Faculdade de Medicina de Olinda 2

17/03


2013

Discriminação racial: denúncias dobraram entre 2011 e 2012

Quase quatro anos se passaram e a copeira Sônia Maria Gomes, 47 anos, ainda carrega marcas do constrangimento de ser discriminada por causa da cor da pele. Em meados de 2010, Sônia ia de ônibus para casa quando, no meio do caminho, um passageiro levantou-se, cuspiu no rosto dela e a chamou de “negra safada”. “Depois disso, ele veio para cima de mim, como se fosse me bater. A minha sorte é que um homem impediu a agressão. Ele pediu ao motorista que não parasse o veículo e descemos direto na delegacia para prestar queixa”, conta Sônia. “Passei muito tempo sem andar de ônibus para me recuperar do medo e da vergonha pelos quais passei. O homem que me ajudou também é negro e ouviu xingamentos do rapaz que cuspiu em mim. Nunca pensei que a discriminação por causa da cor da pele pudesse chegar a esse ponto.” Quem agrediu Sônia hoje responde por injúria racial no processo que corre na Justiça.

Atitudes como a da copeira, de encarar a agressão como um ato de racismo e denunciar imediatamente, aumentam a cada dia. De 2011 a 2012, o número de queixas de discriminação racial feitas à Ouvidoria da Secretaria de Políticas e Promoção da Igualdade Racial (Seppir) praticamente dobrou, de 219 em 2011 a 413 no ano passado, um aumento de 88%. Este ano, a menos de uma semana do Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, comemorado em 21 de março, 78 denúncias foram registradas. Na internet, as reclamações contra sites com cunho discriminatório também é expressiva. Em 2012, a ONG Safernet, que recebe denúncias de violações dos direitos humanos na web, identificou 5.021 comunidades no Facebook que abrigavam conteúdo racista. (Do Correio Braziliense)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detran

17/03


2013

Eduardo reafirma no Recife: dá para fazer muito mais que Dilma

:

 

Do Portal Brasil247

Típico de quem quer ser candidato a presidente da República, mas faz parte da base do governo, Eduardo Campos voltou a fazer críticas à presidente Dilma Rousseff neste domingo, para em seguida amenizar as declarações. Na praia de Boa Viagem, no Recife, o governador de Pernambuco voltou a dizer que é possível fazer ''muito mais'' pelo País, mas negou que isso seja uma crítica.

''Todos nós gostaríamos de fazer muito mais, em todas as áreas. Com o espírito público que a presidente Dilma tem, com certeza ela também gostaria de fazer muito mais, porque a cidadania quer mais'', afirmou. A presença em seu próprio território acontece depois de o presidente do PSB ter circulado por São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro nos últimos dias.

Ao lado do prefeito da capital pernambucana, Geraldo Julio, Campos lançou neste domingo o Projeto Sem Barreiras, arena de acessibilidade para pessoas com deficiência, além de ter distribuído apertos de mãos e abraços aos participantes do II Passeio Ciclístico Pedala PE, que saiu do Marco Zero e seguiu até Olinda, numa homenagem às duas cidades, que fizeram aniversário nesta semana.

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

o povo da de olho

TEM GENTE QUE NÃO GOSTA DE APOSENTADO,POLICIAL,PROFESSOR E MILITAR.

José Egnaldo Pereira

Frase tola essa de Eduardo.Também acho que dá pra fazer muito mais por Pernambuco.Principalmente na área da educação e mais ainda pelo salário do professor ja que DUDU malvadeza paga o salário PSB:pior salario do Brasil.

Tatiana Maria

Acredito que o governador também acredita que é possível fazer mais por PERNAMBUCO. Mais transporte publico, mais estradas em boa conservação, mais Assistencia medica e menos publicidade...,..

Carlos Neves

Pois é Magno, bem sabemos que quem tem rabo de palha, não deve tocar fogo nos rabos de palhas dos outros. Acho que o rabo de palha de Eduardo vai queimar logo, logo.


13° Bolsa Familia

17/03


2013

Bancos lideram internacionalização das empresas brasileiras

 Apesar da crise econômica que ainda assola boa parte do mundo, as instituições financeiras que apostaram na compra de participações acionárias no exterior vêm obtendo resultados positivos. Segundo dados do Banco Central, o segmento lidera as remessas de lucros feitas pelas filiais de empresas brasileiras para as matrizes. Apenas no ano passado, os investimentos externos nesse ramo somaram US$ 4,6 bilhões. Os lucros enviados ao Brasil, no período, chegaram a US$ 3,6 bilhões — o equivalente a 59,3% de toda a receita obtida por companhias nacionais fora do país.

Nos últimos anos, os bancos têm ampliado a participação nos mercados internacionais com a aquisição de instituições financeiras e a abertura de escritórios e subsidiárias, aproveitando as oportunidades criadas pela crise internacional e a quebra de instituições nos Estados Unidos e em outras regiões. Nos países mais atingidos pelas turbulências, há uma procura intensa por instituições sólidas e de qualidade. Como o mercado brasileiro é um dos mais fechados e mais supervisionados do mundo, os bancos nacionais sofreram pouco com a crise e se tornaram referência em segurança para outras nações. (Do Correio Braziliense)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

17/03


2013

Dilma, Lula e Eduardo: um rompimento quase explícito

 A julgar pela rapidez com que a presidente Dilma Rousseff respondeu as críticas contundentes que ela – ou seu governo – receberam horas antes do governador Eduardo Campos, está praticamente rompido o fio que ainda sustentava a antiga aliança entre os dois, e também com o ex-presidente Lula. Mostrando que está afinadíssima com o seu padrinho e mentor, a presidente aproveitou a posse dos novos ministros para alvejar indiretamente Eduardo, dando-lhe o troco às declarações que fizera, e que deu matéria de capa do jornal O GLOBO de ontem, tornando-se o assunto político do dia. Disse, sem meias palavras, a empresários paulistas que ‘’dá para fazer muito mais do que a Dilma’’.

Recorrendo a um mantra que já fora usado por Lula há algum tempo, a presidente deu uma estocada no que os dois consideram deslealdade do governador pernambucano, que, no seu primeiro mandato recebeu carradas de dinheiro liberado por Lula para o Estado. Esse dinheiro, argumentam, foi que detonou o canteiro de obras em que se tornou Pernambuco, colocando Eduardo na cabeceira entre os melhor avaliados no País.

Eduardo chegou a ser explicitamente contundente ao repetir incessantemente: ''’Dá pra fazer muito mais. E isso não vai ser feito se a gente não renovar a política. O pacto político que hoje está no centro do governo que eu defendo, que ajudei a eleger, a meu ver, não terá a condição de fazer esse passo adiante. Não vai fazer. As últimas eleições no parlamento brasileiro [em que Renan Calheiros foi eleito presidente do Senado com o apoio de Dilma e do PT] são uma indicação. É ficar de costas para tudo isso.''''

Dilma retrucou com contundência não tão indireta assim, para o bom entendedor: ‘’Governar, necessariamente é escolher entre várias alternativas e por isso aprendi muito sobre o valor da lealdade entre aqueles que desenvolvem com a gente a tarefa de governar”, disse Dilma. No encontro com os empresários paulistas, criticou o atual governo se ofereceu abertamente como opção ao Planalto e afirmando que “dá para fazer muito mais do que a Dilma”.
Enfim, para se usar o jargão político é briga de cachorro grande, e que, ao que tudo indica, não vai ficar por aí. É aguardar para conferir.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

o povo da de olho

TEM GENTE QUE NÃO GOSTA DE APOSENTADO,POLICIAL,PROFESSOR E MILITAR. QUEM SERÁ?

assuero vasconcelos de arruda

a politica nacional deve ser feita com racionalidade e não com emocionalismo, a nação quer ação concreta e firme.

assuero vasconcelos de arruda

o mundo avança como nunca, o brasil nestes ultimos meses tem patinado, os brasileiros teem pressa, Eduardo tem se mostrado um gestor de vanguada e neste momento é o que o Brasil precisa,o petismo já deu,basta, suas cabeças pararam no tempo, Eduardo é a opção neste momento da economia mundial.

Carlos Neves

Cria vergonha na cara Eduardo, cai fora do governo Dlma. Deixa de enrolação, todo mundo tá vendo tua traição

José Egnaldo Pereira

Se Dilma tivesse entregando o bastão para outro ela não poderia em nenhum momento cobrar lealdade de Eduardo,desde que não hovesse um acordo entre ambos.Mas não.Colocando a sua candidatura,Eduardo contesta a competância da Presidenta e ela com justiça cobra lealdade.Ou então ponha-se em oposição.Log



17/03


2013

Cresce participação de capital brasileiro no exterior

A crise financeira que abateu instituições dos mais variados tamanhos e nacionalidades lançou os países em uma nova ordem econômica global. Diante da quebradeira geral mundo afora, as empresas que conseguiram sair fortalecidas dessa tormenta encontraram um mercado propício para aquisições. Com dinheiro no bolso, as brasileiras fizeram a farra e compraram de tudo um pouco. Somente nos últimos quatro anos, a participação de companhias nacionais no capital de estrangeiras aumentou 39,4%.

Em 2009, quando o mundo ainda mergulhava, sem rumo, na maior recessão desde 1929, o volume de ativos no exterior sob o poder de brasileiros totalizava US$ 157,6 bilhões. De lá para cá, esse montante teve um incremento de cerca de US$ 62,1 bilhões. Hoje, chega ao volume recorde de US$ 219,7 bilhões, segundo números levantados pelo Correio a partir de dados do Banco Central (BC). (Do Correio Braziliense)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

17/03


2013

A vida como ela é

CARLOS BRICKMANN

 Dilma, coitadinha, é refém desta política suja, dizem seus aliados; ou se submete a alianças estranhas, difíceis de compreender, e se junta a pessoas que sempre criticou, distribuindo-lhes cargos e verbas a mancheias, ou o país se torna ingovernável. Se a presidente é mesmo refém desta política suja, sofre hoje da Síndrome de Estocolmo, aquela que leva os reféns a amar e admirar seus algozes.

A presidente Dilma Rousseff está chamando Fernando Collor, senador pelo PTB de Alagoas, de ''nosso senador'' (e em público!), faz elogios ao senador Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas, presidente do Senado, aquele que já teve de renunciar ao cargo para não ser cassado e voltou ao mesmo lugar contra a vontade de Dilma (que em outras épocas preferia vê-lo no Governo alagoano e não em Brasília, tão perto dela).

Os dois, disse ela em entrevista às rádios alagoanas, são seus ''aliados preferenciais'' no Congresso. Dilma também fez elogios ao senador alagoano Benedito de Lira, do PP de Paulo Maluf, outro político que antes repudiava e a quem hoje dedica manifestações de
apreço. Mas a presidente deu menos destaque a Lira do que a Collor e Renan - talvez porque Lira não tenha - ainda - currículo tão destacado quanto o de seus companheiros alagoanos.

E que é que o PT de Dilma dizia de Fernando Collor enquanto ele não tinha virado ''aliado preferencial''? Na palavra de Lula, gravada em vídeo, ''lamentavelmente a ganância, a vontade de roubar, a vontade de praticar corrupção fez com que o Collor jogasse o sonho de milhões e milhões de brasileiros por terra''.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Lucidio de Figueiredo Galvão Júnior

ATÉ QUE PONTO CHEGOU O PT PELO PODER. ISTO CHAMA-SE INCOMPETENCIA OU ASSOCIAÇÃO ?


Banner de Arcoverde

17/03


2013

Pesquisas recomeçam: para Eduardo, Aécio e Dilma

 O Ipespe, de Antonio Lavareda, entra em campo no final do mês para fazer uma grande pesquisa nacional para Eduardo Campos.

Já o PSDB contratou Orjan Olsen, da Analítica, que em 2010 trabalhou para Marina Silva, para realizar uma extensa pesquisa qualitativa com o objetivo de afinar o seu discurso para a eleição presidencial. Quer, enfim, saber o que o povo quer.

O PT fechou um contrato com o Vox Populi até o final das eleições de 2014 para fazer pesquisas tanto em nível federal como estadual.

O Ibope também está nas ruas também para auscultar os primeiros batimentos do brasileiro em relação a Dilma Rousseff, Aécio Neves, Marina Silva e Eduardo Campos.(Lauro Jardim -VEJA)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

o povo da de olho

TEM GENTE QUE NÃO GOSTA DE APOSENTADO,POLICIAL,PROFESSOR E MILITAR. QUEM SERÁ



17/03


2013

PDT virou ''puxadinho'' do Planalto, diz Cristovam

DO BLOG DE JOSIAS DE SOUZA

 Na definição de Mário Quintana, a guerra é um fantástico método prático de aprender geografia. Graças aos mísseis dos EUA, muita gente que confundia o Iraque com o Irã hoje conhece melhor o mapa do Oriente Médio. Em litígio com Carlos Lupi, presidente do seu partido, o senador Cristovam Buarque (DF) experimenta sensação análoga.

Cristovam acaba de se dar conta de a sede do PDT não fica no local onde ele imaginava. Meio atônito, revelou a lição de geografia partidária no Twitter: “Por que Dilma muda o ministro do PDT na véspera de Convenção do PDT? Por que a direção do PDT aceita? Viramos puxadinho do Planalto!” Noutra mensagem, o senador revelou-se deslocado no tempo e no espaço: “Saí do PT para o PDT. E Lupi levou o PDT para o PT.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

arnaldo cicero marques

OS PARTIDOS DEVERIAM MUDAR OS SEUS NOMES E SIGLAS, POR EXEMPLO: PARTIDO DOS CORRUPTOS GERAL (PCP); PARTIDO DOS CORROMPIDOS GERAL (PCG); PARTIDO DOS MUDA MUDA (PMM); PARTIDO DOS AINDA NÃO SE CORROMPEU (PANSC); PARTIDO MARIA VAI COM A OUTRAS (PMVCO), ENFIM, COMEÇARIAM SURGIR OUTROS E OUTROS PARTIDOS.