Prefeitura do cabo

16/08


2019

Muita gente crescendo no posto. Como rabo de cavalo

Apesar de o presidente ter dito na manhã desta quinta (15) que o secretário especial da Receita, Marcos Cintra, “por enquanto está muito bem”, cresceu no órgão e na equipe econômica a percepção de que haverá mudanças no fisco –e de que ela será ampla.

O Planalto já teria deixado claro que há insatisfação com o secretário-adjunto da Receita, João Paulo Fachada, e com o superintendente do órgão no Rio –a queda dele é dada como certa.

A situação de Fachada é ainda mais instável do que a de Cintra, que não vive bom momento.  (Daniela Lima – FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE

16/08


2019

Na berlinda discussão sobre o novo embaixador

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi aconselhado a liquidar a análise da indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada em Washington na próxima semana, quando ela deve chegar à Casa.

Há um grupo, porém, que quer esperar sinais do Planalto sobre o abuso de autoridade.

O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), é pressionado a pautar projeto que enquadra como nepotismo a indicação de parentes do presidente para embaixadas ou ministérios. Ele tem pedido calma. (Folha)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detran

16/08


2019

As armas: ala de ordem é derrubar a ordem do Planalto

A ala do PSL que prega concessões em nome da governabilidade trata a que pega em armas por Sergio Moro (Justiça) e pela Lava Jato como “ingênua”.

Caso Bolsonaro vete mais do que o trecho relativo à atividade de policiais, presidentes de siglas de centro e centro-direita articulam resposta imediata.

A ideia é derrubar a ordem do Planalto no mesmo dia –e por inteiro.   (Painel - FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

16/08


2019

Governo quer neutralizar Coaf e desmantelar Receita

Helena Chagas

Ainda não está claro para a maioria da opinião pública, mas os movimentos que Jair Bolsonaro está fazendo para, supostamente, “blindar” dois importantes órgãos da administração federal – a Receita e o Coaf – têm, na verdade, o objetivo de neutralizá-los. Ou seja, enquanto seus mecanismos funcionaram para investigar o PT e outros, estava tudo bem. Agora a brincadeira acabou.

Além de passar o Coaf para o Banco Central, operação com o claro objetivo de destituir seu atual presidente, o governo quer esquartejar a Receita, transformando parte dela numa autarquia. A narrativa oficial alega que a intenção seria despolitizar o órgão, como se a tal politização apontada pelo Planalto viesse de funcionários e auditores de carreira.

Ao que parece, trata-se exatamente do contrário. Transformada em autarquia é que a Receita ficará sujeita a indicações de chefes e diretores de fora de seus quadros. Parece o contrário do que se está fazendo com o Coaf com sua transferência para o Banco Central. Mas não é. Nesse caso específico, a mudança tem o objetivo de afastar seu atual presidente sem maiores exposições para Bolsonaro e os ministros Sergio Moro e Paulo Guedes. Para quê?

Leia artigo na íntegra clicando ao lado:  Governo quer neutralizar Coaf e desmantelar Receita


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/08


2019

Humilhação de graça

Perdeu força a possibilidade de Raquel Dodge ser reconduzida à chefia da PGR. Ela conta padrinhos fortes: os presidentes do STF, Câmara e Senado _respectivamente Dias Toffolli, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

Dodge procurou criar pontes com a primeira-dama, Michele Bolsanaro. Humilhou-se na percepção de colegas da PGR. Caiu muito a chance de recondução de Dodge por tomado medidas contra Eduardo Bolsonaro.

Hoje, o subprocurador-geral da República, Augusto Aras, é o favorito. Mas Mario Bonságlia, vencedor da lista tríplice da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores do Brasil), teve boa conversa recente com Bolsonaro.

Um ministro brinca que Bolsonaro se reuniu cerca de 10 vezes com Aras, mas pode tirar um nome do bolso do colete. Aras já teve boas relações com o PT. E isso o desgastou apesar das promessas de jogo leal entre PGR e o Palácio do Planaltro.

Mas Bolsonaro pode surpreender. Ele é assim. Já disse que não vai mudar. E adorar qualificar informações de qualidade como se fossem fake news.  (Kennedy Alencar)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

16/08


2019

Bolsonaro recusou pedido de Moro para Dallagnol na PGR

Presidente não confia no coordenador da Lava Jato

Blog do Kennedy

O presidente Bolsonaro recusou pedido do ministro Sergio Moro (Justiça) para indicar Dallagnol para procurador-geral da Repúbilca a fim de substituir Raquel Dogde. Após esse bastidor contando com exclusividade no “Jornal da CBN – 2ª Edição, continuei a apuração.

O pedido foi anterior às revelações da “Vaza Jata”, que mostraram a corrupção do sistema judiciário e o modus operandi ilegal das ações de Dallagnol e Moro na força-tarefa da Lava Jato. Ambos comportaram-se como justiceiros e extrapolaram os seus poderes funcionais. Isso está mais do que provado com uma série de reportagens de veículos sérios da imprensa brasileira e jornalistas profissionais que compartiharam o arquivo do “The Intercept Brasil”. Houve uma corrupção do sistema judiciário.

No começo da Vaza Jato, de junho para cá, Moro voltou à carga. Insistiu em Deltan Dallagnol e ouviu um não. Bolsonaro teme, segundo auxiliares, ser vítima de inquérito e denúncia proposto por Dallagnol para tirá-lo do jogo eleitoral de 2002. Apurei essa informação em face de pergunta da jornalista Évelin Argenta. O poder dupla Moro-Dallagnol assustou Bolsonaro e aliados próximos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

15/08


2019

“PCdoB não dá espaço para negro e pobre”, diz vereador

O vereador de Olinda Márcio Barbosa, expulso do PCdoB hoje, abriu o verbo contra seu antigo partido. O parlamentar procurou o portal Observatório de Olinda e soltou: “A cúpula do PCdoB não gosta de negro, nem de pobre. Apesar de ter sido o mais votado de Olinda e do partido, em eleições passadas, nunca tive espaço. Tudo era para “os queridinhos” deles. Fui perseguido a vida toda”, afirmou.

Barbosa acrescentou que, em 2016, o partido apresentou prestações de contas fraudadas com o objetivo de lhe prejudicar para que perdesse o mandato. “Mas não conseguiram. Venci no TRE aqui e depois em Brasília. Eles nunca aceitaram que um negro, ex-camelô, vendedor de capa de celular, fosse a estrela mais brilhante do partido em Olinda. Eu era a “ovelha negra” da família. Não tinha direito a nada. Em 16 anos, Luciana e Renildo nunca calçaram uma rua da minha comunidade”, disparou.

Sobre o processo de expulsão, Márcio Barbosa revelou que o diretório municipal seguiu à risca a “linha stalinista” – com julgamento parcial, sem direito a qualquer tipo de defesa, ao mais autêntico estilo soviético.

“Foi uma expulsão sumária apenas com o objetivo de me tornar inelegível. Eles querem tomar o meu mandato. Não me perdoam porque acabou a tetinha da prefeitura e perderam também a Câmara, onde eles mandaram por 14 anos. Não posso ser considerado ‘infiel’ porque na eleição da Mesa Diretora votei em mim mesmo para o cargo de vice-presidente”, criticou.

O vereador revelou ainda que o discurso a favor do proletariado, do negro e das minorias é só balela. “O PCdoB é uma grande mentira. Eles não gostam de povo. Do negro e do pobre eles só querem os votos. Eu mesmo só tinha valor na época de eleição, para transferir meus votos para os candidatos a deputado do partido. Esta é a verdade. Eles querem me destruir, mas não vão conseguir. Deus é maior. Eu sou um negão abençoado”, finalizou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/08


2019

Meu editorial no Frente a Frente – 15/08/2019

Se você perdeu o Frente a Frente de hoje, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, tendo como cabeça de rede a Rádio Folha 96,7 FM, no Recife, escute agora o meu editorial.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/08


2019

Votação da reforma da Previdência no Senado é adiada

A previsão de votação em segundo turno da reforma da previdência no Senado foi adiada em uma semana. A data inicial divulgada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa era 2 de outubro. Hoje, o colegiado anunciou um novo calendário com a votação prevista para 10 de outubro.

O adiamento foi feito após pressão da oposição para que o prazo regimental fosse cumprido, desconsiderando segundas e sextas-feiras para a realização das discussões em plenário.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), chegou a dizer que a promulgação da matéria poderia acontecer entre os dias 8 e 10 de outubro. “A oposição nunca concordou com um calendário que subvertesse os prazos regimentais”, disse o líder da oposição, senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP).

Segundo ele, pelo regimento, só seria possível a realização de discussões às segundas e sextas-feiras, contabilizadas para a votação de uma emenda constitucional, se todos os líderes concordassem, o que não aconteceu.

O novo calendário programa a votação em primeiro turno para o dia 24 de setembro e, em segundo turno, no dia 10 de outubro. A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), disse que o relator da matéria, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), entregará o relatório na próxima sexta-feira (23), para que o texto possa sofrer alterações até o dia de sua leitura, em 28 de agosto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/08


2019

Aprovada emenda que assegura recursos para educação

A Comissão de Orçamento do Congresso Nacional aprovou emenda do deputado federal Danilo Cabral (PSB) à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2020) que proíbe o governo federal de cortar o orçamento do Ministério da Educação. Pelo texto, os recursos destinados ao MEC no próximo ano não poderão ser inferiores ao valor pago em 2019, corrigido pela inflação. “A educação, como sempre pregamos em nosso mandato, deve ser uma área prioritária, por isso, queremos preservar o orçamento do setor”, explica o parlamentar.

Neste ano, o governo Jair Bolsonaro já contingenciou R$ 6,1 bilhões do Ministério da Educação de um orçamento inicial de R$ 25 bilhões. Esses cortes, a partir de uma análise dos dados disponíveis no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (SIOPE), afetaram todas as áreas, do ensino básico ao superior, com descontinuidade de ações importantes, como a interrupção de pesquisas.

“Apesar da tentativa retórica de amenizar a gravidade desses cortes, as condições impostas pelo bloqueio do orçamento, em especial no caso das universidades e institutos federais, que dependem basicamente do orçamento da União, ameaça diretamente o funcionamento das instituições”, explica Danilo Cabral.

A LDO norteia o orçamento do governo federal para 2020 e é o primeiro passo para a definição de onde serão gastos os recursos, que será estabelecido na elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA). A matéria aguarda para ser votada pelos parlamentares em uma sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado. Em seguida, irá para sanção presidencial.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/08


2019

“Sei nem quem é esse”, diz Bolsonaro sobre Frota

Questionado, hoje, sobre a expulsão do deputado Alexandre Frota (SP) do PSL, o presidente Jair Bolsonaro disse que não conhece o parlamentar. "Sei nem quem é esse", declarou o presidente.

Bolsonaro, que também é filiado ao PSL, conversou com a imprensa nesta manhã, na portaria do Palácio da Alvorada, antes de seguir para a agenda do dia no Palácio do Planalto.

Na última terça-feira, o PSL decidiu, por unanimidade, expulsar o deputado Alexandre Frota. A expulsão não acarretará na perda do mandato de Frota, que poderá permanecer como deputado em outra sigla. Ele já tem convites de filiação a outros partidos.

O pedido de expulsão de Frota partiu da deputada Carla Zambelli (PSL-SP). Segundo a parlamentar, a situação de Frota no partido era "insustentável".

Nos últimos dias, Frota passou a criticar publicamente o governo e o presidente, e chegou a declarar que estava decepcionado com Bolsonaro e com a falta de articulação do presidente com os parlamentares.

Em mais de uma ocasião, o parlamentar criticou, por exemplo, a iminente nomeação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

Um dos principais articuladores do PSL na votação da reforma da Previdência na Câmara, Alexandre Frota decidiu se abster na análise da proposta em segundo turno, contrariando a orientação do partido, depois de ter sido retirado da vice-liderança do partido na Câmara e do comando de três diretórios municipais a pedido de Bolsonaro.

Frota foi eleito para o primeiro mandato de parlamentar com 155 mil votos, sendo o 16º candidato mais bem votado do estado de São Paulo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/08


2019

Marília pede urgência em PL para crianças com Microcefalia

Depois de protocolar na Câmara dos Deputados, no começo do mês de agosto, o Projeto de Lei número 4361, que tem o objetivo de garantir o pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) às famílias de crianças com Microcefalia, a deputada federal Marília Arraes (PT-PE) protocolou, ontem, um requerimento de urgência para apreciação do PL de sua autoria. O documento foi assinado por diversos parlamentares que viabilizaram a solicitação do caráter de urgência.

O BPC é um auxílio concedido pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), mas tinha um prazo limite de três anos de concessão. O pedido de urgência é extremamente importante diante da gravidade de um tema tão sensível e que modificou a vida de centenas de famílias pernambucanas.

O objetivo da deputada petista é acabar com o prazo de três anos estabelecido para o pagamento e torná-lo vitalício. “É preciso mostrar para a sociedade a importância desse auxílio. O Estado não promove nenhum tipo de política pública voltada para essas crianças e suas famílias”, ressaltou a vice-líder do PT na Câmara dos Deputados.  

De acordo com Germana Soares, que coordena a União de Mães de Anjos (UMA), ONG que apoia famílias de crianças com Microcefalia, cerca de 22 famílias tiveram o auxílio cortado, no meio do ano, sem nenhum tipo de aviso prévio. “Esse benefício garante a sobrevivência das famílias. Se não temos medicamentos gratuitos ou alimentação gratuita, temos que tirar tudo desse dinheiro. Cerca de 92% das mães dessas crianças tiveram que deixar de trabalhar para ajudá-las. Sem esse auxílio não dá para sobreviver”, desabafa Germana, mãe de Guilherme Soares, de 3 anos e 9 meses. 

Com a UMA, diversas mães começaram a reivindicar pautas que beneficiassem seus filhos, por isso é tão importante incentivar e divulgar políticas sociais que contemplem benefícios que possam ajudar pessoas que precisam. As famílias de crianças com Microcefalia também podem procurar a Anis- Instituto de Bioética, que pesquisa e dá suporte para as associações nos Estados sobre a questão da Zika, desde o início da epidemia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores