pescoço imobilizado e cinco dias de repouso. É o resultado da agressão de petistas à jornalista Roseann Kennedy, da rádio CBN, que tentou entrevistar o presidente Lula, segunda-feira, na Base Aérea de Brasília. Roseann é pernambucana do Recife e já trabalhou na Folha de Pernambuco e na Agência Nordeste. A informação está na coluna de Cláudio Humberto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

machado freire

Seja lá o que tenha ocorrido. Não interessa saber se foi assim ou se foi assado. O importante é que uma profissional -e sobretudo uma mulher- foi agredida. Se tal caso é verdadeiro, cabe a nossa Fenaj exigir punição para o caso.Basta de violência !

Raimundo Eleno dos Santos

Metade de estória eu não comento. Magno pode ser que queira dar uma forcinha ao ex-colega dA Folha, sem analisar o fato com precisão necessária. O fato de ter tido um preâmbulo. E aí?

Ricardo José Amorim Campos

parece q par ao PT nao há oposicao, mas sim inimigos.

LMVC

Esse sim é realmente o modo PT de tratar as pessoas!

Ricardo José Amorim Campos

é. quem criou mateus que o segure!!!



01/11


2006

Greve de insubordinação

A “operação padrão” dos controladores de vôo, que provoca o caos nos aeroportos, não passa de insubordinação militar, segundo fonte destacada da Aeronáutica. São sargentos, estimulados por superiores imediatos, que reclamam do excesso de trabalho, da suspeita de culpa no acidente da Gol e de decisão da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que proibiu uma espécie de “passe livre” que lhes garantia passagens aéreas de graça. A informação está na manchete da coluna de Cláudio Humberto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Seria fundamental o governo federal intervir nesse absurdo que está ocorrendo nos aeroportos, tendo em vista os funcionários dos controles aéreos estarem reivindicando melhores condições de trabalho, para não serem responsabilizados em eventuais acidentes. Acordem, são vidas humanas em jogo.



01/11


2006

TSE começa a ouvir testemunhas do dossiê no dia 10

O corregedor-geral eleitoral, Cesar Rocha, marcou para o próximo dia 10 os depoimentos de 13 pessoas indicadas como testemunhas na investigação que apura a tentativa de compra do dossiê contrário aos tucanos. A investigação foi aberta em setembro a pedido do PSDB e do PFL, partidos que apoiaram a candidatura do tucano Geraldo Alckmin à Presidência da República.

A investigação instaurada por Rocha vai apurar se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e do presidente licenciado do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), tiveram alguma participação no episódio.

O caso foi desencadeado com a prisão, em 15 de setembro, de Valdebran Padilha e Gedimar Passos com R$ 1,75 milhão. O dinheiro seria supostamente usado para comprar o dossiê. Em defesas encaminhadas ao TSE, Lula, Thomaz Bastos e Berzoini negam envolvimento no caso e pedem o arquivamento da investigação.

Entre outros argumentos, a defesa de Lula alegou que a divulgação de um dossiê contrário ao governador eleito de São Paulo, José Serra, não teria repercussões na disputa presidencial e não traria benefícios para a campanha dele.

Thomaz Bastos afirmou em sua defesa que não teve qualquer ingerência, direta ou indireta, sobre as investigações, ações, operações e inquéritos policiais conduzidos pela PF para apurar o episódio. Berzoini disse que as acusações contra ele eram baseadas unicamente em reportagens jornalísticas. As informações são da Agência Estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/11


2006

PFL disputa presidência do Senado com Marco Maciel

Com o fim da corrida eleitoral, os partidos políticos deram início a uma discreta disputa pela presidência da Câmara dos Deputados e do Senado Federal na próxima legislatura. Pela tradição política, os partidos que conseguem eleger o maior número de deputados e senadores em cada uma das casas legislativas assume a presidência.

Na Câmara, há um consenso aparente sobre a liderança no PMDB a partir de 2007. O partido conseguiu eleger a maior bancada da Casa--89 deputados, um total de 14 parlamentares a mais que na atual legislatura.

Já no Senado, o PFL ficou com a maior bancada eleita, com 18 senadores. O partido superou o PMDB em apenas um senador, o que já provoca interpretações distintas sobre a hegemonia dos pefelistas nos próximos quatro anos. O PMDB espera que pelo menos três senadores de outros partidos mudem para a legenda, o que tornaria o partido com o maior número de parlamentares no Senado.

O líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ), deixou claro que o PFL não está disposto a abrir mão da presidência do Senado. Segundo o líder, o Congresso deve levar em conta a legenda do senador no momento em que foi diplomado na Casa, e não o seu novo partido escolhido no decorrer do mandato.

Um exemplo é a senadora Roseana Sarney (PFL-MA), cotada para migrar ao PMDB. Ela foi empossada senadora pelo PFL em 2003, o que segundo o líder mantém o espaço do partido no Senado. ''O que vale é a diplomação. Os que podem deixar o PFL foram diplomados há quase quatro anos, portanto, essa decisão é que deve valer'', disse.

O líder afirmou que o PFL está disposto a respeitar a hegemonia do PMDB na Câmara somente se a legenda também concordar que o PFL assuma o controle do Senado. ''Se o PMDB respeitar o número de senadores, o PFL respeita o acordo na Câmara. A premissa é o PMDB respeitar o acordo no Senado'', afirmou.

O presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), também disse que o partido tem direito a pleitear a presidência do Senado com a eleição de 18 senadores. ''Temos nomes que podem presidir a Casa, como é legítimo ao PMDB pleitear a presidência da Câmara'', ressaltou.

PMDB

Lideranças do PMDB, no entanto, já sinalizaram que não estão dispostas a abrir mão da presidência do Senado na próxima legislatura. O atual presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), afirmou que a escolha de seu sucessor deve ser uma decisão do Senado. ''O PMDB tem a maior bancada na Câmara e, no Senado, é natural que queira eleger [o presidente]. Mas isso será discutido depois'', disse.

O PFL cogita lançar os senadores Marco Maciel (PFL-PE) e José Agripino (PFL-RN) para disputar com Calheiros a eleição à presidência do Senado. As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

machado freire

O sr. Marco Maciel precisa tirar umas férias, ele que tanto trabalhou para eleger Mendonça e Jarbas. Coloquemos algune mais dinâmico, mais ágil e menos atrasado na presidência do Senado.

LULA E EDUARDO! É A FORÇA DO POVO!

Se MM for presidente do Senado (tomara que não!), o povo tem que ficar de olho! Foi ele quem entregou a chave do Congresso aos militares. E depois ganhou de prêmio, o governo de Pernambuco. Não se pode esquecer o passado prque política se faz com passado, presente e futuro.

José Rodrigues da Silva

Inacreditável, absolutamente estapafúrdio pretender que o ausente, de tudo, tenha o despudor de pleitear homenagens indevidas a sua recatadíssima pessoa e performance política. Pior que o Luiz, este não sabe, não viu e nada faz prá ver! É o mais inaproveitável político atual!!!

LMVC

O senador Marco Maciel, sem sombra de dúvidas é o melhor quadro do senado para ocupar a vaga de presidente. E a tradição da casa diz q o partido com maior Nº de senadores tem o direito de fazer o presidente, será q nem isso vão respeitar.

Ricardo José Amorim Campos

Seria o sonho de lula. MM é um politico conciliador. E será melhor p PE. Mas confesso que prefiro ele batendo no PT!



01/11


2006

Bivar declarou gastos de R$ 214 mil na campanha

O candidato derrotado à Presidência da República, Luciano Bivar (PSL), protocolou na noite desta terça-feira no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) as informações relativas à arrecadação e aos gastos feitos durante a campanha eleitoral deste ano.

Bivar declarou ter arrecadado R$ 214.062,50 e gasto R$ 214.054,26. Segundo os dados, foram R$ 211.762,50 recebidos em dinheiro e R$ 2.300,00 em cheques, transferências bancárias ou depósitos em espécie.

A maior despesa declarada foi feita com produção de programas de rádio e televisão, com custo de cerca de R$ 90 mil. O segundo maior gasto foi com publicidade em materiais impressos, totalizando R$ 56.289,59.

Contas do comitê

O comitê financeiro do PSL informou ter recebido R$ 289.032,36, de três fontes: doações de pessoas físicas (R$ 13 mil), doações de pessoas jurídicas (R$ 276 mil) e rendimentos de aplicações financeiras (R$ 32,36).

As despesas totalizaram R$ 287.865,76, de acordo com o comitê. Os serviços prestados por terceiros respondem pelo maior gasto: R$ 65.037,25. A publicidade em materiais impressos somou R$ 62.361,59 e a produção de programas de rádio, televisão e vídeo ficou em R$ 60.000,00. As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


31/10


2006

Aécio lista prioridades para conversa com Lula

 O governador reeleito de Minas Gerais, Aécio Neves, indicou ontem qual deve ser sua lista de cobranças em uma conversa com o presidente, também reeleito, Luiz Inácio Lula da Silva, que começou nesta semana a programar reuniões com os administradores estaduais escolhidos nestas eleições. Ele adiantou que na agenda de discussões está a Lei Kandir e a transferência de recursos para os Estados manterem as rodovias federais.

A Lei Kandir trata dos recursos destinados aos Estados para as compensações de exportações, que é sempre objeto de conflito entre a União e os governadores, que usualmente consideram insuficientes os repasses feitos. "o Brasil precisa que nós tenhamos, eu falo em relação aos estados exportadores, que nós tenhamos uma definição sobre a questão do ressarcimento das perdas da Lei Kandir''", disse Aécio, na capital mineira.

O governador também defendeu a criação de um fundo de desenvolvimento para as regiões de menor IDH (índice de desenvolvimento humano) e a administração descentralizada das rodovias federais.

"Não existe, vou repetir mais uma vez, a figura de rodovias federais em nenhum País continental do mundo, nem em países menores existe mais essa figura. As rodovias devem ser de responsabilidade dos estados com recursos para sua manutenção e, eventualmente, para sua concessão", disse ele, que defendeu a transferência "na totalidade" dos recursos da Cide para os Estados.

A Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) é um imposto que tem uma parcela destinada à recuperação e construção de estradas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Rodrigues da Silva

Este é falso, lamentávelmente saindo de um Luiz ,pode-se cair nos braços de outro enganador.