FMO

27/01


2020

Lula e Bolsonaro ficam ofuscados por lideranças locais em Salvador

Bem avaliados, prefeito ACM Neto (DEM) e governador Rui Costa (PT) despontam como principais cabos eleitorais na capital baiana.

Foto: Reprodução/Facebook

O Globo - Henrique Gomes Batista

ACM Neto, à esquerda na foto, e Rui Costa: prefeito de Salvador indicou seu vice à sucessão, enquanto governador ainda não decidiu apoio dentro de sua base Foto: Reprodução/Facebook

SALVADOR - Esquerda e direita concordam em um ponto na eleição de Salvador: pela primeira vez, em quase duas décadas, a figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não será protagonista para o eleitor na hora de votar, em outubro, pela prefeitura do quarto maior colégio eleitoral em disputa neste ano — com 1,8 milhão de eleitores, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em seu lugar, o grande cabo eleitoral será o bem avaliado governador da Bahia, Rui Costa, também do PT.

No campo da direita, por sua vez, candidatos fogem do presidente Jair Bolsonaro, rejeitado por mais de 70% dos soteropolitanos, segundo pesquisas. O influenciador desse campo é ACM Neto, prefeito em fim de mandato que tem mais de 75% de aprovação.

Mesmo sem apadrinhamento na esfera nacional, a disputa tende a ser polarizada, com ambos os lados apelando para as bem avaliadas gestões do prefeito e do governador, mas com estratégias distintas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE - Redução nos Homicídios

27/01


2020

Bolsa Família vota a ter fila de espera

Em um ano, Bolsa Família volta a ter fila de espera e salta de zero para 500 mil inscritos. No primeiro ano de gestão Jair Bolsonaro, espera pelo benefício atingiu maior patamar desde 2015.

No primeiro ano de governo Jair Bolsonaro, número de novas concessões caiu de 260 mil para 5,6 mil por mês
Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O Globo - Por Pedro Capetti e Elisa Martins

No primeiro ano de governo Jair Bolsonaro, número de novas concessões caiu de 260 mil para 5,6 mil por mês Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

Em apenas um ano, o programa Bolsa Família voltou a enfrentar um antigo problema. Desde junho, a fila de pessoas aguardando pelo benefício saltou de zero, patamar que se encontrava desde 2018, para 494.229 famílias. A espera é a maior desde 2015, quando mais de 1,2 milhão de famílias aguardavam o auxílio. São famílias cujo perfil de renda é compatível com programa e já estão cadastradas — mas continuam na miséria e sem a ajuda de R$ 89 por pessoa.

Os dados foram obtidos pelo GLOBO por meio da Lei de Acesso à Informação, após quatro meses de demanda junto ao Ministério da Cidadania, que só liberou a informação depois de determinação da Controladoria-Geral da União (CGU).

Entre janeiro de 2018 e maio de 2019, a média mensal de novos benefícios concedidos era de 261.429. Desde junho, esse número caiu drasticamente, e hoje esse número está em 5.667. Em nota, o Ministério da Cidadania afirma que a redução de benefícios se deu por questões orçamentárias e combate a fraudes, e cita ainda uma reformulação do programa, em curso na Esplanada.

Essa redução fez com que a entrada de famílias, que deveria ocorrer em até 45 dias após a inclusão e análise dos dados inseridos, passasse a até mais de seis meses, segundo técnicos que trabalham nesse setor.

A volta da fila no principal programa de erradicação da pobreza do país é fruto do enxugamento dos beneficiários no primeiro ano do governo Jair Bolsonaro, período em que o Bolsa Família chegou a atingir o maior número de assistidos desde 2004, quando foi criado. Em maio, 14,2 milhões de famílias recebiam um rendimento médio de R$ 190. Desde então, apesar de no ano passado o governo ter concedido o 13º salário, o programa vem encolhendo mês a mês, tendo atingido em dezembro o menor patamar de famílias beneficiárias desde 2011: 13,1 milhões.

Confira a íntegra aqui: Em um anoBolsa Família volta a ter fila de espera e salta de ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

acolher

27/01


2020

Aliados e desafetos de Bolsonaro disputam eleitores do presidente em SP

Nomes como Joice Hasselmann (PSL) e Marco Feliciano (sem partido) disputam eleitorado de direita na capital paulista.

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) em depoimento à Comissão das Fake News
Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

O Globo - Por Silvia Amorim

A falta de um candidato do presidente Jair Bolsonaro na eleição municipal de São Paulo está levando a uma pulverização de pretendentes a prefeito no campo conservador da capital paulista. Eles estão de olho no espólio eleitoral de Bolsonaro — o partido do presidente, o Aliança pelo Brasil, não deverá lançar candidatos. Três milhões de eleitores (44%) votaram no presidente no primeiro turno na cidade e agora, dois anos depois, passam a ser alvo da cobiça de candidaturas de direita.

Já são quatro os nomes desse campo político que se colocaram na disputa para prefeito: a deputada Joice Hasselmann (PSL), o ex-secretário municipal Filipe Sabará (Novo), o deputado Marco Feliciano (sem partido) e o deputado estadual Arthur do Val, Mamãe Falei (sem partido).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

27/01


2020

Espírito Santo: quase 9 mil pessoas estão fora de casa após chuvas

Nove pessoas, incluindo duas crianças, morreram desde que as fortes chuvas começaram, no dia 17 de janeiro. Cidades mais prejudicadas estão no Sul do Estado.

Marechal Floriano neste domingo, 26 de janeiro de 2020 — Foto: Roberto Pratti/TV Gazeta

Por G1 - ES

Quase 9 mil pessoas ainda estão fora de casa no Espírito Santo em consequência das fortes chuvas que atingem o Estado desde o dia 17 de janeiro. A informação está no Boletim da Defesa Civil Estadual divulgado no início da noite de ontem. O número vem aumentando de acordo com as apurações do Corpo de Bombeiros nas localidade afetadas.

Na atualização do boletim consta ainda que 18 municípios estão em alerta máximo para alagamentos e deslizamentos de terra. Quarenta e três estão em alerta moderado. No total, 49 estão com algum tipo de alerta vigente, o que representa 62% das cidades do Espírito Santo.

Desde que as chuvas começaram, nove pessoas morreram, incluindo duas crianças. Três vítimas que estavam desaparecidas em Castelo foram encontradas com vida neste domingo, segundo a Defesa Civil. No total, 5.668 pessoas estão desalojadas e 3.246 estão desabrigadas em todo o Estado.

Alegre é o município com mais pessoas desabrigadas, com 2.372 moradores que não têm condições de ficar em suas casas e também não têm para onde ir. Eles estão acomodadas em abrigos na igreja da comunidade de Rive e no ginásio de Rive.

Isso aconteceu após o alerta de risco de rompimento de barragem Francisco Gros, mais conhecida como barragem São João, válido para as comunidades de Rive e Placa, que precisaram deixar suas casas. O volume de água é grande. 

O governo federal reconheceu o decreto de estado de calamidade pública para quatro municípios: Iconha, Alfredo Chaves, Vargem Alta e Rio Novo do Sul. Neste sábado, um mutirão de voluntários convocado pelo governo do estado esteve em Iconha para fazer a limpeza da cidade.

Das nove mortes registradas desde o dia 17, duas aconteceram no sábado (25), quando duas crianças morreram soterradas, sendo uma em Conceição do Castelo e a outra em Iúna. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil informaram que ainda não têm mais detalhes sobre esses casos.

Há diversos pontos de interdição parcial e total em estradas e rodovias que cortam o Estado, o que dificulta a operação de resgate e a comunicação das equipes, em alguns casos.

Abastecimento interrompido

A Cesan precisou suspender o abastecimento de água nos municípios de Marechal Floriano, Domingos Martins e no distrito de Santa Isabel devido ao alagamento da estação de captação.

"Os técnicos da Cesan estão atuando para implantar uma captação de água alternativa para os municípios, mas ainda não há previsão para restabelecimento do sistema", informou a Companhia.

Norte e Noroeste

Chove também nas cidades do Norte e Noroeste do Espírito Santo, mas o maior alerta para essas regiões é sobre o aumento dos níveis dos rio Guandu e Doce. A Defesa Civil Estadual já emitiu um alerta para a população.

Em Baixo Guandu, a situação é mais grave porque toda a água que desce do município de Afonso Cláudio deságua no Rio Guandu. A Defesa Civil Municipal até abriu as comportas da represa que fica no Centro da cidade para que a água escoe mais rápido.

As cidades às margens do Rio Doce também estão em alerta. Nesse caso, por causa das chuvas em Minas Gerais. O nível de água já tem subido e pode chegar à cota de inundação nos próximos dias.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


27/01


2020

TRF-3 mantém suspensa divulgação do resultado do Sisu

Desembargadora disse que governo ainda precisa dar posicionamento 'seguro e transparente' sobre correção do Enem. Advocacia-Geral da União pode recorrer ao STJ ou ao STF.

Imagem G1/TV Globo

Por Mariana Oliveira, TV Globo

A presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), desembargadora Therezinha Cazerta, rejeitou na noite de ontem pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) para derrubar a decisão que suspende a divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) após o encerramento das inscrições – às 23h59 de ontem.

O governo ainda pode recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou ao Supremo Tribunal Federal (STF). Procurada pela TV Globo, a AGU disse que recorrerá da decisão da desembargadora, mas ainda avalia se o recurso será apresentado ao STJ ou ao STF.

Com a decisão do TRF-3, segue em vigor a liminar (decisão provisória) concedida pela Justiça Federal de São Paulo – que impede que os resultados sejam divulgados na terça-feira (28), data estimada pelo governo.

Para a presidente do TRF-3, os entendimentos da Justiça Federal de São Paulo "nada mais fizeram do que proteger o direito individual dos candidatos do Enem a obterem, da administração pública, um posicionamento seguro e transparente a respeito da prova que fizeram".

"Dar prosseguimento ao cronograma, nessa direção, sem enfrentar adequadamente as consequências de algo ocasionado pela própria União Federal é que é um risco à política educacional do país, e não o contrário, porque implica, como fica claro do que consta nestes autos, validar os resultados de um exame, utilizando-o para definir o futuro das pessoas e balizar políticas públicas, sem que houvesse um grau mínimo de transparência a respeito dos pedidos apresentados pelos candidatos e uma reavaliação do impacto que o equívoco teve para os demais candidatos", afirma Therezinha Cazerta na decisão.

A 8ª Vara Cível de SP ordenou que o governo comprove que o erro na correção das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 foi totalmente solucionado.

Para a AGU, a decisão de São Paulo representa "prejuízo a todos os estudantes que obtiveram nota necessária e que não poderão ingressar desde logo e mais brevemente em instituição pública de ensino superior".

O que diz a desembargadora

Na decisão de 24 páginas, a desembargadora destacou que a suspensão de liminar é "um mecanismo processual excepcional", que não pode servir para corrigir uma decisão da instância inferior. Para ser concedida, deve afetar valores como saúde, segurança e economia pública.

Por isso, na avaliação dela, o argumento do governo de que um juiz de São Paulo não poderia ter decidido, porque uma ação parecida chegou primeiro na Justiça em Brasília, não serve para suspender a liminar. Conforme a desembargadora, cabe ao governo recorrer nas vias próprias para tentar enviar o processo para Brasília.

Therezinha Cazerta afirmou também que, segundo a Defensoria Pública da União em SP, "houve um equívoco na correção das provas" do Enem.

Segundo a desembargadora, há um problema "evidente" porque quase 6 mil candidatos tiveram as provas novamente corrigidas e também é preciso atentar para a metodologia aplicada aos demais candidatos.

"Assim, mais do que apenas corrigir as provas em que havia o erro gráfico – primeiro aspecto do problema – seria necessário colher uma nova amostra – fazendo-o de um universo em que todas as provas estivessem corretamente corrigidas –, calibrando os itens do exame novamente e produzindo, por consequência, uma nova correção de todas as provas, em que aplicados esses novos parâmetros."

Por essa razão, segundo Therezinha Cazerta, a Justiça de São Paulo pediu que o governo comprovasse que a situação foi resolvida. A desembargadora afirmou ainda que o governo não conseguiu comprovar que haverá prejuízo com a suspensão do processo do Sisu até uma averiguação detalhada.

Ela afirmou ainda que a situação provocou uma "crise" de "confiabilidade" em relação ao Enem. E que o governo não pode se recusar a dar uma "satisfação transparente".

"Os efeitos decorrentes da decisão do juízo de primeiro grau – a exigência de que o Estado forneça uma resposta transparente e adequada, mesmo que ausente mudança de nota, àqueles que o solicitaram – não são inócuos, mas, pelo contrário, traduzem-se na proteção aos direitos dos concorrentes ao exame de terem os esforços que despenderam na realização da prova respeitados pelo ente público", diz trecho da decisão.

Conforme a desembargadora, a decisão de primeira instância "exige, em síntese, que a União Federal aja com um mínimo de responsabilidade em relação à situação por ela própria criada, fornecendo uma resposta".

Para ela, o governo precisa responder se o erro "prejudicou ou beneficiou" alguém. "Nesse sentido, ao contrário do que consta na nota, a pergunta que incumbe à União Federal responder, de forma clara e direta é se a utilização de uma amostra em que contidas provas corrigidas equivocadamente prejudicou ou beneficiou algum candidato do Exame Nacional do Ensino Médio relativamente aos demais – algo que, reitere-se, não está claro dos autos", declarou Therezinha Cazerta.

O que diz o governo

No recurso de 60 páginas apresentado ao TRF-3, a AGU informou que não foi formalmente notificada da decisão da Justiça de São Paulo, mas que recorreu antes disso "diante do grave risco de lesão para todos os programas do Ministério da Educação de acesso à educação superior". Isso porque, ao suspender o Sisu após o prazo de inscrições, também podem ficar comprometidos o Prouni e o Fies.

O governo disse ao TRF-3 que, assim que os problemas foram detectados, tomou "todas as medidas administrativas necessárias para solução dos problemas" e que há diversas ações protocoladas no país, inclusive antes da que chegou em São Paulo, e por isso o juízo do estado não deveria ser responsável pelas ações. Para o governo, a Justiça do Distrito Federal recebeu antes um processo e, portanto, deveria ser a único responsável por analisar ações sobre o tema.

A AGU diz ainda que a Defensoria Pública, autora da ação que gerou a decisão, tem competência apenas para interesses de pessoas necessitadas. "A DPU não apresenta legitimidade para a defesa dos interesses específicos desse grupo de alunos sem que tenha sido feita uma avaliação do real estado da hipossuficiente desses alunos", afirma o recurso.

Falha no Enem

Na última segunda-feira (20), o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, disse que um erro na gráfica Valid Soluções S.A. provocou falha na correção de gabaritos.

Lopes afirmou que a gráfica imprime o caderno de questões do candidato, que é identificado com um código de barras do aluno. Depois, imprime o cartão de respostas (gabarito), que também tem um código. Outra máquina une estes dois documentos. O erro ocorreu nesta união e na geração do código de barras.

"O que acontece? A gráfica imprimiu a prova e um cartão resposta. Tem um código de barras do aluno. Uma outra máquina pega essa prova e faz a associação com o gabarito e grampeia. Neste momento, temos o código de barras da prova e o código de barras do cartão resposta. Há um casamento: a associação entre a prova e o participante. Neste processamento da gráfica foi onde ocorreram estas inconsistências", disse Lopes.

Segundo o Inep, órgão responsável pelo exame, após a revisão, foram identificados problemas em cerca de seis mil provas. Ao todo, 3,9 milhões de pessoas fizeram o Enem 2019.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

27/01


2020

Embaixada confirma suspeita de brasileiros com coronavírus nas Filipinas

Ministério diz que os possíveis contaminados seriam um casal e uma criança de dez anos com histórico de viagem recente à China.

Médico atende paciente com pneumonia causada por novo coronavírus no hospital da Universidade de Wuhan
22/01/2020 cnsphoto via REUTERS

Do Portal Terra - Por Reuters

A embaixada brasileira em Manila, nas Filipinas, confirmou notícia de que há brasileiros naquele país com suspeita de terem contraído o novo coronavírus, informou ontem o Ministério de Relações Exteriores. 

Citando informações de portais de notícias filipinos, o Ministério diz que os possíveis contaminados seriam um casal e uma criança de dez anos com histórico de viagem recente à região foco na China, mas que o diagnóstico ainda não foi confirmado.

Citando informações de portais de notícias filipinos, o Ministério diz que os possíveis contaminados seriam um casal e uma criança de dez anos com histórico de viagem recente à região foco na China, mas que o diagnóstico ainda não foi confirmado.

A família estaria num hospital de Palawan, a cerca de 800km da capital, Manila.

O coronavírus já matou 56 pessoas e contaminou outras 2 mil na China. Autoridades de saúde ao redor do mundo correm para evitar uma pandemia, depois que alguns casos foram relatados em países como Tailândia, Austrália, Estados Unidos e França.

A maioria dos casos aconteceu em Wuhan, na região central da China, onde se acredita que o vírus tenha se originado em um mercado que comercializava ilegalmente animais silvestres.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

27/01


2020

Boca de urna aponta derrota da extrema-direita de Salvini

Eleições na Itália

Matteo Salvini durante comício com a candidata Lucia Borgonzoni, em 18 de janeiro em Maranello - AFP/Arquivos

Da ISTOÉ - Por AFP

A candidata de extrema-direita da Liga de Matteo Salvini teria perdido nas eleições regionais cruciais de Emília-Romanha (norte), consideradas um teste nacional na Itália, segundo pesquisas de boca de urna divulgadas ontem.

O atual presidente da região, Stefano Bonaccini, do Partido Democrático (esquerda), teria ganhado com entre 48% e 52% dos votos de Lucia Borgonzoni da Liga, que teria obtido entre 43% e 47%.

O resultado em Emília-Romanha é crucial para a frágil coalizão que governa a Itália, formada pelo PD e o Movimento 5 Estrelas (M5E, antissistema), que temia que uma vitória da extrema-direita neste bastião de esquerda desatasse a queda do governo.

A taxa de participação na região foi recorde, de 67,1%, quase o dobro em relação a 2014. Se mobilizaram sobretudo os eleitores das cidades, entre elas Bolonha e Reggio Emilia.

Salvini, que lidera as pesquisas a nivel nacional, com 30%, sonhava em voltar ao poder e conquistar, com sua política nacionalista e xenofóbica, essa próspera região do norte da península, governada desde a queda do fascismo pela esquerda, orgulho de todo o país por seu modelo econômico e seu estilo de vida.

“A Emília-Romanha continua vermelha”, afirmou o jornal local de Bolonha.

A derrota da Liga vai ter repercussões políticas, mas já representa um alívio à coalizão governamental.

Para analistas e cientistas políticos, essas eleições regionais tinham se tornado um “referendo” a favor ou contra Salvini e a favor ou contra o governo de coalizão no poder.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


27/01


2020

Estrela do basquete e filha morrem em queda de helicóptero nos EUA

Acidente perto de Los Angeles deixou 9 mortos.

Kobe Bryant e a filha de 13 anos Gianna Maria, em foto de julho de 2018 — Foto: Harry How/Getty Images via AFP/Arquivo

Do G1

O ex-jogador da NBA Kobe Bryant, astro do Los Angeles Lakers, morreu aos 41 anos ontem, vítima de um acidente de helicóptero nos arredores de Los Angeles, na Califórnia, nos EUA. Além de Bryant, morreram ainda outras oito pessoas que também estavam no helicóptero – entre elas, a filha de 13 anos do ex-jogador da NBA, Gianna Maria. A informação foi publicada originalmente pelo site americano "TVZ" e foi confirmada posteriormente.

Nenhum tripulante do helicóptero sobreviveu. Entre os outros tripulantes mortos, além de Bryant e da filha Gianna, estão o piloto do helicóptero, uma colega do time de Gianna e um parente dessa colega. Eles estavam a caminho de um centro de treinamento, no Norte de Los Angeles. Bryant tinha quatro filhas.

A informação de que nove pessoas estavam no helicóptero, incluindo Kobe Bryant, é da polícia local. Anteriormente, a informação era que cinco pessoas estavam na aeronave. A polícia local ainda falou na coletiva de imprensa que a equipe encontrou destroços do helicóptero e agiu para acabar com o incêndio no local, além de preservar o ambiente para as investigações. A identificação por DNA ainda será feita para ter uma confirmação oficial da identidade das pessoas.

A mulher de Bryant, Vanessa, não está na lista de vítimas. O modelo do helicóptero era Sikorsky S-76, do ano de 1991, segundo o porta-voz da Administração Federal de Aviação, Allen Kenitzer. O acidente foi às 9h47 da manhã no fuso horário local (14h47 em Brasília). Havia nuvens e nevoeiros naquele momento, mas ainda não está claro se o tempo teve alguma relação com o acidente. O fogo na aeronave só foi apagado aproximadamente uma hora depois, já que houve dificuldade em razão do elemento químico magnésio.

"Nós estamos agora investigando esse acidente. Vamos transferir essa investigação para a agência federal responsável por aeronaves. Vamos recuperar tudo que resta. Não tivemos sobreviventes. Nove pessoas estavam a bordo: o piloto e mais oito [pessoas]. Não podemos identificar ninguém neste momento. Não seria adequado fazer isso agora, seria desrespeitoso", disse Alex Villanueva, xerife do Condado de Los Angeles, em coletiva de imprensa no domingo (26).

"É com tristeza que nós descobrimos a morte de Kobe Bryant e outras quatro pessoas em um acidente de helicóptero em Calabasas [arredores de Los Angeles]. A aeronave caiu em um campo remoto perto de Las Virgenes por volta das 10h desta manhã. Ninguém no chão se feriu. A FAA e a NTSB estão investigando", diz uma nota oficial do município de Calabasas.

Bryant começou a carreira de jogador de basquete profissional em 1996 e foi campeão da NBA cinco vezes (2000, 2001, 2002, 2009 e 2010). O ex-jogador da NBA também chegou a conquistar duas medalhas olímpicas (2008 e 2012) e se aposentou das quadras em 2016.

Ontem, Bryant parabenizou nas redes sociais o jogador de basquete LeBron James por tê-lo ultrapassado e assumido o terceiro lugar na lista de maiores pontuadores da história da NBA no sábado (25), durante uma partida contra o Philadelphia 76ers.

"Kobe Bryant foi um ícone no basquete mundial, é um atleta de nível superior. A gente tinha um orgulho muito grande. Quando eu ficava em frente à televisão vendo ele jogar era um colírio muito grande para os nossos olhos. Ele tinha uma visão de quadra, uma leitura de jogo maravilhosa, ele tinha as assistências. Para falar a verdade, ele era bom em tudo. Ele era maravilhoso. Foi uma perda irreparável", disse Hortência em entrevista ao vivo para a GloboNews


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/01


2020

Consumidor ainda não tirou proveito da redução do preço da gasolina

Redução do preço da gasolina: tem alguém tirando proveito, e não é o consumidor

O Globo - Por Ancelmo Gois

A Petrobras diminuiu duas vezes o preço do combustível este mês, a primeira delas no dia 14. 

Mas nos postos a queda não é sentida pelos motoristas. Pelo contrário. A ANP divulga segunda (27), que o preço médio de revenda da gasolina apresentou, na última semana, uma variação positiva de 0,17% na comparação com a semana anterior. No caso do etanol, a elevação foi de 0,19%, e do diesel, de 0,24%.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/01


2020

E-readers deve ficar restrito a nicho

Leitor eletrônico deve ficar restrito a nicho dos fascinados por tecnologias antiquadas. Mesmo com o impulso da varejista americana Amazon, os e-readers nunca chegaram a ser um dispositivo de massa.

Por Estadão Conteúdo

Lançados em meados da década de 2000, os leitores eletrônicos (ou e-readers) fizeram muita gente questionar se o livro de papel estava com os dias contados. Em seu auge, disputavam com os tablets um espaço nas lojas e nos bolsos dos consumidores. Hoje, porém, seu destino parece ainda mais cruel que o previsto para iPads e seus similares. "Tem gente que ainda compra telefones de flip e leitores de DVD. Por que não teria gente que compra e-readers?", brinca a analista Mikako Kitagawa, da consultoria Gartner.

Na visão dela e de outros analistas, os leitores eletrônicos estão fadados a entrar para o nicho dos fascinados por tecnologias antiquadas. A principal delas é o e-ink, nome dado às telas dos e-readers: uma inovação que tentava imitar o livro de papel, sem cansar a vista como fazem as luzes azuis emitidas por PCs e smartphones. Quem primeiro trouxe a tendência ao mercado foi a Sony, em 2006, mas quem melhor representou esse ideal foi o Kindle, da Amazon.

Mesmo com o impulso da varejista americana, os e-readers nunca chegaram a ser um dispositivo de massa. No ápice, em 2011, a líder de mercado Amazon chegou a vender 23,2 milhões de unidades. Cinco anos depois, a marca era de apenas 7,1 milhões, em um declínio que pode ser sentido em toda a categoria. E a queda pode aumentar: segundo projeções do portal de informações Statista, a receita com a venda de leitores eletrônicos pode cair para US$ 160 milhões em 2025 - em 2018, foi de US$ 460 milhões.

No Brasil, o volume é muito pequeno: apenas 18 mil unidades foram vendidas em 2019, segundo consultoria de mercado Euromonitor. A projeção da empresa é que esse número caia para 14 mil em 2024.

Mas há quem acredite que a categoria não vá sumir por completo. "Mesmo com o declínio, o e-reader vai continuar existindo por conta da Amazon, que é a maior vendedora de e-books do mundo", explica Gustavo Camargo, analista de marketing do instituto de tecnologia Sidi. Faz sentido: em um ambiente tecnológico em que o hardware está perdendo protagonismo para os serviços, contar com um dispositivo com jeitão de ultrapassado é detalhe. O que importa é o que ele permite consumir.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores