FMO janeiro 2020

15/02


2020

Sarampo: campanha de vacinação tem Dia D neste sábado

Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por TV Globo

Campanha nacional de vacinação contra o sarampo tem Dia D neste sábado (15). Em 2020, já foram confirmados 337 casos da doença no país; 67% dos casos estão no Sudeste: São Paulo e Rio. O sarampo é uma doença grave e altamente contagiosa.

Hoje é o dia D de vacinação contra o sarampo em todo o Brasil.

A vacina é o único meio de impedir o contágio do sarampo. Segundo o Ministério da Saúde, quem tem entre seis meses e 59 anos deve ser vacinado contra a doença.

Mas o público-alvo do Dia D neste sábado são 3 milhões de crianças e jovens, com idades entre cinco e 19 anos.

O Ministério da Saúde enviou 3,9 milhões doses de vacina contra o sarampo para todo o país, 9% a mais do que foi pedido pelos estados. Essas doses vão servir para interromper a transmissão do vírus e também para a vacinação de rotina e uma dose extra chamada dose zero: para bebês de seis meses a 11 meses e 29 dias de idade.

Quem tem de um a 29 anos, deve tomar duas doses. Entre 30 a 59 anos, apenas uma dose. Quem não se lembra de ter sido vacinado, deve comparecer ao posto de saúde com a carteira de vacinação.

Foi o que fez a guia de turismo Luciana da Silva Santos, de 46 anos: “eu estava na dúvida se eu tinha sido imunizada ou não, aí eu achei melhor tomar”.

“Se não tiver a caderneta, não tem problema. Receberá uma vacina como se não tivesse sido vacinado e isso não traz prejuízo à saúde”, explicou Patrícia Guttmann, superintendente de Vigilância em Saúde do Rio.

Segundo os médicos, a vacina é contraindicada para gestantes, pessoas com imunodeficiência e para quem estiver com febre. Mas quem acabou de dar à luz ou está amamentando deve se vacinar.

Em 2020, já foram confirmados 337 casos da doença no país; 67% dos casos estão no Sudeste: São Paulo e Rio. O sarampo é uma doença grave e altamente contagiosa.

“Uma pessoa pode transmitir entre 12 a 20 novos casos. Então, é uma das doenças, comparado com gripe, cerca de dez vezes mais”, avaliou André Siqueira, infectologista da Fiocruz.

Os principais sintomas são febre, tosse, irritação nos olhos, secreção no nariz e manchas vermelhas pelo corpo. Se houver complicações, pode levar à morte.

Foi o que aconteceu com o pequeno Davi Gabriel, de oito meses, no Rio. Ele morreu no dia 6 de janeiro, mas a causa só foi confirmada agora. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o bebê não tomou a dose porque ainda não tinha seis meses na época em que aconteceu a vacinação no abrigo onde vivia. É a primeira morte no estado em 23 anos.

“Não podemos aceitar nenhuma morte por uma doença imunoprevinível. Eu espero que essa criança, que infelizmente perdeu a sua vida, sirva de exemplo para os demais pais para que não ocorra a mesma coisa com os seus filhos. Eu tenho certeza que as famílias, com pais e responsáveis, vão amanhã, no Dia D, levar as suas crianças para se vacinar”, afirma Wanderson Kleber de Oliveira, secretário Nacional de Vigilância em Saúde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

IPTU Cabo

15/02


2020

Jornalistas foram detidos enquanto procuravam testemunha

Caso capitão Adriano

Foto: Adriano da Nóbrega/via Estadão

Do Estadão Conteúdo

O repórter Hugo Marques e o fotógrafo Cristiano Mariz, da revista Veja, foram detidos por policiais na manhã de ontem, em Pojuca (BA), litoral norte baiano. Segundo a revista, eles tentavam achar a casa de Leandro Guimarães, pecuarista e dono da fazenda onde Adriano da Nóbrega se escondia, quando foram abordados por policiais militares que chegaram em dois carros. Mesmo tendo se identificado e apresentado suas credenciais, foram obrigados, sob a mira de armas, a saltar do carro onde estavam.

Os agentes ordenaram que levantassem as mãos e abrissem as pernas, para serem revistados. Os PMs queriam saber como a equipe descobrira o endereço. Após a revista, os policiais apreenderam um gravador com entrevistas gravadas e ordenaram que os jornalistas os seguissem até a delegacia policial da cidade.

Eles foram interrogados por policiais civis. Depois de 20 minutos, o gravador foi devolvido, e os profissionais, liberados. Um policial explicou que a detenção foi por motivo de segurança: a equipe estava perto da casa de uma testemunha do caso Adriano. O jornal O Estado de S. Paulo visitou o local onde a equipe da Veja foi detida, pouco após a detenção.

Em nota, a direção da revista "lamenta a postura autoritária da Polícia Militar da Bahia". "Os dois profissionais de VEJA estavam apurando informações relacionadas ao caso da morte do ex-capitão Adriano da Nóbrega quando foram detidos por dois agentes e levados na sequência ao distrito policial de Pojuca, de onde acabaram sendo liberados após vinte minutos. A direção da Editora Abril estuda as medidas cabíveis contra essa atitude de tentar constranger e limitar o trabalho da livre imprensa. A direção da redação de VEJA, por sua vez, como sempre fez ao longo de seus mais de cinquenta anos de história, não vai se intimidar com ameaças e medidas arbitrárias - e seguirá firme no seu compromisso de busca da verdade, doa a quem doer."

A Secretaria da Segurança Pública informou que moradores de uma localidade em Pojuca "ligaram para polícia informando que homens, dentro de um carro, Gol, placa de Belo Horizonte, estavam rondando a região. A PM foi acionada, abordou o grupo e fez a condução até a Delegacia Territorial. Após se identificarem como jornalistas, foram liberados. Nenhum equipamento foi danificado, alterado ou ficou apreendido".

Em nota, a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiaram a ação abusiva da PM da Bahia e classificaram a ação de "iniciativa arbitrária" e "um claro atentado contra a liberdade de imprensa".

"A abordagem inicial aos dois jornalistas, quando duas viaturas da PM cercaram Marques e Mariz, a detenção dos profissionais por cerca de 20 minutos e, ainda, a apreensão temporária de um gravador com várias entrevistas são atitudes injustificáveis. Os fatos são ainda mais alarmantes porque ocorreram após os repórteres terem se identificado e mostrado suas credenciais de imprensa", denunciaram.

As associações afirmaram ainda que aguardam que as autoridades apurem os fatos com rigor.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE - Decimo Terceiro

15/02


2020

Ex-PM Adriano foi baleado a pelo menos 1,5m

Foto: Arquivo Pessoal

Da ISTOÉ

Por Fernanda Santana, Caio Sartori, especial para AE

O miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega foi morto por dois tiros de fuzil, disparados a, no mínimo, um metro e meio de distância, e chegou ao Instituto Médico-Legal de Alagoinhas, a pouco mais de 135 quilômetros de distância de Salvador, com os dois pulmões destruídos e o coração dilacerado. Os detalhes foram divulgados na tarde da quinta-feira (13), na sede do Departamento de Polícia Técnica (DPT), em Salvador.

Pela primeira vez depois da morte de Adriano, o responsável pela autópsia do corpo, Alexandre Silva, perito médico legista, deu detalhes sobre o estado do miliciano. A entrevista coletiva reuniu, também, o diretor do IML, Mário Câmara, e Elson Jefferson Neves da Silva, diretor geral do DPT-BA.

"Eram dois disparos de arma de fogo", explicou Silva. "Teve um primeiro, que passou por baixo do peito, saiu rasgando o pescoço, e entrou na submandibular. Eu encontrei o projétil na região do pescoço. O segundo foi na região da clavícula. Esse aqui entrou e saiu nas escápulas. Essas foram as lesões provocadas por armas de fogo."

Confira a íntegra da reportagem aqui: Miliciano foi baleado a pelo menos 1,5m


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

acolher

15/02


2020

Ministra da Agricultura diz que UE faz campanha contra o Brasil

Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Por Deutsche Welle

Tereza Cristina disse que União Europeia quer evitar expansão do agronegócio brasileiro. No auge da crise na Amazônia, bloco europeu criticou aumento do desmatamento na Amazônia e ameaçou suspender acordo com Mercosul.A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, acusou ontem a União Europeia (UE) de fazer uma "campanha clara" contra o Brasil devido ao potencial de expansão dos produtos agropecuários brasileiros nos mercados globais.

"Eles estão nos olhando com lupa, mas é protecionismo. Temos que ter todo o cuidado para que eles não achem motivo para punir o Brasil", disse a ministra em Brasília, durante um evento que reuniu exportadores. "Existe uma campanha clara contra o Brasil por causa do nosso tamanho e das nossas possibilidades de expandir", acrescentou.

A declaração foi feita em relação às críticas que país recebeu de muitos governos e empresas europeias no ano passado devido ao aumento dos incêndios na Amazônia. O recente aumento no desmatamento da região foi atribuído por ambientalistas às políticas do governo de Jair Bolsonaro, que cortou recursos para proteção do meio ambiente e pretende autorizar a exploração econômica de terras indígenas.

A recente aceleração da devastação fez com que os governos de Alemanha e Noruega suspendessem repasses de verba ao Brasil para financiar projetos de desenvolvimento sustentável.

Devido ao desmatamento e às queimadas na região, Bolsonaro se tornou alvo de pesadas críticas de políticos europeus, que ameaçaram suspender o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia. Alguns políticos alemães chegaram a pedir sanções ao Brasil em razão da maneira como o governo Bolsonaro lida com o meio ambiente. A Finlândia propôs ainda a suspensão geral da importação de carne bovina brasileira.

Durante o evento, a ministra disse que o Brasil era a "maior potência agroambiental do mundo" e que uma das principais características do agronegócio era "a sustentabilidade".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/02


2020

PGR prorroga força-tarefa Amazônia por mais um ano

A Procuradoria-Geral da República decidiu prorrogar por mais um ano os trabalhos da força-tarefa Amazônia, segundo portaria publicada ontem.

Foto: Reuters

Do Terra - Por Reuters

A portaria também prorroga pelo mesmo período a designação da procuradora da República Ana Carolina Haliuc Bragança (coordenadora) e do procurador da República Rafael da Silva Rocha (coordenador adjunto) como membros titulares da força-tarefa. O ato terá vigência a partir de 22 de fevereiro de 2020.

Segundo nota da PGR, a força-tarefa foi criada em agosto de 2018 para atuar no combate à macrocriminalidade na região Amazônica, à mineração ilegal, ao desmatamento, à grilagem de terras públicas, à violência agrária e ao tráfico de animais silvestres. Ela é formada por procuradores da República de todos os Estados da Amazônia Legal. 

O grupo atua para promover a troca de experiências e aperfeiçoar o trabalho do MPF no combate aos crimes na Amazônia, além de articular e aprimorar o diálogo do órgão com instituições como Ibama, Polícia Federal e Exército.

Desde a criação, segundo a PGR, a força-tarefa foi responsável por seis grandes operações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia, com pelo menos 30 pessoas e oito madeireiras denunciadas por crimes como invasão de terras indígenas, lavagem de dinheiro, organização criminosa, dano ambiental, entre outros. O grupo também atuou no enfrentamento dos incêndios registrados na floresta no ano passado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cúpula Hemisférica

15/02


2020

Bolsonaro: "Não estou preocupado com reeleição, com trabalho ela vem"

No interior do Pará para inaugurar trecho pavimentado de rodovia, presidente afirmou que um novo mandato "é algo natural".

Foto: Wilson Dias - Agência Brasil

Por Gregory Prudenciano, do Estadão

Em discurso na inauguração de um trecho pavimentado da BR-163 ontem, em Cachoeira da Serra (PA), o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que a reeleição não é fonte de preocupação para ele, afirmando que a recondução ao cargo é "algo natural" e advinda do trabalho.

"Não estou preocupado com reeleição. A reeleição é algo natural, se você trabalhar, ela vem. E não é com propaganda também. Fiz minha campanha com aproximadamente R$ 2 milhões que vieram através de vaquinha", disse Bolsonaro, que aproveitou para dizer que ele "não precisa do fundão", em referência ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) ou Fundo Eleitoral.

O presidente insistiu em que o fundão é uma demanda que vem do Congresso. "Quis o Parlamento assim. Paciência, vamos seguir o nosso destino", falou Bolsonaro.

Bolsonaro cumpre agenda em Cachoeira da Serra (PA), onde participa da inauguração da pavimentação dos últimos 51 quilômetros da BR-163, no trecho entre o município de Guarantã do Norte (MT) e o Marco Zero, divisa entre os dois Estados.

Mineração em terras indígenas

No discurso, Bolsonaro voltou a defender a mineração em terras indígenas, além do uso dessas terras para cultivo, arrendamento e até construção de hidrelétricas. "Nós queremos integrar. Não admitimos aqueles que querem que o índio permaneça como homem pré-histórico, preso em seu território", defendeu Bolsonaro.

"Apresentamos um projeto que não quer apenas dar direito a que se garimpe em terra indígena. Nós queremos que o índio tenha o mesmo direito que seu irmão ao lado, fazendeiro, tem, de garimpar, cultivar, arrendar sua terra, se for o caso construir PCH [Pequena Central Hidrelétrica], construir hidrelétricas. O índio é nosso irmão e estamos buscando integrá-lo à sociedade", disse o presidente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

15/02


2020

Coronavírus: 1700 profissionais de saúde contaminados na China

Presidente chinês prometeu fortalecer o sistema de saúde. A partir de agora, todos que chegarem a Pequim vão ter que se isolar por 14 dias.

Por TV Globo 

O governo chinês anunciou que o novo coronavírus contaminou mais de 1,7 mil profissionais de saúde que cuidavam dos doentes.

O novo coronavírus não dá margem para erro. Mas quem cuida dos outros também se descuida. O governo chinês sabe que o trabalho de médicos e enfermeiros é extremamente pesado. Eles não param; têm horas limitadas de descanso e pressão psicológica grande.

Quase 90% dos 1.716 profissionais de saúde infectados estão na província onde a doença surgiu. Em toda a China, seis desses trabalhadores morreram, incluindo o médico que tentou alertar sobre o perigo do novo coronavírus, em dezembro, mas foi reprimido pela polícia.

Os hospitais são ambientes de muito espirro, muita tosse, muita pressa, mas de pouca proteção. A China declarou que faltam equipamentos.

O presidente chinês assumiu ontem que “o novo coronavírus expôs fraquezas”. Xi Jinping prometeu fortalecer o sistema de saúde. A partir de agora, todo mundo que chegar a Pequim vai ter que se isolar por 14 dias. O governo disse que, quem se recusar, vai ser punido. Mas não deu mais detalhes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se comprometeu a identificar os gargalos na distribuição de kits médicos. Onde há pacientes, todo cuidado é pouco. A OMS declarou que o cruzeiro de bandeira britânica de quarentena no Japão é o único lugar fora da China onde a doença se espalha rapidamente.

No último balanço, a OMS contava mais 1.380 mortos, na China. O número total de infectados passa de 64 mil. Desses, quase 7 mil já foram curados.

É o caso de seis chineses de Xangai que deixaram a quarentena, mas fizeram questão de voltar para o hospital. Eles doaram o sangue para ajudar nas pesquisas contra o coronavírus.

Cientistas chineses descobriram no plasma sanguíneo anticorpos que poderiam gerar uma vacina e atacar onde o vírus se descuida.

Autoridades do Egito confirmaram, ontem, o primeiro caso do novo coronavírus no país. É, também, o primeiro de todo o continente africano.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

15/02


2020

Coronavírus: 1700 profissionais de saúde contaminados na China

Presidente chinês prometeu fortalecer o sistema de saúde. A partir de agora, todos que chegarem a Pequim vão ter que se isolar por 14 dias.

Por TV Globo 

O governo chinês anunciou que o novo coronavírus contaminou mais de 1,7 mil profissionais de saúde que cuidavam dos doentes.

O novo coronavírus não dá margem para erro. Mas quem cuida dos outros também se descuida. O governo chinês sabe que o trabalho de médicos e enfermeiros é extremamente pesado. Eles não param; têm horas limitadas de descanso e pressão psicológica grande.

Quase 90% dos 1.716 profissionais de saúde infectados estão na província onde a doença surgiu. Em toda a China, seis desses trabalhadores morreram, incluindo o médico que tentou alertar sobre o perigo do novo coronavírus, em dezembro, mas foi reprimido pela polícia.

Os hospitais são ambientes de muito espirro, muita tosse, muita pressa, mas de pouca proteção. A China declarou que faltam equipamentos.

O presidente chinês assumiu ontem que “o novo coronavírus expôs fraquezas”. Xi Jinping prometeu fortalecer o sistema de saúde. A partir de agora, todo mundo que chegar a Pequim vai ter que se isolar por 14 dias. O governo disse que, quem se recusar, vai ser punido. Mas não deu mais detalhes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se comprometeu a identificar os gargalos na distribuição de kits médicos. Onde há pacientes, todo cuidado é pouco. A OMS declarou que o cruzeiro de bandeira britânica de quarentena no Japão é o único lugar fora da China onde a doença se espalha rapidamente.

No último balanço, a OMS contava mais 1.380 mortos, na China. O número total de infectados passa de 64 mil. Desses, quase 7 mil já foram curados.

É o caso de seis chineses de Xangai que deixaram a quarentena, mas fizeram questão de voltar para o hospital. Eles doaram o sangue para ajudar nas pesquisas contra o coronavírus.

Cientistas chineses descobriram no plasma sanguíneo anticorpos que poderiam gerar uma vacina e atacar onde o vírus se descuida.

Autoridades do Egito confirmaram, ontem, o primeiro caso do novo coronavírus no país. É, também, o primeiro de todo o continente africano.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

14/02


2020

Chuvas voltam a provocar destruição em Minas

Segundo o governo do estado, há 115 ocorrências graves nas rodovias estaduais provocadas pela chuva. São trechos que precisam muros e aterros.

TV Globo - Por Jornal Nacional

A chuva voltou a provocar cenas assustadoras em Minas Gerais. A correnteza estava tão forte que levantou um carro no meio da rua, em Arcos, no Centro-Oeste mineiro. Não tinha ninguém no carro. Logo que amanheceu, os moradores conseguiram avaliar os estragos.

“Até hoje tem muita lama e a gente está ajeitando ainda. Mas o susto foi muito grande”, contou uma moradora.

Em Juiz de Fora, um barranco deslizou em cima de duas casas. Um homem morreu soterrado.

A chuva intensa tem provocado muitos estragos nas estradas que passam por Minas. No Sul de Minas, a BR-265 tem duas interdições: entre Boa Esperança e Ilicínea, e na altura da cidade de Lavras. A BR-116, uma das principais do país, está com trânsito em meia pista perto da cidade de Fervedouro, na Zona da Mata.

De acordo com o governo de Minas, há 115 ocorrências graves nas rodovias estaduais, provocadas pela chuva. São trechos que precisam de construção de muros e recuperação de aterros, bueiros e pontes, prejuízo de cerca de R$ 100 milhões.

A estrada entre Guimarânia e Cruzeiro da Fortaleza, no Alto Paranaíba, está interditada. A enxurrada levou o asfalto e abriu uma cratera de seis metros.

Numa estrada perto de Mariana, na região central do estado, há pelo menos cinco pontos de deslizamento num trecho de sete quilômetros.

A MG-133, na Zona da Mata, está interditada na altura da cidade de Tabuleiro. Uma cratera engoliu vários carros. Também na Zona da Mata, o deslizamento de terra levou um trecho do asfalto e interrompeu o acesso a Aracitaba.

O morador Euzébio revende queijo que vem da cidade. Sem conseguir receber a mercadoria, ele combinou com o fornecedor um encontro no meio do caminho.

“Ele pediu, se eu pudesse vir até aqui para dividir a viagem com ele. Assim nós fizemos”, contou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/02


2020

Preço da gasolina e do álcool alcança alta recorde

Valor do etanol é o mais alto registrado pela ANP desde o início da pesquisa, em 2001. Gasolina também tinha registrado preço recorde, mas houve recuo.

Preços dos combustíveis batem recorde com alta do dólar - Imagem: TV Globo

TV Globo - Por Jornal Nacional

Os brasileiros nunca pagaram tão caro pela gasolina e pelo álcool.

A reclamação é geral. Quem tem carro não tem como escapar.

“Está um absurdo, uma coisa que você olha e pensa: ‘Nossa, como a gente paga caro para uma coisa que a gente tem aqui no nosso país?’”, contou o motorista de aplicativo Igor da Cruz.

“Qual a sensação quando chega no posto? Que estou sendo assaltada, quase isso, porque está muito cara a gasolina”, disse a oficial de Justiça Vanda Nascimento.

O preço médio do etanol bateu recorde: é o mais alto registrado pela Agência Nacional do Petróleo desde o início da pesquisa, em 2001. Três semanas atrás, a gasolina também tinha registrado preço recorde, mas houve um pequeno recuo. De qualquer forma, de novembro até agora, o reajuste da gasolina foi de quase 4%, e de 9% do álcool.

No etanol, uma das explicações é a entressafra da cana-de-açúcar. Mas o dólar, que ultrapassou os R$ 4,30, também pesa na conta.

“Há componentes como fertilizantes, que são muito impactados por taxa de câmbio, herbicidas, produtos de proteção ao cultivo e o próprio diesel, que é utilizado no transporte de cana-de-açúcar, que também sofre efeito do câmbio”, explicou Plínio Nastari, presidente da DATAGRO.

Já a gasolina, esse combustível leva etanol na composição, que representa quase 15% do preço final que a gente paga na bomba. E ainda tem a disparada do dólar que também foi determinante.

“A política de preços da Petrobras, desde o final de 2016, é atrelar o preço da gasolina e do diesel ao preço do petróleo do mercado internacional e às variações cambiais. Você faz um reajuste pelo dólar e também pelo preço do petróleo no mercado internacional. Não se usou o preço do petróleo no mercado, mas se usou o dólar para fazer um ajuste”, explicou Fernanda Delgado, professora da FGV Energia.

Em um dos postos mais movimentados da Zona Norte do Rio de Janeiro, o litro da gasolina comum está custando R$ 5,19. Se você quiser encher o tanque de um carro médio, com mais ou menos 50 litros, vai custar R$ 259,90.

Ou seja: 25% de um salário mínimo. Isso, no Rio, que tem o preço médio mais alto do Brasil, seguido do Acre. Os menores preços estão no Amapá e em Roraima. O álcool mais caro está nas bombas do Rio Grande do Sul e do estado do Rio. O mais barato, em São Paulo e na Paraíba. Como fazer essa despesa caber no orçamento?

“Trabalhando mais com aplicativos, corretagem de imóveis. Eu sou aposentada. Estou me virando nos dez, nos 30, nos 40”, disse a motorista de aplicativo Marilena Borges.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/02


2020

Brumadinho: justiça aceita denúncia contra Vale e alemã TÜV Süd

Empresas são acusadas de homicídio doloso e crimes ambientais por rompimento de barragem em Brumadinho que deixou 270 mortos. Ex-presidente da Vale e outras 15 pessoas também se tornam réus. 

MP apontou conluio entre Vale e TÜV Südb - Foto: DW / Deutsche Welle

Por Deutsche Welle

A Justiça em Minas Gerais aceitou hoje a denúncia contra a mineradora Vale e a alemã TÜV Süd por homicídio doloso duplamente qualificado e por diversos crimes ambientais devido ao rompimento de uma barragem em Brumadinho, que deixou 270 mortos. Além das empresas, 16 pessoas ligadas às duas companhias também viraram réus.

Segundo a denúncia do Ministério Público (MP) de Minas Gerais, as duas empresas sabiam dos problemas da barragem na mina de Córrego do Feijão e atuaram juntas para escondê-los. A Vale tinha conhecimento da situação desde 2017. Já a TÜV Süd cedeu a pressão da mineradora e atestou a estabilidade da estrutura em troca de outros contratos.

As investigações sobre a tragédia indicam que os engenheiros da TÜV Süd sabiam que a barragem tinha problemas de segurança desde março de 2018. Um diretor da certificadora na Alemanha, que supervisionava a equipe brasileira e viajava cerca de uma vez por mês ao Brasil, teria sido informado sobre o caso e questionado pelos funcionários sobre como eles deveriam agir naquela situação.

Apesar das dúvidas quanto à segurança e da recomendação de um dos engenheiros para não confirmar a estabilidade, a TÜV Süd atestou a estabilidade da barragem em junho e setembro de 2018, poucos meses antes do rompimento da estrutura.

Segundo o inquérito, o presidente da Vale na época também sabia dos riscos de rompimento da barragem em Brumadinho. Dias antes da tragédia, ele teria determinado a retaliação de um funcionário que enviou um e-mail anônimo denunciando a situação da estrutura.

A investigação vasculhou os mais de 90 equipamentos apreendidos, entre computadores e celulares. Em um dos aparelhos, mensagens trocadas entre funcionários do alto escalão foram convertidas em 457 mil páginas de um PDF. Mais de 180 pessoas foram ouvidas.

Entre os acusados estão ainda o ex-presidente da Vale Fabio Schvartsman, executivos e funcionários da mineradora, além de um diretor alemão da TÜV Süd, Chris-Peter Meier, e quatro especialistas da certificadora. Todos vão responder por 270 homicídios dolosos e crimes ambientais.

Em nota, a TÜV Süd afirmou que lamenta a tragédia e disse que está comprometida para o esclarecimento sobre as causas ao desastre. "Continuamos oferecendo nossa cooperação às autoridades e instituições no Brasil e na Alemanha no contexto das investigações em andamento". A certificadora reiterou que não fornecerá mais informações enquanto essa apuração estiver em curso.

A defesa de Fabio Schvartsman afirmou que seu cliente é inocente e que as razões do rompimento ainda estão sendo investigadas pela Polícia Federal. "Todas as informações que chegaram ao então presidente eram de caráter geral, divulgadas na empresa por intermédio das áreas técnicas responsáveis pela manutenção e monitoramento das barragens, e davam conta de que todas as barragens estavam estáveis e em perfeito estado de conservação, sendo que o trabalho do corpo técnico chegou a ser elogiado pela auditoria e por consultores internacionais", diz a nota.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/02


2020

Sarampo em PE: Dia D reforça vacinação em crianças e jovens

Ação é voltada para o público dos 5 aos 19 anos. Postos de saúde abrem em horário especial no sábado (15).

Por G1 PE

Após o início da campanha de vacinação contra o sarampo em Pernambuco, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) realiza, amanhã, o Dia D da iniciativa, que busca imunizar o público de 5 a 19 anos. De acordo com o Ministério da Saúde, no estado, há 70 mil pessoas nessa faixa etária que precisam receber as doses.

De acordo com a SES, os municípios foram abastecidos, em fevereiro, com 147 mil doses da vacina contra o sarampo. Salas e postos volantes para imunizar a população ficarão abertos até o fim da tarde.

No Recife, cerca de 150 postos de saúde ficam abertos no sábado (15), das 8h às 17h, para imunizar o grupo que é foco desta etapa da campanha contra a doença. Os endereços dos postos abertos na capital pernambucana podem ser conferidos no site da prefeitura do Recife. 

Precisam receber a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, os pacientes que nunca tomaram ou não tenham comprovação de ter completado o esquema vacinal recomendado.

Até 1º de fevereiro, foram notificadas 52 suspeitas de sarampo em Pernambuco. Desse total, 11 casos tiveram confirmação e outros 17 acabaram descartados. As confirmações ocorreram nas cidades de Igarassu, Ipojuca, Olinda, Paulista, Recife e Sirinhaém.

Calendário vacinal

São consideradas vacinadas pessoas de 1 a 29 anos, com duas doses da vacina, pessoas de 30 a 49, anos com uma dose, e profissionais de saúde, com duas doses de tríplice viral.

De acordo com as autoridades de saúde, a imunização deve ser feita da seguinte forma: ao completar 1 ano, a criança deve tomar a primeira dose e, três meses depois, a segunda . Ou seja, as crianças a partir dos seis meses de idade precisam tomar três doses do imunizante.

A partir dos 2 anos, caso o menino ou menina ainda não tenha começado o esquema vacinal, duas doses devem ser aplicadas com um intervalo de um mês entre elas. As pessoas que têm entre 12 meses e 29 anos de idade devem tomar duas doses de tríplice viral com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.

O público de 30 anos a 49 anos, que ainda não foi imunizado, deve tomar uma dose da vacina. Os profissionais de saúde precisam de duas doses, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas, independentemente da idade.

Confira mais aqui: Sarampo em PernambucoDia D reforça campanha para ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/02


2020

China registra mais 139 mortes e 2,4 mil casos de coronavírus

Hubei tem mais 139 mortes e 2,4 mil novos casos confirmados de coronavírus. Nesta sexta-feira, Egito confirmou a primeira infecção da doença. É o primeiro caso na África.

 Foto: AFP/via G1

Por G1

A província de Hubei, epicentro do coronavírus na China, registrou mais 139 mortes e 2.420 casos confirmados da doença entre a  quinta-feira (13) e hoje. Mais de 38 mil pessoas estão em tratamento hospitalar e outras 77.323 estão sob observação médica. Apenas na região, são 54.406 pacientes com o vírus e 1.457 mortes desde o início do surto.

. Balanço preliminar total da China:
. Pelo menos 1.520 mortes
. Pelo menos 66.352 casos confirmados
. Dados de outras regiões chinesas ainda não foram contabilizados nesta sexta-feira

Mais cedo, o Egito confirmou o primeiro caso de Covid-19, a doença provovada pelo novo coronavírus. Com isso, já são 25 países em 5 continentes com registros suspeitos da doença (excluindo a China). Este caso é o primeiro da África.

Suspeitas no Brasil

O número de possíveis casos da doença no Brasil e em investigação caiu para 4, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (14). Os casos suspeitos em investigação estão: um em São Paulo, um no Paraná e dois no Rio Grande do Sul.

Desde o começo dos alertas, o país descartou 43 suspeitas da doença. Nenhuma infecção pelo 2019 n-CoV foi confirmada.

Confira a íntegra aqui: Hubei tem mais 139 mortes e 2,4 mil novos casos ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha