Faculdade de Medicina de Olinda 2

13/10


2019

BNDES: banco gasta milhões com ex-executivos

Os milhões gastos pelo BNDES com seus ex-executivos

Lucas Tavares | Agência O Globo
O Globo - Coluna de Lauro Jardim 
PoR Gabriel Mascarenhas

 

As trocas de comando em órgãos públicos têm um preço, quase sempre, superlativo. O BNDES gastou entre janeiro e agosto de 2019 — ano de estreia de governo e, portanto, recheado de substituições — R$ 3,9 milhões com ex-integrantes da sua diretoria: quase R$ 500 mil por mês.

Nessa fatura entram quarentenas, distribuições de lucros e outros benefícios previstos nos contratos dos executivos, pagos retroativamente.

Só para acertar as contas com o passado recente, entre janeiro e agosto, o BNDES desembolsou cerca de R$ 750 mil aos seus últimos três ex-presidentes.

Joaquim Levy já levou R$ 150,8 mil depois de ter sido demitido por Bolsonaro, em junho. Dyogo Oliveira, desligado ao fim do governo Michel Temer, em dezembro, recebeu R$ 546,1 mil neste ano. O antecessor dele, Paulo Rabello de Castro, exonerado em março do ano passado, levou R$ 58,3 mil em retroativos ao longo de 2019.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detran

13/10


2019

Rede de academias: oito clientes presos na Lava Jato

Rede de academias já conta oito clientes presos na Lava Jato. Alunos tiveram que cancelar matrícula na Bodytech de Brasília.

Foto: Emily Almeida / Agência O Globo                                                            Foto/fonte: terça livre
Época - Guilherme Amado

 

As quatro filiais da Bodytech de Brasília já contabiliza oito alunos que tiveram que cancelar suas matrículas por terem sido presos na Lava Jato.

O curioso é que um dos donos do empreendimento, Alexandre Acioly, também foi citado na Lava Jato, em meio às investigações contra Aécio Neves.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

13° Bolsa Familia

13/10


2019

Governador do Rio pode parar no PSL

Witzel pode parar no PSL

Daniel Marenco | Agência O Globo
O Globo por Gabriel Mascarenhas

 

Se o clã Bolsonaro abandonar o PSL, corre o risco de deixar o partido de mão beijada para um adversário declarado: Wilson Witzel.

O governador do Rio de Janeiro não descarta sair do PSC para disputar a presidência em 2022 e enxerga PSL, PP e Solidariedade como destinos viáveis.

Bolsonaro não esconde mais o que sente por Witzel


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

13/10


2019

Brasil se distancia de consensos dos direitos humanos

Sem fazer lições de casa, Brasil se distancia de consensos dos direitos humanos. O levante contra a candidatura brasileira na ONU e a publicação do ministro da Educação contra uma jornalista podem ser lidos, no contexto político, como sintoma e causa.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, em café da manhã com jornalistas Foto: Jorge William / Agência O Globo

Época - Por Giulliana Bianconi

 

Na mesma semana em que quase 200 organizações da sociedade civil se reuniram para lançar manifesto contra a reeleição do Brasil no Conselho de Direitos Humanos da ONU para o período de 2020-2022, mais uma jornalista foi atacada nas redes sociais com discursos violentos e misóginos após uma voz do governo Bolsonaro, a do ministro Abraham Weintraub (da Educação), expor o nome da profissional na rede social Twitter e desqualificá-la. A mensagem que alavancou os ataques contra ela foi publicada após a insatisfação do ministro com uma reportagem veiculada no Estado de S. Paulo.

Ao colocar a repórter no centro da mensagem (ou seria fogueira?), Weintraub protagonizou um ataque à pessoa física, e não ao veículo ou mesmo à reportagem. Se o levante contra a candidatura brasileira na ONU e a publicação do ministro contra a jornalista são dois fatos que parecem distantes e não-relacionados, podem ser lidos, no contexto político, como sintoma e causa. São atitudes como essa de Weintraub que reforçam a leitura de que o Brasil está na contramão de sua tradição universalista que reconhece os direitos humanos como proteção para todos. 

A liberdade de expressão é um direito consagrado como essencial à realização e proteção de todos os direitos humanos, e no dia a dia do trabalho de cada jornalista é fundamental que não haja intimidação por quaisquer partes, principalmente pelo governo - que deveria resguardar tais direitos - no sentido de não tolher essa liberdade. É isso que garante que a informação de interesse público chegue ao público e que o jornalismo cumpra a sua função social. Mas o que se vê no momento é bem diferente: há um sinal verde para o ataque direto a jornalistas, que inevitavelmente aciona o ativismo conservador, esse que tem sua vertente mais odiosa nas milícias digitais. Quando se trata de um “alvo” mulher, os ataques vêm carregados de xingamentos e ameaças que denotam desprezo pela condição de mulher, o que é caracterizado como misoginia.

Jornalistas têm sido tratados como inimigos, adversários, independentemente do gênero, quando não seguem a narrativa “oficial”. A intimidação vale também para pesquisadoras, educadoras, ativistas. Uma das principais referências da pesquisa em direitos reprodutivos e humanos no Brasil, a cientista Débora Diniz, se sentiu em risco real e, mesmo tendo denunciado os ataques à polícia, decidiu sair do país para não lidar diariamente os ataques das milícias virtuais e seguir trabalhando e produzindo conhecimento à distância. 

Confira a íntegra aqui:  Sem fazer lições de casa, Brasil se distancia de consensos ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

Vergonha para o mundo



13/10


2019

Brasil e OCDE: vale o escrito, não o que Trump fala

Foto/fonte: Brazilian Voice

Por Calos Brickmann

 

Muy amigo

Bolsonaro acreditou que, fazendo uma série de concessões a seu ídolo Donald Trump, conquistaria o status de aliado preferencial dos americanos. O Brasil foi duríssimo na ONU ao apoiar a posição dos EUA com relação à Venezuela, o filho do presidente se fez fotografar com o boné de propaganda de Trump, e Trump, em troca, prometeu apoio à pretensão brasileira de entrar na OCDE, Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Mas, em carta à OCDE, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, só citou Argentina e Romênia entre os candidatos à OCDE. Brasil, nem sonhar..

Trump garantiu a Bolsonaro que sua promessa continua valendo e disse que a carta de seu secretário de Estado era fake news. Só que é uma carta, escrita, assinada pelo Governo americano, e a promessa de Trump é verbal. Mas o problema não é só esse: a Europa quer expandir rapidamente a OCDE, para garantir maioria de votos, e os EUA querem um avanço mais lento. Por isso propuseram só dois candidatos, Argentina e Romênia. o que a Europa não pode aceitar: por vários motivos, precisa colocar também a Bulgária. Se o Brasil for proposto, abre-se espaço para a Bulgária, o que Trump não quer.

Logo, vale o que Pompeo escreveu, não o que Trump falou. Simples assim.

E faz falta

Para o Brasil, entrar na OCDE seria excelente: as normas do grupo exigem estatísticas precisas, normas rígidas de combate à corrupção, padrões iguais de legislação. Para os investidores (especialmente fundos), estar na OCDE dá a um país um selo de boas práticas comerciais e segurança jurídica. Quem sabe um dia o presidente Trump, nosso muy amigo, muda de ideia?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

13/10


2019

Caiado deixa hospital em SP após angioplastia

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado passou por angioplastia e colocou um stent para desobstruir um vaso sanguíneo.

Ronaldo Caiado — Foto: GloboNews

Do G1

 

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), recebeu alta no começo da tarde deste domingo (13) e deixou o Hospital Sírio-Libanês, no Centro de São Paulo, após passar por procedimentos cirúrgicos no coração na última quinta-feira (10).

Caiado passou por um cateterismo, uma angioplastia e teve um stent colocado para desobstruir um vaso sanguíneo, segundo o Sírio.

De acordo com a assessoria do governador, "todos os exames realizados atestaram o restabelecimento completo da saúde do governador, que ficará na casa das filhas em São Paulo".

Ele deve retomar a agenda institucional em Goiás na terça-feira (15).

Após sentir dor no peito e ser internado no Hospital do Coração, em Goiânia, Caiado, de 70 anos, foi transferido na última quarta-feira (9) para o Hospital Sírio-Libanês.

Ele havia sido internado no Hospital do Coração no início da tarde de quarta-feira. Segundo a assessoria de imprensa do político, ele passou por uma avaliação médica e exames, que descartaram infarto.

Segundo a assessoria, Caiado estava trabalhando quando sentiu a dor. Ele passou mal no Palácio das Esmeraldas, sede oficial do governo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

13/10


2019

Em evento, Damares compara esquerda ao diabo

Em evento conservador, Damares compara esquerda ao diabo e atribui eleição de Bolsonaro a "Tupã". Ministra levou público à euforia e rebateu declaração de arcebispo em Aparecida sobre direita ser "violenta e injusta"
A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos, Damares Alves, em evento em Brasília Foto: Jorge William / 16-08-2019

O Globo - Por Guilherme Caetano

 

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves , conseguiu uma façanha neste sábado. Apesar da enorme concorrência com celebridades da direita na conferência conservadora CPAC Brasil, foi seu fervoroso discurso que levou o já empolgado público à euforia.

Entre aplausos frequentes, Damares comparou a esquerda ao diabo, rebateu a fala de um arcebispo em sermão na missa de Aparecida neste sábado e insuflou a direita a se organizar contra o "mal". Mesmo com a presença do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Damares foi a conferencista mais aplaudida e ouviu coro de "fica! Fica!" antes de deixar o palco.

A ministra abriu o discurso citando a declaração dada pelo arcebispo Dom Orlando Brandes, horas mais cedo, em missa no Santuário Nacional de Aparecida. O religioso criticou "o dragão do tradicionalismo" e afirmou que a direita é "violenta e injusta" .

Damares disse que o arcebispo deve "estar com medo de nós, que somos terrivelmente cristãos".

— O conservadorismo vai dar certo. O povo de bem se levantou e agora está governando esta nação — declarou ela, sendo aclamada pelo público.

Ela rasgou elogios ao CPAC Brasil, que definiu como um divisor de águas na história do conservadorismo no Brasil, e não poupou disparos contra a esquerda.

— Para a tristeza da esquerda nunca se defendeu tanto direitos humanos como hoje no Brasil. O presidente machista só neste ano já sancionou seis leis de proteção à mulher. Chora, esquerda! Aceita que dói menos.

Ataques à esquerda

Em seguida, Damares alertou o público sobre as estratégias da esquerda para voltar ao poder e pediu organização à direita para impedir esse movimento. Damares comparou a esquerda ao diabo.

— Não podemos subestimar o outro lado. Eles estão à espera para poder usurpar o poder novamente. Nós não podemos subestimar o Cão. Não podemos subestimar o mal. Vamos ter que começar a ocupar as câmaras de vereadores e prefeituras, ouviram? Precisamos sair daqui com isso em mente — disse.

O restante do discurso foi repleto de críticas a deputados de esquerda, como Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Jean Wyllys (PSOL-RJ) e ao PT, além de referências ao seu famoso bordão "meninos vestem azul, meninas vestem rosa".

A ministra recebeu aplausos a cada frase de efeito. O público pedia que ela ficasse mais sempre que mencionava o tempo curto para falar. Na reta final, Damares ainda teve tempo de atribuir a eleição de Jair Bolsonaro a uma vontade divina. Falando sobre o que afirmou ser um domínio da esquerda sobre a vontade dos povos indígenas, ela arrancou gritos de "Fora, Raoni".

— Tupã ouviu o choro dos curumins e disse: chega! E então elegemos Jair Bolsonaro. A eleição dele interrompeu um ciclo de sofrimento e dor. Este país não vai mais suportar ser governado por sanguinários da esquerda — declarou — Pode bater, esquerda. Quanto mais bate, mais esse governo cresce.

Em seguida, foi encoberta pelos aplausos e por um coro decorado. "Homem nasce homem, mulher nasce mulher, na nossa família você não vai poder mexer".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/10


2019

Defesa de Lula avalia usar decisão do STF

Motivo é para impedir ida ao semiaberto.

Foto: Felipe Gonçalves/247

Folha de S. Paulo - Painel
Por Daniela Lima

 

A defesa de Lula começou a alinhavar teses que podem ser usadas para impedir a Justiça do Paraná de decretar a progressão para o semiaberto. Entre as opções que serão levadas ao petista está a que prega o uso de decisão na qual o Supremo, em agosto, vetou transferência do ex-presidente para Tremembé (SP) sob o argumento de que ele aguarda a conclusão do julgamento de um habeas corpus na corte. Uma ideia é sustentar que qualquer mudança antes deste veredito do STF seria precipitada.

Esse habeas corpus que está no Supremo e pode ser usado pela defesa de Lula é o que questiona a imparcialidade do ex-juiz Sergio Moro. O julgamento do caso foi iniciado, mas o ministro Gilmar Mendes pediu vista.

Outra linha que será apresentada pelos advogados como opção ao ex-presidente é a que aponta a solicitação dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato para que Lula migre para o regime semiaberto como ilegítima, já que a suspeição deles também é questionada na Justiça pelo petista em um outro habeas corpus.

Por fim, se ainda assim a juíza Carolina Lebbos decidir autorizar a migração de Lula para o regime semiaberto, a defesa do petista entende que ele não está obrigado a cumprir qualquer condição legal.

Tal concepção estaria amparada no artigo 113 da Lei de Execuções Penais, que diz que “o ingresso do condenado em regime aberto supõe a aceitação de seu programa e das condições impostas pelo juiz”. O advogado Cristiano Zanin visita Lula nesta segunda (14) e só deve finalizar a resposta à Justiça na sexta (18). 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha