FMO

18/11


2019

Política: "caciques" vão dominar fundo eleitoral

Eleições de 2020 serão as primeiras de prefeitos e vereadores bancadas majoritariamente por dinheiro público.

"Caciques" vão dominar fundo eleitoral em 2020-JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

O Dia

Criado para ajudar a financiar as eleições de 2018, o fundo eleitoral ficará sujeito à lógica partidária que privilegia caciques e políticos que já têm mandato nas disputas municipais do ano que vem, segundo informações da Agência Estado. As eleições de 2020 serão as primeiras escolhas de prefeitos e vereadores em todo país bancadas majoritariamente por dinheiro público. Sem poder contar com recursos das doações empresariais, líderes partidários no Congresso Nacional já defenderam a ampliação do valor do fundo eleitoral com o argumento de que é preciso abranger disputas nos mais de cinco mil municípios brasileiros e democratizar a distribuição de recursos para os candidatos.

Levantamento da Agência Estado, com consultas a dirigentes e parlamentares dos 25 partidos que atuam no Congresso, porém, indica, no entanto, que a reserva bilionária ficará concentrada nas mãos de uma elite política, que deve usar a verba para fortalecer suas bases eleitorais nos estados. Ao menos 17 legendas admitem a influência dos parlamentares eleitos na divisão do fundo. Sete siglas não definiram ou se recusaram a responder e outros dois negaram.

Ao entregar a Lei de Diretrizes Orçamentárias, no início de setembro, o governo federal reservou R$ 2,5 bilhões para o fundo eleitoral. Dias depois, no entanto, o Ministério da Economia informou que o valor seria revisto para R$ 1,86 bilhão. O Congresso ainda não tomou a decisão definitiva e parlamentares agem nos bastidores ampliar a reserva.

“Os deputados que têm mandato e base vão fazer a análise nos seus estados e ver que têm condições de vencer. Vamos também ter um olhar especial para cidades com retransmissoras de TV”, disse o deputado Baleia Rossi (SP), presidente nacional do MDB.

Além do MDB, PP, PT, PSD, PSB, PSDB, DEM, Podemos, PSOL, PROS, Cidadania, PCdoB, Patriota, PV, PMN, Rede e Solidariedade confirmaram que a divisão do fundo eleitoral será decidida pelos deputados eleitos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Abreu e Lima

18/11


2019

Mosquito Aedes aegypti pode transmitir novo vírus

Foto: Wikipedia

O Dia

 

Os pesquisadores da UFRJ lançam um alerta para este verão: a provável infecção simultânea pelos vírus da dengue e mayaro por intermédio do Aedes aegypti. A hipótese, se comprovada cientificamente, será a confirmação de mais uma enfermidade transmitida pelo mosquito em áreas urbanas do Rio, além da dengue, zika echikungunya. As pesquisas estão em andamento no Laboratório de Virologia Molecular da universidade, no Fundão.

A descoberta da circulação de mayaro no Rio foi anunciada pelos pesquisadores da UFRJ em maio, com a confirmação de três pessoas infectadas em Niterói. Caso o vírus, que circula na Amazônia e em áreas silvestres do Centro-Oeste e tem os mosquitos Haemagogus e Sabethes como vetor, esteja sendo transmitido pelo Aedes aegypti, os cientistas irão comprovar a associação entre dengue e mayaro e a dupla infecção nas cidades.

“O que temos por enquanto são fortes indícios de que isso esteja acontecendo. Em Goiânia, houve uma epidemia de mayaro em 2016. E constatamos, em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG), que 90% das pessoas infectadas com mayaro tinham dengue também. É muito pouco provável que elas tenham sido picadas por diferentes mosquitos”, explica o virologista Rodrigo Brindeiro.
A suspeita de dupla infecção é reforçada pelo fato de as três pessoas que tiveram mayaro em Niterói não terem circulado em áreas silvestres. “A hipótese que tentamos confirmar é se o vírus da dengue abre caminho para a infecção por mayaro no Aedes aegypti. Estamos analisando mosquitos de Goiás e há indícios de que eles estejam infectados por ambos os vírus”, diz o cientista.

Pesquisas para kit de diagnóstico

Os sintomas do vírus mayaro são semelhantes aos da chikungunya: febre, dor de cabeça, náusea, vômito e dores intensas nas articulações que podem durar até três anos. Segundo o cientista Rodrigo Brindeiro, o índice de indeterminação para chikungunya gira em torno de 25%, mais alto do que para dengue e zika: cerca de 5%. Para Brindeiro, pode ser que boa parte dos casos notificados como chikungunya seja, na verdade, infecção por mayaro.
“Por isso estamos empenhados em desenvolver um kit para diagnóstico preciso para mayaro, que ainda não existe no Brasil”, diz Brindeiro.

Outra frente de pesquisas na UFRJ é o impacto em células animais da dupla infecção por mayaro e dengue. Um dos pesquisadores envolvidos no estudo é o americano Harrison Westgarth: “Escolhi vir ao Brasil fazer mestrado e fico feliz em poder estudar algo tão importante para a sociedade”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Paulista

18/11


2019

Protestos: Piñera condena violência policial pela primeira vez

Chile

Presidente declarou que "não haverá impunidade, nem com os que fizeram atos de violência inusitada, nem com aqueles que cometeram atropelos e abusos".

O presidente do Chile, Sebastián Piñera (Agencia Makro/Getty Images)

Da Redação da Veja

 

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, condenou pela primeira vez, neste domingo 17, os abusos cometidos pela Polícia nas manifestações multitudinárias que sacodem o país há um mês e saudou a oportunidade de redigir uma nova Constituição, agora na democracia.

“Houve uso excessivo da força, foram cometidos abusos ou delitos e não se respeitaram os direitos de todos”, reconheceu o presidente em pronunciamento à Nação, na véspera de se completar um mês da crise que deixou 22 mortos e milhares de feridos.

Piñera, que prestou condolências às famílias das vítimas, prometeu que “não haverá impunidade, nem com os que fizeram atos de violência inusitada, nem com aqueles que cometeram atropelos e abusos. Faremos o melhor para assistir as vítimas”.

Em seu pronunciamento o presidente também comemorou o acordo alcançado com o Congresso para convocar um plebiscito para redigir uma nova Constituição que irá substituir a vigente desde a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

“Se a cidadania assim o decidir, avançaremos para uma nova Constituição, a primeira na democracia”, afirmou o presidente em discurso do palácio presidencial.

(Com AFP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

18/11


2019

Líder do governo festeja racha no PSL

Racha do PSL é melhor coisa que poderia ter ocorrido, diz líder do governo. "Máscaras caindo, interesses sendo desvendados; personalidades escancaradas", escreveu o deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO).

Major Vitor Hugo (Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Por Estadão Conteúdo

O deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO), que é líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, festejou em sua conta no Twitter o racha vivido pelo seu partido. Segundo o parlamentar, o PSL passa por uma “depuração” que “redundará na criação da Aliança pelo Brasil“, partido que o grupo político do presidente tentará pôr de pé até às eleições municipais de 2020.

“A depuração do PSL, que redundará na criação da Aliança pelo Brasil, é a melhor coisa que poderia ter acontecido. Máscaras caindo, interesses sendo desvendados; personalidades escancaradas. Viveremos o melhor momento da República a partir da criação do nosso novo partido”, tuitou o deputado.

A Aliança pelo Brasil foi anunciada na última quarta-feira, 13, como o partido que deve receber o presidente da República, Jair Bolsonaro, e os parlamentares mais ligados a ele.

O presidente espera que mais de 20 deputados do PSL deixem o partido comandado por Luciano Bivar (PSL-PE) e desembarquem na Aliança.

A nova legenda, no entanto, ainda precisa ser criada. Bolsonaristas se movimentam para acelerar o processo de coleta de assinaturas necessário para requerer o registro da sigla junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/11


2019

Bolívia: Jeanine Añez anuncia novas eleições em breve

Condições para novo pleito dependem de acordo com o MAS, partido de Evo Morales que tem maioria no Congresso.

Jeanine Áñez (Twitter/Reprodução)

Da Redação da Veja

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Añez, disse, neste domingo 17. que vai anunciar “muito em breve” a convocação de novas eleições “transparentes” após a renúncia de Evo Morales, em um novo esforço para pôr fim às manifestações que deixou 23 mortos em quase um mês.

Áñez fez este anúncio, após se reunir com um delegado da União Europeia, León de la Torre, que também se disse otimista sobre os “avanços na mesa de diálogo” entre o governo interino e setores leais a Morales, que não especificou.

Quanto às eleições, De la Torre reforçou o que foi dito por Áñez aos jornalistas de que a convocação a novas eleições, após acordo com o partido Movimento ao Socialismo (MAS), de Morales – que tem maioria no Congresso -, ocorrerá “em breve”.

Segundo a Constituição, é o Congresso que deve eleger seis dos sete titulares do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE). Os anteriores foram postos em prisão preventiva pelas irregularidades registradas nas eleições de 20 de outubro, que deram a reeleição a Morales, mas que ele mesmo anulou horas antes de renunciar à Presidência há uma semana, em meio a protestos e após perder o apoio de policiais e militares.

Jean Arnault, enviado do secretário-geral da ONU, António Guterres, começou a entrar em contato com autoridades do governo de Áñez e organizações sociais, em uma tentativa de restaurar a paz no país.

Mas os protestos de rua permanecem e o principal foco se concentrou em Cochabamba (centro), onde na sexta-feira camponeses cultivadores de coca entraram em confronto com o Exército e a Polícia, deixando nove mortos, segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que elevou a 23 o número de vítimas em um mês de confrontos.

O governo reconheceu oficialmente cinco mortos, e o ministro do Governo, Arturo Murillo, sugeriu que os próprios camponeses atiram uns nos outros para produzir vítimas, pois pelo menos um morto “aparece com um tiro na nuca”.

Contudo, Thomas Becker, advogado americano da Clínica Internacional de Direitos Humanos de Harvard, disse que foi ao necrotério da cidade de Sacaba, onde os nove cocaleiros morreram: “Todos morreram por impacto de bala”.

“Todos com quem falei disseram que [nas manifestações] não havia nenhuma pessoa civil com uma arma”, disse Becker por telefone à AFP, apontando que entrevistou 50 pessoas na cidade.

Confiea a íntegra da reportagem aqui: Jeanine Áñez diz que anunciará novas eleições bolivianas ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

18/11


2019

Nova imagem diz que óleo vazado pode ser de outro navio

Universidade afirma ter identificado o culpado pela contaminação, ainda não citado como suspeito anteriormente. Dados serão entregues ao Senado.

Mancha de óleo em praia no Nordeste (Márcio Garcez/Agência O Globo)

Da Redação da Veja

 

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) informou, neste domingo 17, ter identificado um navio que seria responsável pelo vazamento de óleo no litoral do Nordeste. O nome da embarcação e a sua bandeira não foram divulgados, mas não se trata de nenhuma das cinco apontadas pela Marinha como as principais suspeitas pelo derramamento. O cargueiro teria partido da Ásia em direção à África.

O coordenador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Ufal, Humberto Barbosa, afirmou que os dados coletados serão encaminhados ao Senado Federal no próximo dia 21, quando haverá uma audiência pública da comissão externa que acompanha as investigações.

Na última sexta-feira, 15, o Lapis conseguiu identificar uma nova imagem do satélite Sentinel-1A, do dia 19 de julho deste ano, que revela uma mancha de óleo com cerca de 25 quilômetros de extensão por 400 metros a 26 quilômetros do litoral da Paraíba.

O Lapis já havia identificado, a partir de imagens de três satélites (Sentinel 1-A, Aqua-Modis e NOAA-20) feitas em 24 de julho, uma grande mancha de óleo a 40 quilômetros do litoral do Rio Grande do Norte.

“Já havíamos definido um padrão, um protocolo, em função da imagem do dia 24 de julho”, explicou Humberto Barbosa. “Foi assim que encontramos uma nova mancha no litoral da Paraíba, no dia 19 de julho, que nos levou a definir uma primeira embarcação suspeita.”

A partir dessas imagens, o laboratório rastreou todos os navios-tanques que transportavam óleo cru nessas datas e passaram pela costa do Nordeste. No total, os pesquisadores constataram que 111 navios navegaram por lá com esse tipo específico de carga.

De todas as embarcações analisadas, concluiu-se que apenas uma delas apresentava indícios de ter sofrido algum incidente durante o trajeto que justificasse um grande vazamento de óleo como o que atingiu o país.

Segundo as informações levantadas pelo Lapis, o navio costuma fazer o trajeto de um país asiático até a Venezuela, passando pela África do Sul. Normalmente, a embarcação navega com o transponder ligado, indicando sua localização ao longo de todo o percurso. No entanto, entre o dia primeiro de julho e o dia 13 de agosto, a embarcação navegou com o transponder desligado, violando o direito marítimo internacional.

O acompanhamento via satélite mostra que o navio partiu de um país asiático em primeiro de julho. Quando passou pelo Oceano Atlântico, a embarcação seguiu um trajeto incomum e fez uma manobra que indicaria uma mudança de trajetória, justamente na altura do litoral do Nordeste.

“O percurso mostra uma alteração na direção do navio, indicando um comportamento suspeito ou um grande problema mecânico”, afirmou Humberto Barbosa. “Mas é claro que ainda será necessário aprofundar essas investigações.”

O navio suspeito possui uma capacidade de carga duas vezes maior do que o Bouboulina – o navio grego apontado pelo governo como o principal suspeito do vazamento -, o que justificaria as seis mil toneladas de óleo já retiradas das praias do Nordeste.

A Marinha já havia descartado a imagem do dia 24 de julho como sendo de algas e não de óleo. Sobre a nova imagem encontrada, não foi divulgado ainda um comunicado.

(Com Estadão Conteúdo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Capacitação de Candidatos

18/11


2019

Lula: "Lula Livre" deve se tornar "campanha muito maior"

Ex-presidente pediu que militância lute pela anulação dos processos que correm contra ele na Justiça e atacou Moro, Lava Jato e Bolsonaro.

Picture released by Folha de Pernambuco Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Recife - 17/11/2019  (Leo MALAFAIA/AFP)

Por Da redação da Veja

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou neste domingo, 17, de um festival em sua homenagem no Recife. Para os dezenas de milhares de simpatizantes que estavam no local, o ex-mandatário afirmou que a campanha “Lula Livre” precisa evoluir para “uma campanha muito maior” e atacou o ministro da Justiça, Sergio Moro, e a Operação Lava Jato.

“Agora, a campanha ‘Lula Livre’ tem que se transformar em uma campanha muito maior, porque o que nós queremos é a anulação da safadeza dos processos contra nós”, exortou o ex-presidente. “Apresentem provas contra mim e me condenem e aí não faço mais discurso contra vocês”, disse.

“Adoraria estar com [Sergio] Moro e [Deltan] Dallagnol para discutir quem é safado nesse país”, afirmou ainda, em referência à possível suspeição do ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, que pode analisada ainda neste ano pelo Supremo Tribunal Federal.

“Depois de passar 580 dias [preso] (…), depois de tanta gente se mobilizar pelo país, eu queria dizer: a luta não acabou. Não há como acabar uma luta porque a cada dia nós queremos mais”, afirmou ainda diante de um público entusiasmado, que o ovacionava aos gritos de “Lula, guerreiro do povo brasileiro”.

No seu primeiro ato de rua no nordeste desde sua libertação, Lula voltou a atacar Moro, o procurador Deltan Dallagnol, a Operação Lava Jato e o presidente Jair Bolsonaro. “Eles estão destruindo o país em nome do quê?”, afirmou. “Eles estão fomentando a milícia em nome do que neste país?”

Dezenas de milhares de pessoas assistiram ao Festival Lula Livre, que reuniu desde o início da tarde no centro histórico de Recife muitos artistas e bandas locais, como Chico César, Francisco el Hombre e Lia de Itamaracá.

Lula cumpriu desde abril de 2018 pena de oito anos e dez meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, mas foi libertado em 8 de novembro após a decisão do STF de derrubar a prisão em segunda instância.

Neste domingo, o ex-presidente também publicou em sua conta no Twitter um agradecimento público ao ex-prefeito de São Paulo e candidato derrotado à Presidência da República em 2018 Fernando Haddad (PT).

“Eu quero agradecer o Fernando Haddad, de coração. Eu pedi pra ele ser candidato e ele foi. Agradeço a dignidade que você teve de representar o povo brasileiro”, tuitou Lula no começo da noite.

Confira a íntegra da reportagem aqui: 'Lula Livredeve se tornar 'campanha muito maior', diz Lula no ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

18/11


2019

Multidão recepciona Lula em festival de música no Recife

Evento lotou o Pátio do Carmo, na região central da capital pernambucana, neste domingo (17). Ao longo do dia, nomes pernambucanos como Otto, Johnny Hooker e a banda Devotos alternaram alguns de seus sucessos com artistas de outras partes do país, como Chico Cesar e Odair José.

Foto: Reprodução/TV Globo

Por Pedro Alves, G1 PE

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve no Recife, neste domingo (17), para participar de um festival musical no Pátio do Carmo, no Centro da capital pernambucana, em homenagem a ele.

Diversos artistas participaram do evento, que começou por volta das 14h e se estendeu até a noite. Ao longo do dia, nomes pernambucanos como Otto, Johnny Hooker e a banda Devotos alternaram alguns de seus sucessos com artistas de outras partes do país, como Chico Cesar e Odair José.

Cada um cantava entre duas ou três canções e conversava com o público. O paulista Marcelo Jeneci, por exemplo, cantou músicas como "Pra sonhar" e "Felicidade".

"Queria agora ajudar a fazer uma união do Nordeste, trazendo uma música lá da minha Bahia aqui, junto de vocês, porque nós somos irmãos, e nós somos fortes, e nós somos bonitos e felizes", falou Moreno Veloso antes de começar a cantar "Deusa do amor", sob aplausos do público.

O festival, segundo os organizadores, foi idealizado antes da decisão do Supremo Tribunal Federal que possibilitou a soltura de Lula no dia 8 de novembro.

O ex-presidente subiu ao palco por volta das 19h, agradeceu a presença e o apoio recebido. Ele afirmou que vai lutar para provar a própria inocência. "Não aceito negociação, eu quero a minha inocência, eu não quero privilégio. Eu quero que eles julguem o meu processo, quero que arrumem provas para dizer quem é quadrilha nesse país. Não quero favor de ninguém."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

17/11


2019

Lula relaciona Moro, Dallagnol e Bolsonaro à milícia

JC Online

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou no Festival Lula Livre, que aconteceu hoje, no Pátio do Carmo, bairro de Santo Antônio, que se entregou à sede da Polícia Federal em Curitiba, no dia 7 de abril de 2018, com a intenção de 'desmascarar' o então juiz Sergio Moro, o chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL), e relacionou estes à milícia. Segundo a organização, 200 mil pessoas compareceram ao ato. A Polícia Militar afirmou não ter feito estimativas de público.

"Eu não precisava estar preso, eu poderia ter ido até uma embaixada ou a outro país, mas fui até a Polícia Federal porque precisava desmascarar o (Sergio) Moro, o (Deltan) Dallagnol, o (Jair) Bolsonaro e a Lava Jato. Eles estão destruindo o país em nome do que? Estão destruindo a esperança em nome do que? Estão fomentando a milícia em nome do que? Alimentando o ódio em nome do que? A (Rede) Globo alimenta a mentira em nome do que?", disse o petista.

Ele ainda criticou as taxas de desemprego no país, a violência aos grupos minoritários e a Reforma da Previdência. "Estou vendo a nossa cultura, a ciência e tecnologia, as universidades, os empregos, a esperança da sociedade e, sobretudo, da juventude, serem destruídas. Estou vendo os ataques aos LGBTS, negros e índios, o crescimento do feminicídio, o salário desaparecer e uma aposentadoria cada vez mais distante do trabalhador, e vejo que estamos com dificuldade de reagir", discursou.

Após 580 dias preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, Lula disse que saiu ''melhor do que quando entrou". "Hoje, sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia, estou mais maduro. Aprendi que nada derrota as pessoas que se amam neste país", disse o ex-presidente.

Ele agradeceu ao ex-prefeito da cidade de São Paulo Fernando Haddad (PT) por ter sido representante do partido nas eleições presidenciais de 2018, à sua namorada, Rosangela da Silva, mais conhecida por Janja, por "estar nas ruas lutando pela democracia", aos organizadores do Festival Lula Livre e os artistas que compõem sua grade de apresentações.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

17/11


2019

Lula já está na casa de Marília

O ex-presidente Lula chegou, há pouco, no apartamento da deputada Marília Arraes, pré-candidata do PT à prefeita do Recife. O PSB prestigiou em peso o ato da volta de Lula ao Recife e não engoliu o petista ter aceitado o convive de Marília.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Este País precisava de mais Chilenos, Equatorianos e menos Brasileiros.

marcos

Eu marcos de Camaragibe acho bom pra Daniel Coelho.

marcos

Pega fogo cabaré, que bom para Mendoncinha

marcos

Dá-lhe Daniel Coelho!


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores