O Jornal do Poder

17/10


2006

Lula diz a OAB que queria debate no 1º turno

 Depois de ter sido convidado para debater seu programa de governo para um eventual segundo mandato com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, respondeu hoje que não poderá participar do evento por conta de compromissos de campanha.

Em carta ao presidente nacional da OAB, Roberto Busato, assinada pelo coordenador de sua campanha, Marco Aurélio Garcia, Lula ''lamenta que a oportunidade de diálogo não tenha sido propiciada durante o primeiro turno'', ocasião em que a OAB Nacional não promoveu nenhum debate entre candidatos.

De acordo com a carta, ''Lula reitera sua firme disposição de compartilhar suas idéias e programa de governo com todos os setores da sociedade, em especial com esta importante instituição que tem longa tradição em defesa da democracia e dos mais elevados interesses do Brasil''.

O petista disse, ainda, que ''independente de ser eleito para um segundo mandato'' colocar-se-á a disposição da OAB para estabelecer diálogo sobre suas metas. Informações da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Oswaldo Barreto Guimarães

Agora! É muita cara de pau! Arrumou um assessor certinho para as fugas. Este "embaixador"...


Potencial Pesquisa & Informação

17/10


2006

FHC: "Nào sou contra privatização da Petrobras"

 O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) colocou nesta segunda-feira mais lenha na fogueira da discussão sobre as privatizações, tema que está acirrando o cenário eleitoral do segundo turno e dividindo tucanos e petistas. Ao comentar o assunto em entrevista à Rádio CBN, FHC declarou: ''Não sou contrário à privatização da Petrobras'', mas argumentou que ''ninguém irá privatizar a estatal'', numa tímida defesa do candidato de sua legenda à Presidência, Geraldo Alckmin. O ex-governador de São Paulo vem sendo acusado pelo adversário, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de ter planos de privatizar essa e outras estatais, caso seja eleito nessas eleições.

Na entrevista à CBN, o ex-presidente Fernando Henrique classificou de ''arcaica'' toda a polêmica em torno do tema privatizações. E criticou duramente a gestão Lula: ''A Petrobrás tem que ser outra coisa, uma empresa pública. E não como está sendo usada, para fins políticos. Pode ver para quem eles dão publicidade, pode olhar, é para fins políticos.'' Ele utilizou o mesmo argumento para falar do Banco do Brasil. ''O Banco do Brasil tem que ser uma empresa pública e não (ser utilizado) para o valerioduto. Isso está errado. Tem empresas que devem ser do governo, mas não devem ser usadas por um partido. E empresas que não tem sentido em estar no governo e devem ser privatizadas.

Na defesa das privatizações da sua administração, o ex-presidente tucano disse que se os bancos estaduais não tivessem passado por este processo, estariam hoje envolvidos em corrupção e contribuindo para o aumento da inflação. Ele disse também que a Embraer (privatizada no governo Itamar Franco) e a Companhia Vale do Rio Doce (privatizada no seu governo) são hoje exemplos para o mundo, ''para a glória nacional''. A respeito da privatização no setor de telefonia, alfinetou: ''Se foi errado, porque o governo Lula não mexeu e não reestatizou? Isso é demagogia.

Ainda nas críticas ao governo Lula, o tucano afirmou que os petistas estão mentindo ao País, ao dizer que privatizar é vender patrimônio público. ''Estão mentindo ao País e estimulando uma visão atrasada do que é o Brasil. Estamos perdendo tempo e vamos ficar para trás discutindo o passado.'' A respeito do questionamento do dinheiro da venda das estatais em sua gestão, o ex-presidente voltou a atacar: ''Um presidente (Lula) que ainda pergunta isso não pode ser presidente da República, porque ele sabe para onde foi, o dinheiro foi para diminuir as dívidas do Brasil. O dinheiro foi para o Tesouro. Todo mundo poderia perguntar isso, menos quem é dono do Tesouro.'' E emendou: ''E se não foi, (Lula) deveria processar todo mundo. Se calou. Agora é demagogia. Informações do Correio Web.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

irania Olivia Benicio

Esse senhor (?) não merece atenção desta nação Brasil. É, junto ao Luiz, as duas mazelas ao entendimento político desse nosso estúpido cenário político. Não são, como pretendem parecer, antagônicos. São os mesmos larápios, só que de quadrilhas diversas!

Severino Isidoro Fernandes Guedes

A Petrobrás é um patrimônio do povo brasileiro, um símbolo nacional. Privatizá-la seria entregar de bandeja nossas reservas petrolíferas a sanha meercadológica das multinaconais, quem defende isso continua a ser entreguista e lesa pátria tal e qual os dos anos 40 e 50 do século XX.

yuri henrique nunes dias

a gravação do delegado tucano já ta net http://conversa-afiada.ig.com.br/materias/395001-395500/395126/395126_1.html

Ana B. Holanda

Quanto mais empresas privatizadas menor o nº de corrupção, menor o nº de "afilhados" para "doar" cargos, menos olho grande dos aliados políticos: já imaginou em Pernambuco... Inocêncio Oliveira, Severino Cavalcanti e Pedro Correa, entupindo as secretarias e órgãos públicos com os "afilhados"...


Banco de Alimentos

17/10


2006

Amanhã tem pesquisa do Ibope na tela da Globo

Atenção: amanhã tem mais uma rodada de pesquisa Ibope/Rede Globo sobre a eleição de segundo turno em Pernambuco. Na última, quarta-feira passada, o candidato do PSB a governador, Eduardo Campos, colocou uma dianteira de 20 pontos sobre Mendonça Filho (PFL) - 56% a 36%. Os novos números de amanhã já trarão reflexo do debate de ontem na TV-Clube.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Marcelo Mota Gomes

Taí os bastidores que o comentarista do PFL abaixo disse, 26% de diferença pró-Eduardo. Sabe de uma coisa Mendonça, continua, junto com Jarbas, falando sobre os precatórios porque do jeito que vai tu vás terminar com 0%. DÁ-LHE EDUARDO E LULA.

Marcelo Mota Gomes

Acho que os bastidores que o amigo abaixo fala deve ser os bastidores do PFL. É LULA LÁ, E EDUARDO CÁ.

Deweler

A diferença caiu para 12 por cento é oque se comenta!! nos bastidores....



17/10


2006

PFL avalia expulsão de Roseana Sarney

A Executiva Nacional do PFL está reunida em Brasília para avaliar a possível expulsão da senadora e candidata ao governo do Maranhão Roseana Sarney. A parlamentar contrariou a orientação do partido e manifestou apoio à candidatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O PFL faz parte da coligação que sustenta a candidatura do tucano Geraldo Alckmin à Presidência.

Os integrantes da Executiva vão ler a representação do deputado federal Alberto Fraga (DF), que pede a aplicação do artigo 101 do Estatuto da legenda, que prevê "penas de cancelamento de registro de candidatura e expulsão, quando o afiliado fizer campanha eleitoral para candidato ou partido adversário", como assinala o parlamentar no documento enviado à Executiva.

Segundo Fraga, a senadora "desdenhou da direção do partido, que apóia formalmente o presidenciável tucano Geraldo Alckmin, e permitiu a exibição de mensagem do candidato Lula em sua propaganda eleitoral na TV".

A expulsão de Roseana também foi defendida pelo próprio presidente da legenda, o senador Jorge Bornhausen (SC). "Evidentemente que, no mínimo, vai se iniciar um processo de punição, ou seja, de expulsão", afirmou ele, no último dia 9, na capital paulista.

A senadora já afirmou que "não teve outra opção" senão apoiar Lula pois alegou que Alckmin apóia seu adversário Jackson Lago (PDT), com quem ela disputa o segundo turno ao governo estadual. Esse foi o motivo alegado pela equipe da pefelista para não oferecer seu apoio ao presidenciável tucano.

Pelas regras do PFL, será nomeado um relator para cuidar da representação e aberto um processo disciplinar. A parlamentar deverá ser notificada pessoalmente do processo e terá um prazo de 8 dias para apresentar sua defesa, que será examinada por uma comissão executiva do partido. Informações da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/10


2006

João Lyra entra com interpelação contra Mendonça

Acusado, ontem, pelo candidato do PFL a governador de Pernambuco, Mendonça Filho, de não pagar um empréstimo de mais de R$ 10 milhões ao Banco do Nordeste, o candidato a vice na chapa de Eduardo Campos, empresário João Lyra Neto (PDT), anunciou, há pouco, que está entrando com uma interpelação judicial contra o pefelista.

"Ele ( Mendonça ) vai ter que declarar quais as empresas de minha propriedade que contraíram empréstimo junto ao Banco do Nordeste em 48 horas. Se não provar, será condenado", disse Lyra, adiantando que, no contrato a que Mendonça fez alusão no debate, entrou apenas como avalista de um grupo da sua relação familiar. "Isso é muito diferente do que fez o seu pai", afirmou, referindo-se a um outro empréstimo, também não quitado no mesmo banco, feito pelo deputado José Mendonça Bezerra.

Para Lyra, ao levar ao grande público a origem desse contrato, Mendonça foi "irresponsável e leviano". E acrescenta: "Não tenho empresas fantasmas que receberam dinheiro da Sudene nem de qualquer instituição financeira, ao contrário da família do governador e candidato".

Para o vice de Eduardo, Mendonça está desesperado. "Essa denúncia vazia mostra, na prática, o desespero do nosso adversário, que, ontem, no debate, estava visivelmente nervoso e descontrolado. Um candidato que chega para participar de um debate sozinho, sem a companhia de sequer um deputado aliado, dá uma demonstração de que está abandonado, porque seus outroras correligionários já sentem o cheiro da derrota", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Ainda bem que Pernambuco não será governado por mais um político raivoso, rancoroso e destemperado. Já basta os oito anos de Jarbas. Mais quatro anos de seu aprendiz piorado seria um horror.

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Ainda bem que Pernambuco não será governado por mais um político rancoroso e destemperado. Já basta os oito anos de Jarbas. Ter que enquadrar o seu aprendiz piorado seria um horror.



17/10


2006

Alckmin nega compromisso com Garotinho

Em sabatina no jornal "O Globo", nesta terça-feira (17), o candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, evitou polêmica com seus aliados do PFL e PPS no Rio de Janeiro e negou que tenha feito aliança com o casal Garotinho, que chegou a provocar um racha entre seus aliados no estado.

“Quero receber o apoio de todos os brasileiros. Apoio eu agradeço, mas isso não é uma aliança. Não tenho compromisso (com o casal Garotinho)”, afirmou o tucano, ao ser questionado sobre o apoio que recebeu do casal Rosinha Matheus e Anthony Garotinho, que gerou críticas de César Maia (PFL), prefeito do Rio, e de Denise Frossard (PPS), candidata ao governo do estado.

O presidenciável do PSDB também negou que esteja evitando fazer comparações com seu colega de partido, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Tínhamos muito mais acerto do que erros (governo FHC). Muito do que se colhe hoje foi plantado lá atrás", destacou.

Alckmin descartou ainda que, se eleito, irá promover privatizações em seu governo. “Não sei de onde tiraram que vou privatizar a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. Minha prioridade não é vender ativos, mas sim fazer parcerias com a iniciativa privada.”

Apesar de as pesquisas apontarem uma vantagem de mais de dez pontos percentuais do presidente Luiz Inácio Lula Silva (PT) nas intenções de voto, Alckmin aposta em equilíbrio no dia da votação. "Esta eleição vai ser muito disputada, taco a taco."

Ele também acusou Lula de governar para a elite. "Se há um governo que beneficiou a elite foi esse",  disse Alckmin, que voltou a cobrar rapidez na investigação do caso da tentativa de compra por petistas de dossiê contra tucanos.

"Os líderes do PCC (quadrilha que atua em São Paulo) estão presos em presídios de segurança máxima, enquanto os responsáveis pelo dossiê estão soltos", afirmou Alckmin, acrescentando que, se eleito, vai propor o fim da reeleição. Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Chega a ser cômico esses defensores do PSDB falarem em moralidade. Esse pessoal ou se faz de ingênuo ou é do time da velhinha de Taubaté ou de Eremildo, o idiota. É justamente por não confiar na oposição tucano-pefelê que o eleitorado está dando mais 4 anos a Lula, apesar dos pesares.

Deweler

O proxímo Governo Lula vai ter como Gurus Renan Calheiros Sarney Jader Barbalho o Psdb está com Roberto Freire tudo bem que vai ter algums caciques mais concertesa vai ser mais Decente que o do PT e outra se não proxíma eleição damos chance a outro a logíca da ética e essa Lula errou pagou nas urnas

Deweler

no dia 29 do 10 de 2006 vamos fazer assim 29 +10+06 da 45 agora se quizerem fazer da forma negativa vai dar zebra 29 - 10 - 06 da 13!! Vote Positivo Geraldo Por um Brasil Decente!! Vamos fazer pagar a falta de moralidade...



17/10


2006

Alckmin: "Respeito Cristovam; independe de sua posição"

O candidato à presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) comentou nesta terça-feira (17) a decisão do PDT de se manter neutro na disputa presidencial do 2º turno. Em relação ao ex-presidenciável Cristovam Buarque, disse que ''o respeito continua o mesmo'', independente da posição que o senador pedetista adotar.

Alckmin fez campanha no calçadão de Bangu, na zona oeste do Rio. Subiu no palanque ao lado do prefeito do Rio, Cesar Maia (PFL), e do candidato a vice-governador na chapa de Denise Frossard, Eider Dantas (PPS).

O tucano disse que recebeu na segunda-feira (16), após o anúncio da neutralidade do PDT, apoio oficial de três pedetistas: o ex-governador de Alagoas Ronaldo Lessa, derrotado na disputa pelo Senado pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello; o candidato a vice-presidente na chapa de Cristovam Buarque, senador Jefferson Peres (PDT-AM); e o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, que também preside o PDT em São Paulo.

''A campanha começa agora. Se, na retaf final, tiver uma diferença entre mim e o Lula de quatro pontos, eu serei o presidente da República'', afirmou o tucano. Ao final da atividade, quando Alckmin já ia embora, uma multidão o acompanhava: metade das pessoas tinham bandeirinhas de sua campanha e a outra metade gritava o nome do presidente-candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT).  Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Toda a semana Alckmin diz que a campanha começou. Será que após a derrota de 29 de outubro a campanha ainda irá começar? Ainda não consta um terceiro turno na legislação eleitoral.



17/10


2006

Pelé perde filha vereadora em Santos

 Morreu hoje em Santos-SP- a vereadora Sandra Arantes do Nascimento Felinto(PSC), filha de Pelé, que era  vereadora naquela cidade paulista. Ela faleceu por volta de 10 horas vitima de metástase de  câncer de mama. Sandra tinha 42 anos e deixa dois filhos. Ela  ganhou fama depois que Pelé não a reconheceu como filha, o que, posteriormente, veio a ser provado através do exame de DNA.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/10


2006

Quatro prefeitos de Inocêncio aderem a Eduardo

Quatro prefeitos ligados ao deputado Inocêncio Oliveira anunciam, neste momento, apoio ao candidato do PSB a governador de Pernambuco, Eduardo Campos. A formalização da adesão está sendo feita no escritório do parlamentar, na Imbiribeira, no Recife. Veja abaixo a relação completa:

Prefeito de Chã Grande, Diogo Alexandre; vice-prefeito de Chã Grande, Gilvan Pereira (Bolão) e mais seis vereadores do município; Ex-prefeito de Chã Grande, Daniel Alves;  ex-prefeito Ivaldo Queiroz , também de Chã Grande; vereador Cícero Ferreira de Melo, de Iati; prefeito Ernane Tenório, de Iati ; prefeito Maviael Sampaio Filho, de Serrita ; ex-prefeito Vavá Rufino, de Moreno;Wilson de Lima – ex-prefeito de Belém de Maria; ex-prefeito Ralf Casale, de Belém de Maria; vice-prefeita Bete Lima, de Bezerros;  empresário Dael de Lima, de Bezerros; prefeito Cláudio Amorim, de São Benedito do Sul; vereador Alberes Felix, de Moreno e vereadora Jane Mendonça, também de Moreno


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ana B. Holanda

Como será o secretariado do Eduardo? Pedro Correia... algo ligado as estradas, rodovias... p/ transportar as cargas de cigarro. Severino Cavalcanti - defesa social Inocêncio Oliveira - TRABALHO

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Santa ingenuidade acreditar que os que ontem estiveram com Jarbas e Mendonça foi por coerência política. Agamenon Magalhães já dizia que o maior partido de PE é o governador do Estado, porque as lideranças dependem do poder estadual e federal para sobreviver. Só um pacto federativo mudaria isso.

Severino Isidoro Fernandes Guedes

O povo brasileiro sabe muito bem que essas elites conservadoras só usam o discurso da ética para a inglês verr, por isso não acredita nelas, porque no poder continuam defendendo o Estado patrimonialista e elitista que exclui o povo.

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Anos 1950, mar de lama, suicídio de Getúlio e derrota da direita. Anos 1950 e 19660 JK ladrão conclui o mandato (derrota da direita). Anos 2000 Luladrão e Eduardo precatórios vão esmagar a direita com. Eita pessoal burro, de ética duvidosa e de discurso repetitivo. Quando será a próxima derrota

Ana B. Holanda

Infelizmente Soraya HOJE essa é a lei que rege.... e o pior é que os próprios brasileiros que pagam seus impostos permitem que isso continue acontecendo.



17/10


2006

Mendonça nega tom de ofensa a Arraes no debate

O candidato ao Governo de Pernambuco pela coligação União por Pernambuco, Mendonça Filho (PFL), comentou, há pouco, seu desempenho no debate realizado ontem à noite, na TV Clube, afiliada da Band em Pernambuco, quando esteve frente a frente com seu oponente no segundo turno, o candidato da Frente Popular, Eduardo Campos (PSB). O pefelista negou ter feito referências pessoais ao ex-governador e avô do socialista, Miguel Arraes, falecido em agosto do ano passado. “Todas as vezes que mencionei o nome de Arraes foi reverenciando sua memória, sua história e o fato dele ter sido governador do Estado por três vezes”, minimizou, após polêmica levantada no debate de que Mendonça Filho teria acusado Eduardo Campos de se “escorar” na imagem de Miguel Arraes.

 

O primeiro debate entre os candidatos no segundo turno foi marcado pelo clima de confronto, com troca de acusações de cunho administrativo e pessoal. Num dos momentos do debate, Mendonça Filho acusou o candidato a vice-governador de Eduardo, João Lyra Neto (PDT), de ter dívidas com bancos. Hoje, Mendonça disse que sua atitude não foi desrespeitosa para com o vice. “Esse assunto veio à tona a partir da manifestação do deputado Eduardo Campos, mas não foi nenhuma atitude de desrespeito ao candidato a vice-governador. Pelo contrário, as atitudes empresariais dele, ele deve ao mundo empresarial, não a mim, como político e cidadão”.

 

Após ter lançado a provocação no debate, o governador-candidato demonstrou não mais estar preocupado em insistir no assunto das supostas dívidas de João Lyra. “Não vou entrar nesse debate. Meu debate é propostas e programas com relação ao futuro de Pernambuco”, esquivou-se.

 

No início da tarde, Mendonça Filho teve um encontro a portas fechadas com o presidente das Assembléias de Deus do Estado de Pernambuco, pastor Roberto José, na unidade da igreja de Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife. Apesar do compromisso estar em sua agenda de campanha e de ter sido acompanhado pelo deputado estadual reeleito pastor Cleiton Collins (PSC), que tem aparecido no programa eleitoral pedindo votos para o pefelista, Mendonça negou que a visita foi de caráter eleitoral. “Vim fazer uma visita ao presidente da Assembléia. Não tem nenhum caráter eleitoral nisso. Sempre freqüentei a Assembléia e tenho boas relações com o eleitorado evangélico”, justificou.

 

Questionado se pretende buscar apoio no eleitorado evangélico para pedir votos, Mendonça Filho foi generalista. “Conto com o voto de todos, evangélicos, católicos, judeus... Sou ecumênico e respeito as opções religiosas de cada cidadão pernambucano”, argumentou. Informações da Agência Nordeste.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ana B. Holanda

Eita estado desorganizado esse na era Eduardo.... por acaso alguém sabe dizer se o Governo Jarbas pediu algum empréstimo para pagar a folha dos funcionários?

Cristiano Lima

Vocês já devem ter percebido que O PFL FALA COM MUITA PROPRIEDADE A PALAVRA LADRÃO. Ninguém melhor do que um perito para falar no assunto, não é ANINHA HOLANDA ??

Severino Isidoro Fernandes Guedes

... até porque se a direita encontrasse alguma coisa que maculasse a imagem limpa de doutor Arraes eles não deixariam passar em branco, porque passaram quatro décadas vasculhando a vida de doutor Arraes sem nada encontrar contra esse brasileiro decente, honrado e guerreiro das causas populares.

Severino Isidoro Fernandes Guedes

... se alguém tiver prova em contrário que a apresente ao Ministério Público. Ademais o desvio de finalidade se deu com autorização da Assembléia Legislativa e o deputado Roberto Magalhães, da CPI dos precatórios, também nada encontrou contra doutor Arraes ou Eduardo...

Severino Isidoro Fernandes Guedes

... o desvio de finalidade se deu para pagar salários de servidores e para programas de eletrificação rural, tudo porque PE foi tratado a pão e água pelo governo FHC. Se tivesse ocorrido roubo o TCE teria denunciado Eduardo e Arraes, como não houve, tudo o mais não passa de parolagem da direita.


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores