FMO janeiro 2020

12/10


2006

Suplicy constrange Alckmin em Aparecida-SP

 O candidato da coligação PSDB-PFL à Presidência da República, Geraldo Alckmin, passou por constrangimentos nesta quinta-feira em Aparecida, interior de São Paulo, após uma missa na basílica. O tucano foi cobrado publicamente pelo senador Eduardo Suplicy (PT) a ter mais respeito nos debates com o presidente-candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

 

A crítica ocorreu durante a entrevista em que os dois dividiram a mesma mesa para atender os repórteres. “Espero que no próximo debate ambos possam estar como dois irmãos diante de sua mãe, procurando ver bem que é importante que sejam assertivos, dizendo as coisas que pensam, mas procurando sempre tratar o outro com respeito, o respeito que o povo tem  para com a aquele que  vai escolher como o seu presidente”, disse o petista.

 

Para aumentar o desconforto, Suplicy corrigiu Alckmin sobre declarações dadas no debate da TV Bandeirantes domingo passado sobre o programa social Bolsa Família. “Eu queria pedir ao governador Alckmin para ler com muita atenção a lei 2.836. Diferentemente do que ele disse no debate, existe sim contrapartida” afirmou o senador. No domingo o tucano acusou o governo Lula  de enfraquecer as contrapartidas exigidas de quem recebe a ajuda para capitalizar eleitoralmente. Alckmin, que tem dito que vai manter o estilo mais agressivo nesta reta final de campanha, evitou polemizar com o senador. “Hoje é dia de Nossa Senhora e Nossa Senhora é amor”, desconversou.

 

Suplicy negou que tivesse passado um pito no tucano. “Foi uma palavra de respeito”. E fez um apelo aos dois candidatos. “O meu pedido é que tenha um debate esclarecedor em que cada um possa trazer para o povo a melhor luz”. Em seguida, cutucou novamente o tucano.

“Fui testemunha de como o presidente Lula e o governador Alckmin tiveram tantas conversas construtivas e em defesa do interesse público. Torço para que isso aconteça no próximo debate, algo que ambos não fizeram, em especial o ex-governador.”

 

Alckmin assistiu à missa em homenagem a Nossa Senhora Aparecida ao lado da sua mulher, dona Lu, o governador Cláudio Lembo e o prefeito Gilberto Kassab. Na entrada e na saída, foi aplaudido pelos fiéis que lotaram a basílica e recebeu cartas de apoio. Informações do CorreioWeb.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

IPTU Cabo

12/10


2006

Freire diz que governador adesista sujou biografia

 O presidente do PPS, Roberto Freire, divulgou nota, há pouco, repudiando o apoio declarado ontem pelo governador reeleito do Mato Grosso, Blairo Maggi, à candidatura à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O PPS apóia a candidatura à Presidência de Geraldo Alckmin (PSDB).

Na nota, Freire diz que Maggi jogou sua biografia "fora" ao trocar de lado por "espúrias razões eleitorais".

Freire também criticou o fato do apoio de Maggi ter ocorrido logo depois de Lula ter se comprometido a implantar uma série de medidas no setor agrícola que beneficiam diretamente o Estado do Mato Grosso. A principal medida é a liberação de R$ 3 bilhões para a renegociação de dívidas agrícolas, das quais o Mato Grosso deve receber cerca de R$ 1 bilhão.

Ontem, Maggi disse que iria enviar duas cartas ao PPS: uma sugerindo uma licença temporária, e outra pedindo seu afastamento --caso o partido não aceitasse a primeira.

Hoje, Freire afirmou que o governador não deve se dar ao trabalho de enviar as cartas. "O PPS dispensa a carta pedindo licenciamento, oferecida por Blairo, e pede que ele não gaste dinheiro com o envio dela pelo Correio. Mande apenas aquela em que solicita sua desfiliação da nossa legenda."

Veja abaixo a íntegra da nota do presidente do PPS:

"O PPS lamenta que o governador reeleito Blairo Maggi, que teve uma relação decente até esta eleição com o partido e que conta com uma boa avaliação em Mato Grosso, tenha jogado fora sua biografia ao trocar de lado por espúrias razões eleitorais --por meio de mecanismos típicos do partido ao qual aderiu, o PT.

Blairo, que na pré-campanha se declarara publicamente eleitor de Geraldo Alckmin e se mantivera neutro no primeiro turno, abandonou suas convicções após receber proposta de repasse de dinheiro do governo, atitude que repudiamos.

O PPS dispensa a carta pedindo licenciamento, oferecida por Blairo, e pede que ele não gaste dinheiro com o envio dela pelo Correio. Mande apenas aquela em que solicita sua desfiliação da nossa legenda." As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

senado e nossa articulação de esquerda não foi inteligente, para fechar com um único candidato, que se assim fizéssemos, certamente tiraríamos Jarbas da política pernambucana nesses 2 próximos anos. Faça uma pesquisa sobre o Blairo, e constate se o apoio que ele está dando ao Lula, não é coerente.

pelas brigas incansáveis para atingir um socialismo real e contemplador da maioria, hoje assistimos Á sua decadência comprovada, ao ponto de temer uma eleição, sendo suplente de senador, porque sabia que o fazedor de estradas (Jarbas) provalvelmente estaria eleito, por não ter segundo turno para

Caro Ex Deputado, após 2006, Roiberto Freire, quem efetivamente jogou não só a biografia, mas a vida real política toda na lama, foi o senhor. Nós pernambucanos um dia, tivemos orgulho das suas ações políticas, por esse estado e país, nas lutas estruturadoras, pelo resgate democrático de nossa gent

Ivan Câmara de Andrade

Esse político falido e em fim de carreira deveria se tocar e pedir a expulsão do Ivo Cassol (PPS) Rondônia.

milton tenorio pinto junior

Roberto Freire já pulou tanto de lado! Não tem moral para falar de ninguem.Sempre foi um oportunista.Não é a toa que é suplente de Senador do Jarbas,pois não consegue se eleger a mais nada!!


Governo de PE - Decimo Terceiro

12/10


2006

Problemas técnicos

Estivemos fora do ar por problemas técnicos nos últimos 30 minutos com o nosso provedor. Desculpe os transtornos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

acolher

12/10


2006

Delfim é estrela da campanha de Lula

Por onde tem passado, em especial em ambientes frequentados pela tal Dona Zelite, Lula tem manifestado sua simpatia pelo ex-ministro Delfim Netto. Inclusive não esconde esse sentimento nos contatos com o chamado ''povão''.

Lula tem transformado Delfim em estrela auxiliar da sua campanha, como mostrou a foto de ontem da Folha, onde o candidato dá um tapinha carinhoso ao cumprimentar o ex-ministro. Foto que o editor da Folha, mostrando sua sensibilidade política, fez questão de abrir em tamanho grande.

Inclusive Lula tem reconhecido os avanços econômicos do período da ditadura militar, quando Delfim foi ministro da Fazenda (de 1967 a 1974).

Responsabiliza inclusive ''um conjunto de elitistas'' pelo fato de Delfim desta vez não ter conseguido se reeleger.

''É porque ele defendia a nossa política'',tem dito Lula.

Segundo Lula, Delfim foi a ''''única voz'' defendendo sua política econômica.
Disse isso no Clube Tietê, presentes 2 mil pessoas e sentado ao lado de Aloisio Mercadante e Marta Suplicy:

''Quero dizer da minha alegria de estar aqui com Delfim, uma das figuras de quem a gente mais divergia na década de 70. Eu, como dirigente sindical, fazia todas as críticas numa época em que a gente tinha contradição no Brasil muito forte. Ao mesmo tempo tinha o auge do autoritarismo militar, tinha o auge do crescimento econômico''.

Delfim também discursou e disse apoiar Lula para resistir ''à volta da política econômica que destruiu esse país, a política que impediu que esse país se desenvolvesse.''

Enfim, os sinais foram todos dados, para o ''povão'' e para o chamado público interno do partido.

Quem pode não ter gostado foi Mercadante. (Do blog de Tão Gomes Pinto).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jussara Regina

Quem diria não? Lula e Delfim neto. Vale a pena relembrar o passado..... Por aqui e Dudu e Severino cavalcanti......



12/10


2006

FHC diz que Lula merece perder eleição

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que Luiz Inácio Lula da Silva merece perder o segundo turno das eleições presidenciais, em entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal português Diário de Notícias.

- Do meu ponto de vista, sim. Não tanto por sua política econômica ou social, já que se limitou a continuar ou ampliar as nossas, mas por sua liderança política - opinou o ex-presidente.

Para ele, com a política de Lula "as esferas pública e privada se confundiram", tendo como conseqüência os escândalos surgidos durante o seu mandato. Fernando Henrique ressaltou também que Lula deveria ser cobrado por não agir nos casos de corrupção. Ele disse que a principal diferença nos resultados do primeiro turno não foi a diferença entre os votos de ricos e pobres, e sim o fato de que Lula recebeu o apoio dos estados mais dependentes do governo federal.

Fernando Henrique definiu Lula como "mais um símbolo do que um líder", que se transformou aos poucos num político comum, que "usa técnicas comuns para se defender das acusações".

- Lula passou a usar técnicas banais e isso me dá pena. Tinha uma trajetória notável, que está arruinando - avaliou.

O líder tucano acusou Lula de não ter estratégia nem objetivos definidos, mas reconheceu que ele "é capaz de se adaptar às situações mais diversas". O ex-presidente acrescentou na sua entrevista que hoje no Brasil cerca de 40 mil cargos são nomeados pelo presidente, contra 20 mil na sua época. O crescimento, acusou, foi favorecido pela inundação do Estado promovida pelo PT.

Para ele, o PT é um dos poucos partidos de massas que ainda conservam uma visão leninista, e tenta ocupar o lugar do Estado. FH afirmou que Alckmin merece ganhar as eleições, por ser "um homem de cara limpa, sem rasgos populistas, direto e que não perde tempo com a retórica". Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Ana Holanda,a ficha ainda não caiu? Mendonça já perdeu,já era,acabou!Foram 8 anos sem investir em Saúde,Educação e Segurança.Você ainda achou pouco?

roberto lima

O que faria o sr fhc num governo de alckmim? iria sem dúvida para a embaixada na italia (um palacio que o governo italiano vive doido pra comprar) , usufruir da "dolce vitta"

Ana B. Holanda

Acabei de entrar no Site www.eduardoesconde.cjb.net. Uma coisa. Cheio de novidades. Acessem.........

Ana B. Holanda

Acabei de entrar no Site www.eduardo esconde.cjb.net. Uma coisa. Cheio de novidades. Acessem.....

Ana B. Holanda

É isso ai FHC. Dudu também merece perder!!!!! E agora tá posando de bom menino. Humilde.... Imagina. Conheço o cara lá da Secretaria da Fazenda.......


Cúpula Hemisférica

12/10


2006

Lula e Alckmin usam trechos do debate no guia da tevê

 O primeiro programa do horário eleitoral gratuito na TV serviu para que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) usassem trechos do debate ocorrido domingo na Band e comparassem suas performances.

Primeiro foi o petista, que apostou na estratégia de mostrar "um Alckmin sem propostas", enquanto o tucano, logo depois, revidou afirmando ter sido "o grande vencedor" do debate, a despeito da opinião de eleitores e cientistas políticos que apontaram um empate entre ambos.

Lula voltou à estratégia do "Lulinha paz e amor" e disse que esta campanha "não é contra ninguém, mas a favor do Brasil". Alckmin, por sua vez, avaliou que foi o "voto por um Brasil decente" que o levou a segundo turno e destacou que, durante o debate "falou duro com Lula" quando foi preciso.

O tucano exibiu imagens dele perguntando ao candidato do PT sobre o dinheiro do dossiê, sobre a afirmação do presidente sobre a "saúde pública quase perfeita" e repetiu sua proposta de venda do avião presidencial para construir cinco hospitais. Também falou de estar no segundo turno com fé e esperança redobrados.

O programa de Lula, por sua vez, apostou na repetição das falas de seu candidato no debate falando sobre ética, dossiê, estabilidade econômica, privatizações e política externa.

Outro destaque foram os jingles. O PT foi de forró, que dizia, entre outras coisas, "não troque o certo pelo duvidoso", "deixa o homem trabalhar" e "a gente não tem porque mudar". O PSDB, em ritmo popular, espalhava a idéia de que quem votou em Alckmin no primeiro turno foi porque viu que ele "é gente boa" e "sabe cuidar de gente".

Alckmin, mais uma vez, afirmou que irá "continuar o Bolsa Família, ampliar o Bolsa Família, melhorar o Bolsa Família". Além disso, o tucano afirmou ser "inimigo dos impostos altos" e que "o Brasil dos escândalos, do imposto alto e do governo de um partido só é coisa do passado". As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ana B. Holanda

Acho que sou contra Dudu. Vcs não acham?

Ana B. Holanda

Hoje o dia tá uma coisa para falar mal de Dudu. Minha gente, cuidado. O Voto é uma arma forte. Melhor votar em Nilton Carneiro que neste menino.....

Ana B. Holanda

To cansada de tanto tentar mostrar os desmandos. Mas os duduzetes vão ter que me aguentar......

Ana B. Holanda

E outra magno. Dudu ganhou apoios e pensa que tem votos em carrada. Sem Lula ele não teria nem desbancado Humberto que foi sacrificado pelos Vampiros.....

Ana B. Holanda

Magno, Vc já viu que Dudu não responde a ? do programa de Mendonça. E manda Lyra falar. E não deixa Severino cavalcante dizer no vídeo que o apoia.Se eu fosse Severino não votava mais nele......


Prefeitura de Serra Talhada

12/10


2006

Maluf condenado por improbidade e direitos suspensos

O ex-prefeito Paulo Maluf (PP), eleito deputado federal por SP com o maior número de votos, foi condenado ontem por improbidade administrativa (má gestão pública) e teve seus direitos políticos suspensos por dez anos.

A condenação é de primeira instância e, portanto, não tem aplicação imediata. A pena pode ser aplicada somente após o processo ser concluído em todas as instâncias.

O processo começou há dez anos. Maluf foi acusado de usar na gestão dele como prefeito de SP (93-96) um símbolo utilizado na campanha eleitoral, um trevo vermelho. Os advogados de Maluf irão recorrer da decisão. Informações da Folhaonline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

Com as leis que temos e com a leniência dos seus aplicadores, duvido muito que Maluf não faça um calo de sangue. O Congresso Nacional é o fim da picada. O Brasil precisa não de um "Choque de Gestão", coisa da moda, mas de uma cruzada de educação ,moral e civismo. Para começar, plante vc uma árvore.


Prefeitura de Limoeiro

12/10


2006

A onda Lula arrastou Eduardo

 Se já havia um clima otimista na campanha do candidato do PSB a governador de Pernambuco, Eduardo Campos, com a pesquisa do Ibope/Rede Globo, divulgada ontem, em que ele coloca uma frente de 20 pontos sobre o governador e candidato à reeleição, Mendonça Filho (PFL), tem muita gente achando que o socialista já pode encomendar a beca da posse.

Mas, eleição não se ganha de véspera e Eduardo sabe muito bem disso. A grande pergunta que se ouve nos meios políticos é a seguinte: por que tamanha vantagem do candidato oposicionista quando as pesquisas no primeiro turno mostravam que Mendonça tanto batia Eduardo quanto Humberto?

Há muitas explicações, mas talvez o que tenha mais pesado seja o fator Lula. Isso, vale ressaltar, não tira os méritos de Eduardo, que até o momento não errou e vem fazendo uma campanha com uma estratégia que parece infalível. Mas, a influência do presidente da República em Pernambuco é muito grande.

Um exemplo? Os dois candidatos ao Senado pela oposição - Luciano Siqueira, da coligação de Humberto e Jorge Gomes, da de Eduardo - tiveram nada menos que 1,5 milhão de votos, juntos. Quem imaginava que Luciano tivesse 800 mil votos? Não foram votos dele, claro. Foram os votos da onda Lula.

E a onda Lula, no segundo turno, tanto puxaria Eduardo, como puxou, quanto alavancaria a candidatura de Humberto Costa. O petista, aliás, foi garfado pelo seu indiciamento na máfia dos vampiros. Até então, ele dominava a cena, colando a sua imagem a de Lula, e as pesquisas o apontavam na frente de Eduardo. O socialista só ultrapassou o petista na reta final, depois do massacre que Humberto sofreu no guia de Mendonça.

Só para reforçar o meu raciocínio: foi em Pernambuco que Lula obteve a sua maior vitória no País. E tende a fazer bis, agora no segundo turno. Eduardo alça, assim, um belo vôo de cruzeiro nas asas da popularidade e do prestígio do presidente Lula. Que tende a não sofrer turbulências.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mariana

Severino mensalinho,Pedro cigarro,Inocêncio escravocratra,Miltom sacolinha,Humberto vampiro...Todos de bico aberto para o segundo assalto aos cofres o primeiro foi os precatorios...

Aildo Biserra da Silva

Bom que é que tá com Mendoncinha: O RAIVISMO de Jarbas, atraso do pefelê etc e tal.

Aildo Biserra da Silva

Não adianta fazer terror, EDUARDO escolherá um secretariado a alturação das aspirações do Povo de Pernambuco

Aildo Biserra da Silva

Lá vai o restante: Com os argumentos e a forma utilizados pela campanha do socialista para se defender, a disputa pode ficar ainda mais desfavorável a Mendonça

Aildo Biserra da Silva

Querem mais lá vai: Saiu no Blog do JC: A questão dos precatórios é peça central da munição usada pela União por Pernambuco para tentar abater Eduardo Campos. O socialista tem hoje 20 pontos percentuais à frente de Mendonça (56% a 36%), segundo pesquisa Ibope divulgada ontem. Com os argumen


Banner de Arcoverde

12/10


2006

Datafolha: Lula é "corrupção", Alckmin "autoritarismo"

O debate entre os candidatos à Presidência da República realizado no último domingo na TV Bandeirantes aguçou a percepção de defeitos, entre os que assistiram ao programa, que o eleitorado em geral vê em Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Segundo a pesquisa Datafolha realizada na terça-feira, uma fatia maior de eleitores considera Alckmin o candidato ''mais autoritário'' (44%, contra 36% para Lula) e ''que mais defenderá os ricos, se eleito'' (59%, contra 17% de Lula).

Quando considerados apenas os que assistiram ao debate, no entanto, aumenta a proporção dos que consideram o tucano o mais autoritário (50%, contra os mesmos 36% de Lula). Ainda neste grupo, também aumenta a fatia dos que consideram o candidato do PSDB ''o que mais defenderá os ricos'' (62%, contra 16% para Lula).

Um efeito semelhante ocorre com Lula na percepção de corrupção. No total de entrevistados, 35% consideram o petista ''o mais corrupto'', contra 20% que consideram Alckmin como tal. Entre os que viram o debate, 40% acham Lula ''o mais corrupto'', e 22%, Alckmin.

Qualidades relacionadas aos dois candidatos também saem reforçadas. Lula, por exemplo, é visto como ''o mais simpático'', no total dos entrevistados, por 47% dos eleitores --contra 40% que atribuem essa qualidade a Alckmin.

Entre aqueles que assistiram ao debate na TV, 50% consideram Lula o mais simpático, enquanto Alckmin permanece com os mesmos 40%.

No geral, o tucano consegue uma fatia maior de eleitores que o vê como ''o mais inteligente'' --51%, contra 34% que atribuem essa característica a Lula-- e ''o mais moderno e inovador'' --45%, contra 39% para Lula. Já entre os que assistiram ao debate, aumenta a proporção dos que consideram Alckmin o mais inteligente --chegando a 54%, enquanto Lula oscila um ponto, para 35%.

O mesmo acontece com a percepção sobre o tucano ser ''o mais moderno e inovador'', em que ele ganha três pontos em relação aos entrevistados em geral, e chega a uma fatia de 48% do eleitorado que assistiu ao debate --Lula é visto assim por 39% dos que acompanharam o programa de domingo.

Lula lidera na categoria candidato ''que faz mais promessas que não pode cumprir'', entre os entrevistados em geral, com 37% --contra 32% que dão a Alckmin o título. Para os que viram os dois debatendo, há um empate técnico na capacidade de fazer promessas e não cumpri-las. O petista vence para 38%, e o tucano para 36%.

Segundo Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, todos esses aspectos ''foram abordados no decorrer do programa'' e fixam, para os que o assistiram, uma imagem dos candidatos. Ele ressalva, no entanto, que isso não significa necessariamente um fator de mudança de voto. ''Os eleitores podem ter essa percepção e nem por isso mudarem o seu voto.'' Informações da Folhaonline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jussara Regina

Lula Lá. Eduardo cá. Vai ser uma farra. Mensalão lá, Precatórios, cá. Deus me livre......Quem gosta de maracutai vota 40.

Francisco Filho

PREFIRO O AUTORITARISMO. TEM MENOS ROUBALHEIRA

milton tenorio pinto junior

Foram tantos que não da para enumerar. Acabou a farra.É lula e o neto do Dr. Arraes,do sertão ao cais!!!!!!!!!!

milton tenorio pinto junior

Mariana,você lembra de Sergio de Oliveira,o homem dos fundos de pensão! Era da era FHC.Você lembra dio corvo Graziano? Era do time do PSDB.Lembra do Ministro Ricupero?¨Eu não tenho escrupulo,o que é bom a gente fatura,o que é ruim a gente esconde!¨ Lembra de Mendonça de Barros?O escândalo das fita

Mariana

Lula é o pai da robalheira.



12/10


2006

Guia do rádio de Alckmin fala de ética e o de Lula do social

Na estréia do horário político gratuito no segundo turno, inciado às 7h desta quinta-feira no rádio, Geraldo Alckmin (PSDB) manteve o tom agressivo que adotou nas últimas semanas e abordou as denúncias de corrupção que envolvem o governo. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, evitou o confronto.

O tucano reproduziu em seu programa trecho do debate da TV Bandeirantes em que cobrava de Lula explicações sobre o dossiê tucano. No trecho reproduzido, Alckmin perguntava a Lula a origem do dinheiro apreendido com petistas em um hotel de São Paulo, que supostamente seria usado para pagar informações que prejudicariam a campanha do tucano.

Alckmin ainda teve em seu programa o reforço dos depoimentos de José Serra, eleito governador de São Paulo pelo PSDB no primeiro turno, e de Aécio Neves, reeleito governador de Minas Gerais, também no primeiro turno.

O programa da coligação de Lula, por sua vez, optou por apresentar feitos do governo. A propaganda dizia que o governo Lula foi o que mais reduziu as desigualdades sociais no País e que teria criado 7,5 milhões de empregos.

Lula disse que não venceu no primeiro turno porque o povo pediu “um tempo”. “O povo tem esse direito”, afirmou, para dizer em seguida que agora, no segundo turno, é possível aprofundar o debate de idéias e as propostas sobre o que pretende fazer em um segundo mandato.

O programa eleitoral gratuito no rádio e na televisão vai até o dia 27 de outubro, dois dias antes do segundo turno. Nos programas, cada candidato tem 10 minutos para apresentar suas propostas ao eleitorado. Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores