FMO janeiro 2020

12/07


2020

"Célia faz draminha", reforça Luciano Pacheco

Amigo Magno,

Célia Cardoso já anunciou na Câmara de Vereadores, na última segunda-feira (6), que não vai pedir votos para ninguém. Então, não é novidade que Célia é quem está se desagregando do candidato. Como você mesmo sabe, Célia coleciona inimigos e a cada dia vem cavando sua sepultura. Como disse na matéria, ela fica fazendo esse draminha para barganhar mais apoio.

Não persigo Célia. Na verdade ela é uma política sem palavra e tentou de todas as formas impedir que eu assumisse a Câmara como 1° suplente em algumas ocasiões, e ela sabe disso, bem como os vereadores também sabem. Todos sabem que não aceitaria essas atrocidades que a Câmara vive hoje. 
Como também Celia esvaziou o MDB retirando candidatos para o PSB e estimulando que outros desistam para atrapalhar nossa eleição. DEUS É QUEM TEM ME AJUDADO. 

Então não a persigo. É o contrário, ela é quem não esquece meu nome. Toda segunda-feira, nas sessões, sou alvo de piadinhas, como na última sessão, em que ela me chamou de VERME. Vindo dela não me incomoda. Mas dou respostas à altura e em alto nível.

Luciano Pacheco, advogado e ex-vereador de Arcoverde


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

12/07


2020

Pianista Biu da Concertina morre em Pesqueira

O pianista Severino Leite de Carvalho, conhecido como Biu da Concertina, faleceu, hoje, aos 80 anos, em Pesqueira. A causa da morte não foi divulgada. Integrante de vários institutos de preservação da música, tinha um trabalho demarcado como historiador. Ele foi organista de algumas dioceses em Pernambuco. O caruaruense Biu da Concertina foi ainda criança para Pesqueira (aos 8 anos) e ajudou na alfabetização de diversos pesqueirenses.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap

12/07


2020

Esposa de candidato em Arcoverde gera crise

Inimigo figadal da presidente da Câmara de Arcoverde, Célia Galindo (PSB), o ex-vereador Luciano Pacheco (MDB), hoje principal cabo eleitoral do pré-candidato emedebista a prefeito, Wellington Maciel, voltou a cobrar mais transparência nos gastos da Câmara, chegando a sugerir a abertura do que classificou de "caixa preta" das contas de Galindo.

Que Luciano persegue a presidente do Legislativo e aliada da prefeita Madalena Britto, também do PSB, não se traduz em nenhuma novidade. O fato novo na sua postagem de hoje é a curtida da esposa do candidato da prefeita. Além de curtir, Célia Rejane Maciel aplaudiu Luciano, gerando um ambiente desagradável para Célia, que espera um posicionamento da prefeita.

Como Wellington é neófito na política, tendo dedicado a vida inteira aos seus negócios, cabe a prefeita administrar esse mal estar. Se Célia Galindo já não andava nada animada para subir num mesmo palanque com Luciano, imagine com suas provocações sendo agora compartilhadas e curtidas pela esposa do candidato.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

12/07


2020

Radialista entra na corrida eleitoral em Petrolina

Uma novidade da disputa majoritária em Petrolina nestas eleições deve ser a presença do radialista Vinícius Santana, que aceitou o convite do PCdoB para ser pré-candidato da sigla à Prefeitura. Com uma atuação destacada em emissoras de rádio locais, como Grande Rio AM e Ponte FM, Santana já chegou a assessorar o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), pai do prefeito Miguel Coelho (MDB).

Agora, seu nome pode embolar a disputa na cidade do Sertão do São Francisco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/07


2020

Leitores denunciam crateras na PE-270 e VPE-412

Além da PE-275, que liga Sertânia ao distrito de Albuquerque, e da PE-418, que integra Serra Talhada ao distrito de Santa Rita, outras vias também sofrem com o abandono do governo de Pernambuco. Uma delas é a PE-270, que atravessa as cidades de Itaíba e Tupanatinga. Um leitor enviou um vídeo ao blog, em que mostra a triste situação da pista, com inúmeros buracos.

Já a Rodovia Conselheiro Oliveira Neto (VPE-412) passa por Serra Talhada e dá acesso ao aeroporto. A foto evidencia um trecho com buracos no meio da via.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

12/07


2020

PE-418 também sofre com buraqueira

Rodovia que atravessa o município de Serra Talhada, a PE-418 também tem sofrido com o abandono. A buraqueira se formou em diversos trechos da pista, que liga a cidade e o distrito de Santa Rita.

O vereador Jaime Inácio (Avante) tem feito o serviço de tapar buracos, como é possível ver nas fotos, cansado de esperar por providências do Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER), órgão subordinado ao governo do Estado.

No último dia 4, o Blog publicou uma matéria sobre a triste situação da PE-418, que resultou na morte de uma pessoa no final de junho.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/07


2020

Uma zebra chamada hidroxicloroquina

Roberto Vieira*

É SIMPLES do ponto de vista contábil e midiático. Qualquer um pode entender a batalha bíblica entre Davi e Golias.
De um lado, um pobre e pequeno pastor de ovelhas e do outro o colossal guerreiro gigante favoritissimo nas casas de apostas.

De um lado drogas terceuromundistas e do outro a decantada ciência do terceiro milênio.

Um kit de Hidroxicloroquina com Azitromicina e zinco custa 80 reais. Ou 14 dólares, por aí. O kit precisa ser usado precocemente para surtir efeito. Caso seja utilizado em estágios avançados não funciona. Nesses casos temos os corticóides, antigos e baratos.

O tratamento não gera manchetes, holofotes ou Prêmio Nobel - os que tinha de ganhar já ganhou.

Do outro lado temos dois Golias. O primeiro é o Remdesivir da Gilead Sciences aprovado nos EUA e Europa, e agora no Brasil, para tratamento do covid-19. A empresa anunciou bons resultados com o uso da medicação que originalmente tinha como alvo o Ebola.

O custo do tratamento completo com Remdesivir?

Cerca de 15 mil reais.

Por último, a descoberta da solução ideal que será a vacina contra o coronavírus. Mais de duzentas patentes em disputa no planeta cada dia mais apavorado pela pandemia. A maioria delas utiliza as tecnologias mais caras possíveis, ignorando pesquisas antigas sobre o coronavírus feitas, por exemplo, pela Escola Nacional de Medicina Tropical no Texas.

Custo da nova vacina produzida nos super laboratórios? Segundo o Medscape:

'If a COVID-19 vaccine yields a price of, say, $500 a course, vaccinating the entire population would bring a company over $150 billion, almost all of it profit.'

150 bilhões de dólares. E não acreditem no que falam sobre vacina de graça. Não existe café da manhã de graça, já dizia Margareth Thatcher.

Relembrando os tempos da AIDS e ainda seguindo o Medscape:

'When AZT, the first effective drug for combating the virus that causes AIDS, was introduced in 1992, it was priced at up to $10,000 a year or about $800 a month. It was the most expensive prescription drug in history, at that time. '

O AZT foi a droga mais cara na história da Medicina e podem apostar que a nova vacina contra o coronavírus vai superar essa marca.

Portanto, para mídia e laboratórios, é melhor que esse kit da Hidroxicloroquina não sirva mesmo pra nada.

Não existe mais lugar para uma zebra chamada Davi no planeta Terra. Quanto mais uma zebra chamada Hidroxicloroquina...

Onde já se viu!

*Médico oftalmologista, escritor e pesquisador pernambucano.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/07


2020

Paulo Câmara abandona estradas do Sertão


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/07


2020

No Brasil, desinformação é política de Estado

O jornalista João Ruela Ribeiro, do periódico português Público, assina artigo na edição de hoje sobre o presidente Jair Bolsonaro. O texto "No Brasil do 'gabinete do ódio', a desinformação é política de Estado" faz uma análise pessimista do panorama político de nosso país.

"A polarização política levada ao extremo tornou as convicções individuais mais relevantes do que os factos para os milhões de brasileiros que são bombardeados com notícias falsas diariamente.

Quando, na semana passada, Jair Bolsonaro revelou publicamente ter contraído a covid-19, grande parte das reacções dos seus opositores foi de cepticismo acerca dessa informação, rapidamente propagada pelas redes sociais. Para uma parte expressiva da sociedade brasileira, é plausível que o seu Presidente minta em relação ao seu estado de saúde tendo em vista algum tipo de ganho político. Anos de desinformação semearam uma desconfiança entre os brasileiros que será difícil superar", traz o início do artigo.

O texto completo está disponível no site do Público.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/07


2020

Rios de ideias e pensamentos

Marlos Porto*

"Quantos assassinatos foram cometidos por regimes ditos comunistas? Vamos, portanto, criminalizar o comunismo!" - dizem alguns, lembrando do terror na União Soviética sob Stalin, na China sob Mao Tse Tung, abusos cometidos em Cuba, no Camboja, no leste europeu, na Coreia do Norte, etc.

Quem assim fala, por coerência, deveria também dizer: "quantos assassinatos foram cometidos por regimes ditos católicos? Vamos, portanto, criminalizar o catolicismo!" - pois seria correto lembrar também das atrocidades das Cruzadas no Oriente e também na Europa (contra os cátaros, na Cruzada Albigense); das barbáries da "Santa" Inquisição contra as mulheres (inclusive Joana D'Arc), contra minorias como judeus, protestantes, ciganos, etc., e contra cientistas e filósofos (como Giordano Bruno e Nicolau Copérnico), e do Massacre da Noite de São Bartolomeu, em Paris (contra os protestantes franceses - os huguenotes).

Deveria também dizer: "quantos assassinatos foram cometidos por regimes ditos protestantes? Vamos, portanto, criminalizar o protestantismo!", pois seria necessário lembrar do massacre contra os anabatistas, que contou com o apoio de Lutero, na Guerra dos Camponeses, na Alemanha; da morte de Miguel Servet ("teólogo, médico e filósofo aragonês, humanista, interessando-se por assuntos como astronomia, meteorologia, geografia, jurisprudência, matemática, anatomia, estudos bíblicos e medicina" - vide Wikipedia), denunciado, entre outros, pelo próprio João Calvino; da morte de Thomas Morus, condenado por se negar a reconhecer Henrique VIII como cabeça da igreja protestante da Inglaterra, e mesmo dos massacres de Cunhaú e Uruaçú, no Rio Grande do Norte, em 1645, pelos invasores holandeses contra os católicos que se recusaram a abraçar a fé calvinista.

É preciso também, por fim, dizer: "quantos assassinatos foram cometidos por regimes ditos capitalistas? Vamos, portanto, criminalizar o capitalismo!", pois seria necessário lembrar da violência (inclusive da escravidão) feita pelas potências ocidentais mercantilistas (sendo o mercantilismo o precursor do capitalismo), capitalistas e imperialistas nas colônias das Américas, da África e da Ásia; do Regime do Terror sob Robespierre, na França; das mortes dos trabalhadores nas fábricas, nas minas, em túneis, na construção civil, etc., geralmente em condições insalubres; das mortes de crianças entaladas ao limparem as chaminés na Inglaterra (sendo que tal prática só foi abolida em 1875 pelo Parlamento Britânico); da violência cometida pelos EUA, em suas ocupações mundo afora, quase sempre em defesa de seus interesses econômicos; dos movimentos discriminatórios e autoritários de supremacistas brancos nos EUA e em outras partes do mundo, inclusive do regime do Apartheid na África do Sul; do fascismo, do nazismo, do franquismo, do salazarismo, das ditaduras sul-americanas e africanas, posto que todos estes regimes eram capitalistas, em maior ou menor grau, e defendiam o direito de exploração de uns sobre outros, defendiam a opressão do homem pelo homem.

Restaria, então, o anarquismo? Talvez. Mas, para ser coerente, também em nome do anarquismo foram cometidos muitos crimes e atrocidades. Basta lembrar dos excessos do exército de Néstor Makhno, na Ucrânia, de práticas violentas de alguns grupos anarquistas, nos séculos XIX e XX, e mesmo no século XXI. 

Qual o caminho, então? Certamente, não é a criminalização.

Não se criminalizam ideias, amigos.

A apologia nazista é exceção, posto que esse regime é totalmente inconciliável com uma sociedade que se pretenda livre, igualitária e justa e que tenha a dignidade humana como fundamento.

Outras vertentes de pensamento, seja político, como as ideias liberais, capitalistas, socialistas, comunistas ou anarquistas, seja de cunho religioso, como o católico, o protestante/evangélico (em suas múltiplas formas), o islâmico, o hindu, o budista, etc., podem, apesar de graves erros históricos, maiores ou menores, se harmonizar com os princípios constitucionais de nossa sociedade.

Não que não possa ou que não deva haver divergências ou choques entre tais correntes de pensamento, ou de alguma(s) desta(s) com o pensamento predominante na sociedade em determinada época; é natural que por vezes haja. Assim como as águas do Rio Solimões e do Rio Negro não se misturam no início, é inconteste que mais na frente todas desaguam no mar, por vezes gerando choques violentos.

Penso que é preciso, ao longo de nossas vidas, respeito, diálogo e tolerância com aqueles que defendem pensamentos ou ideias diferentes dos(as) nossos(as), pois todos esses ramos/vertentes, à semelhança dos inúmeros afluentes que correm para formar o Rio Amazonas, são responsáveis por formar a riqueza do pensamento e da cultura de uma sociedade, nos seus mais variados aspectos, a fim de, ao cabo, desaguarem todos juntos em uma sociedade melhor e cada vez mais evoluída.

*Marlos Porto é servidor público e membro do Cidadania em Arcoverde


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha