FMO

07/12


2019

PSDB discute hoje guinada à direita em congresso do partido

Há divisões no partido, e política de costumes de Bolsonaro deve ser criticada.
O presidente do PSDB, Bruno Araújo Foto: Divulgação
O Globo - Por Bruno Góes

 

BRASÍLIA — Sob pressão desde o início do governo Jair Bolsonaro pela ausência de posições firmes, a direção do PSDB decidiu preparar um documento para demarcar as bandeiras políticas da legenda. O texto será formalizado neste sábado, em congresso que reúne novas lideranças tucanas. Com tradição social-democrata, o partido dará uma leve guinada à direita. Um dos pontos que historicamente foram motivo de divisão no partido, como a defesa da redução da maioridade penal, será uma diretriz a ser seguida pelos filiados.

Os tucanos também vão se posicionar a favor de uma política econômica liberal, como hoje é implementada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Apesar do alinhamento em alguns temas com o governo, os tucanos pretendem combater a política de costumes adotada por Bolsonaro. Para o PSDB, prevalecerá a defesa do direito individual a escolhas sexuais e até mesmo em relação às drogas — no segundo caso, apenas para fins medicinais.

Figuras importantes, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o senador José Serra e o ex-governador Geraldo Alckmin não estarão presentes para participar do congresso, que acontecerá em Brasília. A ideia é dar espaço para que novas lideranças possam se apresentar e traçar estratégias das eleições municipais de 2020.

Outro ponto que recorrentemente causa divisão entre tucanos é a possibilidade de realização de prévias. Em São Paulo, nas duas últimas eleições, brigas em torno do tema contaminaram a escolha dos candidatos majoritários. A partir de agora, defender a organização de prévias será um valor tucano.

As posições serão formalizadas a partir da consulta a filiados. Serão 700 delegados estaduais para discutir o tema, além dos governadores João Doria (SP), Eduardo Leite (RS) e Reinaldo Azambuja (MS). Também comparecerão ao evento prefeitos e lideranças partidárias.

Ao GLOBO, o presidente do PSDB, Bruno Araújo, disse que iniciativa desse tipo nunca ocorreu no partido.

— Estamos transformando radicalmente a nossa forma de organização partidária. Porque de nada adianta que surjam novos nomes, novas caras, se não formos capazes de mudar o modo como nos relacionamos e como tomamos as nossas decisões — diz.

Além dos pontos já elencados, os tucanos vão defender o fim da estabilidade de servidores públicos e a possibilidade de pagamento de mensalidade em universidades públicas. Também vão condenar qualquer tipo de defesa da ditadura empreendida pelo governo.

Desde que participou da corrida eleitoral em 2018, Doria força o partido a dar uma guinada à direita. O plano, no entanto, desagrada a boa parte dos tucanos. Embora o PSDB tente oficializar uma posição sólida diante de escolhas políticas, a tendência é o partido continuar a ter disputas internas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE

07/12


2019

Coluna deste sabadão na Folha

Berço da poesia, laboratório de gestão

Berço esplêndido da poesia e do repente, ventre materno de monstros sagrados em verso e prosa que brotam no dedilhar da viola, como Rogaciano Leite e os irmãos Louriva, Dimas e Jô Patriota, a pequena Itapetim, no Sertão do Pajeú, também é exitosa em gestão pública.

No exercício do seu quarto mandato, o socialista Adelmo Moura tem impressionantes 86% de aprovação, quase unanimidade, segundo pesquisa do Instituto Opinião, no qual aparece, também, com 73% das intenções de voto para virar penta.

Oásis em meio a um deserto de gestores públicos no Estado, Itapetim fez o ajuste fiscal, paga servidor em dia, tem obras de pau e pedra para exibir e se apresenta como laboratório em municípios do seu porte para ser copiado para o resto do País.

Quando se tem elevado espírito público, respeito ao dinheiro alheio e seriedade, a obra floresce, mesmo em terra seca onde antes só brotava poesia.

No conjunto da obra – Em tempos tão bicudos, gestões bem-sucedidas são frutos de um conjunto de fatores. Ninguém governa sozinho. Em Itapetim, Adelmo garantiu emendas federais pela ação do deputado Gonzaga Patriota e no Estado, no âmbito da Assembleia Legislativa, a mão que se estende é a do deputado Aglailson Victor, também da bancada do PSB, cumpridor de palavra.

Vergonha – O aumento do fundo eleitoral para financiar candidatos nas eleições do ano que vem, pulando de R$ 2 para R$ 3,8 bilhões, além de ser vergonhoso, abocanha dinheiro de obras sociais. Ouvi de um economista que no Brasil da insanidade se gasta dez vezes a mais em fundos eleitorais do que em saneamento. Falta de respeito aos pobres mortais trabalhadores!

Primeiro turno – O economista e marqueteiro Maurício Romão grudou os olhos em cima dos números da pesquisa de intenção de voto para prefeito de Jaboatão, na qual a delegada-deputada Gleide Ângelo lidera com 35% ante 13% do prefeito Anderson Ferreira e concluiu que a soma dos votos válidos, excluindo brancos e nulos, levaria a socialista a uma vitória já no primeiro turno, com 53,4%.

Campus – O ex-ministro da Educação, Mendonça Filho, volta a Belo Jardim, na próxima quarta-feira, para assinatura de contrato de locação do prédio onde vai funcionar, provisoriamente, o campus da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Já sai do papel no primeiro semestre de 2020.

Cassação – Partidos que não prestarem contas de campanha e dos fundos eleitorais poderão ter seus registros cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal. Soube que o PT pernambucano está com uma bronca da campanha passada.

FATO NOVO – Em Arcoverde, o delegado Israel Rubis, recentemente filiado ao PP, é o nome da preferência do deputado Sebastião Oliveira para compor a chapa como vice da pré-candidata à prefeita pelo Avante, Cybele Rosa, vereadora mais votada nas eleições de 2016. Chapa fortíssima!

Perguntar não ofende: Depois da disparada da inflação, puxada pela alta da carne, fica comprometida a política econômica de Paulo Guedes?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Lula o carniça tem 2 defeitos sérios, é Ladrão e Mentiroso.

marcos

Lula o carniça Alcoólatra que faz piadas com o nome de Deus!

Fernandes

Aí o idiota útil diz. O bozo Carniça aumentou o preço da carne, o açougueiro responde : Ué mais eleitor do bozo Carniça só come capim!

Fernandes

Do jeito que bozonaro Carniça recua, logo fará uma MP, pra estradas onde carros só andem de ré. Dúvida? Ele pode, ele faz, depois recua!

Fernandes

Confiança do consumidor piora após 11 meses do governo Bolsonaro carniça diz jornal Estadão. UI.


Prefeitura de Paulista

07/12


2019

Maia: fundo eleitoral não pode prejudicar "áreas fundamentais"

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Estadão Conteúdo

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira, 6, que o possível aumento do fundo eleitoral não pode tirar recursos de áreas fundamentais, como Saúde ou Educação. Questionado sobre a eventual elevação para R$ 3,8 bilhões, em debate no Congresso Nacional, respondeu que o tema é “sensível”, que ele não decide os valores e defendeu a necessidade de uma boa “explicação” para os cidadãos sobre de onde virão os recursos.

“É um tema sensível, polêmico e, para colocar qualquer valor, mesmo o da eleição passada, precisa ter clareza de onde vai buscar recursos. Essa narrativa é a mais importante”, afirmou Maia na saída de uma palestra em São Paulo.

“Em relação ao fundo, a sociedade não vai ficar satisfeita nunca, mas precisa financiar a democracia. Independente do valor, se é dois, três, quatro (bilhões), o importante é que não está sendo em detrimento de nenhuma área fundamental”. Maia afirmou ainda que não pode haver dúvidas de que a prioridade do orçamento público é o cidadão.

Maia destacou que a democracia precisa de financiamento e não vê problemas no uso do fundo eleitoral. “O aumento dele, nesse momento, vai gerar dificuldade, vai gerar polêmica. Para que possa ser aprovado, precisa ter, por parte dos deputados e senadores, uma explicação, uma transparência muito grande. O relator tem que vir a público e mostrar que não está tirando recurso da saúde. Porque certamente não é esse o objetivo de nenhum dos deputados e senadores”.

A Câmara aprovou nesta semana na Comissão Mista de Orçamento o aumento do fundo destinado ao financiamento de campanhas dos partidos para as eleições municipais de 2020. O relator do projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) é o deputado Domingos Neto (PSD-CE). Após aprovação no grupo, o tema precisa ainda ser aprovado pelo plenário da Câmara e do Senado Federal.

Neto afirmou que o acréscimo de R$ 1,8 bilhão no valor destinado a financiar as campanhas eleitorais, quase o dobro dos R$ 2 bilhões previstos pelo governo de Jair Bolsonaro, vem de uma nova estimativa de quanto empresas estatais vão lucrar em 2020.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Ipojuca

07/12


2019

Fake News: 3º andar do Planalto entra na mira da CPMI

Foto: Palácio do Planalto/Wikipédia

Por Estadão Conteúdo

 

O terceiro andar do Palácio do Planalto entrou na mira das investigações da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News. Nas próximas semanas, a comissão deve solicitar acesso aos IPs (uma espécie de identidade do aparelho) e dados dos computadores usados por servidores que integram o chamado “gabinete do ódio”, que atuam no mesmo andar no qual o presidente da República, Jair Bolsonaro, despacha diariamente.

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo em setembro, “gabinete do ódio” é como internamente integrantes do governo passaram a se referir ao grupo formado por três servidores ligados ao vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC), filho “02” do presidente. Os assessores Tércio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes e Mateus Matos Diniz produzem relatórios diários, com suas interpretações, sobre fatos do Brasil e do mundo e são responsáveis pelas redes sociais da Presidência da República.

A decisão de pedir acesso aos IPs e dados dos computadores desses servidores foi tomada depois que a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-líder do governo no Congresso, prestou depoimento na CPI, na Quarta-feira passada, dia 4, acusando os assessores do presidente de disseminar notícias falsas durante o horário de serviço.

“Vamos pedir a quebra dos IPs para localizar as máquinas. Se por um acaso tiver requerimento, e tiver provas concretas que existe computador dentro do Palácio do Planalto que faz a divulgação, claro que pode ser quebrado. Não podemos quebrar se não tiver prova. Tendo provas, nós vamos correr atrás”, afirmou, ao Estado, o presidente da CPI, senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Ainda segundo Coronel, a CPI vai apurar se há dinheiro público bancando a disseminação de notícias falsas a partir do Palácio do Planalto. “Obviamente, nós vamos correr atrás para ver se é dinheiro público que está sendo investido nessa prática. Se for, nós vamos indiciar os culpados e encaminhar para o Ministério Público Federal. E que aí se puna os verdadeiros culpados”, disse.

Segundo Joice Hasselmann, o chamado “gabinete do ódio” é integrado ainda pelo assessor especial da Presidência da República Filipe Martins, que é próximo ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho “03” do presidente. O grupo, na versão da ex-aliada do Planalto, é um dos mais ativos propagadores de notícias falsas e difamações. “Estou mostrando o modus operandi, estou mostrando pessoas ganhando dinheiro público para atacar pessoas”, disse a parlamentar durante o depoimento, na quarta.

A partir do depoimento da ex-líder do governo, técnicos do Ministério Público Federal (MPF), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do próprio Congresso, que atuam em conjunto com a CPI, iniciarão uma fase de aprofundamento de coleta de provas e de investigação dos fatos relatados pela deputada. “A partir daí, que se substancie a relatora. Vamos tentar fazer de tudo para fazer o banimento no País das fake news e dos perfis falsos. Não podemos mais permitir que as pessoas criem um perfil falso para atacar seus alvos. Temos é que fortalecer a democracia”, afirmou Coronel.

A sessão que ouviu a deputada Joice Hasselmann durou mais de dez horas e foi marcada por muito bate-boca e troca de acusações entre as alas em disputa no PSL, os “bivaristas”, ligados ao presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), e os “bolsonaristas”, próximos ao presidente. Todos os funcionários do “gabinete do ódio” foram convocados para prestar depoimento na CPI, mas ainda não há uma data para isso acontecer.
 
"Disparo custa 20 mil"

Um único disparo de mensagens por robôs custa, em média, conforme a parlamentar, R$ 20 mil. “De maneira, digamos, legal, comprovável imediatamente, (são destinados) praticamente R$ 500 mil, de dinheiro público, para perseguir desafetos. Essa é a função do ‘gabinete do ódio’. Nós estamos falando de crime. Caluniar, difamar e injuriar são crimes previstos no Código Penal”, disse a deputada, que também foi alvo de ataques de bolsonaristas.

Joice afirmou não saber quem financia tal cadeia de difamação, mas sugeriu à comissão que “siga o rastro do dinheiro porque estamos falando de milhões”. Apesar de não apontar eventuais financiadores do esquema, a deputada declarou que boa parte das notícias falsas e campanhas difamatórias tem origem em gabinetes de políticos aliados do governo.

A ex-líder ainda acusou Eduardo e Carlos, filhos do presidente Bolsonaro, de pautarem a ação do “gabinete do ódio”. Outro influenciador ligado ao grupo seria “o guru” Olavo de Carvalho. “Eu quero crer que o presidente não sabe disso”, disse.

Ela afirmou que o próprio presidente tem publicações impulsionadas por robôs. “São quase 2 milhões de robôs seguindo dois perfis, sendo 1,4 milhão no perfil de Jair Bolsonaro e 468 mil no perfil de Eduardo Bolsonaro.” O número tem por base um aplicativo que analisa se um perfil no Twitter é ou não falso.

Questionado sobre os trabalho da CPI na quarta-feira, enquanto visitava uma feira popular em Brasília, Bolsonaro afirmou não temer o resultado da comissão que investiga fake news. “Inventaram o ‘gabinete do ódio’ e alguns idiotas acreditaram. Outros idiotas vão até prestar depoimento”, disse, em referência a Joice Hasselmann.

Procurado, o Palácio do Planalto não comentou a intenção de integrantes da CPI de pedir acesso a informações dos computadores de funcionários da Presidência da República.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha