Faculdade de Medicina de Olinda

22/09


2019

Hospitais privados e cursos de medicina: MEC quer parceria

MEC fará parceria entre hospitais privados e cursos federais de medicina. 43 campus não têm hospitais universitários.

Cirurgia médica Foto: Marcelo Franco/Arquivo

Época - Coluna de Guilherme Amado

Por Eduardo Barretto

 

O Ministério da Educação prepara um programa de parceria entre universidades federais e hospitais particulares e santas casas país afora para garantir aulas práticas a alunos de instituições que não tenham hospitais universitários.

Ao todo, 43 campus em todo o país, principalmente em cidades do interior, não têm hospitais universitários, e não há espaço orçamentário para construir novas unidades.

O objetivo da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, vinculada ao MEC, é fechar as parcerias até o começo do ano que vem.

(Por Eduardo Barretto)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE

22/09


2019

Família de Marco Maciel rompe silêncio

Correio Braziliense

“As pessoas têm muito preconceito com o Alzheimer. Acham que a pessoa começa a falar um monte de bobagem e fica desligado do mundo. Com meu marido não foi assim. Ele continuou sendo o mesmo homem educado com todos. Continua sempre cheiroso e limpo como sempre gostou de estar. É o rei da nossa casa”, disse a aposentada Ana Maria Maciel, 78 anos.

Casada com o ex-vice-presidente da República Marco Maciel, 79, diagnosticado com a doença em 2001, ela assumiu todos os papéis dentro de casa. Para ela, a paciência e o amor — construído ao longo dos 52 anos de casados — são a receita para enfrentar a enfermidade.

Os primeiros sinais da doença mais se assemelhavam aos da depressão. Maciel começou um tratamento e meses depois veio o diagnóstico do Alzheimer. “Até 2014, a doença evoluiu negativamente, porque, como era político, as pessoas perguntavam sobre fatos históricos e ele não conseguia lembrar. Ele percebia o esquecimento e ficava constrangido. No fim de 2014, ele não quis mais sair, só para consultas e coisas corriqueiras. Agora, está em fase avançada”, afirma. Sem andar e falar, o ex-vice-presidente conta com o auxílio da mulher e de uma equipe de profissionais para as atividades do dia a dia.

A doença é neurodegenerativa progressiva e se manifesta pela deterioração cognitiva e da memória, comprometimento progressivo das atividades de vida diária e uma variedade de sintomas neuropsiquiátricos e de alterações comportamentais. Ela acomete em grande parte idosos e representa cerca de 50% a 75% dos casos de demência no mundo, sendo o tipo mais frequente da enfermidade cerebral. Suas causas ainda não são totalmente conhecidas. Em 21 de setembro é lembrado o Dia Mundial do Alzheimer. 

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Abreu e Lima

22/09


2019

Morte de pastor: reconstituição dura mais de cinco horas

Reconstituição da morte de pastor Anderson do Carmo, marido de Flordelis, dura cinco horas e meia. Nove tiros foram disparados durante a simulação. Polícia vê contradições nos depoimentos e não descarta um segundo atirador.

 Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo

O Globo - Por Felipe Grinberg

 

RIO — Os nove disparos, feito por um policial em direção à um latão de alumínio recheado de areia, às 3h 40 da manhã deste domingo foi o último passo da reconstituição da morte de pastor Anderson do Carmo , marido de Flordelis . Os tiros, por coincidência, foram disparados no mesmo horário do crime. No total, a simulação da noite do crime pela Polícia Civil durou cinco horas e meia e a investigação ainda não descartou que um segundo atirador tenha participado do crime.

Segundo Bárbara Lomba, delegada titular da Divisão de Homicídios de São Gonçalo e Niterói, a reconstituição foi importante para encontrar contradições em depoimentos já prestados pelas testemunhas:

 — Houve algumas contradições que continuam nos indicando o caminho que havíamos conseguido nas investigações. Ajudou porque na hora de reproduzir, as pessoas as vezes não sustentam o que foi falado em outro ambiente — contou a delegada.

A deputada Flordelis também participou da simulação. De acordo com Bárbara Lomba, em alguns pontos ditos por ela em seu depoimento não corresponderam com a declaração dada durante a reconstituição.

— A deputada basicamente falou o que havia falado na delegacia, mas em alguns pontos não se recordou. Houve alguns pontos que as declarações aqui não corresponderam o que havia sido dito na delegacia — comentou.

Segundo o advogado da deputada, ela respondeu a todas as perguntas e somente não soube precisar a quantidade de tiros ou as pessoas que estavam ao lado dela no momento dos disparos. Ele ainda afirmou que Flordelis ainda não teve contato com os filhos acusados de terem matado o pastor Anderson do Carmo:

— Ela estava tranquila, mas abalou muito ela psicologicamente, principalmente a hora dos disparos. Ela ficou bastante abalada — comentou.

Apesar de presentes, Lucas dos Santos e Flávio dos Santos, apontados pela polícia como autores do crime, não participaram da reconstituição. Os dois chegaram à casa de Flordelis em momentos diferentes da reconstituição. Lucas chegou por volta das 22h, e, apesar de ter sinalizado em um primeiro momento que participaria da simulação, voltou atrás e não cooperou com os policiais.

Já Flávio, chegou na madrugada no momento em que Daniel dos Santos de Souza, de 21 anos, um dos filhos do casal, indicava aos policiais como havia encontrado o pai já baleado. Como já havia afirmado que não iria participar da simulação, Flávio só deixou a viatura da polícia por cerca de um minuto, para assinar oficialmente sua recusa de colaborar.

— Nós reproduzimos com base no que eles falaram na delegacia, mas seria o ideal que eles tivessem participado. É direito deles não ter participado. Acredito que seja estratégia da defesa. Viemos preparados para que participassem— afirmou Bárbara Lomba.

Defesa: reconstituição teve "muitas falhas"
Advogados dos dois suspeitos e da deputada Flordelis acompanharam o trabalho da perícia. Mas, segundo Anderson Rollemberg, advogado de Flávio, houve falhas no trabalho dos policiais. Rollemberg afirma que a reprodução dos tiros não foi fidedigna ao que aconteceu na noite do crime.

— Não foi uma reconstituição 100% aproveitavel. Poss dizer que teve muitas falhas. Por exemplo, os disparos feitos no tambpor de areia. Todos aqui perceberam que os baraulhos eram abafados — comenta.

As perguntas que a polícia quer responder na reconstituição da morte do marido de Flordelis

1. Quantas pessoas atiraram na vítima?

Flávio confessou, em depoimento à DH, que atirou seis vezes no pastor, que era seu padrasto. Laudo do Instituto Médico Legal (IML), no entanto, atestou que Anderson tinha mais de 30 perfurações pelo corpo. A polícia quer saber se outras pessoas atiraram na vítima.

2 - Havia outras pessoas na cena do crime?

Em depoimento, Daniel dos Santos de Souza, filho de Flordelis e Anderson, afirmou ter visto o vulto de três pessoas na garagem da casa, local onde o pastor foi morto. A DH ainda tem dúvidas se havia outras pessoas na cena do crime.

3 - Quantas armas foram usadas no assassinato?

A DH já sabe que a pistola apreendida em um armário no quarto de Flávio foi usada no crime. Laudo de confronto balístico confirmou essa informação. Os policiais querem saber se outra arma foi utilizada.

4 - Houve omissão no socorro ao pastor?

Ramon, um dos netos de Flordelis, se negou a prestar os procedimentos de primeiros socorros após o pastor ter sido baleado. Em depoimento, ele disse que Anderson já estava morto. No entanto, o relato de uma das filhas da deputada, Gabriela, contradiz Ramon. Ela diz que logo depois de o pastor ter sido atingido pelos disparos, verificou antes da ligação feita ao Corpo de Bombeiros, que a vítima ainda estava viva


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

22/09


2019

Governo Bolsonaro cria uma tradição

Coincidências acontecem.

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por Carlos Brickmann

 

No próprio Governo Bolsonaro já se cria uma tradição: toda vez que há indícios de melhora da situação econômica, o próprio Governo faz enorme esforço para gerar uma crise política que anule os bons sinais econômicos. E estamos numa fase dessas: por incrível que pareça (já que o desemprego é imenso e o fato econômico mais visível não é a chegada de investimentos estrangeiros, mas a transferência de empreendimentos brasileiros para outros países), há vagalumes de boa luz amenizando a escuridão reinante.

A taxa de juros Selic, pela qual o Governo paga seus empréstimos, caiu para 5,5%, o menor valor na história – houve até bancos que, por isso, baixaram as taxas que cobram de seus clientes de estratosféricas para apenas inacreditáveis. A inflação se mantém baixa, o que permite imaginar novas quedas de juros. A expectativa é de que o Brasil feche o ano com taxa Selic de 5% ao ano.

Não há hora melhor para surgir uma nova crise artificial, que ponha esses bons resultados a perder.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2019

Joice deixará liderança do governo até o final do ano

Joice Hasselmann diz a colegas que deixa liderança do governo no Congresso até o final do ano.

Folha de S. Paulo - Painel
Por Daniela Lima

 

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), tem dito a parlamentares que deve deixar o posto no final do ano, porque está cansada da pressão. Correligionários da deputada, porém, acreditam que o movimento deve ocorrer mais por pressão do Planalto do que por desejo dela, que mira a Prefeitura de SP em 2020.

No início do mês, em entrevista à Folha, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a correligionária “está com um pé em cada canoa”, referindo-se à aproximação dela com o governador paulista, João Doria (PSDB). A deputada classificou a fala como “ciuminho”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

22/09


2019

Telefonema vazado de Dilma: não vale o papel de bobo

No telefonema vazado de Dilma só não vale o papel de bobo. 

Moro suspendeu o grampo às 11h12 do dia 16 e às 13h22 deu-se a conversa fatídica.

Foto/fonte: Brasil247

Folha de S. Paulo - Por Elio Gaspari

 

Valia para o juiz Sergio Moro e vale para seu substituto, o doutor Luiz Antonio Bonat: pode-se fazer tudo por ele, menos o papel de bobo.

Bonat disse ao ministro Edson Fachin que Moro e a Polícia Federal não anexaram ao processo de Lula os grampos de seus telefonemas da tarde do dia 16 de março de 2016 porque alguns tinham “conteúdo sensivelmente privado” e também porque outros envolviam autoridades com prerrogativa de foro. Haveria o cuidado de “coibir vazamentos”.

Aos fatos:

No relatório dos grampos que a Polícia Federal mandou a Moro no dia 15 de março e ele divulgou no dia seguinte havia uma conversa do ex-presidente com a filha Lurian, combinando um café da manhã.

Em outra, com seu irmão Vavá, tratou de assuntos familiares durante quatro minutos. Vavá contou-lhe que a irmã “Maria Baixinha” estava no hospital, fumava escondida e no dia seguinte iria à sua 
casa para fazer um frango.

Moro suspendeu o grampo às 11h12 do dia 16 e às 13h22 deu-se a conversa fatídica na qual Dilma Rousseff disse a Lula que estava mandando pelo “Bessias” o ato de sua nomeação para a chefia da Casa Civil. Horas depois, esse grampo estava no ar, ao vivo e em cores.

Depois das 11h12, conhecem-se 20 grampos e em nenhum há conversa de cunho “sensivelmente privado”. Lula falou com Dilma, com o vice-presidente Michel Temer, com o senador Renan Calheiros e com os governadores do Rio, da Bahia, do Acre e do Ceará. 

Só o telefonema de Dilma vazou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

22/09


2019

Presidente vai à ONU discursar sobre soberania

Bolsonaro vai à ONU para falar de Amazônia e soberania, temas de todos os antecessores.

O presidente Jair Bolsonaro — Foto: Isac Nóbrega/PR

Por Guilherme Mazui e Filipe Matoso, G1 — Brasília

 

O presidente Jair Bolsonaro viajará nesta semana a Nova York (EUA) para participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Será a estreia de Bolsonaro no encontro que reúne chefes de Estado, de governo e chanceleres.

O presidente tem dito que em seu discurso, marcado para terça-feira (24), fará uma defesa do que chama de "soberania nacional" e da atuação do governo brasileiro na Amazônia.

Na sexta-feira (20), em uma breve conversa com jornalistas na entrada da residência oficial do Palácio da Alvorada, o presidente disse que seus antecessores, quando iam à ONU, "falavam e não diziam nada".

“Eu ouvi pronunciamentos anteriores de outros chefes de Estado do Brasil", afirmou Bolsonaro. "No passado, tinha muita... Falava, falava, falava e não dizia nada. Temos que falar do patriotismo nosso, da questão da soberania, do que o Brasil representa para o mundo", completou o presidente.

Na semana passada, em uma transmissão em uma rede social, Bolsonaro afirmou que fará um discurso "bastante objetivo" e diferente dos presidentes anteriores porque, na opinião dele, está "na cara" que os líderes de outros países o cobrarão na questão ambiental.

"Estou me preparando para um discurso bastante objetivo e diferente de outros presidentes que me antecederam. Ninguém vai brigar com ninguém, podem ficar tranquilos. Vou apanhar da mídia de qualquer maneira. A mídia tem sempre o que reclamar, mas eu vou falar como anda o Brasil nessa questão", afirmou Bolsonaro.

O G1 verificou os discursos na ONU de ex-presidentes do Brasil e em todos identificou trechos sobre soberania nacional, preservação da Floresta Amazônica ou adoção de medidas para combater as mudanças climáticas (leia mais abaixo).

Tradicionalmente, desde 1949, cabe ao Brasil fazer a abertura do debate geral na Assembleia Geral da ONU. Mas, segundo a Presidência, o primeiro presidente brasileiro a discursar no debate geral da Assembleia da ONU foi João Baptista Figueiredo, em 1982.

Bolsonaro será o oitavo a discursar, depois do próprio Figueiredo e de José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer. Desde Figueiredo, o único que não compareceu foi Itamar Franco.

Leia a reportagem na íntegra aqui: Bolsonaro vai à ONU para falar de Amazônia e soberania ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2019

Relator de antiga CPI da Toga: Comissão quebrou tabu

Relator de CPI que investigou Judiciário há 20 anos diz que comissão "quebrou tabu".

Fonte: Jornal da Cidade On Line/Foto Pedro Ladeira Folha Press

Folha de S. Paulo - Painel
Por Daniela Lima

 

Vinte anos antes da briga em torno da CPI da Lava Toga, outra comissão para investigar o Judiciário foi combatida com o argumento de que geraria crise entre os Poderes e instabilidade para a economia. A CPI do Judiciário foi criada por insistência do senador Antônio Carlos Magalhães (1927-2007) e seu impacto foi bem menos desestabilizador do que se temia.

O principal efeito da comissão foi contribuir para a criação do Conselho Nacional de Justiça. Outras recomendações, como dar poderes às CPIs de decretar indisponibilidade de bens e estabelecer quarentena de três anos para que ex-juízes possam advogar, nunca vingaram.

A CPI consumiu parte de sua energia com casos pontuais, como o escândalo do TRT de SP, do ex-juiz Nicolau dos Santos Neto. Mas seu relator, o ex-senador Paulo Souto (DEM-BA), diz que ela foi importante para quebrar um tabu. “O Judiciário era muito hermético. Havia uma noção na época de que seus problemas tinham de ser resolvidos internamente”, afirma Souto, hoje secretário da Fazenda de Salvador (BA).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2019

Mega acumulada pode pagar R$ 44 milhões

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 44 milhões no próximo sorteio. Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.190.

Ninguém acertou as seis dezenas Foto: Agência O Globo

O Globo
 

RIO -  Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2.190 da Mega-Sena realizado na noite deste sábado. O próximo sorteio pode pagar um prêmio de R$ 44 milhões. Os números divulgados pela Caixa Econômica (CEF) Federal foram: 05-09-20-25-35-53

A quina teve 94 apostas vencedoras; cada uma receberá R$ 29.098,66. Já a quadra teve 6.835 apostas ganhadoras; cada uma levará R$ 571,69.

O concurso anterior pagou um prêmio de R$ 120 milhões para um bolão de funcionários da liderança do PT na Câmara dos Deputados. Cada um vai receber R$ 2,4 milhões


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2019

Policia chega à casa de Flordelis para reconstituição de crime

Policiais da DH e perícia chegam à casa de Flordelis para reconstituição da morte de pastor. A deputada federal e os filhos estarão presentes na reprodução do crime.

Movimentação na casa de Flordelis para a reconstituição do crime Foto: Domingos Peixoto/O Globo

O Globo - Por Patricia de Paula

 

Movimentação na casa de Flordelis para a reconstituição do crime Foto: Domingos Peixoto/O Globo

Por volta das 21h40 deste sábado,  quatro viaturas da Delegacia de Homicídios e uma da pericia chegaram à casa da deputada federal Flordelis dos Santos de Souza (PSD), em Pendotiba, Niterói, para a reconstituição da morte do pastor Anderson do Carmo.   De acordo com o advogado de Flordelis, Fabiano Migueis, a parlamentar já aguardava os policiais.

- Ela está tranquila, mas muito triste. Relembrar a cena deixa ela muito mal - disse Migueis.

Todos que estavam na casa na hora do crime vão participar da reprodução simulada. Incluindo os dois filhos de Flordelis que são réus pela morte do pastor, Lucas Cézar dos Santos e Flávio dos Santos Rodrigues. Segundo Anderson Rollemberg, advogado de Flávio,  ele estará presente, mas não participará da reconstituição. Assim como Lucas.

- Fui hoje às 18h na DH e conversei com Lucas, mas ele disse que não ia participar. Nao sei por que mudou de ideia - disse Valter Moura, advogado de Lucas.

As perguntas que a polícia quer responder na reconstituição da morte do marido de Flordelis

1. Quantas pessoas atiraram na vítima?

Flávio confessou, em depoimento à DH, que atirou seis vezes no pastor, que era seu padrasto. Laudo do Instituto Médico Legal (IML), no entanto, atestou que Anderson tinha mais de 30 perfurações pelo corpo. A polícia quer saber se outras pessoas atiraram na vítima.

2 - Havia outras pessoas na cena do crime?

Em depoimento, Daniel dos Santos de Souza, filho de Flordelis e Anderson, afirmou ter visto o vulto de três pessoas na garagem da casa, local onde o pastor foi morto. A DH ainda tem dúvidas se havia outras pessoas na cena do crime.

3 - Quantas armas foram usadas no assassinato?

A DH já sabe que a pistola apreendida em um armário no quarto de Flávio foi usada no crime. Laudo de confronto balístico confirmou essa informação. Os policiais querem saber se outra arma foi utilizada.

4 - Houve omissão no socorro ao pastor?

Ramon, um dos netos de Flordelis, se negou a prestar os procedimentos de primeiros socorros após o pastor ter sido baleado. Em depoimento, ele disse que Anderson já estava morto. No entanto, o relato de uma das filhas da deputada, Gabriela, contradiz Ramon. Ela diz que logo depois de o pastor ter sido atingido pelos disparos, verificou antes da ligação feita ao Corpo de Bombeiros, que a vítima ainda estava viva


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2019

Bolsonaro convida indígena para viagem à ONU

Bolsonaro convida representante indígena para viagem à ONU. Apoiadora do presidente, Ysani Kalapalo minimiza gravidade de queimadas na Amazônia.

Foto: Verdade Política

Folha de S. Paulo  - Marina Dias e Bruno Boghossian

 

O presidente Jair Bolsonaro decidiu convidar uma representante indígena para compor a comitiva que o acompanhará em Nova York para a abertura da Assembleia Geral da ONU, na terça-feira (24).

Ysani Kalapalo, moradora de aldeia no Parque Indígena do Xingu, é pró-Bolsonaro e defende o discurso do governo de que há notícias falsas sobre a abrangência do desmatamento e queimada na Amazônia. Ainda não se sabe se ela aceitará o convite.

Em meio à crise da floresta —com repercussão internacional— o presidente faz um movimento alegórico para tentar refutar a ideia de que conduz uma política negligente em relação ao meio ambiente, prejudicando a floresta e a população da região, inclusive indígenas.

Durante a cúpula da ONU, uma das principais organizações multilaterais do mundo, líderes, empresários e investidores estarão com olhos voltados para a maneira como o Brasil conduz a crise, agravada com o aumento de queimadas e desmatamento da floresta.

O governo Bolsonaro minimiza o tamanho dos incêndios, afirma que eles estão na média dos últimos 20 anos, e insiste no discurso de que o desenvolvimento sustentável não exclui as atividades econômicas que poderiam, na avaliação do Planalto, ajudar a população local.

Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), porém, mostram que o desmatamento na Amazônia aumentou 222% em agosto deste ano em comparação com o mesmo período em 2018. Os índices são corroborados pela Nasa, a agência espacial americana.

Bolsonaro tem tomado diversas medidas de flexibilização e afrouxamento de mecanismos de fiscalização ambiental.

Convidar uma indígena para integrar a comitiva presidencial aos EUA é mais um movimento do governo para tentar acalmar os ânimos fora do país.

Nesta semana, por exemplo, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, viajou a Washington para reunião com com investidores e entrevistas a veículos da imprensa estrangeira.

Sua mensagem foi a de que é possível desenvolver a região de maneira sustentável com atividade econômica.

O ministro minimizou ainda as notícias de que fundos de investimento têm cobrado ações do governo brasileiro sobre a preservação da floresta e disse que vários outros deles apoiam Bolsonaro.

Como mostrou a Folha, 230 fundos de investimento —que juntos administram cerca de US$ 16 trilhões (R$ 65 trilhões)—pediram ao Brasil que adote medidas eficazes para proteger a região da floresta.

As queimadas têm atrasado ainda mais a aposta dos donos do dinheiro no país.

Analistas afirmam que, nas últimas semanas, dúvidas sobre as queimadas e o desmatamento na floresta -—com repercussão internacional— estavam presentes em pelo menos 70% das conversas com investidores nos EUA e na Europa.

Além da índia e de Salles, que segue para Nova York no sábado (21), estarão na comitiva do presidente seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o chanceler Ernesto Araújo, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o presidente da comissão de Relações Exteriores do Senado, Nelsinho Trad (PSD-MS), o assessor para assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins, o porta-voz e o chefe da Secretaria de Comunicação do Planalto.

Bolsonaro chega aos EUA na segunda-feira (23), um dia antes de seu discurso de abertura da Assembleia Geral.

Ainda em recuperação da cirurgia que corrigiu uma hérnia decorrente da facada que levou no ano passado, o presidente terá uma agenda reduzida e deve acompanhar a primeira-dama, Michelle, em um compromisso ligado à área social. Ele deve se encontrar com Donald Trump para jantar enquanto estiver em Nova York, até quarta-feira (25)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/09


2019

Jovens propõem ações que combatam mudanças do clima

Jovens ativistas querem espaço político para discutir ações que combatam mudanças climáticas. Manifestantes se encontraram com líderes na sede da ONU.

 Foto: STEPHANIE KEITH / AFP

O Globo - Por Laurie Goering, da Reuters

Jovens ativistas da mudança climática exigiram um papel maior na tomada de decisões ao se encontrarem com líderes na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, neste sábado. Eles alegam que sua crescente voz nas ruas ainda não lhes deu um lugar na mesa da política.

— As decisões sobre o nosso futuro ainda estão sendo tomadas em grande parte sem nós — disse Marina Melanidis, uma delegada canadense no encontro, realizado antes da cúpula da ONU, que ocorrerá na segunda-feira. O objetivo da reunião entre lideranças mundiais é acelerar as ações para combater o aquecimento global. — Os jovens merecem co-projetar seus próprios futuros, e honestamente, você não pode fazer isso sem a gente — disse ela a autoridades das Nações Unidas.

A ex-presidente chilena Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, concordou que os jovens deveriam ter mais influência sobre as políticas que os afetarão, particularmente no que diz respeito às mudanças climáticas.

— Precisamos de jovens representados nos locais onde as decisões são tomadas, em vez de simplesmente protestar fora desse sistema — disse ela.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, reconheceu o papel principal dos jovens nos protestos de rua que pressionaram a urgência de conter o aquecimento global da agenda política. Mais de 4 milhões de pessoas marcharam na sexta-feira em uma série de manifestações em todo o mundo para exigir que os governos façam mais para conter as temperaturas mais altas e ajudar aqueles que sofrem com a piora do clima e do mar.

Diante da pressão, os governos estão começando a responder, e em grande parte essa mudança de postura é devido às demandas dos jovens, disse Guterres a cerca de mil ativistas climáticos de mais de 120 países que estiveram na cúpula neste sábado. 

— As mudanças climáticas estão correndo mais rápido do que nós — alertou sobre estar perdendo a corrida contra o aquecimento global. 

A adolescente sueca Greta Thunberg, uma figura proeminente do movimento juvenil, o descreveu o encontro deste sábado como “imparável”. Outros participantes falaram sobre os esforços que estão levando a reduzir as emissões ou reduzir os impactos climáticos. Isso inclui aplicativos para ajudar os agricultores africanos a se adaptarem às mudanças climáticas; campanhas para proibir o plástico, para ensinar os alunos sobre mudanças climáticas ou capturar dióxido de carbono do ar.

Perguntas difíceis 

Uma ativista desafiou o diretor ambiental da Microsoft, que estava em um painel julgando as apresentações dos jovens na cúpula, sobre os contratos da gigante de tecnologia com empresas de combustíveis fósseis.

— Você se importa mais com o lucro do que com a gente? — questionou ela, aplaudida pelos colegas. O funcionário respondeu que "todo o setor de tecnologia" estava lidando com este tipo de situação.

Outros ativistas disseram estar preparados para tomar ações pessoais fortes, como prometer não ter filhos até que seus governos ajam sobre as mudanças climáticas.

Emmanuel Mobijo, 24, do Sudão do Sul, que trabalha com inovação tecnológica e construção da paz, bem como com a ação climática em seu país devastado por conflitos, disse que as chuvas estão rapidamente se tornando mais escassas no país, o que é um problema, já que muitas famílias ainda dependem da agricultura.

Pita Taufatofua, um atleta olímpico de Tonga que vive na Austrália, caiu em prantos descrevendo como sua terra natal na ilha do Pacífico viu metade de seus edifícios destruídos por um poderoso ciclone enquanto ele competia no esqui nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, na Coreia do Sul.

— Se 50% de Nova York desaparecesse, as pessoas agiriam — disse ele. — Metade do meu país foi arrasado em uma noite e as pessoas ainda não agiram


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/09


2019

Lula: defesa quer divulgar áudios interceptados por Moro

Advogados de Lula querem divulgar áudios para provar que foram interceptados por Moro. Eles enviaram uma carta ao professor Matthew Stephenson, da Faculdade de Direito de Harvard.

Lula em entrevista na sede da Polícia Federal em Curitiba (Foto: Felipe L. Gonçalves/ Brasil247)

Folha de S. Paulo - Por Mônica Bergamo

 

O manifesto de 17 juristas do mundo acusando o ministro Sergio Moro, da Justiça, e a força-tarefa da Lava Jato de promoverem um julgamento injusto de Lula gerou réplica dos procuradores –e agora uma tréplica dos advogados do petista.


Numa carta enviada ao professor Matthew Stephenson, da Faculdade de Direito de Harvard, que está publicando a polêmica em seu blog, eles dizem que se dispõem a divulgar áudios "numa conferência internacional" para provar que foram interceptados ilegalmente por ordem de Moro– o que o juiz nega.

Entre elas estariam conversas de Lula com o advogado Cristiano Zanin, por exemplo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha