Faculdade de Medicina de Olinda

07/06


2013

A charge do dia

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Diego da Silva Araújo

Dilma, não adianta beijar esses sapos que eles não viram mais príncipes. A facilidade de formar a base aliada em 2010, trouxe mais dificuldades ao governo Dilma do que Lula, quando precisou formá-la no meio do governo. A questão é simples: casamento arranjado não costuma ser feliz.

Sandro de lima

Dilma vc tem que engolir a sua base aliada,só tem raposa velha...


Governo de PE

07/06


2013

Coluna da sexta-feira

Carlos Cavalcanti
Redator-interino

Uma base cada vez menos aliada

Que o insistente mau humor da presidente Dilma Rousseff (PT) anda atrapalhando sua até então boa relação com os partidos da base aliada não é novidade. O que vem ganhando destaque nos jornais e blogs especializados em política é a tentativa desesperada do vice-presidente Michel Temer (PMDB) de tentar acalmar os ânimos e agir como articulador político.

Os assessores da presidente precisam lembrar-se, com uma constância bem maior do que hoje ocorre, que Dilma Rousseff foi o nome escolhido pelo ex-presidente Lula para, de certa forma, dar continuidade ao seu plano de ações e, juntamente com os votos, seus eleitores – e de Lula – transferiram também suas expectativas.

O ex-presidente consagrou-se como um homem “do povo”. Em seus discursos, Lula sempre fez questão de frisar que sua gestão seria voltada para as classes mais pobres e, com isso, caiu no gosto do seu público-alvo.

Dilma, por sua vez, aparenta não se importar com o contato humano, e essa falta de articulação está ameaçando o seu projeto de reeleição. A insatisfação de membros da base aliada tem sido remediada com a distribuição de cargos. Mas será que remediar é realmente tão satisfatório politicamente quanto prevenir?

Os ‘dilmistas’ precisam abrir os olhos. A reeleição da presidente não é ameaçada – somente – pelas candidaturas de Aécio Neves (PSDB), Eduardo Campos (PSB) e Marina Silva (Rede Sustentabilidade). As vezes, nosso maior inimigo não mora na casa ao lado.


Enquanto uns criticam, outros aplaudem – A governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini (DEM), está pensando em migrar para o PTB e, assim, integrar a base aliada da presidente Dilma Rousseff (PT). Apesar de a assessoria da democrata negar a possibilidade, o que se ouve nos corredores do PTB é que a filiação de Rosalba já teria sido inclusive acertada.

Escapou ileso – O ministro Joaquim Barbosa autorizou a liberação dos bens do publicitário Duda Mendonça e de sua sócia, Zilmar Fernandes. O bloqueio do patrimônio de Duda Mendonça havia sido solicitado como medida preventiva caso os réus fossem condenados no processo do mensalão. Como isso não aconteceu, o Supremo Tribunal Federal determinou o desbloqueio.

Rombo milionário – Auditoria realizada nas contas do ex-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Toinho do Pará (PTB), revelou o que há muito se falava nas rodas políticas da cidade: um desfalque de mais de R$ 50 milhões. O atual prefeito, Edson Vieira (PSDB), recebeu a herança maldita, mas garantiu que vai procurar todos os órgãos competentes para tentar reaver a quantia.

Denúncia – Ex-candidato à Prefeitura de Feira Nova, Danilson Gonzaga (PT) denunciou a falta de cuidado do prefeito Nicodemos Barros (PSB) para com os prédios públicos da cidade. A queixa tomou corpo depois que o açougue municipal desabou, na manhã de ontem (5), segundo ele, devido aos mais de dez anos sem qualquer obra de reparo.

CURTAS

Cidadão de São Paulo – Causou polêmica a declaração do deputado Roberto Freire (MD), que negou qualquer possibilidade de voltar a disputar um mandato na Câmara Federal por Pernambuco. Antigos aliados chegaram a dizer, inclusive, que depois dessa não o ajudam sequer a sentar numa cadeira na Câmara do Recife.

Cidadão de Jaboatão – O blogueiro Magno Martins recebeu ontem (6), na Câmara de Jaboatão dos Guararapes, o título de cidadão jaboatonense. A solenidade foi prestigiada por lideranças políticas e por figurinhas carimbadas na noite pernambucana, que se divertiram ao som da cantora Maria Dapaz e aproveitaram os comes e bebes da Porto Fino Buffet & Recepções.


Perguntar não ofende: E a educação recifense, tem remédio?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos Odair da Luz Sá

Vocês deveriam agradecer esse pulha não mais ser candidato por PE. Já vai tarde, ou melhor, nem era para um dia ter vindo...

arnaldo cicero marques

SEMPRE TIVE MUITA ADMIRAÇÃO PELO SENHOR ROBERTO JOÃO PEREIRA FREIRE. FUI SEU ELEITOR DESDE OS TEMPOS DO PCB. AGORA... QUE FIQUE AÍ MESMO EM SÃO PAULO. SEM NENHUM BAIRRISMO. AGRADECEMOS.

Eduardo Ferreira

Roberto Freire não se elege mais em PE, fique em SP mesmo, talvez o povo daí ainda não saiba quem é o senhor.

Jalmirez Arruda

Uma auditoria em contas públicas, no caso de Santa Cruz do Capibaribe,é algo seríssimo; com todo respeito a competencia e lisura de quem a executou seria mais prudente e transparente auditorias feitas por entes públicos como o TCE,TCU e CGU, aí sim poderia se fazer um juízo lógico de erros e acertos

romildo s. barros

dilma estar certa nao fazer o jogo de algums politicos corruptos, o povao estar com vc pra frente dilmaaa


Prefeitura de Abreu e Lima

07/06


2013

Obrigado, Jaboatão!



Em solenidade, ontem, na Câmara de Vereadores, recebi o título de cidadão de Jaboatão, iniciativa do ex-vereador Jota Barreto (PSD), tendo sido aprovado há três anos. Tudo transcorreu com um toque de muita emoção. Abaixo, confira a íntegra do meu discurso:

''Venho do Sertão, sou filho de vidas secas, donatário das capitanias de Graciliano Ramos, herdeiro fiel de Euclides da Cunha.

Venho do Pajeú das flores, onde em todo o canto que se olha não se enxerga o verde da esperança, apenas o cinza da realidade nua e crua.

O sertão é sem lugar, não tem janelas, nem portas.

O sertão é do tamanho do mundo. Está dentro de mim, impregnado como um perfume sedutor.  É como uma mulher bonita, que encanta e seduz.

É inspiração, norte de vida, bússola, canto de viola.

No meu sertão, todos os cantos são pobres e belos. O canto de se ouvir, venha de onde vier, do sabiá, do acauã, do repentista, é belo.

Vir ao mundo por aquelas bandas não chega a ser uma sentença de condenação à pobreza, passada em julgado, mas é quase um fadário. Quem por ali nasce, gruda na terra e na poesia e nunca deixa seu canto.

Uns porque escapam da morte Severina, que é morrida como anjinho, mas que não escapam, antes dos vinte, da morte matada na emboscada.

Outros porque são tão teimosos que mastigam e engolem a sede braba. Não dão o braço a torcer, nem deixam a estiagem vencer a coragem.

João Guimarães Rosa disse que quem entende de Sertão é urubu, é gavião, é gaivota.

Todos esses pássaros, porque eles estão sempre no alto, apalpando ares com pendurado pé, com o olhar remedindo a alegria e as misérias todas.

A vida é ingrata no macio de si, mas traz a esperança, mesmo vinda do fel do desespero.

No Sertão, como disse Guimarães Rosa, o correr da vida embrulha tudo. Lá, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e afrouxa, sossega e depois desinquieta.

O que ela quer da gente é coragem.

Minhas senhoras, meus senhores:

Jaboatão adota, hoje, nesta noite memorável, um sertanejo de alma pura, um sonhador, um repórter nato, que nasceu para a notícia.

Jaboatão me acolhe reconhecendo essa bravura e essa coragem sertaneja.

E esse reconhecimento, feito hoje pela Câmara de Vereadores, por iniciativa do vereador Joaquim Barreto Filho, o Jota Barreto, filho do meu amigo Joaquim Barreto, ex-presidente deste parlamento, é fruto de um longo trabalho jornalístico em defesa dos mais altos interesses de Jaboatão, de Pernambuco e do Brasil.

Título de cidadão é uma adoção oficial. Hoje, sou cidadão adotivo de Jaboatão. Jaboatão me abraça como irmão, conterrâneo, uma pessoa da sua gente e do seu meio.

Eu abraço Jaboatão e encampo com bravura, mais do que fiz no passado, com o poder da minha pena e a bravura da minha voz, todas as lutas do seu povo em favor de uma cidade mais justa e humana.

Hoje já posso dizer: “Sou cidadão onde a Pátria nasceu”.  Porque foi aqui que brotou o nosso grito libertário, onde ocorreram duas batalhas entre os luso-brasileiros e holandeses em Pernambuco, em 1648 e 1649.

E que culminaram na expulsão da Invasão dos Holandeses no Brasil. Foi dessas batalhas que surgiram o primeiro sentimento de ‘PÁTRIA BRASIL’, de amor à Nação, tendo simbolicamente nascido também o Exército Brasileiro.

Que possamos louvar neste momento os grandes heróis das Batalhas dos Guararapes, como o general Francisco Barreto de Menezes, André Vidal de Negreiros, João Fernandes Vieira, Filipe Camarão, Henrique Dias, Antônio Dias e Antônio Silva.

Quanta honra para um pobre plebeu! Já posso estufar o peito e dizer “Sou filho da “moscouzinho”“.

Foi assim que minha nova pátria ficou conhecida no mundo inteiro por ter sido o primeiro município brasileiro a eleger um prefeito comunista, em 1947.

Se a pátria nasceu aqui, aqui também dei os meus primeiros passos no Jornalismo como estagiário na Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Jaboatão.

Foi na gestão do saudoso Geraldo Melo, a quem presto também uma homenagem na pessoa do seu filho Geraldo Filho, aqui presente.

Criei, assim, um elo com Jaboatão desde os anos 80, uma relação de intimidade, confissões e amor.

Foi aqui, também, que escolhi para viver quando regressei de Brasília em 2002 e casei com a mais combativa vereadora do Recife, Aline Mariano, depois de 20 anos em Brasília, meu exílio voluntário.

Jaboatão, portanto, é parte da minha vida, essência do meu viver. Eu a considero importante por ter brotado aqui a minha formação e consciência de jornalista.

E com isso ter feito da minha profissão o essencial, o fundamental, a base da minha vida.

Por ter sido realmente um puro jornalista. Por ter procurado no jornalismo a satisfação de um talento natural que eu tinha, e não sei de onde vinha.

Um jornalista, além de talento precisa de muito trabalho, em primeiro lugar. O talento só não basta. Ele precisa de muita vivência, ele tem que mergulhar realmente na vida, para poder transmiti-la.

Porque o jornalista não é um criador de fatos, ele é um transmissor e precisa saber ver. E saber ver é só vivendo.

Além do seu talento natural, é preciso ter a paixão pela profissão. É fundamental em jornalismo. Tem que ser uma paixão verdadeira.

Já dizia Rui Barbosa que a Imprensa é à vista da Nação. Para se fazer jornalismo de verdade e com responsabilidade é preciso ter a  consciência de que é um ofício em defesa da sociedade.

Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. O resto é publicidade.

Para mim, Jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não sofreu essa servidão que se alimenta dos imprevistos da vida, não pode imaginá-la.

Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Já disse Gabriel Garcia Marquez:

“Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte”.

Jornalismo, portanto, é como se fosse um fio, que liga as pessoas ao mundo.

Quero agradecer a honraria de virar cidadão de Jaboatão primeiro a Jota Barreto, autor da proposição, ao seu pai Joaquim Barreto, filho do saudoso Zequinha Barreto, que foi subprefeito deste município e a todos os vereadores que compõem esta Casa.

Agradeço de modo especial ao presidente desta Casa, Ricardo Valois, empresário de visão, que honra o seu mandato parlamentar, pelo apoio e o interesse em realizar esta sessão, que tanto me emocionou.

A Milton Tenório, meu amigo, esse jaboatonenses guerreiro, que tanto nos ajudou nesta cerimônia.

Minhas senhoras, meus senhores.

Não poderia encerrar esta fala sem voltar às minhas origens. E voltar ao Sertão é ter diante de mim, como luz permanente de inspiração, a figura dos meus pais.

Perdi, há pouco, minha mãe, a luz do meu saber, de personalidade tão forte que às vezes não sabia se estava diante dela ou do meu avô, de tão durona, inflexível nos ensinamentos, dócil no trato, extremamente afetiva, amante da vida e dos seus prazeres.

Mas, Deus me deu a benção de manter firme e forte a figura do meu pai, o varão da família. Que em um dos seus livros definiu impecavelmente a maneira de ser, retratando simplicidade, sabedoria e desapego as coisas materiais da vida.

O bom da vida, segundo a filosofia do meu pai, é ser e não parecer, regar sonhos, viver para servir.

Já Rubem Alves diz que nós não vemos o que vemos, nós vemos o que somos.

Só veem as belezas do mundo e deixam lições para nós, como o meu pai, aqueles que têm beleza dentro de si.

Uma pessoa é bela, não pela beleza dela, mas pela beleza nossa que se reflete nela.

Quem ama a simplicidade, como meu pai nos ensinou, ama a vida, ama a beleza, ama a poesia, ama as coisas que dão alegria, ama a natureza, ama a reverência pela vida, ama os mistérios de Deus, ama a Deus.

Muito obrigado, Jaboatão! ''


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

isabela

Belo texto do jornalista Magno Martins. Jaboatão tem outro ilustre nas suas fileiras de batalhas.

jose rodrigues da silva

Parabéns Nobre Magno Martins pelo título de cidadão de Jaboatão OS NOBRES VEREADORES do Cabo de Santo Agostinho deveria ter de exemplo.

Júnior Finfa

Parabéns amigo, você merece toda homenagem possível, abração

Júnior Finfa

Parabéns amigo, você merece toda homenagem possível, abração

Sandro de lima

Parabéns Magno,você merece!


Prefeitura de Limoeiro

07/06


2013

Eduardo repete Lula: quer Ciro candidato fora do Ceará

 Aos poucos vão vazando um ou outro detalhe da conversa ‘amistosa’ do governador Eduardo Campos com seu correligionário cearense, em jantar secreto domingo passado, no Palácio do Campo das Princesas.  Um item interessante da conversa que ambos mantiveram é a tentativa do pernambucano de  convencer Ciro Gomes a mudar de domicílio eleitoral e ser candidato em 2014 a algum cargo eletivo, pelo PSB, em outro Estado. Por ser irmão do governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), a lei eleitoral não permite que ele seja candidato tendo domicílio eleitoral no mesmo Estado do irmão.

A mudança de domicílio eleitoral foi assunto da conversa de Eduardo com Ciro na semana passada na qual os dois deram início a uma reaproximação. Para a campanha de Eduardo Campos, ter Ciro em São Paulo, por exemplo, é estratégico. Hábil e polêmico, Ciro seria o político ideal para fincar as bases de Eduardo Campos no maior colégio eleitoral do País e ajudar a sanar um dos pontos fracos de Campos que é ser desconhecido nas regiões Sudeste e Sul.

Essa não é a primeira vez que surge a hipótese de Ciro mudar de domicílio para disputar as eleições. Em 2009, incentivado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro chegou anunciar sua mudança para São Paulo. Na época, Lula havia sugerido que ele fosse candidato ao governo do Estado, com apoio do PT. A mudança de domicílio, no entanto, não prosperou. Ciro se manteve no Ceará e não se candidatou a nenhum cargo. (Com informações de Luciana Lima - iG Brasília)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

o povo da de olho

COMPRO ATE O DIABO IMORAL



07/06


2013

Eduardo critica vetos de Dilma na MP dos Portos

 O governador  Eduardo Campos (PSB), criticou, ontem, os vetos da presidente Dilma Rousseff a trechos da Medida Provisória dos Portos que haviam sido acordados com o Congresso Nacional. O tema tem potencial explosivo para acentuar a crise entre o Planalto e a base aliada, uma vez que os vetos terão de ser votados pelo parlamento.

“Lamento que tenham sido feito vetos que foram fruto de um entendimento com o Congresso”, disse Eduardo Campos, que esteve em Brasília para tratar dos preparativos para Copa das Confederações com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. Em 16 de maio, a poucas horas de ver a MP perder a validade, o Planalto cedeu às pressões do líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), e aceitou a aprovação da emenda conhecida como “Tio Patinhas”, que retirava a necessidade de revisão de valores de concessões anteriores a 1993. Na última quarta-feira, o governo anunciou que o trecho está vetado da MP dos Portos.  (Informações do Diario de Pernambuco)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

07/06


2013

2014 é agora: pesquisas voltam e inquietam candidatos

 Além de Aécio Neves (PSDB), Marina Silva e Eduardo Campos (PSB), pesquisas que chegam ao governo registram intenções de voto para Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, à Presidência, segundo Vera Magalhães, na sua coluna de Folha desta sexta-feira.

 

Enquanto isto, o Instituto Vox Populi mediu o dano provocado ao PT pelo julgamento do mensalão, informa Ilimar Franco, no GLOBO. A pesquisa, feita para petistas, registrou que a imagem do partido não mudou para 59%. Ficou pior para 26% e melhor para 11%. Sua atuação é considerada positiva para 59% e negativa para 23%. O PT tem hoje a simpatia de 29% dos ouvidos, o mesmo patamar anterior ao escândalo.

 

Já em S.Paulo, informa ainda a colunista da Folha, os recentes episódios de violência, com grande exposição na TV e nos jornais, mexeram nos ponteiros das pesquisas que medem a aprovação do governo de Geraldo Alckmin (PSDB). Desde maio, sondagens feitas pelo Palácio dos Bandeirantes mostram queda na avaliação da administração estadual na área da segurança pública -- considerada um dos focos de debate para a campanha de 2014, e já sob mira de potenciais adversários, como Gilberto Kassab (PSD).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

07/06


2013

Mercadante na articulação atrai PTB e reforça Dilma

DO PORTAL BR 247

 O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, se manifestou publicamente mais de uma vez para garantir que não seria o candidato do PT ao governo de São Paulo em 2014. E sua opção por permanecer no governo federal vai ficando cada vez mais clara. Apontado como futuro coordenador da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff, Mercadante já reforçou a articulação política do governo, como relata coluna de João Bosco Rabello, no Estadão.

Mercadante participou das tratativas para o presidente em exercício do PTB, Benito Gama, assumir a vice-presidência de governo do Banco do Brasil. Com o acordo, o PTB formaliza o apoio ao governo Dilma, o que, teoricamente, afasta o risco de aliança com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), potencial adversário da presidente em 2014.

''As negociações para que o PTB tenha assento no governo Dilma Rousseff já têm as digitais do ministro da Educação, Aloísio Mercadante, que passou a reforçar a articulação política do governo, formalmente exercida pela dupla de ministras Ideli Salvatti, titular do cargo, e Gleisi Hoffmann, da Casa Civil'', comenta Rabello.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


07/06


2013

Indígenas: Cardozo enganou Dilma na negociação

 O Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo enganou a presidente Dilma Rousseff e o Secretário Geral da Presidência da República Gilberto Carvalho, ao afirmar que a ordem judicial – para desocupação da Aldeia Buriti – impediu o Ministério de negociar com os índios. Segundo os jornais, a presidente Dilma Rousseff cobrou de Cardozo o fato da desocupação da Aldeia Buriti ter resultado em confronto – não em negociação. A resposta de Cardozo é que nada poderia ser feito, porque havia uma ordem judicial para desocupar a área.

Quando vazou a declaração de Dilma, imediatamente veio a retificação dela própria, assegurando – conforme Cardozo lhe explicou – que determinações judiciais são feitas para serem cumpridas.(Blog de Luiz Nassif)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha